Unidade de injeo pde e edc scania blog

  • Published on
    08-Sep-2014

  • View
    658

  • Download
    6

DESCRIPTION

 

Transcript

  • Scania CV AB 2004, Sweden 1 714 494 03:04-09 Edio 1 pb Sistema de combustvel com unidade de injeo PDE e EDC S6 Descrio de funcionamento EDC S6 135261
  • ndice Importante ..................................................................................3 Generalidades ..................................................................................4 O trajeto do combustvel...........................................5 Quantidade de combustvel e sincronismo de injeo.......................................................................7 Componentes no sistema de combustvel Bomba de alimentao .............................................8 Bomba manual..........................................................9 Coletor de combustvel...........................................10 Vlvula de alvio da presso...................................10 Unidade de injeo .................................................11 Filtro de combustvel..............................................17 EDC Vista geral...............................................................18 Componentes no motor...........................................19 Componentes na rea do motorista.........................32 Sistema de aviso .....................................................38 Interao com outros sistemas................................42 ndice
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 3 Importante! As precaues de segurana e os avisos na descrio de servio devem ser lidos atentamente antes da execuo de qualquer servio. No permitido usar somente a descrio de funcionamento como base do trabalho. Importante
  • 4 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Generalidades UM sistema de combustvel com EDC, comando de injeo eletrnico e unidades de injeo PDE, Pumpe- Dse-Einheit, consiste alm das tubulaes e do tanque de combustvel nas seguintes peas. 1 Uma bomba de alimentao 2 Uma bomba manual 3 Uma unidade de comando eletrnica 4 Um filtro de combustvel 5 Uma unidade de injeo, do tipo PDE, por cilindro 6 Um coletor de combustvel 7 uma vlvula reguladora de presso O sistema de combustvel tambm inclui um sistema de controle eletrnico. O sistema de comando consiste - alm da unidade de comando - em vlvulas solenides da unidade de injeo, em sensores e outras unidades de comando, dentre outros componentes. Mais informaes sobre o sistema de controle eletrnico podem ser encontradas na seo EDC. Generalidades
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 5 O trajeto do combustvel A bomba de alimentao 1 extrai o combustvel do reservatrio, pressiona-o atravs do filtro de combustvel 2 e o insere no coletor de combustvel 3. Uma bomba manual 4 est localizada na bomba de alimentao. A bomba manual usada para sangrar o sistema de combustvel. H uma vlvula de alvio 5 no coletor de combustvel. Uma vlvula reguladora de presso regula constantemente a presso do combustvel. Se a presso estiver muito alta, a vlvula reguladora se abre para que o combustvel excedente seja drenado de volta para o reservatrio. O trilho de combustvel distribui o combustvel para as unidades de injeo em cada cabeote do cilindro. A unidade de comando do EDC controla quando as unidades de injeo devem injetar combustvel nos cilindros. Qualquer excesso de combustvel retornar ao reservatrio por meio de uma tubulao de retorno no pressurizada no coletor de combustvel. 134117 2 5 4 1 3 O trajeto do combustvel
  • 6 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Diagrama esquemtico do sistema de combustvel 1 2 3 D 4 E5 A B C A 6 134540 1 Bomba de alimentao 2 Bomba manual 3 Filtro de combustvel 4 Cilindros 5 Reservatrio de combustvel 6 Duto de combustvel para retorno e excesso de combustvel A Vlvula de reteno B Bomba de engrenagens (bomba de alimentao) C Vlvula de segurana D Vlvula de alvio E Unio de drenagem O trajeto do combustvel
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 7 Quantidade de combustvel e sincronismo de injeo Cada unidade de injeo consiste em um elemento da bomba, uma vlvula solenide e um bico. Desse modo, possvel controlar a injeo de combustvel de cada cilindro. O EDC (Comando de injeo eletrnico) o sistema eletrnico que controla no apenas a quantidade de combustvel que cada unidade de injeo deve injetar no cilindro como tambm quando elas devem injetar o combustvel. Com esse controle de injeo, possvel otimizar a combusto, o que, por sua vez, resulta em gases de escape mais limpos e em menor consumo de combustvel. O sistema EDC descrito neste mdulo destina-se ao S6. A unidade de comando o crebro do sistema EDC. A unidade de comando processa a informao dos sensores e componentes que fazem parte do sistema EDC e tambm das unidades de comando em outros sistemas. Depois de a unidade de comando ter processado a informao, ela transmite sinais para as unidades de injeo. Os sinais controlam a injeo de combustvel. O sistema EDC torna possveis funes como controle de cruzeiro, acelerador manual, limitador de velocidade, limitador de fumaa e um esquema especial de partida a frio. Quantidade de combustvel e sincronismo de injeo
  • 8 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Componentes no sistema de combustvel Bomba de alimentao A bomba de alimentao do tipo engrenagens est localizada na extremidade traseira do compressor de ar e acionada pela rvore de manivelas do compressor. Sua capacidade ajustada para proporcionar a presso e a taxa de fluxo corretas para todas as unidades de injeo. O orifcio feito no flange da bomba de alimentao usado para indicar vazamentos. Posio da bomba de alimentao 134590 Componentes no sistema de combustvel
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 9 Bomba manual A bomba manual posicionada na extremidade traseira da bomba de alimentao e usada para sangrar o sistema de combustvel. Em nibus, a posio da bomba manual permite acess-la facilmente atravs da porta traseira do compartimento do motor. Posio da bomba manual na bomba de alimentao em caminhes. 134588 Posio da bomba manual em nibus. Componentes no sistema de combustvel
  • 10 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Coletor de combustvel O coletor de combustvel distribui o combustvel para as unidades de injeo de cada cabeote do cilindro. O coletor de combustvel apertado com parafusos banjo conectados tubulao de retorno ligada ao reservatrio de combustvel. Vlvula reguladora de presso A vlvula reguladora de presso est posicionada no coletor de combustvel. A vlvula reguladora controla a presso de alimentao no sistema de combustvel. Posio da vlvula reguladora de presso em caminhes 134162 Componentes no sistema de combustvel
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 11 Unidade de injeo Generalidades H uma unidade de injeo para cada cilindro. A unidade de injeo posicionada no centro do cabeote do cilindro entre as quatro vlvulas. A unidade de injeo um elemento da bomba que forma uma s unidade com o bico injetor. Ela acionada pelo eixo de comando do motor. O acionamento transferido do eixo de comando atravs de um tucho, haste do tucho e balancim para a unidade de injeo. Qualquer excesso de combustvel remanescente na unidade de injeo retornar ao reservatrio por meio do duto destinado ao combustvel excedente (A). Um duto de combustvel passa atravs da carcaa da vlvula que apresenta fluxo constante de combustvel. O combustvel que flui atravs da unidade de injeo funciona como um lquido de arrefecimento na unidade de injeo. O combustvel aquecido retorna ao reservatrio pelo duto para retorno do combustvel (B). 1 Seo da bomba 2 Seo do injetor 3 Carcaa da vlvula A Um duto para o combustvel excedente B Duto para o retorno do combustvel Componentes no sistema de combustvel
  • 12 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 A unidade de injeo consiste em trs partes principais. Seo da bomba, contendo cilindro e mbolo, correspondendo ao elemento da bomba em uma bomba injetora. Seo do injetor, com mola, luva e agulha do bico. Carcaa da vlvula, com uma vlvula de combustvel controlada eletromagneticamente. A parte inferior da unidade de injeo instalada em uma luva de ao com a arruela de cobre repousando contra o fundo do cabeote do cilindro, semelhante a um injetor comum. A parte superior da unidade de injeo, com mola de compresso e carcaa da vlvula, est posicionada acima do cabeote do cilindro. O sincronismo de injeo e a quantidade de combustvel a ser injetado so determinados pela unidade de comando. A unidade de comando controla a vlvula de combustvel eletromagntica na carcaa da vlvula da unidade de injeo. O tempo de abertura do injetor (sincronismo de injeo) determina a quantidade de combustvel que ser injetada no cilindro. Qualquer excesso de combustvel da unidade de injeo flui para o coletor de combustvel atravs do duto no cabeo do cilindro. O combustvel entra na tubulao de retorno no coletor de combustvel atravs de um npel banjo na vlvula de alvio e retorna para o reservatrio de combustvel. Componentes no sistema de combustvel
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 13 Fase de enchimento Durante a fase de enchimento, o mbolo da bomba 2 sobe at sua posio mais alta. O ponto mais alto do came no eixo de comando passou e o tucho se move em direo ao crculo bsico do eixo de comando. A vlvula de combustvel 1 est na posio aberta e o combustvel pode fluir no cilindro da bomba a partir do duto de combustvel 3. O enchimento continua at o mbolo da bomba atingir sua posio mais alta. 1 Vlvula de combustvel 2 mbolo da bomba 3 Duto de combustvel, entrada 4 Duto de combustvel, sada 1 2 3 134141 4 Componentes no sistema de combustvel
  • 14 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Fase de derramamento A fase de derramamento comea quando o eixo de comando alcana a posio na qual o came no eixo de comando comea a pressionar o mbolo da bomba 2 para baixo por meio do tucho, haste do tucho e balancim. O combustvel agora pode fluir pela vlvula de combustvel 1, pelo orifcio na unidade de injeo e para fora pelo duto de combustvel 4. A fase de derramamento continuar enquanto a vlvula de combustvel 1 permanecer aberta. 1 Vlvula de combustvel 2 mbolo da bomba 3 Duto de combustvel, entrada 4 Duto de combustvel, sada 134142 1 2 3 4 Componentes no sistema de combustvel
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 15 Fase de injeo A fase de injeo comea quando a vlvula de combustvel 1 se fecha. A vlvula de combustvel se fecha quando a vlvula solenide recebe tenso. O came no eixo de comando continua a pressionar para baixo o mbolo da bomba 2 por meio do balancim e a injeo ocorre porque a passagem atravs da vlvula de combustvel est fechada. A fase de injeo continuar enquanto a vlvula de combustvel 1 permanecer fechada. 1 Vlvula de combustvel 2 mbolo da bomba 3 Duto de combustvel, entrada 4 Duto de combustvel, sada 134143 1 2 3 4 Componentes no sistema de combustvel
  • 16 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Fase de reduo da presso A injeo pra quando a vlvula de combustvel 1 se abre e a presso na unidade de injeo cai abaixo da presso de abertura do bico injetor. O combustvel flui atravs da vlvula de combustvel aberta 1, pelo orifcio na unidade de injeo e para fora atravs do duto de combustvel 4. A posio fechada ou aberta da vlvula de combustvel que determina quando que a injeo deve comear e terminar. O tempo que a vlvula de combustvel permanece fechada determina a quantidade de combustvel injetada durante cada curso da bomba. 1 Vlvula de combustvel 2 mbolo da bomba 3 Duto de combustvel, entrada 4 Duto de combustvel, sada 134144 1 2 3 4 Componentes no sistema de combustvel
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 17 Filtro de combustvel O filtro de combustvel um filtro de insero com um elemento do filtro. O elemento preso na tampa e quando o filtro removido, a carcaa do filtro drenada automaticamente. Posio do filtro de combustvel 134587 Entradas e sadas do filtro de combustvel em caminhes 1 Npel de sangria 2 Entrada 3 Sada 4 Retorno ao reservatrio de combustvel 5 Retorno do coletor de combustvel Entradas e sadas do filtro de combustvel em nibus 1 Npel de sangria 2 Entrada 3 Sada 4 Npel de sangria (usado quando o tanque de combustvel est muito alto para que o outro npel de sangria seja utilizado.) Componentes no sistema de combustvel
  • 18 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 EDC S6 Vista geral A figura abaixo mostra os componentes e sistemas com os quais a unidade de comando do EDC se comunica. A comunicao com determinados componentes se realiza atravs do coordenador. 3 4 5 6 1 78 2 PDE 134253 9 1 Dois sensores de rotaes do motor 2 Sensor de temperatura e presso do ar de admisso 3 Sensor de temperatura do lquido de arrefecimento 4 Sensor da presso do leo 5 Vlvulas solenide da unidade de injeo, uma por cilindro. 6 Coordenador que conecta a unidade de comando do EDC aos componentes na rea do motorista. 7 Unidade de comando do Opticruise 8 Unidade de comando do Retarder 9 Unidade de comando para ABS/TC e EBS Vista geral
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 19 Componentes no motor Sensores de rotaes do motor, T74 e T75 1 Sensor de rotaes do motor 1, T74 2 Sensor de rotaes do motor 2, T75 134591 T74T75 Posio do sensor de rotaes do motor. O detalhe mostra alguns dos orifcios no volante que so detectados pelos sensores de rotaes do motor. H dois sensores de rotaes do motor no sistema EDC: sensor de rotaes do motor 1 e sensor de rotaes do motor 2. Os sensores so indutivos. Isso significa que eles s produzem sinais quando o motor estiver em funcionamento. A fora do sinal varia significativamente, dependendo da folga de ar entre os sensores e o volante, bem como das rotaes do motor. O sistema EDC efetua uma estimativa da intensidade do sinal a diferentes rotaes do motor. Um cdigo de falha ser gerado se a fora do sinal se tornar muito baixa. Tanto o sensor de rotaes do motor 1 quanto o sensor de rotaes do motor 2 lem a posio do volante. Isso significa que o sistema no pode determinar em qual das duas possveis revolues que o motor se encontra, ou seja, se, por exemplo, o cilindro 1 ou o cilindro 6 se encontra na posio de ignio. A posio do motor armazenada cada vez que o motor desligado e a tenso cortada. Na prxima vez em que a tenso for ligada, a posio armazenada do motor ser utilizada para determinar em qual revoluo o motor se encontra. Quando dada a partida no motor, uma verificao do sistema efetuada para verificar se a posio armazenada est correta. Componentes no motor
  • 20 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 A unidade de comando do EDC recebe sinais de ambos os sensores de rotaes do motor. Se a unidade de comando receber um sinal de falha ou nenhum sinal de qualquer um dos sensores de rotaes do motor, o torque do motor ser limitado por razes de segurana. Se a unidade de comando receber um sinal correto, o motor funcionar normalmente de novo. Se a unidade de comando receber um sinal de falha ou nenhum sinal de ambos os sensores de rotaes, o motor no poder ser ligado. Se o motor estiver funcionando, ele ser desligado. Os sensores de rotaes do motor detectam os orifcios no volante, quando esse girado, e enviam pulsos referentes a cada orifcio para a unidade de comando. Isso permite unidade de comando calcular a posio do motor no ciclo de operao. A unidade de comando capta e compara as rotaes do motor na combusto em cada cilindro. A unidade de comando procura manter acelerao constante em cada cilindro, ajustando o volume de combustvel individualmente para cada cilindro. O espao entre dois dos orifcios maior que o espao entre os orifcios restantes. Quando a unidade de comando capta que o maior intervalo passa pelo sensor, ela sabe que o volante est numa posio especfica em relao ao ponto morto superior (TDC UP). Se a unidade de comando detectar qualquer falha, um ou mais cdigos de falha ser(o) gerado(s). Conexes do sensor de rotaes do motor para a unidade de comando E44 do EDC. 21 T 74 T 75 21 1 2 1 2 118080 E44 n n A5 A6 Componentes no motor
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 21 Sensores de temperatura e de presso do ar de admisso, T47 Posio do sensor 134567 T47 Os sensores de temperatura e de presso do ar de admisso vm integrados em um s componente. Ambos sensores esto descritos com mais detalhes na pgina a seguir. Conexo do sensor unidade de comando E44 do EDC. 1 23 4 118081 T 47 1 2 3 4 E44 P/ A10 Componentes no motor
  • 22 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Sensor da presso do ar de admisso O sensor de presso do ar de admisso detecta a presso absoluta no coletor de admisso, isto , a presso atmosfrica mais a presso positiva fornecida pelo turbocompressor. A unidade de comando do EDC usa o sinal proveniente do sensor para limitar o volume de combustvel quando a presso do ar de admisso estiver abaixo de um determinado nvel. Quanto menor a presso, menos combustvel a unidade de comando permite sair para as unidades de injeo. Desse modo, evita-se fumaa preta. A unidade de comando l a tenso proveniente do sensor. A tenso do sinal diretamente proporcional presso do ar de admisso. Uma presso alta provoca uma tenso alta e vice- versa. Dependendo de fatores como ativao do acelerador, rotao do motor, acelerao do motor e temperatura do ar de admisso, a unidade de comando esperar um certo valor para a presso do ar de admisso. O desvio entre a presso do ar de admisso atual e a presso esperada pela unidade de comando pode ser lido no Scania Diagnos. Se houver falhas no sinal, ser gerado um cdigo de falha. A unidade de comando operar ento de acordo com um valor de presso pr- programado. O torque do motor ento limitado como uma medida de segurana. Sensor da temperatura do ar de admisso O sensor de temperatura do ar de admisso detecta a temperatura no coletor de admisso. A unidade de comando do EDC usa o sinal proveniente do sensor para ajustar com preciso a quantidade de combustvel evitar a gerao de fumaa preta. Quanto mais quente for o ar de admisso, menos combustvel a unidade de comando permite sair para as unidades de injeo. O sensor do tipo NTC, o que significa que sua resistncia depende da temperatura. Se a temperatura aumenta, a resistncia no sensor diminui. Se houver tenso fora de uma determinada faixa, a unidade de comando operar de acordo com um valor de temperatura pr-programado e um cdigo de falha ser gerado ao mesmo tempo. O motor reagir mais lentamente que o normal ao ativar o acelerador em baixas temperaturas, visto que a unidade de comando do EDC considera que o ar est mais quente do que realmente est. Componentes no motor
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 23 Sensor de temperatura do lquido de arrefecimento, T33 Posio do sensor de temperatura do lquido de arrefecimento 134166 T33 O sensor de temperatura do lquido de arrefecimento afeta o volume de combustvel e o sincronismo de injeo na partida do motor e quando o motor est frio. Ele tambm afeta a rotao de marcha lenta e a rotao mxima do motor, quando o motor est frio, e a potncia do motor, quando o motor est muito quente. Se o sensor de temperatura do lquido de arrefecimento captar que o motor est frio ao tentar dar a partida (a frio), ocorrer o seguinte. Se o motor no der a partida dentro de 2 segundos, a quantidade de combustvel injetada aumentar sucessivamente at que o motor comece a funcionar. Diretamente aps a partida a frio, a rotao do motor limitada a 1000 rpm a fim de proteger o motor e a rotao de marcha lenta elevada a 600 rpm. O tempo em que a limitao das rotaes do motor permanece acionada varia de acordo com a temperatura do lquido de arrefecimento: A rotao de marcha lenta do motor volta ao normal quando o lquido de arrefecimento atinge 20 - 60 C (o limite de temperatura difere entre os tipos de motor). Abaixo de +10 C 30 segundos Acima de +20 C 3 segundos Conexes do sensor de temperatura do lquido de arrefecimento para a unidade de comando E44 do EDC. 1 2 T 33 1 2 118082 E44 A7 Componentes no motor
  • 24 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Em alguns motores, a potncia do motor limitada quando a temperatura do lquido de arrefecimento ultrapassa 104 C. Consulte o diagrama. A potncia do motor limitada para evitar que o motor superaquea, gerando, ao mesmo tempo, um cdigo de falha. A unidade de comando l a tenso proveniente do sensor. Se a tenso estiver fora de uma determinada faixa, a unidade de comando operar de acordo com um valor de temperatura pr-programado. O motor ter ento caractersticas de partida a frio mais fracas e emitir mais fumaa branca no frio. 104 106 100 o/ o o C 118488 Componentes no motor
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 25 Sensor de presso do leo, T5 O sensor de presso do leo registra a presso do leo do motor. A unidade de comando do EDC l a tenso proveniente do sensor. Se a tenso de sinal estiver fora de uma determinada faixa, o sensor de presso do leo no painel de instrumentos mostrar 0 bar, independentemente da rotao do motor, e um cdigo de falha ser gerado ao mesmo tempo. A unidade de comando do EDC espera uma determinada presso do leo dependendo das rotaes do motor. Abaixo de 1000 rpm, a presso do leo deve estar em um determinado nvel. Acima de 1000 rpm, a presso do leo deve estar em um nvel mais alto para fornecer presso de leo suficiente para o arrefecimento do pisto, etc. Se a presso do leo estiver abaixo do valor permitido, a lmpada de presso do leo se acender. Portanto, a lmpada de presso do leo se acende em nveis de presso diferentes, dependendo das rotaes do motor. Posio do sensor de presso do leo 134167 T5 Conexo do sensor da presso do leo unidade de comando E44 do EDC. 32 4 1 2 3 4 118083 T 5 E44 P/ A9 Componentes no motor
  • 26 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Unidade de comando E44 do EDC Posio da unidade de comando do motor 134585 E44 A unidade de comando do EDC coleta as informaes processadas em sinais que controlam as vlvulas solenide do volume de combustvel e do sincronismo de injeo. O sistema eltrico do veculo tem uma tenso de sistema de +24 V e est ligado massa atravs do chassi. A unidade de comando converte a tenso do sistema para uma tenso mais baixa de aproximadamente 5 V, que fornecida aos sensores, etc. Esses sensores esto sempre ligados massa atravs da unidade de comando. A unidade de comando pode ser configurada com o Scania Programmer. possvel configurar, por exemplo, uma rotao mxima. Toda vez que a unidade de comando configurada, a data e o nmero de identificao de VCI so armazenados na memria da unidade de comando. Isso equivale vedao de segurana. Componentes no motor
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 27 Grupo de sensores Juntos, o sensor de temperatura do lquido de arrefecimento, T33, e o sensor de presso e temperatura do ar de admisso, T47, formam um grupo de sensores. Isso significa que o fornecimento de tenso da unidade de comando comum a ambos sensores. Por exemplo, se entrar em curto, um sensor tambm poder afetar o outro. O grupo de sensores inclui: Sensor de temperatura do lquido de arrefecimento, T33 Sensor de presso do ar de admisso, T47 Sensor de temperatura do ar de admisso, T47 Alimentao de tenso para os sensores 134118 T33 E44 A7 A10 1 T47 1 4 1 1 4 P Componentes no motor
  • 28 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Unidade de comando do EDC, conexes A unidade de comando do EDC conectada a outros sistemas EDC no veculo atravs dos conectores A e B. Veja a ilustrao. 1 2 3 5 7 6 8 9 10 4 5 4 3 2 1 2 1 2 1 2 1 2 1 10 9 8 7 B 6 5 4 3 2 1 5 4 3 2 1 5 4 3 2 1 10 9 8 7 6 1 2 3 5 7 6 8 9 10 4 5 4 3 2 1 2 1 2 1 2 1 2 1 10 9 8 7 A 6 5 4 3 2 1 5 4 3 2 1 5 4 3 2 1 10 9 8 7 6 134147 Componentes no motor
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 29 Abaixo est a ilustrao de como os pinos esto conectados. Conectores Pino A1 1 Alimentao de tenso, +24 V vlvula solenide para o cilindro 2, (V16). A1 2 Alimentao de tenso, +24 V vlvula solenide para o cilindro 5, (V28). A1 3 No usado. A1 4 No usado. A1 5 No usado. A1 6 Ligao massa da vlvula solenide para o cilindro 2, (V16). A1 7 Ligao massa da vlvula solenide para o cilindro 5, (V28). A1 8 No usado. A1 9 No usado. A1 10 No usado. A2 1-10 No usado. A3 1-2 No usado. A4 1-2 No usado. A5 1 Sinal de entrada proveniente do sensor de rotaes do motor 1, (T74). A5 2 Sinal de entrada proveniente do sensor de rotaes do motor 1, (T74). A6 1 Sinal de entrada proveniente do sensor de rotaes do motor 2, (T75). A6 2 Sinal de entrada proveniente do sensor de rotaes do motor 2, (T75). A7 1 Sinal de entrada proveniente do sensor de temperatura do lquido de arrefecimento, (T33). A7 2 Massa para o sensor de temperatura do lquido de arrefecimento, (T33). A8 1-2 No usado. A9 1 No usado. A9 2 Alimentao de tenso, +5 V ao sensor de presso de leo, (T5). Componentes no motor
  • 30 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 A9 3 Sinal de entrada do sensor de presso do leo, (T5). A unidade de comando detecta o nvel de tenso entre os pinos 3 e 4. A9 4 Massa para o sensor de presso de leo, (T5). A9 5 No usado. A10 1 Tenso de alimentao, +5V para o sensor de temperatura e de presso do ar de admisso, (T47). A10 2 Sinal de entrada proveniente do sensor de presso do ar de admisso, (T47). A unidade de comando detecta o nvel de tenso entre os pinos 2 e 3. A10 3 Ligao massa do sensor de presso e de temperatura do ar de admisso, (T47). A10 4 Sinal de entrada proveniente do sensor de temperatura do ar de admisso, (T47). A unidade de comando detecta o nvel de tenso entre os pinos 3 e 4. A10 5 No usado. B1 1 Alimentao de tenso, +24 V para a unidade de comando. B1 2 Ligao massa da unidade de comando ao chassi. B1 3 Sinal de entrada de +24 V proveniente do bloqueio de partida (quando a chave est na posio de conduo). B1 4 No usado. B1 5 No usado. B1 6 Alimentao de tenso, +24 V para a unidade de comando. B1 7 Ligao massa da unidade de comando ao chassi. B1 8 No usado. B1 9 Comunicao CAN, cabo H B1 10 Comunicao CAN, cabo L B2 1 Alimentao de tenso, +24 V vlvula solenide para o cilindro 1, (V14). B2 2 Alimentao de tenso, +24 V vlvula solenide para o cilindro 4, (V26). B2 3 No usado. B2 4 Alimentao de tenso, +24 V vlvula solenide para o cilindro 3, (V15). B2 5 No usado. B2 6 Ligao massa da vlvula solenide para o cilindro 1, (V14). Conectores Pino Componentes no motor
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 31 B2 7 Ligao massa da vlvula solenide para o cilindro 4, (V26). B2 8 No usado. B2 9 Ligao massa da vlvula solenide para o cilindro 3, (V15). B2 10 No usado. B3 1-2 No usado. B4 1-2 No usado. B5 1-2 No usado. B6 1-2 No usado. B7 1-2 No usado. B8 1-2 No usado. B9 1-5 No usado. B10 1-5 No usado. Conectores Pino Componentes no motor
  • 32 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Componentes na rea do motorista Os componentes na rea do motorista pertencem ao coordenador. Desse modo, a unidade de comando do EDC s receber uma mensagem CAN sobre o status do componente. Os componentes esto descritos na descrio de funcionamento do coordenador. Abaixo h uma descrio breve sobre como a unidade de comando do EDC usa a informao proveniente do coordenador. Sensor do pedal do acelerador A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre a posio do pedal do acelerador. A unidade de comando do EDC usa a informao para controlar as vlvulas solenide do volume de combustvel e do sincronismo de injeo. Comando do controle de cruzeiro S51 A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre os ajustes do controle de cruzeiro. A unidade de comando do EDC interpreta a informao como uma definio desejada para a velocidade do veculo ou para as rotaes do motor e regula a velocidade do veculo ou as rotaes do motor. Interruptores do pedal de freio A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre o status dos interruptores do pedal de freio. A unidade de comando usa a informao para controlar determinadas funes, como o controle de cruzeiro. Interruptor do pedal da embreagem A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre o status dos interruptores do pedal da embreagem. A unidade de comando usa a informao para controlar determinadas funes, como o controle de cruzeiro. Componentes na rea do motorista
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 33 Tacgrafo O4 A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre a velocidade do veculo. O sensor de velocidade do veculo uma precondio para determinadas funes, como o controle de cruzeiro e a limitao de velocidade. Se a unidade de comando do EDC no tiver qualquer informao sobre a velocidade do veculo, ela funcionar de acordo com a velocidade pr-programada de 15 km/h. Luz de advertncia do EDC, W27 A unidade de comando do EDC informa ao coordenador se a lmpada indicadora deve ser acesa ou no. A lmpada indicadora se acende por alguns segundos quando a ignio ligada para assegurar que est funcionando. Quando o motor desligado, a lmpada indicadora se acende enquanto a unidade de comando do EDC efetua uma verificao de funcionamento do sistema EDC. Quando a verificao estiver concluda, a luz se apagar. Quando o motor est em funcionamento, a luz de advertncia deve estar normalmente apagada. Se houver uma falha no sistema EDC, a luz de advertncia se acender. Quando ocorre uma falha grave na unidade de comando, a lmpada indicadora pisca continuamente e o veculo no pode ser ligado. Desse modo, impossvel estabelecer contato com a unidade de comando. A unidade de comando deve ser substituda. Componentes na rea do motorista
  • 34 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Controle de cruzeiro Controle de cruzeiro Nota: Ajuste o interruptor na posio OFF quando o controle de cruzeiro no estiver sendo usado. Se o interruptor estiver na posio ON, o controle de cruzeiro poder ser acionado por engano. Abaixo h uma descrio das funes do controle de cruzeiro. Conexo A velocidade na estrada deve ser de pelo menos 20 - 35 km/h (o limite de velocidade varia entre os tipos de motor) para que o controle de cruzeiro seja utilizado. 1 Colocar o interruptor em ON. 2 Conduza velocidade desejada. Pressione o boto ACC ou RET para ativar o controle de cruzeiro e solte o pedal do acelerador. Ajuste da velocidade de estrada Altere a velocidade de estrada ajustada utili- zando os botes ACC ou RET. Solte o boto ACC/RET quando atingir a velocidade de estrada desejada. Para alterar a velocidade em 1 km/h, pressione e solte o boto uma vez. ON Ligado OFF Desligado ACC Acelerar RET Desacelerar (reduz a velocidade do veculo) RES Retomar a velocidade selecionada 03_0767 Componentes na rea do motorista
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 35 Desativar Para desativar o controle de cruzeiro, acione um dos seguintes componentes: Retarder ou freio motor Interruptor do controle de cruzeiro. Pressione o interruptor devagar para a posio OFF (a posio carregada por mola). Pedal do freio Pedal da embreagem Pedal do acelerador - maior velocidade do veculo do que o valor definido durante pelo menos 30 segundos Retomada da velocidade definida Depois de frear, por exemplo, selecione fcil e rapidamente a velocidade anterior pressionando o boto RES. O valor ajustado anteriormente armazenado at o motor ser desligado ou um novo valor ser selecionado. Componentes na rea do motorista
  • 36 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Acelerador manual O acelerador manual usado para definir a rotao do motor desejada, por exemplo, quando se opera um guindaste e definido atravs do controle de cruzeiro. O acelerador manual pode ser usado em veculos parados ou conduzidos em baixa velocidade, a no mximo 10 km/h. Se for necessrio conduzir o veculo, uma marcha dever ser engrenada e o pedal da embreagem dever ser liberado antes que o acelerador manual possa ser usado. Conexo 1 Coloque o interruptor do controle de cruzeiro na posio ON. 2 Pressione o boto RES e o motor manter a rotao previamente selecionada. 3 Pressione o boto ACC ou RET para selecionar uma nova rotao do motor. 4 Em seguida, pressione o boto RES por pelo menos trs segundos para armazenar a rotao do motor. A rotao do motor permanece armazenada at que um novo valor seja definido, mesmo quando o motor desligado. Comutao para a rotao de marcha lenta Pressione OFF ou pressione o pedal do freio ou o da embreagem ou ative o freio motor ou o retarder. 03_0767 Componentes na rea do motorista
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 37 Ajuste da rotao de marcha lenta A rotao de marcha lenta do motor pode ser ajustada entre 500 e 700rpm. O ajuste feito atravs do controle de cruzeiro. De modo geral, a marcha lenta deve ser a rotao mais baixa na qual o motor funciona sem intercorrncias. Durante seu ajuste, o pedal do freio deve ser pressionado e o motor deve estar aquecido (temperatura do lquido de arrefecimento acima de +40 C). 1 Deixe o motor funcionar at atingir a temperatura normal de operao. 2 Coloque o interruptor do controle de cruzeiro na posio ON. 3 Pressione o pedal do freio e mantenha-o pressionado at regular a rotao do motor. 4 Pressione o boto RES por pelo menos trs segundos. Isso definir o ajuste bsico em 500 rpm 5 Para regular a rotao de marcha lenta desejada, pressione o boto ACC ou RET. Cada presso em um desses botes corresponde a 10 rpm. 6 Pressione o boto RES por pelo menos trs segundos. Agora a rotao do motor est ajustada. 7 O pedal do freio pode ser liberado. A rotao de marcha lenta permanece armazenada at que um novo valor seja definido, mesmo quando o motor desligado. Componentes na rea do motorista
  • 38 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Sistema de aviso Generalidades Luz de advertncia do EDC, caminho 1 2 106448 EDC Se ocorrer uma falha no sistema EDC, a unidade de comando do EDC poder executar uma ou mais das seguintes medidas, dependendo da falha detectada. A luz de advertncia o EDC se acende. Ela quase sempre se apaga sozinha quando a falha desaparece. No entanto, determinadas falhas requerem que a ignio seja desligada e ligada ou que o motor seja desligado e ligado novamente para que as respectivas luzes se apaguem. Funes como controle de cruzeiro e acelerador manual so desativadas. O torque limitado. Na marcha lenta, o motor funciona a uma rotao um pouco mais alta do que a normal. O motor est desligado. O motor ser forado a funcionar em mar- cha lenta. A unidade de comando executa as medidas acima para impedir que a falha provoque danos muito dispendiosos e, na pior das hipteses, leve a uma atuao descontrolada do acelerador. Quando o motor no desligado, quase sempre possvel conduzir o veculo a uma oficina. Entretanto, importante lembrar-se de que, nes- sas condies, o sistema tem margens de segu- rana menores que o normal, especialmente se o rendimento do motor for reduzido. Sistema de aviso
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 39 Teste de corte de alimentao Toda vez que o motor desligado, a unidade de comando do EDC executa um teste especial do sistema EDC. Enquanto esse teste de corte de alimentao est em andamento, a luz de advertncia permanece acesa. Quando a verificao estiver concluda, ocorrer o seguinte: A unidade de comando desligada e a luz se apaga. A unidade de comando recebe tenso da bateria o tempo todo. Se a unidade de comando descobrir uma falha durante o teste de corte de alimentao, a luz de advertncia se acender na prxima vez que o motor for ligado, mesmo se a falha j estiver reparada. necessrio que a unidade de comando execute um teste de corte de alimentao sem falhas para que a luz de advertncia se apague. Sistema de aviso
  • 40 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Cdigos de falha Quando descobre uma falha, ou algo que interprete como anormal, a unidade de comando gera um cdigo de falha. O sistema de aviso pode gerar aproximadamente 125 cdigos de falha diferentes. Um cdigo intermitente no EDC S6 corresponde a vrios cdigos de falha diferentes. Disposio dos cdigos intermitentes Os cdigos intermitentes emitidos pela luz de diagnstico so dispostos de uma determinada forma. As piscadas longas -1 segundo - mostradas primeiro representam as dezenas. As piscadas curtas - 0,3 segundos - que seguem representam as unidades. O exemplo direita simboliza o cdigo 25. 106157 Uma piscada muito longa de 4 segundos indica que no h cdigos de falha armazenados na memria. 106158 Sistema de aviso
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 41 Memria de cdigos de falha A memria da unidade de comando do EDC tem espao suficiente para armazenar um mximo de 40 cdigos de falha. Os cdigos de falha so armazenados em dois locais diferentes na unidade de comando. Quando usado para apagar, o interruptor de diagnstico apaga os cdigos de falha exibidos pela lmpada de diagnstico. No entanto, os cdigos de falha permanecero armazenados em outra memria que s pode ser acessada com o Scania Diagnos. O Scania Diagnos pode ser usado para verificar quantas vezes cada falha ocorreu. Essa informao pode ser valiosa, por exemplo, em relao a uma conexo solta. O Scania Diagnos usado para apagar as duas memrias de cdigos de falha ao mesmo tempo. Modo de funcionamento limitado Se o potencimetro do sensor do pedal do acelerador falhar, um cdigo de falha ser gerado no coordenador. Um cdigo de falha tambm ser gerado na unidade de comando do EDC para informar que existe uma falha no coordenador. No entanto, o veculo pode ser conduzido at a oficina mais prxima no modo de funcionamento limitado. Para ativar o modo de funcionamento limitado, libere o pedal do acelerador uma vez de modo que a unidade de comando do EDC reconhea que o interruptor de atuao do acelerador funciona. Quando o pedal do acelerador for pressionado, o interruptor de atuao do acelerador ser fechado. O interruptor de atuao do acelerador fechado gera uma atuao do acelerador equivalente metade da acelerao completa. Quando o pedal do acelerador for liberado, o motor funcionar velocidade de marcha lenta. Se o interruptor da marcha lenta estiver com falha, o motor funcionar a 750 rpm. Sistema de aviso
  • 42 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Interao com outros sistemas ABS/TC e EBS O sistema ABS/TC influencia o sistema EDC e vice-versa. A unidade de comando do ABS/TC capta continuamente se uma das rodas motrizes est girando. O comando do motor TC ativado quando as rodas motrizes giram e a atuao do acelerador ento reduzida, independentemente da posio do pedal do acelerador, at que parem de girar. A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre a posio do pedal do acelerador. A unidade de comando do EDC encaminha a informao sobre a posio do pedal do acelerador para a unidade de comando do ABS/TC. As unidades de comando do EBS e ABS/TC comunicam-se com a unidade de comando do EDC da mesma forma. Opticruise Opticruise influencia o sistema EDC e vice- versa. A unidade de comando do Opticruise recebe continuamente informaes da unidade de comando do EDC sobre dados como as rotaes do motor ou a posio do pedal do acelerador. A unidade de comando do EDC recebe uma mensagem CAN do coordenador sobre a posio do pedal do acelerador. Durante a mudana de marcha, a unidade de comando do Opticruise assume o controle do sistema EDC e controla a atuao do acelerador. Interao com outros sistemas
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 43 Freio motor O freio motor influencia o sistema EDC, mas no o contrrio. Quando o freio motor ativado, uma mensagem enviada unidade de comando do EDC, que desativa o controle de cruzeiro. Quando o freio motor ativado atravs do pedal do freio, o fornecimento de combustvel desligado. Retarder O retarder influencia o sistema EDC e vice- versa. Quando o retarder ativado, uma mensagem enviada unidade de comando do EDC, que desativa o controle de cruzeiro. Se o pedal do acelerador for acionado enquanto o retarder estiver ativado, o retarder ser desativado imediatamente e o veculo responder ao pedal do acelerador. Interao com outros sistemas
  • 44 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09 Sinais PWM Nota: Um sinal PWM no pode ser medido com confiana com um multmetro comum. Em seu lugar, use os cdigos de falha para localizar a causa de quaisquer funcionamentos incorretos possveis. PWM (Pulse Width Modulated) significa que um sinal modulado pela largura da pulsao. O sinal PWM uma onda quadrada com uma freqncia constante (T). O nvel de tenso (U) tambm constante; o que varia o tempo de ativao calculado como uma porcentagem de cada ciclo (o ciclo mostrado como 100% nas ilustraes). O sinal PWM transmite informaes muito precisas. U T 10% 100% 106159 U T 100% 90% 106160 Interao com outros sistemas
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 45 Comunicao CAN Nota: Construtores de carroceria e encarroadores no devem conectar seus prprios sistemas rede CAN sem a aprovao da Scania. Se qualquer outro equipamento no instalado na fbrica for conectado, a segurana e a confiabilidade podero ser afetadas. Nota: No possvel medir ou verificar mensagens CAN com um multmetro. Use os cdigos de falha para localizar a causa de possveis funcionamentos incorretos. CAN a abreviatura de Controller Area Network (rede de controle de rea). A comunicao CAN usada para reduzir o nmero de cabos no veculo e, ao mesmo tempo, aumentar a confiana. O circuito de comunicao consiste em dois cabos, CAN H (alto) e CAN L (baixo). Vrios sistemas diferentes so conectados a esses cabos e, dessa forma, formam uma rede. A comunicao CAN usada, por exemplo, entre o EDC, o ABS/TC, o EBS, o retardador, o Opticruise e o coordenador. Em termos simples, a comunicao CAN se parece com o rdio. As mensagens de dados que viajam por um cabo CAN podem ser comparadas s ondas de rdio que viajam pelo ar. Ao ouvir o rdio, o receptor ajustado de tal forma que uma estao de rdio ouvida por vez. Apenas uma estao ouvida, mesmo havendo muitas outras estaes transmitindo simultaneamente. A unidade de comando faz mais ou menos o mesmo com as mensagens que viajam por um cabo CAN. Ela ouve, por exemplo, informaes da unidade de comando do EDC relativas temperatura do lquido de arrefecimento, recebe EDCABS/TC OPTICRUISE COO EBS 116757 o respectivo valor e o utiliza em seus clculos. A unidade de comando recebe vrias mensagens CAN - que so enviadas pelo circuito de comunicao - em uma memria especial. Essa memria pode ser comparada a vrios receptores de rdio, todos ligados, mas sintonizados em estaes de rdio diferentes para ouvir vrios programas ao mesmo tempo. Dessa forma, a unidade de comando detecta continuamente o que est acontecendo. Interao com outros sistemas
  • 46 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09
  • 03:04-09 Scania CV AB 2004, Sweden 47
  • 48 Scania CV AB 2004, Sweden 03:04-09

Recommended

View more >