Impacto dos grandes projetos ...rbc

  • Published on
    05-Jul-2015

  • View
    320

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

rbc

Transcript

<ul><li> 1. Impacto dosgrandes projetoseconmicos na vida das populaes indgenas eJoscamponesasBeatriz</li></ul> <p> 2. Introduo Neste trabalho iremos analisa os impactos sociais e ambientais causados pela execuode grandesprojetos econmicos, emespecial dausina hidreltrica de belo monte que atualmente tem gerado muitas polmicas dentro e fora do Brasil, tendo como base terica algumas obras e ensaios de Jos de Souza Martins. 3. InformaesUsina Hidreltrica de BeloMonte Localizao:Rio Xingu, Par. Inicio do projeto: 1989 Previso de funcionamento: 2015 Fim da obra: 2019 Custo: 19 Bilhes de reais Capacidade: 11.233 MW Classificao: 3 maior do mundo 4. InformaesImpactos da Obra Alteraodo regime de escoamento dorio, com reduo do fluxo de agua; Afetar a flora e fauna da regio; Inundao permanente dosIgaraps, Altamira e Amb; Interrupo do Rio Xingu em 100 Km; 5. Informaes Ps e contrasOgoverno afirma que beneficiar 26milhes de brasileiros; Membros da igrejacatlica, ambientalistas, ribeirinhos, eanalistas independentes, afirmam que irprovocar mudanas scio ambientais. 6. Anlise terica Devido aos estmulos da globalizao e a necessidade incansvel de crescimento em pases emergentes como o Brasil, a construo de grandes projetos tem sido de mais importncia do que certos aspectos sociais. Diante disto, antes de darmos a nossa completa opinio sobre o projeto, vamos ver o que Jos de Souza Martins escreve sobre isto, e seu impacto social. 7. Anlise tericaEm seu livro A Chegada do Estranho, ele introduzassim: (...)Em principio, o que vem de fora, o quepertence a outro mundo social, diverso dodaqueles que sofrem o seu impacto e vivem a suapresena intrusa e incmoda(...) (...)preciso inverter a perspectiva. Essaspopulaes tem vivido e sofrido o impacto doestranho , que no s invade os territrios tribais eterrascamponesas, confinandoouexpulsando, mas tambm quebra linhagens defamlia, destri relaes sociais, clandestina asconcepes culturais, valores, regras vitais paraa sobrevivncia detribosindgenas ecomunidades rurais.(...) (ref.1,P.11,12) 8. Anlise terica(...)Aqui no se trata de introduzir nada navida de ningum. Aqui se trata de projetoseconmicosde envergadura, comohidreltricas,rodovias,planosdecolonizao, de grande impacto social eambiental, masque no tm pordestinatrias as populaes locais. Seupressuposto o de remoo dessaspopulaes.(...) (Ref.1, p.61,62) 9. Anlise terica (...)Algumasvezes, opressuposto inconfessado e inconfessvel o prprio aniquilamento das populaes que possam representaralgum estorvo para a implantaodos grandes projetos governamentais(...). (Ref.1, p.62) 10. Anlise terica No se tem avaliaes semelhantes em relao a populaes camponesas alcanadas por grandes projetos, que, no entanto, sofrem drsticas redues e suas condies de vida.(...) (ref.1,p.62). 11. Anlise terica No se trata de introduzir nada na vida dessas populaes, mas de tirar-lhes o que temvital para sua sobrevivncia, no s economia: terras e territrios, meios e condies de existncia material, social, cultural e poltica. como se elas no existissem ou, existindo, no tivessem direito ao reconhecimento de sua humanidade. (ref.1,p.63) 12. Anlise terica (...)Sinto-me pobre por viver numasociedade em que ndios e camponesesprecisem proclamar de vs viva que sohumanos, que no so animais, e menosainda animais selvagens.(...) (ref.1,p.63) 13. Anlise terica (...)As cincias sociais tm estadodividido entre uma orientao queprivilegia oeconmico e otecnolgico, no estudo de populaesindgenas ecamponesas, assumindo, como fatonatural e inevitvel, sua transformao edesaparecimento;(...) (ref.1,p.64) 14. Anlise terica (...)A partir do momento em que essainterferncia se d, ela no se efetivaapenas atreves da coisa fsica que abarragem, o lago ou a rodovia. Osprojetos se materializam em obras que seapresentam diante de indgenas ecamponeses atravsde pessoasdiferentes e de relaes sociais novas.(...)(ref.1,p.64,65) 15. Anlise terica (...)Amodernidade, porm, no feita peloencontro homogeneizante da diversidade dohomem, como sugere a concepo deglobalizao. constituda, ainda , pelosritmos desiguais dodesenvolvimentoeconmico e social, pelo acelerado avanotecnolgico, pelaacelerada edesproporcional acumulao de capital,(...).Fome e sede de realizao democrtica daspromessas da modernidade, do que ela para alguns e, ao mesmo tempo parece serpara todos. (ref.2,p.18,19) 16. Anlise terica A modernidade anuncia o possvel,emboranorealize.A modernidade uma espciede mistificao desmistificadora das imensas possibilidades de transformao humana e social que o capitalismo foi capaz de criar, mas no capaz de realizar . Mistifica desmistificando porque pe diante do ser humano , (...), todo imenso catlogo e alternativas de vida que esto disponveis no mercado globalizado. Basta ter os recursos para consegui-los.(...) (ref.2,p.19) 17. Anlise terica (...)Se a modernidade o provisriopermanente, o transitrio como modo devida, a moda, a nossa questo saberqual a forma que ela assume emsociedades como as sociedades latino-americanas e na sociedade brasileira emparticular, em muitos aspectos todiversa dorestante da AmricaLatina.(...)(ref.2,p.21) 18. Anlise terica O inacabado e incluso, a modernidade que no se completa, produziu no Brasil uma conscincia social dupla, o diverso fragmentadoedistribudo nos compartimentos da cultura e da vida.(ref.2,p.22) 19. Anlise terica (...) Ou na fotografia de SebastioSalgado, que pe o gnero humano doterceiro mundo em faces de coisas esituaes que tornam as pessoasvencidas, engolidas pela coisificao dasimensas obras do capital; ou sucumbidasante as marcas e o peso do trabalhoondeaacumulao ainda acumulao primitiva, como na srieSerra Pelada.(...)(ref.2,p.23) 20. Anlise terica Nossa crtica antes resistncia ao novo, que ainda assim aponta-lhes as irracionalidades, a desumanizao que contm e dissemina. Mas, uma resistncia passiva, dissimulada, que no repercute em doutrinas, em partidos, em aes polticasou culturais organizadas.(...)(ref.2,p.26) 21. Concluso Diante de temas to polmicos como o da Usina Hidreltrica de Belo Monte, necessrioanalisarvrios aspectos,principalmente os impactos socioambientais provocados pela mesma. E estas e outras obras de Jos de Souza Martins nos permite fazer isto de forma clara, de modo a perceber o drama enfrentado pelas populaes indgenas e camponesas diante de tais projetos. 22. Referncias 1. Martins, Jos de Souza. A Chegada doEstranho. Falta completar 2. Martins, Jos de Souza. A Sociabilidadedo Homem Simples: cotidiano e histria namodernidade anmala. 2.ed. rev. eampl., 1 reimpresso. So Paulo:Contexto, 2010. 3. www.blogbelomonte.com.br , acesso em15 de julho de 2012. 4. www.infoescola.com , acesso em 15 dejulho de 2012.</p>