?· ÍNDICE Prefácio Abreviaturas PARTE I. ESCATOLOGIA INAUGURADA 1. A Perspectiva Escatológica do…

  • Published on
    14-Feb-2019

  • View
    219

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

A BBLIAE

O FUTUROPor

Anthony A Hoekema

Copyright 1979 de Wm. B. Eerdmans Co.Direitos exclusivos cedidos Casa Editora Presbiteriana para edio emlngua portuguesa.Autor: Anthony A HoekemaTradutor: Karl H. KeplerReviso dos Originais: Sabatini LalliReviso Final: Valter G. Martins

FICHA CATALOGRFICAHOEKEMA, Anthony A H693b A Bblia e o futuro. Anthony A Hoekema:Traduo de Karl H. Kepler. - - So Paulo: Casa Ed. Presbiteriana,1989. 461 pp. Contm bibliografia Contm ndice 1.

NDICE PARA CATLOGO SISTEMTICO

ESCATOLOGIA - CRISTIANISMO 236IGREJA TRIUNFANTE 236.6VIDA FUTURA 237

1 Edio 1989

As citaes bblicas, nesta obra, so extradas da Edio Revista eAtualizada da traduo de Joo Ferreira de Almeida para o Portugus.Algumas partes do livro representam uma verso revisada (e expandida) domeu estudo sobre o amilenismo em The Meaning of the Millennium: FourViews (O Significado do Milnio: Quatro Posies), editado por Robert G.Clouse, 1977, pela Inter-Varsity Christian Fellowship dos EUA. Usado compermisso (A A Hoekema).

CASA EDITORA PRESBITERIANARua Miguel Teles Jr., 382/394, Cambuci

01540 - So Paulo - SPTel.: (011) 270-7099

NDICE

Prefcio

Abreviaturas

PARTE I. ESCATOLOGIA INAUGURADA

1. A Perspectiva Escatolgica do Velho Testamento2. A Natureza da Escatologia Neotestamentria3. O Sentido da Histria4. O Reino de Deus5. Escatologia e o Esprito Santo6. A Tenso entre o J e o Ainda-No

PARTE II. A ESCATOLOGIA FUTURA

7. A Morte Fsica8. Imortalidade9. O Estado Intermedirio10. A Expectativa pela Segunda Vinda11. Os Sinais dos Tempos12. Os Sinais em Particular13. A Natureza da Segunda Vinda14. Principais Correntes Milenistas15. Uma Crtica ao Dispensacionalismo Premilenista16. O Milnio do Apocalipse 2017. A Ressurreio do Corpo18. O Juzo Final19. Castigo Eterno20. A Nova Terra

Apndice: ltimas Tendncias em Escatologia

Bibliografia

PREFCIO

Este livro uma tentativa de apresentar a escatologia bblica ou, seja, aquiloque a Bblia ensina sobre o futuro. Conforme vem indicado no Apndice,existem trs grandes correntes de pensamento em escatologia, cada umacom uma perspectiva diferente a cerca da vinda do reino de Deus: o reinopode ser (1) presente, ou (2) futuro, ou ento (3) tanto presente como futuro.O ponto de vista adotado neste estudo o terceiro: reconhecendo a distinoentre o j- a forma presente do reino como inaugurado por Cristo - e oainda no - o estabelecimento final do reino, que ter lugar quando daSegunda Vinda de Cristo.

Coerentemente com a tese de que escatologia uma realidade que envolvetanto o presente como o futuro, o livro est dividido em duas partes. Aprimeira parte, Escatologia inaugurada, trata a realizao presente do reino edas bnos que a comunidade redimida j desfruta; enquanto isso, aSegunda parte, Escatologia Futura, aborda assuntos tais como o estado docrente entre a morte e a ressurreio do corpo, o juzo final e a nova terra.

Cabe-me reconhecer minha dvida a meus colegas do Calvin TheologicalSeminary, e a meus alunos de todos esses anos, cujos comentrios nasdiscusses de classe ajudaram a aprimorar minhas idias sobre essesassuntos.

Eu gostaria ainda de expressar minha gratido ao Conselho Diretor doSeminrio por me propiciar um ano sabtico, durante o qual esse livro foiiniciado, e equipe das bibliotecas da Universidade de Cambridge e daFaculdade e Seminrios Calvin, pelo uso de suas instalaes.

Fico agradecido tambm minha esposa, Ruth, por sua ajuda e apoioinestimvel durante a redao deste livro.

Que o Senhor possa usar este estudo para inspirar regozijo por sua vitriadecisiva sobre o pecado e a morte, e para aguardarmos ansiosamente aconsumao final dessa vitria na vida vindoura.

ANTHONY A HOEKEMA

Grand Rapids, Michigan (EUA)

ABREVIATURAS

ASV American Standard VersionBerkhof, Meaning H.Berkhof, Christ the Meaning of History (Cristo,o sentido da Histria)Berkouwer, Return G.C. Berkouwer, The Return of Christ (A Voltade Cristo)Cullmann, Savation O Cullmann, Salvation in History (Salvao naHistria)Culmann, Time O Cullmann, Christ and Time (Cristo e o Tempo)DITNT Dicionrio Internacional de Teologia do NovoTestamentoInst. J. Calvino, As Institutas da Religio CristKJ King Jamens VersionLadd, Presence G.E. Ladd, The Presence of the Future (APresena do Futuro)NIV New Internacional VersionNSB New Scofield Bible (1967) (A Nova Bblia deScofield)Ridderbos, Coming H.N. Ridderbos, The Coming of the Kingdom (AVinda do Reino)RAB Edio Revista e Atualizada no BrasilRSV Revised Standard VersionWalvoord, Kingdom J.F. Walvoord, The Millennial Kingdom (OReino Milenar)

( Nota: Todas as citaes bblicas no identificadas de outra forma provmda verso Revista e Atualizada no Brasil.)

PARTE IESCATOLOGIA INAUGURADA

O termo escatologia origina-se de duas palavras gregas, eschats elgos, e significa doutrina das ltimas coisas. Geralmente, tem sidoentendido como referindo-se a eventos que ainda viro a acontecer,relacionados tanto com o indivduo como com o mundo.Com relao ao indivduo, dito que a escatologia se ocupa de assuntostais como morte fsica, imortalidade, e o assim chamado estadointermedirio - o estado entre a morte e a ressurreio geral. Com relaoao mundo, a escatologia vista como tratando da volta de Cristo, daressurreio geral, do juzo final e do estado final das coisas. Mesmoconcordando em que escatologia bblica inclui os tpicos acimamencionados, ns temos de insistir em que a mensagem da escatologiabblica ser seriamente empobrecida se nela no incluirmos a situaopresente do crente e a fase atual do reino de Deus. Em outras palavras, aescatologia bblica completa precisa incluir tanto o que podemos chamarde escatologia inaugurada1 como a escatologia futura2 .

Nesta seo deverei tratar de vrias idias bsicas relativas ao estadopresente do reino. Os captulos 1 e 2 abordam detalhadamente aperspectiva escatolgica do Antigo e do Novo Testamentos. O AntigoTestamento est repleto de profecias acerca de bnos futuras paraIsrael. Em o Novo Testamento, muitas destas profecias - embora no todas -so cumpridas na pessoa de Cristo. Por conseguinte, torna-se bvio quealgumas profecias sero cumpridas apenas na Segunda Vinda. O captulo 3discute a respeito do propsito e o alvo para o qual esta se move, comCristo no centro e Deus no comando. Os demais captulos desta parteabordam a natureza e o significado do reino de Deus, o papel do EspritoSanto na escatologia, e a tenso entre as realidades presente e futura.

1 Esta expresso prefervel escatologia realizada (por razes quesero apresentadas mais adiante). Ela se refere ao gozo presente debnos escatolgicas que o crente desfruta.

2 Este termo designa eventos escatolgicos que ainda so futuros.

CAPTULO 1

A PERSPECTIVA ESCATOLGICADO ANTIGO TESTAMENTO

Para entendermos corretamente a escatologia bblica, precisamos v-la como um dos aspectos integrantes de toda a revelao bblica. Aescatologia no deve ser vista como algo encontrado apenas em livros taiscomo Daniel e Apocalipse, mas como dominando e permeando toda amensagem da Bblia. Neste ponto, Jrgen Moltmann est totalmente correto:Do comeo ao fim, e no apenas do eplogo, o Cristianismo escatologia, esperana, olhar e andar para frente e, por causa disso, tambm, revolucionar e transformar o presente. O escatolgico no um doselementos da Cristandade, mas o agente da f crist em si, a chave qualtudo est ajustado... Por isso, escatologia no pode realmente ser apenasuma parte da doutrina crist. Antes, a perspectiva escatolgica caracterstica de toda a proclamao crist, de cada existncia crist e detoda a Igreja 1.

Para entendermos este tpico, passemos a apreciar mais de perto anatureza escatolgica da mensagem bblica como um todo. Neste Captulo,queremos considerar a perspectiva escatolgica do Antigo Testamento; nocaptulo seguinte estaremos nos ocupando da viso escatolgica do NovoTestamento.

Freqentemente tem sido dito, por telogos situados na tradioliberal, que h muito pouca escatologia no Antigo Testamento. Devemosconcordar, naturalmente, em que os escritores do Antigo Testamento nonos fornecem ensinamentos claros a respeito das doutrinas a que chamamosde Escatologia Futura: vida ps-morte, Segunda Vinda de Cristo, juzofinal e assim por diante. Mas h um outro sentido, segundo o qual o AntigoTestamento est orientado escatologicamente do princpio ao fim. GeorgeLadd o descreve da seguinte forma:

Conclui-se que a esperana de Israel, pelo Reino de Deus, umaesperana escatolgica, e esta escatologia a conseqncia inevitvel daviso que Israel tem de Deus. O antigo criticismo Wellhauseniano insistiaem que escatologia era um desenvolvimento tardio que veio a emergirsomente na poca ps-exlica. Recentemente, o pndulo tem-se inclinadopara outra direo e o carter fundamental da escatologia israelita tem sidoreconhecido. Pode-se citar um nmero cada vez maior de eruditos quereconhecem que foi o conceito de Deus, ocupando-se com Israel na histriaredentiva, a causa do surgimento da esperana escatolgica 2.

Um dos mais recentes eruditos citados por Ladd T.C. Vriezen,professor de Estudos do Antigo Testamento da Universidade de Utrecht um fenmeno israelita que no tem sido encontrado fora de Israel3. Elecontinua:

A escatologia no surgiu quando o povo comeou a duvidar daveracidade do reinado de Deus no culto, mas sim quando eles tiveram deaprender, em meio a grande sofrimento, a confiar em Deus, pela f somente,como o nico fundamento firme da vida, e quando esse realismo da festeve dirigido criticamente contra a vida do povo, de modo que a catstrofeiminente era considerada como uma interveno divina plenamente justa e,ainda, de modo a ser confessado que o Deus santo permanecia inabalado emSua fidelidade e amor a Israel. Dessa maneira, a vida de Israel na histriapassou a ter um aspecto duplo: por um lado, o juzo era considerado comoprximo, tangvel, e a re-criao da comunidade de Deus como algo que seavizinhava... Escatologia uma certeza religiosa que emana diretamente daf israelita em Deus, conforme enraizado na histria de sua salvao 4.

Por causa disso, Vriezen considera a escatologia como essencial mensagem tanto do Antigo como do Novo Testamento: No corao damensagem do Antigo Testamento est a expectao do Reino de Deus, e emJesus de Nazar est o cumprimento inicial dessa expectao... isso subjaz mensagem do Novo Testamento. O verdadeiro cerne de ambos, AntigoTestamento e Novo Testamento, , portanto, a perspectiva escatolgica 5.

Passemos a examinar a perspectiva escatolgica do AntigoTestamento com mais detalhe, vendo alguns conceitos especficos darevelao, nos quais esta perspectiva est incorporada. Ns comearemoscom a expectao do redentor vindouro. A narrativa da queda, encontradanos primeiros versculos de Gnesis 3, imediatamente seguida pelapromessa de um redentor futuro no versculo 15: Porei inimizade entre ti ea mulher, entre a tua descendncia e o seu descendente. Este te ferir acabea, e tu lhe ferirs o calcanhar. Esta passagem, freqentementedenominada a promessa me, passa a determinar todo o AntigoTestamento. As palavras so endereadas serpente, mais tarde identificadacomo um agente de Satans (Ap 12.9; 20.2). A inimizade instaurada entre araa humana e a serpente implica em que Deus, que tambm inimigo daserpente, ser amigo do homem. Encontramos a promessa do redentorvindouro na predio de que finalmente o descendente da mulher esmagara cabea da serpente. Poderamos dizer que, nesta passagem, Deus revela

resumidamente todo o seu propsito salvfico para com o seu povo. Ahistria da salvao, ulterior um desdobramento do contedo destapromessa-me. A partir deste ponto, tudo na revelao do AntigoTestamento olha para a frente, aponta para a frente, e ansiosamente aguardao redentor prometido.

Esse redentor vindouro, descrito em Gnesis 3.15 apenas como odescendente da mulher, designado como descendente de Abrao em Gn22.18 (cp. 26.4; 28.14). Gn 49.10, mais adiante, especifica que o redentordever ser um descendente da tribo de Jud. Ainda mais tarde, no curso darevelao do Antigo Testamento, aprendemos que o redentor vindouro serum descendente de Davi (2 Sm 7.12-13).

Aps o estabelecimento da monarquia, o povo de Deus do AntigoTestamento reconheceu trs ministrios especiais: os de profeta, sacerdote erei. O redentor vindouro era aguardado como sendo o auge e o cumprimentode todos os trs ministrios especiais. Ele deveria ser um grande profeta: OSenhor teu Deus te suscitar um profeta no meio de ti, de teus irmos,semelhante a mim (Moiss): O Senhor jurou e no se arrepender: tu ssacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque (Sl 110.4). Eletambm deveria ser o grande rei do seu povo: Alegra-te muito, filha deSio; exulta filha de Jerusalm: eis a te vem o teu Rei... (Zc 9.9).

Em conexo com o reinado do redentor vindouro h uma predioespecfica de que ele se assentar no trono de Davi. O profeta Nat disse aDavi: Quando teus dias se cumprirem, e descansares com teus pais, entofarei levantar depois de ti o teu descendente, que proceder de ti, eestabelecerei o seu reino. Este edificar uma casa ao meu nome, e euestabelecerei para sempre o trono do seu reino (2 Sm 7.12-13; cp. Is 9.7).

Podemos tambm perceber que algumas vezes a vinda dofuturo Rei e Redentor identificada com a vinda de Deus a seu povo. EmIsaas 7.14, por exemplo, o redentor vindouro denominadoespecificamente Emanuel, que significa Deus conosco. Em Isaas 9.6, umdos nomes atribudos ao redentor prometido Deus Forte. A B. Davidsonfaz um comentrio a respeito nas seguintes palavras: Algumas vezes, avinda de Jeov cumprida de acordo com a esperana messinica - Jeovdesde para junto de seu povo no Messias, Sua presena manifestada epercebida nele... Deus est plenamente presente, com propsitos redentores,no rei Messinico. Esta a concepo messinica mais sublime6.

Lado a lado com a concepo de que o redentor vindouro ser umprofeta, um sacerdote e um rei, porm, encontra-se em Isaas, igualmente, aviso de que o redentor ser o Servo sofredor de Deus. O conceito de Servodo Senhor aparece freqentemente em Isaas, sendo que, algumas vezes,

designa a nao de Israel e outras vezes descreve o redentor vindouro. Entreas passagens de Isaas que descrevem especificamente o Messias vindourocomo o Servo do Senhor esto: 42.1-4; 49.5-7; 52.13-15, e todo captulo 53. especialmente Isaas 53 que retrata o redentor vindouro como o Servosofredor de Jeov : ele foi traspassado pelas nossas transgresses, e modopelas nossas iniqidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, epelas suas pisaduras fomos sarados (v.5). De passagens como essas nsaprendemos que o redentor, cuja vinda o crente do Antigo Testamentoaguardava, era considerado pelo menos no tempo dos ltimos profetas,como algum que iria sofrer por seu povo a fim de redimi-lo.

Outra forma pela qual o Antigo Testamento descreve a vinda doredentor como o Filho do Homem. Encontramos este tipo de expectaoparticularmente em Daniel 7.13-14.

Eu estava olhando nas minhas vises da noiteE eis que vinha como as nuvens do...