1- Custos Teoria e Prática

  • Published on
    28-Apr-2015

  • View
    17

  • Download
    1

Embed Size (px)

Transcript

GESTO & ANALISE DE CUSTOProfdrconstantino@gmail.brprofdrconstantino@gmail.com

Ciclo do Desenvolvimento ProfissionalINFORMAES Ouvi como fazer CONHECIMENTOS Entendi como fazer

MUDANAS Estou Aplicando

APRENDIZAGEMSei Aplicar

profdrconstantino@gmail.com

METODO DE AVALIAO

1 = FREQUNCIA...................... PESO 3 2 = PONTUALIDADE................. PESO 2 3 = PARTICIPAO.................. PESO 5 4 = INTERESSE........................ PESO 5 5 = ENTENDIMENTO................ PESO 5 6 = ESTUDOS DE CASO........... PESO 10

MDIA = [(1x3) + (2x2) + (3x5) + (4 x 5) + (5x5) + (6x10)] > 7,030profdrconstantino@gmail.com

CONTEDOConceitos bsicos. Custeio por absoro. Custeio Varivel. Custeio Padro. Custeio Baseado em Atividades. Formao do Preo de Venda. Estudos de caso.profdrconstantino@gmail.com

QUESTES PARA DISCUSSO EM GRUPO1 QUAL A IMPORTNCIA DA ADMINISTRAO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS APS A ABERTURA DO MERCADO? 2 DENTRO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, QUAL O LOCAL IDEAL DO TRABALHO DO RESPONSVEL PELOS CUSTOS? 3 QUAL A IMPORTNCIA DO ALMOXARIFADO PARA O SETOR DE CUSTOS? 4 QUAIS OS FATORES QUE INFLUENCIAM A APURAO DE CUSTOS? 5 AS DESPESAS OPERACIONAIS INFLUENCIAM NA APURAO DOS CUSTOSprofdrconstantino@gmail.com

GESTO DE CUSTOS UM ENFOQUE A COMPETITIVIDADECom a abertura do mercado, um grande impacto foi causado entre os empresrios brasileiros que alegavam no estarem preparados para competir com os produtos importados, que muitas vezes so de melhor qualidade e com preos bem mais acessveis em relao aos produtos nacionais. At ento, as empresas no se preocupavam muito com o controle de seus custos, pois, contavam com a comodidade de repassar ao consumidor atravs da venda de seus produtos a sua ineficincia. Isto porque o preo de venda de seus produtos era dado pela seguinte frmula:

PREO DE VENDA = CUSTO + LUCRONo havia muita preocupao por parte da empresa em rever seus custos de produo, j que o preo de venda era estabelecido por ela, garantindo assim sua margem de lucro.profdrconstantino@gmail.com

Com a globalizao da economia, a competitividade tornou-se bastante acirrada, e o consumidor conquistou o direito de exigir qualidade e preos compatveis a essa qualidade, deixando de pagar pela ineficincia das empresas. Hoje, o preo de venda estabelecido pelo mercado e se a empresa quiser assegurar sua margem de lucro ter que rever seus custos e manter a qualidade de seus produtos A frmula da economia globalizada para se chegar ao lucro :

LUCRO = PREO DE VENDA - CUSTO

Na atual conjuntura econmica, todos os esforos da administrao devem estar voltados aos fatores que pressionam os custos de produo

profdrconstantino@gmail.com

TERMINOLOGIA CONTBIL EM CUSTOSMartins (1995), demonstra algumas confuses utilizao dos conceitos aplicados em custos: na

Despesas com Matria-Prima ou Custo de Matria-Prima? Gastos ou Despesas de Fabricao? Gastos ou Custos de Materiais Diretos? Despesas ou Gastos com Imobilizao?

Custos ou Despesas de Depreciao?

Todos esses conceitos dizem a mesma coisa?profdrconstantino@gmail.com

CONCEITOS BSICOS DE CUSTOExistem vrias formas de conceituar Custo, dentre elas as mais simples e de fcil compreenso so as seguintes: Custo o valor, expresso em moeda corrente, de atividades e materiais efetivamente consumidos e aplicados na fabricao dos produtos. Custo o valor a ser recuperado pela venda dos produtos e servios, dos recursos financeiros, humanos e materiais consumidos na sua fabricao Custo o preo pelo qual se obtm um produto ou servio.

Custo gasto relativo a bem ou servio utilizado na produo de outros bens e servios.profdrconstantino@gmail.com

CONCEITOS BSICOS DE CUSTODespesa Gastos com bens e servios no utilizados nas atividades produtivas e consumidos com a finalidade de obteno de receitas. Exemplos: Salrios e encargos sociais do pessoal do escritrio; energia eltrica consumida pela administrao; Conta telefnica do escritrio; aluguis e seguros do prdio do escritrio, etc. Perda Bem ou servio consumidos de forma anormal ou involuntria. No se confunde com despesas e muito menos com custo, exatamente por sua caracterstica de anormalidade e involuntariedade; no um sacrifcio feito com a obteno de receitas. Exemplos: perdas com incndios, obsoletismo de estoques e etc.profdrconstantino@gmail.com

DISTINO ENTRE CUSTO E DESPESAA separao entre custo e despesa fcil: os gastos relativos ao processo de produo so custos, e os relativos administrao, s vendas e aos financiamentos so despesas

Onde terminam os custos de produo e comeam as despesas com vendasA regra bastante simples, bastando definir-se o momento em que o produto est pronto para a venda. At a, todos os gastos so custos. A partir desse momento so despesasPor exemplo, os gastos com embalagens podem tanto ser custos como despesas, sua classificao vai depender da sua aplicao. Se o produto puder ser vendido sem a embalagem, ento seu custo terminou quando terminou a sua produo. Como a embalagem s aplicada aps a sua venda, ela deve ser considerada como despesas com venda. Isso implica a contabilizao do estoque de produtos acabados sem embalagem. Se, por outro lado, o produto j for colocado venda embalado, a embalagem far parte de seu custo de produo.profdrconstantino@gmail.com

ENCARGOS FINANCEIROSPelo fato de no se contabilizar os juros sobre o capital prprio ou o custo de oportunidade, o registro de encargos financeiros tratado como despesa e no como custo. Se os encargos de financiamentos fossem adicionados ao custo do produto, tambm deveriam os relativos ao capital prprio. Os encargos financeiros no so custo de produo, mesmo que identificados com financiamentos de matriaprima ou outros fatores de produo. So gastos de falta de capital prprio e no custos de produo, devendo ser tratados como despesa.

GASTOS DENTRO DA PRODUO QUE NO SO CUSTOSO uso de equipamentos, mo-de-obra e outros bens pertencentes a fbrica, quando utilizados para prestao de servios em outros departamentos, devem ser tratados como despesas e nunca como custo de produo. Como por exemplo, os servios de manuteno do prdio, reforma e profdrconstantino@gmail.com pintura de equipamentos no fabris e etc.

CLASSIFICAO DE CUSTOSEm relao apropriao aos produtos fabricados

Custos DiretosSo aqueles que podem ser apropriados diretamente aos produtos fabricados, porque h uma medida objetiva de seu consumo na fabricao. Exemplos: Matria-Prima Material de Embalagem Mo-de-Obra Direta Depreciao de equipamento Energia eltrica consumida pelas maquinasprofdrconstantino@gmail.com

Custos IndiretosSo os custos que dependem de clculos, rateios ou estimativas para serem apropriados aos diferentes produtos, portanto, so os custos apropriados indiretamente aos produtos. O parmetro utilizado para as estimativas chamado de base ou critrio de rateio.Exemplos:

Depreciao de equipamentos que so utilizados na fabricao de mais de um produto. Salrios dos chefes de superviso de equipes de produo Aluguel da fbrica

Material de limpeza consumido na fbricaEnergia eltrica da iluminao da fbricaAteno: se a empresa produz apenas um produto, todos seus custos so diretosprofdrconstantino@gmail.com

Em Relao aos Nveis de ProduoCustos FixosSo aqueles cujos valores so os mesmos qualquer que seja o volume de produo da empresa. o caso, por exemplo, do aluguel da fbrica. Este ser cobrado pelo mesmo valor qualquer que seja o nvel de produo, inclusive se a fabrica no produzir nadaObserve que os custos fixos so fixos em relao ao volume de produo, mas podem variar de valor no decorrer do tempo. O aluguel da fbrica, mesmo quando sofre reajuste em determinado ms, no deixa de ser considerado um custo fixo, uma vez que ter o mesmo valor qualquer que seja a produo do ms.profdrconstantino@gmail.com

Custos VariveisSo aqueles cujos valores se alteram em funo do volume de produo da empresa. Exemplo: matria-prima consumida. Se no houver quantidade produzida. O custo varivel ser nulo. Os custos variveis aumentam medida que aumenta a produo.

Custos SemivariveisSo os custos que variam com o nvel de produo, que, entretanto, tm uma parcela fixa mesmo que nada seja produzido. So os casos, por exemplo, das faturas de Energia Eltrica e da gua da fbrica, nas quais so cobradas uma taxa mnima de consumo mesmo quando no h consumo. Ou o combustvel utilizado para manter uma caldeira funcionando, j que ela no pode esfriar, mesmo que nada seja produzido profdrconstantino@gmail.com

Custos Semifixos ou Custos por DegrausSo custos que so fixos numa determinada faixa de produo, mas que variam se houver mudana desta faixa. Considere, por exemplo, a necessidade de supervisores de produo da empresa X demonstrada na tabela abaixo:Volume de produo (em toneladas)0 10 20 30 a a a a 10 20 30 40

Quantidade de supervisores necessrios1 2 3 4

Custo (Salrios + encargos)R$ R$ R$ R$ 2.000,00 4.000,00 6.000,00 8.000,00

O custo de superviso da produo ser fixo para uma produo de at 10 toneladas, acima de 10 toneladas at o limite de 20, o custo aumenta de R$ 2.000,00 para R$ 4.000,00. Mostrando, assim, que um custo pode ser fixo dentro de uma faixa de produo.profdrconstantino@gmail.com

Comportamento dos Custos Fixos e VariveisEm relao a produo total$ CT CV CF Q

Em relao as Unidades$

CV CF Q

Observe que os custos fixos, so fixos com relao a produo, mas quanto mais se produzir menor ser sua influncia no custo das unidades produzidas. J os custos variveis, so variveis com profdrconstantino@gmail.com relao s quantidades produzidas, mas nas unidades eles so fixos.

Despesas Fixas e VariveisAs despesas tambm podem ser classificadas como despesas fixas e despesas variveis, porm so definidas como tal em relao ao volume de vendas. Exemplo: as comisses de vendas so despesas vari