4ª Edição - Revista Vitrine

  • Published on
    24-Mar-2016

  • View
    230

  • Download
    13

DESCRIPTION

Revista Vitrine Sul de Minas

Transcript

  • FESTA DE AGOSTOSO LOURENO

    MARKETINGA Comunicao e a Sustentabilidade

    ENTREVISTABeto JardimUm pioneiro do Rdio

    Camarote Revista Vitrine

    re

    vi

    st

    awww.vitrin

    esu ldem

    in

    as. com.br

    COBERTURA COMPLETA

    Edio n 4 - Agosto 2012

  • 4EDITORIALAgosto est no final, mas as histrias desse ms ficaro na memria!

    O primeiro Camarote da Vitrine na tradicional Festa de Agosto de So Loureno foi um sucesso! Muita gente bonita, animada, grandes amigos e anunciantes ajudaram a abrilhantar a nossa estreia no segmento de eventos.Foram dias de muito trabalho, mas de uma satisfao imensa em superar mais um desafio e alcanar outro objetivo. A partir desse ms, muitos outros eventos sero realizados pela Revista Vitrine e esperamos contar com os grandes parceiros dessa primeira etapa: a Cervejaria Antonieta, em nome de Gustavo Flori, Joo Felipe e sua equipe - Marcinha, Rodrigo, Joo Pedro e Natan; a Rdio Festa FM - Eduardo Almeida e Estevam Jardim e a Rdio Estncia - do nosso j incentivador Jos Roberto Jardim, que no por acaso, o entrevistado dessa edio.Alm da festa e da histria do padroeiro na coluna cultural, a nossa 4 edio traz o charme dos bistrs, dicas de sade, beleza e conta a trajetria de um empreen-dedor que s engrandece a nossa regio.Com o momento poltico em que vivemos, a revista traz dicas sobre as regras do jogo e torce para que cada um vote consciente e para um pas melhor.Nossa colunista convidada e j colaboradora, Mnica Fernandes, alerta para a nossa responsa-bilidade na hora de comunicar aes de sustentabilidade, sem tirar proveito de aes voltadas caridade e que no trazem conti-nuidade para um real desenvolvi-mento sustentvel.Aproveitem a leitura e curtam as fotos da festa...e, que Setembro seja bem vindo!!

    Equipe Revista Vitrine

    EXPEDIENTEPublisher: Gabriela Real e Jonas Maduro

    Gerente de Projeto:Marcella Real

    Jornalista Responsvel:Martha BacciMTB: 17123/MG

    Edio: Mnica FernandesMTB: GO000916JP

    Projeto Grfico e diagramao: Agncia Triadaz

    Tiragem: 3.000 exemplaresImpresso: Grfica MTO

    Contato Vitrinecontato@vitrinesuldeminas.com.br(35) 3331.3042

    A Revista Vitrine uma publicao da empresa Tradaz, distribuda gratuita-mente na cidade de So Loureno e regio. Todos os direitos reservados. proibida sua reproduo total ou parcial, sem autorizao prvia. As matrias assinadas so de responsabili-dade de seus autores. Venda Proibida.

  • 56 Entrevista Beto Jardim

    NDICE

    ww

    w.v

    itri

    nesu

    ldem

    inas

    .com

    .br

    facebook.com/vitrinesuldeminas

    @vitrinesulminas

    8 Turismo Um Bem Comum

    10 Marketing A Comunicao e Sustentabilidade12 Campanha Eleitoral Certo e Errado

    14 Social Festival de Inverno

    18 Esporte Pilates

    20 Sade Atendimento Fcil

    24 Gastronomia Bistr Charmoso

    26 Empreendedorismo Sucesso em Recauchutagem

    34 Eventos Calendrio de Eventos

    16 Beleza Revitalize a Beleza

    36 Cultura Viva So Loureno

    SocialCamarote Vitrine Festa de Agosto. Pgina 28

    Revista Vitrine nas Redes Sociais!

    ImveisDicas para transaes imobilirias. Pgina 38

  • 6Entr

    evis

    taBETOJARDIM

    Por Martha Bacci

    A rdio foi criada pelo seu pai, mas depois que voc assumiu a admi-nistrao, muitas coisas mudaram. Como foi a evoluo da histria da Rdio Estncia? Beto: A antiga Rdio So Loureno, hoje Rdio Estncia AM e FM, foi fundada em 1946 por um grupo de jovens senhores idealistas, que, junto com o meu pai, Fernando Ribeiro Jardim, resolveram instalar em nossa cidade uma emissora de rdio, acredi-tando naquele novo e dinmico meio de comunicao. Em 1949, a Rdio So Loureno Ltda. estava no ar com seu transmissor e antena irradiante instalados na Rua Cel. Jos Justino, esquina com a Rua Santos Dumont.

    Qual a importncia de um veculo como o rdio para a comunicao local?Beto: O rdio ainda imbatvel no perodo de sete s dezenove horas em qualquer comunidade. Durante certa poca, mencionava-se rdio regional, nacional e mundial. Hoje, o rdio voltou a ser local, mas todas as emissoras ganharam a oportunidade de ter amplitude mundial atravs da internet. Chega-se mais longe com menos potncia e mais eficincia.

    Voc foi operador de rdio na Rdio Globo, uma das maiores emissoras de rdio do Brasil. O que voc trouxe dessa experincia?Beto: Sempre comento com amigos do Sistema Globo de Rdio que ns vivemos um sonho. No s a alta qualidade tcnica, mas a excelente qualidade profissional fazia parte dessa poca. Tive a oportunidade de fazer parte desse conjunto harmnico e trouxe comigo o aprendizado de uma grande escola de rdio.

    Existem em todo o pas muitas rdios piratas. Em So Loureno e regio no diferente. Como voc lida com essa concorrncia?Beto: So Loureno faz parte do Brasil e no foge regra. A populari-zao da Comunicao prpria dos tempos. Ningum pode e consegue controlar, e nem deve fazer isto. Existem Leis que foram feitas para serem cumpridas. Afinal, quando algum se prope a ser um conces-sionrio ou permissionrio do Servio de Radiodifuso, sabe das regras e das Leis. Por que no cumpri-las? O que acontece que as emissoras Comunitrias chamadas RadCom no cumprem as Leis e no se identificam

    Um pioneiro do rdio no Sul de Minas

    Os meios de comunicao crescem a cada dia, com novas agncias de publicidade e veculos de mdia que esto surgindo na nossa regio. Jornais, revistas, TV e vrias outras maneiras de divulgar uma empresa e gerar notcias invadem as ruas e casas. E o rdio? Ser que se tornou obsoleto ou est mais vivo do que nunca? Uma entrevista com Beto Jardim conta a histria da Rdio Estncia e da comunicao na regio.

  • 7para agradar os ouvintes. Ningum gosta de coisa mal feita, seja no Rdio, TV, Jornal, Internet... Procuramos sempre o melhor para todos os produtos da Rdio Estncia AM e FM, fazendo pesquisas, consul-tando amigos mais experientes e frequentando feiras nacionais e internacionais. Afi nal, se no apresentarmos um bom udio, uma boa plsti ca na emissora, o ouvinte desliga o rdio eouve mp3.

    Que futuro voc acredita que a comunicao em So Loureno possa vir a ter?Beto: Se chegamos at aqui porque no passado ti vemos pessoas de valores militando com ti ca nesta rea. Hoje, a Rdio Estncia - AM opera comtransmissores canadenses damarca Nautel, com 2.500 watt sde potncia, instalados no bairroda Palmela, no municpio de Carmo de Minas, o que lhepermite cobrir uma vasta regiodo Sul de Minas, formada porvrios municpios e zonas rurais. Ento a tendncia sempremelhorar e crescer, desde querespeitados os valores.

    * Fo

    tos

    divu

    lga

    o

    como tal. Tambm padro do Brasil criar o servio e no ter competncia para fi scaliz-lo. Um exemplo recente o caso da telefonia mvel. Somente agora algumas operadoras foram punidas, depois de tantas e milhares de reclamaes. Lidamos bem com qualquer concorrncia. sempre saudvel desde que tenha ti ca coti -diana.

    O jornalismo local ainda muito fraco e a mdia est descobrindo a melhor forma de melhorar a comuni-cao. O que a Rdio Estncia faz em busca de not cias de qualidade? Beto: Como em qualquer lugar, em So Loureno e na regio o jornalismo tem altos e baixos. s vezes no h not cia ou nada est acontecendo. Uti lizamos todos os meios possveis e existentes em nossa cidade e regio. No abrimos mo de nenhuma infor-mao. preciso, porm, ter fontes com credibilidade para saber o qu noti ciar. Inventar a not cia insati s-fatrio. Se no tem... no tem.

    Na era digital que estamos vivendo hoje, o que possvel ser feito para conquistar ouvintes?Beto: Desde que se tenha uma meta e mantenha a qualidade com criati -vidade, muita coisa poder ser feita

    Jos Roberto, ou melhor, Beto Jardim, como conhecido na Rdio Estncia, teve a infl uncia de seu pai para estudar Jornalismo, mas se apaixonou mesmo pelo Radialismo. Hoje, Diretor Administrati vo da Rdio Estncia Ltda - AM/FM situada em So Loureno. Atualmente, alm de administrador, ele tambm comanda um programa de matrias locais, nacionais e entrevistas.

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    E

    ntre

    vist

    a

    Existem no mundo cerca 1.400.000 emissoras de rdio. O rdio a mdia nmero 1 do mundo para consumo de msica. O rdio a 5 mdia em investi mento publicitrio do mundo. O Brasil o maior consumidor de aparelhos de rdio do mundo. 680.000 pessoas trabalham direta e indiretamente com rdio no nosso pas. O Brasil tem cerca de 9.180 emissoras ofi ciais (entre AMs, FMs e Comunitrias),

    perdendo em quanti dade apenas para os Estados Unidos. 1.568.000 de residncias brasileiras possuem ao menos um aparelho de rdio em casa. Na regio do sul de minas j existem mais de 10 rdios on line. 73.000.000 de telefones celulares brasileiros sintonizam rdio.

    Fonte: Fernando Morgado, pesquisador de mdia e comunicao.

    Curiosidades:

    680.000 pessoas trabalham direta e indiretamente com rdio no nosso pas. O Brasil tem cerca de 9.180 emissoras ofi ciais (entre AMs, FMs e Comunitrias),

  • 8Turis

    mo

    UM BEMCOMUMExistentes em diversos pases e sempre com a mesma nomenclatura, os Conventi ons & Visitors Bureau (CVB) so associaes sem fi ns lucra-ti vos, reconhecidas como receita de sucesso para o fomento da ati vidade econmica e do turismo de lazer e de negcios. Tm como objeti vo a captao de eventos e a divulgao dos atrati vos tursti cos de sua regio de atuao.Com este objeti vo, o So Loureno Conventi on & Visitors Bureau (SLCV&B) , fundado em 2006, hoje com nova diretoria, realiza seus trabalhos efeti vamente. Conta com 80 associados pertencentes aos diversos setores da economia e j realizou e apoiou aes de interesse que contriburam para o desenvol-vimento de nossa cidade e regio. Para realizar este trabalho, o Conven-ti on forma parcerias com iniciati vas pblicas e privadas, assim como prestadores de servios nas reas de eventos, agncias de viagens, recep-ti vos, hotis, restaurantes, entre outros, fortalecendo o trade tursti co.O SLCV&B surgiu quando, pensando numa forma de desenvolver o potencial tursti co de So Loureno e regio, representantes dos princi-

    pais segmentos ligados ao turismo reuniram-se e fundaram a enti dade de direito privado, sem fi ns lucrati vos e de natureza cultural, independente, manti da pela iniciati va privada, visando gerar desenvolvimento social, cultural e econmico.No primeiro semestre de 2012 foi lanado o material grfi co ofi cial do SLC&VB, que enviado para revistas, jornais, enti dades e associaes com o intuito de divulgar a cidade como desti no, assim como os associados, visando principalmente a captao de eventos. Vrias outras ati vidades j foram realizadas e ainda existem aes em andamento. A nossa misso promover o desen-volvimento econmico, social e cultural de So Loureno e regio, atravs da captao, gerao e incre-mento de eventos que aumentem o fl uxo de visitantes, uti lizando estra-tgias planejadas e permanentes de Marketi ng e Relaes Pblicas.

    Walneida Tibrcio Presidente do SLC&VBRua Cel. Jos Justi no, 688 sala 15Centro So Loureno/MG Tel. 35 3331-8579 www.saolourencocvb.com.br

    Ati vidades 2012/2 semestre: Projeto Bem TV/Conventi on Degusta- 1 Festi val de

    Gastronomia Comida Mineira Concesso do Portal da cidade

    (solicitao em andamento) Concesso de um espao dentro

    da Rodoviria (solicitao em andamento)

    Projeto Natal 2012

    Conv

    enti

    on &

    Vis

    itor

    s Bu

    reau

    por

    um

    a ci

    dade

    mel

    hor.

  • 10

    Publ

    icid

    ade

    e M

    arke

    ting

    COMUNICAOE SUSTENTABILIDADE

    tvel. Imagina-se que o green wash ou Marketing Verde que surgiu nos anos 90 tenha tomado novo flego nos mares da sustentabilidade, que a palavra do momento. Importante ressaltar que o mundo est atento e as pessoas mais infor-madas. O CONAR, rgo que regula a propaganda no Brasil, recentemente lanou uma Norma que regulamenta a comunicao e o marketing sobre sustentabilidade. O Conselho Brasi-leiro para o Desenvolvimento Susten-tvel (CEBDS) publicou um manual completo sobre o tema. E at os relatrios gerenciais tem um padro internacional a ser seguido quando o tema a sustentabilidade, atravs da organizao GRI (Global Reporting Initiative). Nada mais se pode afirmar, portanto, sem uma prova inconteste da veracidade das informaes, da profundidade com que so tratadas ou do peso ou impacto que repre-sentam para a sociedade. Um deslize infelizmente frequente, no entanto, a realizao de aes de caridade isoladas, utilizadas como bandeira de pessoas e orga-nizaes que querem se promover no mercado, associando um perfil solidrio ou voluntrio imagem da empresa. Para evitar tal erro, a

    De repente, parece que o mundo inteiro acordou para as questes cruciais da sobrevivncia das esp-cies e do planeta, frente ao acele-rado progresso das sociedades e a voraz sangria dos recursos naturais e humanos. Apesar de soar como a exagerada declarao de alguma ONG ecologicamente correta, a afirmao uma clara observao das atuais tendncias de comportamento de pessoas e organizaes no mundo pr e ps Rio + 20.Nunca se viu tantos falando tanto de tantas coisas relacionadas susten-tabilidade, nas ruas, nas empresas, nas redes sociais. A cada dia um novo defensor do desenvolvimento susten-tvel levanta sua bandeira, seguido de milhares que entram na onda sem nem mesmo entender o por qu ou para que. preciso tomar muito cuidado com discursos fceis, propostas mirabo-lantes, slogans bonitos, aes isoladas ou palavras soltas e desencadeadas do elo que as faria fazer sentido na cadeia do desenvolvimento susten-

    Monica FernandesJornalista com ps graduao em Gesto de Negcios e Marketing e em Geren-ciamento de Projetos. Assessora de Comunicao da Unimed e responsvel pela implantao do Inventrio de Gases de Efeito Estufa, Pacto Global e Relatrio de Sustentabilidade pelo padro GRI(Global Reporting Initiative)

  • 11

    melhor dica no tirar proveito de imagem de aes que no tenham significncia ou continuidade sufi-cientes para que sejam consideradas como exemplo de desenvolvimento sustentvel. Mas afinal, o que ento a famosa Sustentabilidade?O conceito clssico diz que desen-volvimento sustentvel aquele que no compromete os recursos para as geraes futuras. Mas para entender sustentabilidade de fato, preciso ir muito alm isso. preciso conseguir enxergar elos invisveis que estabelecem milhares de conexes entre causas, aes e consequncias de coisas que nem sempre parecem ter relao, independente de onde esto e a quem envolvem. Algo como viso macro, sensibilidade e muito estudo podem apontar o caminho certo para entender a sustentabili-dade, incluindo sua complexa interli-gao entre clima, natureza, direitos humanos, educao das sociedades, misria dos povos, avanos tecno-lgicos, escassez de alimentos e de gua, extino de espcies, super explorao de recursos no reno-

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    M

    arke

    ting

    vveis ou abundncia do lixo. A tarefa no fcil, mas bastante interessante e mais de 50 livros sobre o tema j foram publicados.Alcanado o entendimento, vem o mais importante: agir com respon-sabilidade, enfrentando todos os desafios da questo, com a seriedade que o tema merece. Lembrando principalmente que ao comunicar as iniciativas sustentveis da empresa, que facilmente chegam internet, olhos de todo o globo esto atentos coerncia e responsabilidade envolvidas. Lembrando tambm que todo este entendimento nos leva a repensar o modelo de respon-sabilidade social hoje utilizado, as aes filantrpicas, voluntrias ou de simples caridade. At que ponto estamos tomando o papel que nos cabe no intuito de ajudar o prximo? Afinal, na viso atual, o prximo pode estar sendo afetado por nossas aes em qualquer lugar do planeta e a tentativa de ajudar um pode na verdade estar prejudicando muitos outros. Vale pensar.

    Um

    des

    lize

    a

    real

    iza

    o d

    e a

    es

    de

    cari

    dade

    isol

    adas

    , uti

    lizad

    as c

    omo

    band

    eira

    de

    pess

    oas

    e or

    gani

    za

    es q

    ue q

    uere

    m s

    e pr

    omov

    er

    no m

    erca

    do, a

    ssoc

    iand

    o um

    pe

    rfil

    sol

    idr

    io o

    u vo

    lunt

    rio

    im

    agem

    da

    empr

    esa.

  • 12

    Cam

    panh

    a El

    eito

    ral

    ELEIES 2012Saiba o que pode e o que no podeser feito na propaganda poltica

    Foi dada a largada! As campanhas para as eleies 2012 esto acontecendo e diariamente so divulgadas notcias com candidatos que desrespeitam as regras da propaganda poltica. Eleger um candidato no to simples e preciso avaliar no s as propostas de cada um, como tambm seu comportamento nas propagandas eleitorais. Confira um resumo do que pode e no poder ser feito pelos candidatos nos prximos meses e vote consciente!

    PODE - Nas vias pblicas, desde que no dificultem o andamento do trnsito de

    pessoas e veculos. Mas devem ser colocados e retirados diariamente, entre 6h e 22h.

    Cavaletes, bonecos, cartazes e bandeiras

    NO PODE - Nos bens cujo uso dependa de cesso ou permis-so do poder pblico, ou que a

    ele pertenam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminao pblica e sinalizao de trfego, viadutos, pas-sarelas, pontes, paradas de ni-bus e outros equipamentos urbanos, nas rvores e nos jardins localizados em reas pblicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisrios, mesmo que no lhes cause dano. Esta vedao tambm vale para qualquer outro tipo de propaganda.

    NO PODE - A menos de 200 metros das sedes dos Pode-res Executivo e Legislativo

    da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios, das sedes dos Tribunais Judiciais, dos quartis e de outros estabelecimentos militares, dos hospitais e casas de sade; das escolas, bibliotecas pblicas, igrejas e teatros, quando em funcionamento.

    PODE - A partir de 6 de julho, desde que observadas as limi-taes descritas abaixo.

    Alto-falantes ou amplificadores de som

    Caminhada, carreata e passeata

    PODE - At as 22h do dia que antecede as eleies. Tambm so permitidos adistribuio

    de material grfico e o uso de carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos. No dia das eleies: permitida apenas a manifestao indi-vidual e silenciosa da preferncia do eleitor por determinado partido ou candidato, revelada pelo uso exclu-sivamente de bandeiras, broches, dsticos e adesivos.

    NO PODE - A utilizao dos microfones do evento para transformar o ato em comcio.

    Alm disso, as vedaes sobre distn-cia mnima de rgos pblicos so as mesmas para alto-falantes e amplifi-cadores de som.

    PODE - At 48h antes do dia das eleies, pode ser utilizada aparelhagem de sonorizao

    fixa e trio eltrico, desde que este permanea parado durante o evento, servindo como mero suporte para divulgao de jingles e mensagens do candidato.

    Comcios

    NO PODE - A realizao de show ou de evento assemelha-do e apresentao, remunera-

    da ou no, de artistas com a finalida-de de animao.

  • 13

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    E

    lei

    es

    Jornais e revistasPODE - At a antevspera das eleies, para divulgao paga de propaganda eleitoral na imprensa escrita. ATENO: permitida a

    divulgao de opinio favorvel a candidato, a partido poltico ou a coligao pela imprensa escrita, desde que no seja matria paga.

    NO PODE - Publicao de propaganda elei-toral que exceda a 10 anncios por veculo, em datas diversas, por candidato, num espao

    mximo, de 1/8 de pgina de jornal e 1/4 de pgina de revista ou tablide. Deve constar, de forma visvel, o valor pago pela insero.

    OutdoorNO PODE - Independentemente do local, sujeitando-se a em-presa responsvel, os partidos, as coligaes e os candidatos s penalidades cabveis (retirada imediata e pagamento de multa).

    PODE - A comercializao pelos partidos pol-ticos e coligaes, desde que no contenham nome ou nmero de candidato nem especi-

    ficao de cargo em disputa. Esta restrio tambm vale para qualquer outro material de divulgao institucional.

    Camisetas, chaveiros, bons e outros brindes

    NO PODE - A confeco, utilizao ou distri-buio realizada por comit de candidato ou com a sua autorizao durante a campanha

    eleitoral. Esta vedao tambm vale para quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor.

    NO PODE - Em troca de dinheiro ou de qual-quer tipo de pagamento pelo espao utilizado. A propaganda deve ser feita espontnea e

    gratuitamente.

    Faixas, placas, cartazes ou pinturasPODE - Apenas em bens particulares, indepen-dentemente de autorizao da Justia Eleitoral, observado o limite mximo de 4m e desde que

    no contrariem outras disposies da legislao.

    Distribuio de folhetos, volantes e impressos (santinhos)

    PODE - At as 22h do dia que antecede as eleies e no depende da obteno de licena municipal e de autorizao da Justia Eleitoral.

    NO PODE - Apenas com estampa da propa-ganda do candidato. Todo material impresso de campanha dever conter o CNPJ ou CPF do

    responsvel pela confeco, bem como de quem a contratou, e a respectiva tiragem. No dia das eleies: vedada a arregimentao de eleitor ou a propa-ganda de boca-de-urna (distribuio de santinhos) e a divulgao de qualquer espcie de propaganda de partidos polticos ou de seus candidatos.

    Rdio e TelevisoPODE - Apenas para a propaganda eleitoralgratuita, veiculada nos 45 dias anteriores antevspera das eleies (em 2012, este

    perodo corresponder ao intervalo entre osdias 21 de agosto e 04 de outubro, inclusive).

    NO PODE - A partir de 1 de julho as emisso-ras no podero, em sua programao normal e noticirio, transmitir, ainda que sob a forma

    de entrevista, imagens de realizao de pesquisa ou qualquer outro tipo de consulta popular de natureza eleitoral em que seja possvel identificar o entrevista-do ou em que haja manipulao de dados.

    InternetPODE - Aps o dia 5 de julho, em sites de partidos e candidatos, desde que comunicados Justia Eleitoral e hospedados em provedores

    estabelecidos no Brasil. Aps essa data permitida tambm a veiculao de propaganda eleitoral por meio de blogs, sites de relacionamento e sites de mensagens instantneas. As propagandas eleitorais veiculadas por e-mail so permitidas, mas devero conter mecanismo que possibilite ao destinatrio solicitar seu descadastramento. permitida ainda a reproduo do jornal impresso na internet, desde que seja feita no stio do prprio jornal,respeitado integral-mente o formato e o contedo da verso impressa.

    NO PODE - Qualquer tipo de propaganda eleitoral paga. Nem propaganda em sites de pessoas jurdicas, com ou sem fins lucrativos, e

    em sites oficiais ou hospedados por rgos ou enti-dades da administrao pblica. Sero aplicadas aos provedores de contedo ou de servios multimdia aspenalidades previstas em lei, caso no cumpram, no prazo estipulado, a determinao da Justia Eleitoral para cessar a divulgao de propaganda irregular vei-culada sob sua responsabilidade, desde que compro-vado seu prvio conhecimento.

    Outras informaes no Cartrio Eleitoral de sua cidade ou consulte o site : www.tre-mg.jus.br

  • 14

    Soci

    alFESTIVALDE INVERNOA terceira edio do Festival de Inverno de So Loureno aconteceu entre os dias 18 e 22 de julho, com vrias atraes como palestras e apresentaes no Parque das guas, alm de shows na Praa Joo Lage. O pblico contou com a presena ilustre da cantora, compositora e desenhista Tulipa Ruiz, que lotou a praa com uma plateia animada e encantada com sua voz. Eduardo Dussek agradou o pblico maior de 40 anos cantando sucessos antigos, com muita simpatia. Srgio Ricardo, msico, escritor e cineasta, cantou no palco principal e teve sua exposio, O Buscador, presente na Casa da Cultura, com uma mostra de filmes e vrias exibies.Quem participou dasatividades com certeza ganhouconhecimento e cultura.O Festival j um dos eventos mais esperados e partedo calendrio oficial da cidade.

    Erich Mathias ao lado de Ricardo Cravo Albin no lanamento do livro: MPB Histria de um sculo.

    Alexandre Amaral cantando Blues naCafeteria Prazeres de Minas. Apresentao de jazz com Duo Savoy.

    Um bate papo descontrado com Deonsio da Silva e Jorge Brennand.

    Studio de Dana Denise Fonseca apresentando o espetculo Saudade na Praa Brasil. * F

    oto

    Dan

    iel R

    apos

    o*

    Foto

    s di

    vulg

    ao

  • 15

    ShowContra Stress do Eduardo Dusek embalou a praa.

    DJ Rodrigo Palazzo arrebentou na msica eletrnica.

    Tulipa voltando a suas razes so lourencianas.

    O show de encerramento do Festival de Inverno 2012.

    Tulipa Ruiz recebeu a Revista Vitrine aps o show.

    * Fo

    to R

    odr

    igo

    Pala

    zzo

    * Fo

    tos

    divu

    lga

    o

  • 16

    Bele

    zaREVITALIZE

    Os benefcios do tratamento dermato funcional

    O termo Fisioterapia Esttica no mais contempla todo o espectro de atuao da rea, com isso, hoje utiliza-se a designao Fisioterapia Dermato Funcional. Essa a rea da Fisioterapia que cuida no s de alte-raes estticas, corporais e faciais; mas que visa a preveno e a recu-perao do indivduo em relao aos distrbios endcrino-metablicos, circulatrios, msculo-esquelticos e/ou dermatolgicos. Atravs de recursos fsicos com tecnologia de ponta, tcnicas tera-puticas, cosmetologia e acupuntura esttica so abordados: gordura localizada, celulite, flacidez de pele e msculos, estrias, rugas, envelheci-mento cutneo, pr e ps operatrio de cirurgia plstica. Com base em estudos cientficos, os tratamentos iniciam-se com uma avaliao indivi-dual criteriosa que detecta a queixa

    principal e estabelece os recursos apropriados a cada caso. A avalio sem nus para o cliente todas as dvidas podem ser esclarecidas nesse encontro. O tratamento feito atravs da associao de vrios aparelhos com tecnologias avanadas e cientficas, entre eles o Manthus (aparelho de alto poder de ultra-som associado corrente estimuladora de contrao de vasos linfticos), Hertix (aparelho de radiofrequncia que estimula a

    A BELEZA

    Fernanda Ribeiro Ferraz especialista em Dermato-Funcional - Crefito 4 5252- 4 eSelena Vanni Gatti especialista em acupuntura e acupuntura esttica - Crefito 4 2616, ambas profissionais fisioterapeutas, especializadas na rea de esttica corporal e facial.Fsio ClnicaR. Doutor Melo Viana, 376 So LourenoTelefone: (35) 3331-1424

    CavicellEquipamento gerador de ultracavitao que promove a reduo de gorduras localizadas.

    LiberaEquipamento de microdermoabraso

    com ponta de diamante que permite uma esfoliao eficiente e segura da derme.

  • 17

    produo de colgeno), Ultracavitao (aparelho de altssimo poder de ultra-som que implode clulas de gordura), Endermoterapia (vcuo que estimula o tecido e promove o aumento da circulao sangunea e linftica e a separao dos tecidos promovendo um equilbrio entre as camadas da pele), Peeling de diamante ( que trata as camadas onde o tecido precisa se regenerar, como estrias, rugas e flacidez), Eletroestimulao muscular (corrente russa, entre outras para melhora do tnus muscular), Plataforma vibratria para circulao geral do sangue e da linfa, usado aps a utilizao dos aparelhos.O importante conhecer o procedimento a ser seguido, a tecnologia usada, o profissional que vai aplic-la e descobrir exatamente o tratamento que se quer fazer, assim, a beleza e o bom resultado so garantidos!

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    B

    elez

    a

    HertixEquipamento gerador de radiofrequncia, que induz calor nos tecidos drmicos, tratando das rugas e flacidez.

    Equipamento Plisagge, para terapia por suco. A tcnica de suco, baseada na aplicao de presso negativa capaz de alcanar planos profundos da pele.

  • 18

    Espo

    rte

    BOAFORMAPilates est na moda e j conquistouuma legio de fs

    Ultimamente, tem-se falado muito em aulas de Pilates, vrias clnicas de fisioterapia vm aplicando o mtodo na recuperao de seus pacientes. Com uma caracterstica bem parecida com a dana, esse exerccio ajuda em vrios setores da sade mental e corporal.O mtodo surgiu como uma boa alternativa para recuperar a quali-dade de vida das pessoas que buscam atividades completas trabalhando os aspectos fsicos e emocionais, propor-cionando equilbrio, fora e melhora na postura.Joseph Pilates, criador do mtodo, foi um visionrio antecipou os problemas de uma sociedade dcadas antes de eles existirem, criando um programa de exerccios adaptveis a diversas condies fsicas que organizam a postura e servem tanto para reabi-litao quanto para melhora da boa

    forma.Os exerccios so desenvolvidos dependendo de cada caso, por isso, a presena integral de um profissional qualificado essencial para essa prtica. Uma especializao, minis-trada pelo curso Physio Pilates, exige do professor o cumprimento de 450 horas/aula, o que ajuda o profissional a aumentar a sua experincia, prati-cando exatamente o mesmo esforo que seus pacientes faro e, ajudando no desenvolvimento de ferramentas para atingir os melhores resultados. O mtodo Pilates busca o resgate dos

    Ludmila Dias de Castro 24676-F, Fisioterapeuta graduada pela UNIMEP- Piracicaba, Especialista em RPG RPM; Em Cadeias musculares Leopoldo Bousquet e no Mtodo Pilates pela Physio Pilates Polestar.Fabiola Dias de Castro - 19290-F,Fisioterapeuta especializada em esttica corporal, pilates e RPG.

  • 19

    * Fo

    to d

    ivul

    ga

    o

    0

    5

    25

    75

    95

    100

    propaganda studio do corpo]

    quarta-feira, 27 de junho de 2012 19:24:02

    10 moti vos para fazer Pilates:1 um exerccio para o corpo inteiro2 Adaptvel a muitos nveis de apti do e necessidades3 Cria fora sem massa4 Aumenta a fl exibilidade5 Desenvolve a fora do ncleo6 Melhora a postura7 Aumenta a Energia8 Promove a perda de peso a longo prazo9 Aumenta a conscincia corporal 10 H muitas maneiras de aprender Pilates

    movimentos naturais, da fl exibilidade, da graa e das habili-dades da infncia, trabalhando o corpo como um todo, forta-lecendo tanto os msculos mais profundos quanto os mais superfi ciais. Os exerccios devem ser executados de acordo com as necessidades, habilidades e limitaes do aluno, sempre sob orientao do profi ssional.

  • 20

    Sad

    eATENDIMENTOFCIL

    Casa, trabalho, compromissos da famlia, compras, reunies... ufa! Quem no tem uma rotina apertada atualmente? Nesta correria diria, nem sempre sobra tempo para resolver assuntos simples como obter uma autorizao de exame, solicitar segunda via de boleto ou mesmo agendar uma consulta mdica. Sorte que vivemos num mundo onde possvel compartilhar quase tudo virtualmente, atravs da internet e das redes sociais.Uma das metas da diretoria da Unimed Circuito das guas estabele-cida no Planejamento Estratgico de 2011 foi lanar a Unimed Virtual, um portal de servios online que pudesse resolver a maioria das demandas dos clientes de forma fcil e rpida. Com a criao da seo SERVIOS no Portal da Unimed, a meta foi alcanada, mas ainda estamos expandindo bastante a cada dia, diz Marcio Dias Vieira, Administrador com MBA em Gesto de Servios de Sade pela Fundao Getlio Vargas, que Gerente Geral da Unimed e tambm comanda o setor de Tecnologia da Informao, responsvel pela implantao dos aplicativos online. Assim, desde o incio de 2012, o cliente Unimed Circuito das guas j pode resolver diversas questes pela internet, sem ter que se deslocar para a agncia de atendimento mais prxima. O Portal da Unimed na web disponibiliza informaes sobre

    Portal da Unimed pode facilitara vida do cliente

    toda a empresa e seus produtos e servios, inclusive com a possibili-dade de conversar online e em tempo real com uma atendente da Central de Servios. E no uma atendente virtual, uma voz eletrnica com respostas programadas, uma pessoa preparada para atender qualquer solicitao do cliente. A Central de Servios tem ainda o atendimento telefnico 24 horas, 7 dias por semana.Mas muitas questes podem ser resolvidas de forma ainda mais automtica. Ao visitar o portal, o cliente pode ir direto para a aba de SERVIOS, onde vai encontrar vrias opes: emisso de boleto para pagamento da mensalidade; atuali-zao de seus dados cadastrais; guia da rede de prestadores; cadastro de seu carto do SUS; ouvidoria; agenda-mento de consultas; ou a solicitao de servios. Entre os servios que podem ser solicitados online, esto: alterar endereo; alterar vencimento da mensalidade; cdigo para dep-sito bancrio; declarao de quitao anual de dbito; demonstrativo de pagamento para Imposto de Renda; esclarecimentos sobre o plano de sade; inscrio no Programa Guar-dio; negociao de dbitos; registro de insatisfaes e/ou elogios; soli-citao de novo carto magntico; relatrio de beneficiados ativos no contrato; alm de informaes sobre variados assuntos.

    Hoj

    e o

    clie

    nte

    no

    tem

    mai

    s te

    mpo

    de

    reso

    lver

    tud

    o pe

    ssoa

    lmen

    te.

  • 2222

    claro que os atendimentos presenciais ou por telefone conti nuam oferecendo toda a qualidade e ateno que o cliente merece. Na Central de Servios, o atendimento telefnico funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana. No presencial, o horrio comercial e o sistema de senhas evita fi las. O tempo de espera mnimo. Os indicadores deste setor so to bons que a Unimed Circuito das guas ganhou um prmio da Central Nacional Unimed, sendo a segunda Unimed com o melhor atendimento em todo o Brasil e a primeira entre as de mesmo porte. Entre as trs melhores atendentes do Brasil, Maristela Souza, da Unimed Circuito das guas, tambm foi premiada na mesma ocasio e foi a So Paulo receber o prmio, ao lado de Vanessa Silva, que Gestora do setor de Aten-dimento. Vanessa explica que os resultados do setor atendem uma meta repassada pelo Gerente Marcio no ano passado: nosso objeti vo era gerar uma sensao de encantamento no cliente, do ti po Nossa, que atendimento! Alcanada esta meta, Vanessa afi rma que agora a responsabilidade ainda maior: temos o compromisso no s de manter a qualidade, mas tambm de superar todos os ndices alcanados, com resultados cada vez melhores. este o esprito das pessoas que trabalham com qualidade, numa empresa que certi fi cada pelas normas de qualidade da ISO 9001:2008. Todos os processos de atendimento so auditados com frequncia, e qualquer ponto de melhoria identi fi cado imediatamente implantado e monitorado. Gerenciar tantas formas de atendimento, presenciais e virtuais, s possvel devido ao sistema Sade Online, que um soft ware desenvolvido pela prpria Unimed Circuito das guas para o gerenciamento de uma operadora de planos de sade. Todos os atendimentos so registrados neste sistema em tempo real, geram grfi cos e indicadores e podem ser monitorados por diversas pessoas selecionadas, que tem a responsabilidade de manter o padro de qualidade e a agilidade de

    repostas e solues. assim que o cliente tem a certeza de que ser bem aten-

    dido, seja qual for o meio escolhido.

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    S

    ade

    Hoje o cliente no tem mais tempo de resolver tudo pessoalmente, por isso necessrio disponibilizar ferramentas que estejam facilmente ao seu alcance e a internet est nos computadores, tablets e celulares, tornando tudo ainda mais fcil. O uso desta ferramenta um processo gradual, de aprendizado, e que deve crescer rapidamente, assim que a primeira experincia virtual for bem sucedida , afi rma Marcio Dias.

    Por Mnica Fernandes

    Estamos trabalhando para que o cliente se sinta cada vez melhor

    atendido pela Unimed.

  • 23

    Os aparelhos dentrios do tipo Damon System consistem simples-mente de um aparelho dentrio fixo em que os braquetes funcionam sem elsticos, da a designao de autoli-gantes. So no momento uma autn-tica revoluo na ortodontia. Este sistema usa um mtodo dife-rente para prender o fio. Enquanto que o aparelho convencional faz uso dos elsticos, o Damon System no, o fio preso aos braquetes atravs de uma portinhola pr-existente em cada braquete. Voc nem imagina a diferena que isto faz! Veja a figura abaixo:

    Vantagens: Tratamento mais rpido, Provocam menos dor e desconforto no seu uso e habituao, Permite boa higiene bucal, 80% dos casos no implicam extrao de dentes.

    Depois de tratados com Damon System,vrios pacientes notaram mudanasincrveis em sua face e perfil. Este tratamento pode melhorar o equilbrio facial e esttico, suavizar a aparncia do rosto, preencher os lbios, elevar o contorno das bochechas e compensar a perda do tnus muscularfacial ao longo do tempo.

    Tratamento Ortodntico

    nicODONTOLOGIA MULTIDISCIPLINAR

    Aparelho Convencional Damon System

    Por Paula Ferraz Ceglia CRO: 28563-MG

  • 24

    Gas

    tron

    omia

    BISTRCHARMOSOO aconchego a alma do negcio

    Quem nunca conheceu um bistr, est perdendo a oportunidade de sentir o aconchego de casa em um barzinho ou restaurante.Os bistrs, muito populares na Frana, servem bebidas alcolicas, cafs e tambm comidas simples a preos acessveis. Nesse tipo de estabelecimento, a convivncia e as relaes pessoais tm tanta importncia quanto a quali-dade do servio. Um bistr no costuma ter cardpio, sendo o prprio chef quem conversa com o cliente, e sabedor de suas preferncias, prepara a refeio ao seu exato gosto, o que o torna nico e extremamente pessoal.No sul de minas no difcil encon-trar lugares assim, j conhecidos pelo servio acolhedor, onde a comida mineira relembra a casa de v. Os bistrs tem toda essa magia.

    Na estrada de So Loureno Cruzeiro, mais especificamente a 300 metros da cidade de Passa Quatro, podemos encontrar o Bistr da Roa, com uma decorao charmosa, tem-tica e inspirada na cultura caipira. Esse restaurante oferece a genuna e rara tranquilidade de quem quer fugir do estresse das metrpoles e comer bem. Tambm na regio, encontramos o Bistr Vila Souza, com um ambiente impar que prima pela qualidade dos pratos, aconchego e romantismo, ele est localizado no bairro Pinho Roxo, na cidade turstica de Lambari. Os Souza fazem o que h de melhor em um bistr, atendem os clientes como se fizessem parte da famlia!Ento, para passar uma tarde de domingo, almoar com os amigos, relaxar e ser bem atendido, a dica encontrar um bistr em sua cidade e a recomendao : aproveite!

    Bistr Vila SouzaTel: (35) 3271-4539

    Bistr da RoaTel: (35) 9158-1462

  • 25

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    G

    astr

    onom

    ia

    SOCIALFESTIVAL CAXAMBU MAIS GOURMET

    De 14 a 21 de julho, foi realizado no Parque das guas de Caxambu, o V Caxambu Mais Gourmet, com os melhores restaurantes da regio e uma rica programao, com shows, palestras e oficinas. O festival atraiu mais de 5 mil pessoas, entre turistas, moradores da cidade e da regio e os amantes da boa gastronomia, que puderam saborear todas as delcias dessa festa.Este ano, o homenageado foi o Master de Cuisine caxam-buense Antonio Godtfredsen, o saudoso Toninho.

    O pblico provou e aprovou muitas delcias duran-te todo o evento.

    Famlia Megda e a Dra. Cilene Pelcio presentes em uma das noites do evento.

    * Fo

    tos

    div

    ulga

    o

    Constance Godtfredsen representando o pai, o grande homenageado da noite.

    Paulo estava presente no evento com os seus quitutes.

    FESTA GUNNER CONVENTIONEm sua dcima edio, a Gunner Convention reuniu em Caxambu amantes da banda Gunsn Roses.

    Marcos Loesch, Priscila Dias, Felipe Cond e Ramon Godtfredsen.

    Rodrigo Jacob e Beatriz Machado

  • 26

    Empr

    eend

    edor

    ism

    o

    Para se tornar um empreendedor de sucesso em nossa regio necessrio mais do que muito trabalho, preciso vestir a camisa, encarar as dificuldades e conquistar o pblico com muito suor e dedicao. Foi assim que o Sr. Antnio Guimares, mais conhecido por Claret, scio proprietrio da PNEUSUL, se tonou um empresrio reconhecido e hoje estampa a nossa revista com sua histria.Nascido em So Loureno, filho de Moacyr Guimares, comerciante, e de Dona Terezinha, com 5 irmos, Claret nunca teve medo de se dedicar e se entregar ao trabalho, tanto que o faz desde os 12 anos. Fundou em outubro de 1973, a Casa de Pneus So Loureno, a partir de uma parceria com a Vulcol, de Barra Mansa, no Rio de Janeiro, recolhendo pneus para recau-chutagem. O negcio rapidamente prosperou e cinco anos depois, em 1978, surgia a PNEUSUL, com recauchu-tadora prpria, novos servios e venda de pneus novos.

    Nesse mesmo ano, iniciou outra importante parceria, agora com a Goodyear, empresa conhecida mundialmente no setor de pneus, produtos de qualidade e apoio logstico e financeiro, que ajudou os negcios a prosperarem. As lojas foram ampliadas e com isso veio o merecido reconhecimento.

    ANTNIOGUIMARESSucesso em recauchutagem e pneus

    * Fo

    to a

    rqui

    vo p

    esso

    al

    Antnio Claret Guimares, 61 anos, casou-se com Vanira Lopes Guimares e teve trs filhos. Claret, como conhecido, transformou seu trabalho com a empresa Pneusul em um exemplo para o comrcio local.

  • 27

    No tenho clientes, e sim amigos fiis.

    Centros Automotivos de So Loureno e Itajub.* Fot

    os d

    ivul

    ga

    o

    Hoje, a PNEUSUL conta com mais de 90 colaboradores, dois centros automotivos, um em So Loureno e outro em Itajub.Com a ajuda dos filhos, Gustavo, Raphael e Tiago, Claret cuida da recauchutadora de Carmo de Minas, desde 15 de setembro de 2009, que possui as mquinas mais modernas existentes no mercado.

    Claret

    Alm de todo esse sucesso, esse empreendedor foi alm de suas empresas, e pensando no coletivo, presidiu uma associao de classe, a CDL - Cmara de Dirigentes Lojistas de So Loureno, colaborando com o progresso do comrcio e da economia local.

  • 28

    Soci

    al

    Fotos

    Javier Ceballos

    e Karen Safadi

    Fotos

    Jonas Maduro e Paula Ceglia

    Cnti a e ArmandoTito e Mara

    Amigos da cidade de Cristi na

    Gabriel Real

  • 29

    Daniela e Rublio Real Luiz e Rose Borges

    Gizele, Anne e Jean

    Joo Marcelo e Ihasmin

    Jade e Paulo Ramos Paula Maciel e Raphael

    Denilson Beia e LucianaDiego e Camila Borges Eduardo e Martha Bacci

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    C

    amar

    ote

    Fest

    a de

    Ago

    sto

    Marcelo e Ludmila

  • 30

    Evelyne e Kadu Paulista e Lu CandalMartha Bacci, Brenda Mariano e Marcella Real

    Ana Amlia, Alfredo e Paula Cottini

    Mnica Fernandes e Calvin

    Vernica, Mirian e Andrea Carreiro Lecy Carreiro

    Caio Mancilha e Renata

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    C

    amar

    ote

    Fest

    a de

    Ago

    sto

    Rdio Festa FM

  • 31

    Andrea Lara, Rosilia Real e Fernando Alberto Dbora, Patrcia Chagas e Ana de Luca

    Luciano Martins e Soraia Sol

    Carolina e Wal Tibrcio

    Marcel e Augusto Portugal

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    C

    amar

    ote

    Fest

    a de

    Ago

    sto

    Thaisa e Vanessa

    Luciana e Isabela BittencourtJnia e Tiago

    Andrea Lara, Rosilia Real e Fernando Alberto

  • 32

    Everson Carlos e Vinicius Mury Marco Aurlio , Sara e Lucimara Chagas

    Joo Felipe Flori e Lvia Braga

    Gustavo e Karen Safadi

    Guilherme Paim e Silvia Fernandes Fbio Gannam e Luma

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    C

    amar

    ote

    Fest

    a de

    Ago

    sto

    Jos Mauro e Teixeirinha

    Jlio e Fernanda

    Nemir e Jlia

  • 33

  • 34

    Even

    tos

    PELA REGIO

    18 25/08

    20 25/08

    22 26/08

    24 25/08

    25/08s 13:00

    30/08 23/09Finais de Semana

    31/08Das 9 s 17:00

    01 02/09

    07 09/09

    14 16/09

    Data/Hora

    * Os eventos podem sofrer alteraes de acordo com o calendrio oficial de cada cidade.

    Evento Local Realizao / Info

    Expo Itanhandu

    Ameride So LourenoConcurso e festival de corais com participao de grupos de diversos pases

    Canta Brasil

    Arrai Universitrio da FEPI 2012

    Esquadrilha da Fumaa

    Degusta - 1 Festival Gastronmico de So Loureno

    Exposio da Cachaa

    Aniversrio de Passa QuatroLona Cultural com apresentao de diversos nmeros artsticos e participao das cidades vizinhas.

    Exposio nacional de orqudeas

    Feira de Lutas

    Itanhandu

    So LourenoApresentaes por vrios pontos da cidade.

    Centro de Convenes do Hotel Glria Caxambu

    Parque de Exposies Itajub

    Aeroporto de So Loureno

    Restaurantes de So Loureno

    Espao Cafeteria Prazeres de Minas

    Passa Quatro

    So Loureno

    Ilha Antnio DutraSo Loureno

    Kadu Eventoskadueventos.com.br

    Diretoria de Cultura de So Loureno(35) 3332-8038

    Caxambu e Regio Convention & Visitors Bureau(35) 3341-1656

    Kadu Eventoskadueventos.com.br

    Esquadrilha da Fumaawww.esquadrilhadafumaca.com.br

    So Loureno Convention & Visitors Bureau(35) 3331-8579

    Cafeteria Prazeres de Minas (35) 3339-2100 / 26

    Prefeitura Municipal de Passa Quatro(35) 3371-4312

    Orquidecamposorquidecampos@gmail.com

    FILfeiradelutas.com.br(35) 3332-4441

  • 35

    EVENTOElite Model Look 2012

    Revi

    sta

    Vit

    rine

    E

    vent

    os

    Vernica Cerqueira

    Nathlia Reis Leon Rodrigues

    Rodrigo Duan

    No dia 26 de julho aconteceu a seletiva do Elite Model Look 2012 no Hotel Brasil de So Loureno com participao de 158 jovens da regio do Sul de Minas. Foram classificados 12 meninos e 12 meninas para a final que acontece no dia 19 de agosto. O organizador do evento, Edson Oliveira, sempre muito orgulhoso de seus modelos, ajuda a promover a nossa regio com as belezas que aqui so encontradas.

    Juliana Santana

  • 36

    Cultu

    ra

    A Festa de Agosto um bem imate-rial do municpio, tombado atravs da iniciativa do Conselho Municipal do Patrimnio Cultural (COMPAC), representado de forma paritria pela sociedade civil e governamental, com o apoio da Parquia, dos membros da Comisso da Festa e da Prefei-tura local e registrado atravs do Decreto Municipal n 3.982 de 23 de novembro de 2010. a festa religiosa mais antiga da cidade, uma manifes-tao que nasceu juntamente com a histria e fundao do municpio. Uma referncia de cultura e identi-dade dos moradores de nossa encan-tadora estncia.H mais de 100 anos, a partir da doao da imagem de So Loureno Mrtir pelo Deputado Francisco Luiz da Veiga e com a inaugurao da Ermida do Senhor Bom Jesus do Monte, comemoramos este festejo religioso que ao longo dostempos passou por vriasmodificaes, tanto fsicas quanto culturais. Inicialmente comemo-rava-se somente afesta religiosa.

    VIVASo Loureno

    Posteriormente surge a festa profana com realizao de shows, quer-messes, jantares, almoos, leiles, camels, parque de diverso e altas histrias pelo centro da cidade e seus arredores. Quem no se lembra da MONGA, a mulher gorila?! Dos quitutes, do souvenir e badulaques que inevitavelmente compramos nesta feira multicultural.Os festejos se iniciam no dia 31 de julho, quando a imagem de So Loureno Mrtir segue em procisso da Ermida do Senhor Bom Jesus do Monte at a Igreja Matriz. o marco para a abertura das festividades, que durante dez dias edificam os saberes e fazeres deste povo que constri a histria de nosso municpio com alegria e f, porque a f no costuma fai! Amm!

    * Fo

    to a

    rqui

    vo C

    asa

    da c

    ultu

    ra

    Padroeiro de nossa encantadora Estncia!

    Por Cy Andrade

    cy-andrade@hotmail.com

    Festa de Agostona Av. Dom Pedro II Ano: 1950

  • 37

  • 38

    Imv

    eis

    A aquisio de um imvel, sonho de muitas pessoas, quando no obser-vados os cuidados necessrios, pode se transformar em um pesadelo, por isso preciso pesquisar e conhecer bem o imvel e a imobiliria envol-vida.Geralmente, as transaes que envolvem bens imveis so feitas atravs de corretores ou imobilirias. Quando isso acontece, a recomen-dao que o interessado procure saber sobre a credibilidade dos profissionais para, somente ento, optar por sua contratao. Quando a venda feita sem a intervenincia de corretores de imveis, ou seja, diretamente com o proprietrio, a recomendao que o interessado contrate a assessoria de um advo-gado, preferencialmente especiali-zado na rea.

    TRANSAESIMOBILIRIAS

    Em ambos os casos, os cuidados bsicos que se deve ter referem-se, primeiramente, ao conhecimento sobre as condies pessoais dos vendedores, o que pode ser verifi-cado atravs de certides negativas, sendo elas expedidas pela justia da Comarca onde residem. Em segundo lugar, o conhecimento sobre as condi-es do imvel, o que pode ser veri-ficado atravs de certido expedida pelo Cartrio de Registro de Imveis de onde se localiza o imvel, bem como certides que atestem a regu-laridade do pagamento de impostos, especialmente junto a Prefeitura Municipal.Tanto os corretores de imveis quanto os advogados, pelo conheci-mento que possuem e pela seriedade e competncia necessrias, tem plenas condies de darem a tranqui-lidade e segurana indispensveis aquisio e venda de imveis. Portanto, seguindo essas regras bsicas e agindo sempre de forma diligente, podemos evitar que a compra de um imvel possa terminar no poder judicirio e que o sonho se transforme em pesadelo.

    Dicas para se sentir segurona hora de fechar o negcio.

    Mrcio Mancilha AlvesAdvogadoProfessor de Direito Ex-Tabelio Substituto do 1 Ofcio de Notas de So Loureno-MG

  • 39