5ª Edição - 4ª Semana

  • Published on
    08-Mar-2016

  • View
    219

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista Volta ao Mundo

Transcript

  • Novas matrias a cada semana!

    AstriasFrias para todos os gostos.

    FijiParaso no Pacfico.

    Percival Milani Braadas Vitais.

  • Dicas: Quanto custa dar a Volta ao Mundo? .................................................04

    Conexo Xangai: Culinria Chinesa ..........08

    Conexo Espanha:Astrias - O Principado da Aventura ........14

    Conexo Argentina: Pelo caminho do Vinho Argentino ...................................58

    Photo Profi le - Mario De Leo Winkler ...............................68

    Livro: No Amor e na Guerra - O dirio perdido de Agnes Von Kurowsky .........................84

    Route 66 de moto - Born to be Wild .........................................86

    Madagascar: Viagem pelo Elo perdido ..........................118

    Msica ......................................................142

    Ilhas Fiji ....................................................144

    Filme - No Amor e na Guerra...................164

    170 km no velho Chico ............................166

    ndice

  • S quem viaja sabe como . Pode-se teorizar sobre o ato e pode-se at viajar mais ou menos sem que nunca se saia do lugar. Hermtico demais? Talvez, mas nem por isto menos verdadeiro. H viagens de enorme deslocamento sem que na verdade se tenha andado mais que algumas lguas.Pode-se facilmente por a ouvir relatos de viagens para locais magnficos sem que se sinta uma nica ponta de sentimento ou aprendizado. Tem gente que prefere colecionar pases em vez de experincias, milhas areas em lugar de aventuras e medo no lugar de experimentar a maravilha que a descoberta, inclusive sobre si mesmo.Muito mais que vencer grandes distncias, viajar um ato que proporciona a chance de travar contato com conhecimentos inestimveis e experincias impossveis de serem acessadas de outra maneira que no o ato de perder-se por a, na sua jornada, na sua viagem pela vida.Portanto, nada mais coerente que finalizar este editorial do que com as palavras do poeta lusitano Fernando Pessoa.

    Viajar! Perder pases!Ser outro constantemente,Por a alma no ter razesDe viver de ver somente!No pertencer nem a mim!Ir em frente, ir a seguirA ausncia de ter um fim,E a nsia de o conseguir!Viajar assim viagem.Mas fao-o sem ter de meuMais que o sonho da passagem.O resto s terra e cu.*

    Apertem os cintos pois a viagem acaba de comear.

    *Poema viajar! perder pases!, do poeta portugius Fernando Pessoa.

    Descanse em paz garoto, foi um prazer t-lo conosco todo esse tempo.

    Akai - amigo e companheiro.

    Rodrigo OliveiraEditor

    A melhor maneira de viajar sentir.

  • O meu primeiro vislumbre do custo de uma viagem de volta ao mundo veio com um japons que

    conheci no Brasil. Ele disse que saiu do Japo com o

    equivalente a 30 mil dlares. Fiquei com esse valor na

    cabea e quando consegui juntar essa grana, sa para

    viajar. Na estrada, conheci outras pessoas que tinham

    o mesmo oramento, mas claro, todos eles viajavam

    com um budget apertado, sem grandes extravagncias.

    Os maiores gastos so, sem dvidas, os relacionados a

    transporte. Em especial as travessias ocenicas que so

    apenas duas: a do Atlntico e a do Pacfico.

    Quando viajamos, muitas vezes difcil resistir a

    alguns gastos extras como museus, side trips e festas.

    Porm, quando falamos de uma volta ao mundo, cada

    gasto pode significar menos dias de viagem l na frente.

    Ou seja, uma escolha entre viajar mais pases ou um

    maior aprofundamento cultural, uma escolha bastante

    pessoal que, no meu caso, acabou pendendo a visitar

    mais pases.

    Quanto custa dar a volta ao mundo?

    Por Bruno Casaes Teixeira (Direto de sua Volta ao Mundo)Acompanhe a viagem de Bruno pelo blog: http://naestradaparaomundo.blogspot.com

  • Quanto menos visitado por turistas for um restaurante, mais barato ele tende a ser e mais prximo da real culinria local voc estar.

    Em minha viagem, consegui um bilhete promocional So Paulo - Barcelona por U$ 550, o que foi um alvio.

  • Durante minha viagem, at o momento, foram trs meses

    na Europa, um ms no Marrocos e dois meses nos Blcs e

    Oriente mdio, num total de seis meses e os gastos at o

    momento somam R$ 18.000,00, pouco mais do que o valor que

    consegui ao vender o meu Celta 2002.

    importante ressaltar que quando iniciei a viagem, ainda

    tinha muito que aprender sobre como economizar em viagens, e

    aps conhecer muitos bons professores, posso dizer que estou

    muito mais eficiente em economizar.

    Uso muito mais o CouchSurfing

    (couchsurfing.org) que alm de proporcionar

    estadia gratuita em diversas cidades

    do mundo, possibilita uma incrvel

    experincia da cultura local e ajuda

    a fazer muitas, muitas amizades. O

    mesmo acontece com caronas, quando

    iniciei a viagem, essa possibilidade

    sequer passava pela cabea, hoje em

    dia, s pego nibus como segunda

    opo. Desta forma, possvel reduzir

    os dois principais gastos de viagem de

    forma considervel, economizando em

    estadia e em transporte. Mas existe ainda

    um terceiro ponto de vazo para as nossas

  • economias: alimentao.

    Bem, comer uma necessidade bsica. Alm disso, os

    custos costumam ser diretamente proporcionais qualidade

    daquilo que consumimos. Assim, no d pra economizar na

    comida, certo? Errado! Pode-se comer muito bem (e barato) se

    voc estiver disposto a cozinhar. Caso as habilidades culinrias

    no sejam seu forte, ainda possvel fazer compras nos

    supermercados e ter refeies bastante saudveis a um custo

    bastante reduzido. Se esse tipo de comida no o atrai, vale

    a pena buscar por restaurantes locais. Fique longe

    daqueles cheios de turistas ou que possuem

    cardpio em ingls, quanto menos visitado

    por turistas for um restaurante, mais

    barato ele tende a ser e mais prximo

    da real culinria local voc estar.

    Uma volta ao mundo muito

    mais barata do que o senso comum

    nos fala. Considerando o custo de

    vida da cidade de So Paulo, por

    exemplo, posso afirmar que, na

    maioria das cidades do mundo, custa

    menos viajar do que ficar em casa.

  • Voc deixaria de visitar a China por ter medo de ter que comer algo que jamais passou pela sua cabea? Pois ,

    eu pensei. Antes de vir para c, ouvi inmeras histrias que

    falavam de iguarias estranhas, como sangue de cobra, miolo de

    galinha, enguias, carne de cachorro, patas de galinhas, cabea

    de animais, insetos de todos os tipos e sortes, alguns desses

    ainda vivos. A minha grande surpresa ao chegar por aqui foi

    descobrir que bem difcil encontrar estas coisas esquisitas

    para comer, ao menos nos lugares ditos normais.

    Para entender as coisas um pouco melhor, temos de

    voltar ao passado. A China passou por todos os tipos de guerras

    e disputas possveis com os seus vizinhos e at mesmo entre

    as etnias que hoje habitam o pas. O povo, durante as pocas

    de conflito, acostumado com as secas e falta generalizada de

    Culinria Chinesa

    Conexo: CHINA

  • Pato de Pequim

  • Conexo: CHINA

    comida, teve que buscar outras fontes de alimento. Esta realidade

    aconteceu at h pouco tempo e explica porque grande parte

    da culinria chinesa baseada em vegetais, cereais, massas,

    com relativamente menos protena do que estamos habituados

    no ocidente. At o modo de preparo diferente: os chineses

    gostam dos alimentos, inclusive os vegetais, cozidos ou fritos,

    geralmente nas suas grandes panelas, tipo wok. Em algumas

    regies do pas so admiradas, majoritariamente, a comida

    apimentada.

    Pato de Pequim

  • Esta preferncia, alm de trazer sabores mais destacados

    para as refeies - que sempre tem o arroz presente, diga-se de

    passagem garantia que a comida estaria livre de doenas (pelo

    cozimento e pelo apimentamento). Neste mesmo sentido, at

    hoje, nos restaurantes que servem frutos do mar, a garantia de

    que a comida boa e fresca reside na possibilidade de escolha

    do pescado diretamente do aqurio ou em bacias expostas em

    frente aos restaurantes. possvel encontrar tratamento similar

    em restaurantes chiques da China quando, ao escolher um peixe,

    o mesmo ser entregue ao cliente numa bacia, ainda vivo, para

    ele atestar que o pescado est realmente fresco e do tamanho

    desejado.

  • Conexo: CHINA

    Bicho da Seda

    escorpio gafanhoto

    Tive a felicidade de nunca encontrar a carne de cachorro.

  • Se voc realmente desejar provar uma das iguarias mais

    estranhas, possvel encontr-las mais facilmente em cidades

    menores, nas feiras livres. Nestes locais possvel deparar-se

    com grandes frigideiras wok recheadas com os animais ainda

    vivos, sendo oferecidos para degustao. Escorpies, larvas

    de bicho da seda, grilos e outros pequenos insetos podem ser

    refogados com alho e outros temperos, ao gosto do fregus. Nas

    cidades grandes, at mesmo nos supermercados internacionais

    como Carrefour e Wal Mart, encontram-se grandes aqurios

    oferecendo peixes, moluscos, enguias, cobras e sapos vale o

    passeio!

    Contudo, para os assustados com toda esta diversidade,

    a vai uma boa notcia: as cidades grandes, como Xangai e Beijing,

    oferecem tudo do melhor em cozinha internacional e local,

    sem necessariamente passar pelas bizarrices gastronmicas.

    H duas semanas, por exemplo, tive o prazer de degustar uma

    coxinha acompanhada de uma caipirinha num restaurante

    brasileiro. Pode vir sem medo, aqui voc s come o que quiser.

    O traveller autorCarlos Meinert mora em Shanghai e est numa jornada profissional de trs anos pela China. Comoele mesmo diz, difcil explicar todas as atraes

    da China em um s texto. Por essa razo, Carlos vai estar com a gente em vrios momentos dessa jornada em volta ao mundo, explicando um pouco mais do que acontece l do outro lado do planeta.

  • Astrias, aventura para todos os gostos.

    Parte integrante da Espanha, o Principado das Astrias possui uma diversidade enorme de locais histricos, paisagens

    naturais, gastronomia e cultura capazes de encantar a qualquer

    tipo de viajante. Desde o mais aventureiro, que prefere as

    montanhas e praias at os mais urbanos, que preferem ficar

    nas cidades. Seja qual for o seu tipo de viagem predileto, nas

    Astrias voc no tem como errar.

    O Principado das Astrias

    Texto: Rodrigo OliveiraFotos: Cedric Paes de Barros

  • Texto: Rodrigo OliveiraFotos: Cedric Paes de Barros

  • O Principado de Astrias (castelhano Principado de

    Asturias e asturiano Principu dAsturies) uma comunidade

    autnoma e uma provncia da Espanha. Prncipe de Astrias

    o ttulo atribudo ao herdeiro do trono da Espanha. apelidada

    de Paraso Natural.

    Situa-se junto ao Mar Cantbrico, na vertente norte da

    cordilheira Cantbrica. limitada a Oeste pela Galcia, a Sul

    por Castela e Leo, a Leste pela Cantbria e a Norte pelo Mar

    Cantbrico.

    Localizao

  • Sua costa muito escarpada e recortada, formando

    praias e cabos. Os rios so pouco extensos, mas de guas

    rpidas. A rea mais elevada da regio a do parque natural

    dos Picos da Europa, que atinge 2600 metros de altitude. As

    suas principais cidades so Oviedo, capital da provncia, Gijn,

    Avils, Langreo e Mieres onde se concentra a maior parte da

    populao, contrastando com as reas de vazio humano que

    correspondem s regies montanhosas.

  • Ocupada por grupos humanos desde o Paleoltico

    Inferior, durante o Superior, o Principado caracterizou-se pelas

    pinturas rupestres do oriente da Comunidade. No mesoltico

    desenvolveu-se uma cultura original, o Asturiense; a seguir

    introduziu-se a Idade de Bronze, caracterizada pelos megalitos

    e tmulos.

    Na Idade de Ferro, o territrio esteve submetido

    influncia cultural celta. O povo celta dos stures compreendia

    tribos como os lugones, psicos, etc., que povoaram todo o

    territrio stur de castros, antigo povoado celta. A influncia

    celta perdura at hoje, com os toponimios de rios e montanhas,

    Un poco de Histria

  • como nomes de populaes. A conquista romana entre 29 e 19

    d.C. fez que as Astrias entrassem na Histria.

    Durante os sculos medievais, o isolamento propiciado

    pela cordilheira cantbrica fez com que as referncias histricas

    fossem escassas. Depois da rebelio do filho de Enrique II de

    Trastmara, estabelece-se o Principado de Astrias. Houve

    vrias tentativas de independncia, as mais conhecidas foram

    comandadas pelo conde Gonzalu Pelaiz e pela rainha Urraca (a

    asturiana), que ainda conseguindo importantes vitrias, ao final,

    foram derrotados pelas tropas castelhanas. Alm disso, durante

    o sculo VIII, os rabes dominaram toda a Pennsula Ibrica,

  • a no ser as Astrias. Esse fato foi

    fatal para os muulmanos, uma vez

    que a Cruzada da Reconquista foi

    feita por cristos da regio.

    No sculo XVI o territrio

    atingiu pela primeira vez os cem mil

    habitantes, nmero que se duplicou

    com a chegada do milho americano

    no sculo seguinte.

    A 8 de Maio de 1808, a Junta

    Geral do Principado das Astrias

    declara a guerra a Frana e proclama-

    se soberana, criando exrcito

    prprio e enviando embaixadores

    ao estrangeiro, sendo o primeiro

    organismo oficial da Espanha em

    dar esse passo. A 1 de Janeiro de

    1820, o oficial Rafael de Riego

    subleva-se em Cdiz proclamando a

    Constituio de 1812.

  • A Guerra Civil produziu a diviso das Astrias em dois

    bandos, ao somar-se Oviedo ao levantamento, a 18 de Julho. A 25

    de Agosto de 1937 proclama-se em Gijn o Conselho Soberano

    de Astrias e Len presidido pelo dirigente sindical e socialista

    Belarmino Toms, terminando o conflito o 20 de outubro de

    1937. Depois de vinte anos de estagnao econmica, produziu-

    se a definitiva industrializao de Astrias.

    foto: http://fr.wikipedia.org/wiki/Fichier:Catedral_de_Oviedo_2010.JPG

    Catedral de Oviedo

    Catedral de Oviedo ou de S. Salvador

  • O idioma oficial o castelhano. Mas o asturiano (asturianu

    ou bable) tambm bastante empregado fora das grandes

    cidades, nas zonas rurais. uma lngua que deriva diretamente

    do latim. O primeiro texto que se conhece em asturiano o

    Fueru dAvils, de 1085. O asturiano tem algumas variantes

    dentro do Principado. Aps a queda do regime franquista, surgiu

    a necessidade de reavivar a lngua asturiana. Em 1981 criou-se a

    Academia da Lngua Asturiana (Academia de la Llingua Asturiana

    em asturiano) com vista ao estudo, defesa, conservao e

    divulgao do idioma.

    No ocidente do principado, em 18 muncipios, fala-se o

    galego na sua variedade oriental, chamada de galego asturiano.

    Hablando nas Astrias

  • O prato mais conhecido a fabada

    asturiana, parecida com a feijoada

    portuguesa. um potente guisado feito

    com fabas de granja, uma variedade de feijo

    branco idntica feijoca, acompanhadas

    por chourio, morcela, laco e toucinho. As

    carnes so servidas parte e conhecidas com

    o nome de compango. Sem esquecer tambm

    a fabada com javali ou com amijoas (esta

    ltima conhecida como fabes con amasueles),

    cebolas recheadas (cebolles rellenes) e o pote

    asturiano, com alguns pontos em comum

    com o Cozido Portuguesa.

    Alm disso, destaca-se a variedade

    de pescados frescos, mariscos do Mar

    Cantbrico e a qualidade de sua carne de

    novilho, a Xata Roja. Existem mais de cem

    variedades diferentes de queijos artesanais,

    dos quais o de Cabrales o mais popular. Se

    se preferir uma sobremesa ou doces, o mais

    tradicional o arroz con leche, similar ao

    arroz doce portugus, as casadielles (um tipo

    de empadas de massa folhada, recheadas

    de uma pasta de frutos secos como noz,

    Gast...