A Astrologia Egípcia - François Suzzarini (Astrologia)

  • Published on
    30-May-2018

  • View
    225

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 1/201</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 2/201</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 3/201</p><p>A ASTROLOGIA</p><p>EGPCIA</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 4/201</p><p>Conhecer MelhorUma coleo sem fronteiras temticas...</p><p>Ttulos publicados:</p><p>1. A NDIA G. N. S.</p><p>Raghavan2. O J A Z Z</p><p>Morley Jones</p><p>3. JOGOS E PROGRAMAS EM BASICJoo Carlos Azinhais</p><p>4. AS IDIAS CONTEMPORNEASJean-Marie Domenach</p><p>5. CONTRACEPO, GRAVIDEZ E ABORTO P.Bello, C. Dolto e A. Schiffmann</p><p>6. O BASIC A.Checroun</p><p>7. A ARTE DE PERDER TEMPOJoo Esteves da Silva</p><p>8. COMO DEIXAR DE FUMARJean-Luc Roger</p><p>9. OS PROBLEMAS SEXUAISG. Zwang e H. Dermange</p><p>10. A ASTROLOGIA EGPCIAFranois Suzzarini</p><p>Prximos ttulos:</p><p>A MSICA CLSSICAAlan Rich</p><p>A DIABETESM. J. Chicouri</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 5/201</p><p>FRANOIS SUZZARINI</p><p>A ASTROLOGIA</p><p>EGPCIA</p><p>P U B L I C A E S D O M Q U I X O T E </p><p>L I S B O A </p><p>1 9 8 4 </p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 6/201</p><p>FICHA:</p><p>Ttulo:A Astrologia Egpcia.</p><p>Autor: Franois Suzzarini.</p><p>Coleo: Conhecer Melhor, n10.</p><p> /983,Les Nouvelles ditions Marabout.</p><p>Ttulo original:Le Guide Marabout de L'Astrologie gyptienne.</p><p>Traduo: Fernando Brites da Fonseca,a partir da edio original publicada por Les Nouvelles ditions Marabout, Bruxelas.</p><p>Capa: Fernando Felgueiras.</p><p>1 edio: Outubro de 1984.</p><p>Edio n: 10 CM 908.</p><p>Deposito legal n: 61/6/84.</p><p>Todos os direitos reservados por:Publicaes Dom Quixote, Rua Luciano Cordeiro, 119, Lisboa.</p><p>Fotocomposio, montagem e fotolitos: Textype Artes Grficas, Lda.</p><p>Impresso e acabamento: Grfica Barbosa &amp; Santos. Lda., em Outubro de 1984.</p><p>Distribuio:Diglivro, Rua das Chagas, 2, Lisboa, eMovilivro, Rua do Bonfim, 98, r/c, Porto.</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 7/201</p><p>NDICE</p><p>CAPA - CONTRACAPA</p><p>I O HOMEM NO COSMOS ........... ........... ........... ........... .......... ........... ........... ........... ........ 9II OS RITMOS DA VIDA............. ........... .......... ........... ........... ........... ........... ........... .......... .21</p><p>III PORQU SEGUIR A ASTROLOGIA EGPCIA? ........... ........... ........... .......... ........... .31IV COMO DETERMINAR O SEU SIGNO ASCENDENTE? ................ ........... ........... ....45V QUE SO OS DECANOS EGPCIOS? ........... ........... ........... .......... ........... ........... ........ 57</p><p>VI OS PLANETAS E O SEU SIGNIFICADO ........... ........... ........... ........... ........... ........... ..71VII OS SIGNOS DO ZODACO E AS SUAS CARACTERSTICAS .......... .......... ........... .89</p><p>VIII QUEM ERA THOT? .......... ........... ........... ........... ........... .......... ........... ........... ........... ....109IX CDIGO GENTICO E INFLUNCIAS ASTRAIS ........... .......... ........... ........... ...... 119X O ESQUEMA ASTRAL DE TOTH .......... .......... ........... ........... ........... ........... ........... ..135</p><p>XI COMO TRAAR O ESQUEMA ASTRAL DE TOTH? .................. ........... ........... ....159</p><p>XII COMO PREVER O FUTURO A PARTIR DO ESQUEMA ASTRAL DE TOTH? 177</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 8/201</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 9/201</p><p>CAPTULO I</p><p>O HOMEM NO COSMOS</p><p>NO TEMPO DAS PIRMIDES</p><p>O Egito foi o bero das invenes tecnolgicas, da astronomia, dasmatemticas e da fsica? Tudo parece provar o contrrio. O Egito foiuma zona de passagem e de trocas. Mas os Egpcios .pelo menos ossacerdotes astrnomos desse tempo souberam explorar e tirarproveito das idias e das cincias vindas do exterior, para fazerprogredir o seu pas. As inumerveis guerras em que se envolveramtodos os povos que se fixaram no delta do Nilo contriburam para essastrocas frutuosas. Numerosos sacerdotes egpcios tornaram-seconselheiros de imperadores estrangeiros contribuindo assim para aexpanso das idias e para o aperfeioamento das tecnologias da poca.Esta amlgama de influncias, esta lenta evoluo social e espiritual,</p><p>fazem ressurgir aqui e alm, no nosso globo, reminiscncias curiosas eperturbantes cujas origens se perdem no passado longnquo dessasregies.</p><p>Uma imensa amlgama de influencias</p><p>Encontramos no baixo-relevo egpcio de Medinet-Habu (o templofunerrio de Ramss III), que comemora a vitria da frota do faraRamss III sobre o povo Shardane (Povo do Mar), a representao dosguerreiros shardanes em traje de combate da poca: os atavios com asespaldeiras para proteger as clavculas e as omoplatas, o elmo comguarda-nuca e, por vezes, com cornos de bovdeo fixados no topo.</p><p>Curiosamente, a esttua-menir Filitosa VI erigida no sudoeste daCrsega, na muralha grantica de Filitosa, ostenta os mesmos atavios decombate dos guerreiros shardanes. E no foram os shardanes que,</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 10/201</p><p>entre os sculos XIV e XVI antes da nossa era, erigiram estas esttuas,mas sim os obreiros dos tmulos megalticos, habitantes da ilha, querepresentaram assim os guerreiros shardanes que eles haviam morto emcombate. Essas esttuas so de granito, esculpidas com ferramentas dequartzo.</p><p>Vemos pois, atravs destas diferentes representaes, que as trocasforam frutuosas, cobrindo regies afastadas e com resultados to</p><p>inesperados.Poderemos acreditar que guerreiros egpcios, invasores bemintencionados, se tenham fixado em Stonehenge, na plancie deSalisbury, em Inglaterra e que, sob a sua direo, as populaesindgenas menos evoludas tenham edificado Stonehenge?</p><p>Alguns objetos preciosos, encontrados no prprio local, tais comoprolas de faiana e discos de mbar combinados com ouro, podem-nosugerir. Alis, encontra-se na edificao dos prticos de Stonehenge enas portas ciclpicas de Micenas a mesma tcnica de montagem porespigo e entalhe.</p><p>Para alguns, Stonehenge um templo de astronomia. Tm sidoventiladas numerosas hipteses, sedutoras ou bizarras, todavia adiscusso permanece em aberto.</p><p>A sua construo comeou cerca de 2700 ou 2800 a. C. Osalinhamentos das pedras parecem indicar o solstcio de Vero, querdizer, a altura do ano em que o Sol se eleva o mximo ao norte doEquador antes de comear o seu declnio sazonal para o sul. No ladooposto, esta mesma linha de mira podia servir para assinalar o solstciode Inverno. Junto da entrada do monumento, quarenta furos de postes,dispostos em seis filas, coincidem com a posio mais setentrional que aLua atinge em cada 18,61 anos. Essas seis filas representam pois seisciclos lunares. Mais de um sculo de observaes!</p><p>Os povos mediterrnicos parecem ter sido espantosos descobridores.Cabeas esculpidas com traos negrides, provenientes de Vera Cruz,testemunham a presena na Amrica pr-colombiana de negros vindosde frica. Ora, ns sabemos que as tripulaes dos navios fencios e</p><p>egpcios incluam homens de raa negra.Outros pormenores so tambm intrigantes: os ndios da Amrica,muito antes da poca dos Astecas e dos Incas, j manufaturavamvestimentas a partir de uma variedade de gros hbridos de algodo,nica no mundo, que parecia ser o produto do cruzamento do gro doalgodo egpcio com uma espcie selvagem americana imprpria parafiao.</p><p>Que dizer das recentes descobertas arqueolgicas que demonstramque os Olmecas e os Maias utilizavam uma escrita hieroglfica, tendo</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 11/201</p><p>um calendrio e sabendo prever o movimento dos planetas como osEgpcios? Alm disso, construram pirmides truncadas anlogas aoszigurates da Mesopotmia e, coisa curiosa, as suas esculturas e baixos-relevos representam sacerdotes de pronunciado tipo semita, de barbasfartas e de barretes cnicos, assim como os sapatos de biqueira curvadapara cima.</p><p>Poderemos aceitar que cerca de 610 a. C., quando o fara do Egito,Nechao II, encarregou a sua frota de realizar a circum-navegao defrica, esta, depois de ter atravessado o Atlntico, rumou em direo Amrica do Sul? Estes navegadores teriam ento descoberto o Brasil em531 a. C.!</p><p>Na realidade, sabemos pouca coisa sobre este priplo ordenado porNechao II: tendo largado do Mar Vermelho graas reanimao docanal do Nilo, estes marinheiros regressaram trs anos mais tarde peloMediterrneo depois de terem passado as colunas de Hrcules. A ver-dade obriga a dizer que apesar de observarmos frequentemente barcosnos baixos-relevos egpcios, estes no eram navegadores ousados eencarregavam, muitas vezes, outros povos de fazer comercio em seulugar. No exemplo apontado atrs foram os Fencios que realizaram a</p><p>viagem em tomo de frica sob a ordem de Nechao II. A influnciaegpcia , no entanto, a mesma atravs das tripulaes incluindo homensde vrias origens.</p><p>A propsito desta viagem, Herdoto relata o seguinte pormenorinteressante e to surpreendente para a sua poca que acrescenta que aele prprio lhe custava a acreditar: Quando eles [os marinheirosfencios ao servio do fara] dobraram a ponta de frica, viram o Sol aonorte e sua direita. Este pormenor prova concludente que elestinham passado o Equador!</p><p>Saltemos agilmente alguns sculos e debrucemo-nos sobre as tribosDogon ao sul do deserto do Sara. Alguns cientistas que estudaram estastribos durante o perodo de 1946 a 1950 ficaram espantados com os seusconhecimentos de astronomia. Os sacerdotes Dogon demonstraram-lhes</p><p>que tinham herdado de tempos antigos um espantoso conhecimento doUniverso. Conheciam a estrela Srio A e a sua irm Srio B que gravitaem seu redor. Se Srio A a estrela mais brilhante do cu, pelocontrrio, Srio B, uma an branca, invisvel a olho nu. Os Dogonfalavam dela em 1948 e esta estrela s foi fotografada pela primeira vezem 1970! Os Dogon sabiam tudo sobre a Srio B: a sua enormedensidade em relao ao seu tamanho (nesta estrela, um metro cbicopesa aproximadamente 20 000 t), a sua cor branca, a sua translaoeclptica de cinqenta anos em tomo da Srio A..</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 12/201</p><p>Numa cidade como Lyon por exemplo, quantos habitantes saberiamhoje isso?</p><p>Eles conheciam, igualmente, as quatro luas principais de Jpiter esabiam perfeitamente que os planetas giram em tomo do Sol e que aTerra esfrica e roda em tomo do seu eixo. Tinham igualmenteconhecimento do anel de Saturno. Explicaram aos cientistas estupefatosque a Via Lctea tinha a forma espiralide. Os astrnomos s muito</p><p>recentemente chegaram a essa concluso!De onde lhes vinham todos esses conhecimentos? Dos freqentes</p><p>contactos que os seus ancestrais da Antiguidade tinham podidoestabelecer com a Mesopotmia, com o Egito e a Grcia.</p><p>O que hoje constitui uma certeza, que as tribos dos Dogon, comoos Pigmeus do Ituri que conheciam Saturno e os seus nove satlites (odcimo foi descoberto em 1966), como os Maoris da Nova Zelndia queconheciam igualmente Saturno e Jpiter, todos estes povos oriundos dehorizontes muito diferentes, eram conhecidos pelos Egpcios daAntiguidade. A influncia exercida pelo antigo Egito em todo o conti-nente africano e bem para alm deste, muito maior do que se crgeralmente. Os exemplos perturbantes no faltam! Os Egpciosmantinham Pigmeus na Corte dos seus reis como danarinos e bobos.</p><p>Encontrou-se uma esttua do deus Osris muito a sul da floresta do Ituri,o que demonstra a irradiao da influncia egpcia nessas pocas. OsMaoris da Nova Zelndia veneram o deus Sol chamado M, rplicafiel do deus solar egpcio R.</p><p>No insensato pensar que o antigo Egito foi o cadinho onde todasas cincias e religies se confrontaram e foram utilizadas de modo amelhor satisfazerem os interesses dos dirigentes egpcios, contendo asverdades sobre a natureza do universo que espalharam e por sua vezforam recolhidas pelas escolas pitagricas e platnicas para constiturema base do pensamento filosfico do mundo civilizado.</p><p>Uma tecnologia de alto nvel</p><p>Ignoramos frequentemente o alto nvel de prosperidade e detecnicismo que os povos da Antiguidade tinham atingido.</p><p>Como podemos esquecer por exemplo os postes de madeira, com ostopos em cobre e com mais de trinta metros de altura, que os Egpcioscolocavam em frente dos seus templos e que se assemelhamestranhamente a pra-raios!</p><p>Citemos igualmente essa cpia grosseira de um planadorencontrada no local da primeira pirmide de degraus em Sakkara. Amaqueta, com</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 13/201</p><p>dezoito centmetros de comprimento, demonstra notveiscaractersticas de aerodinamismo. Seguramente, trata-se de um esbooe no da cpia de um engenho que tivesse realmente voado.</p><p>Os pescadores de esponjas recolheram ao largo da ilha deAntikythera restos dum instrumento metlico que foi datado de 65 a. C.e que reproduzia um bizarro conjunto de rodas dentadas acionadas por</p><p>engrenagens. Em 1959, Derek J. de Solla Price, do Instituto de EstudosAvanados de Princeptown em New Jersey. concluiu que se tratava,nem mais nem menos, de um modelo elementar de computadoranalgico provavelmente utilizado pelos Gregos para facilitar os seusclculos astronmicos.</p><p>No nos esqueamos que os Egpcios foram os primeiros aabandonar o calendrio lunar para adotarem um ano de doze meses detrinta dias. Astcia suprema: para se aproximarem do ano trpico ousolar, que conta, sensivelmente, 365 dias, 5 horas e 49 minutos,</p><p>juntaram cinco dias a cada ano, no fim do dcimo segundo ms. Estescinco dias so chamados epagomenos. Os meses, em grupos dequatro, formam as trs estaes tpicas do Egito que no conhece aPrimavera: Inundao, Inverno e Vero. No primeiro dia de cada</p><p>dcada havia festejos em honra dos mortos.Evidentemente, este calendrio era imperfeito, pois em cada quatroanos havia um desvio de um dia. Em cento e vinte anos deste sistemabastante impreciso, as estaes tinham um avano de um ms. S 1461anos depois que o princpio do ano encontrou, de novo, o seu pontode partida! So sempre os Egpcios a encontrar a soluo, desta vez porintermdio do astrnomo egpcio Sosgenes, ento conselheiro de JlioCsar. Este decidiu que de quatro em quatro anos o ano teria 366 dias...Seriam os anos bissextos. Decidiu, igualmente, que o princpio do anoseria o 1 de Janeiro (data na qual os Cnsules entravam em funo) eno o l de Maro. Foi no 1 de Janeiro do ano de 45 a. C. que nasceu ocalendrio Juliano (adjetivo que vem do prenome de Csar, Jlio).</p><p>Os Egpcios sabiam muitas coisas sobre o Sol, a Lua e... SrioVoltemos a Srio. Dois mil anos antes da nossa era, os Egpcios</p><p>espreitavam na madrugada a primeira apario de Srio no cu,precisamente antes do nascer do Sol. Os sacerdotes sabiam bem queno podiam ver Srio seno no comeo do Vero, o que anunciava,infalivelmente, a prxima cheia do Nilo. E desde que se conhea aimportncia dessas cheias para fertilizar as margens e as regiesprximas do</p></li><li><p>8/14/2019 A Astrologia Egpcia - Franois Suzzarini (Astrologia)</p><p> 14/201</p><p>leito do rio, compreende-se a importncia vital deste conhecimentoastronmico. Para mais, o ano ter por base Srio (Sothis): umano-Sothis igual a 365 dias e 1/4. Sothis, consagrada a sis, marcavao princpio do ano civil. O nascer e o pr de Srio, que acontece com onascer e pr do Sol, chama-se o nascer helaco. Nos nossos dias, com adeslocao dos planetas, este nascer helaco acontece no ms deAgo...</p></li></ul>