A Biologia Das Redes Sociais

  • Published on
    05-Jul-2015

  • View
    135

  • Download
    1

Embed Size (px)

Transcript

A Biologia das Redes Sociais.Conceitos Biolgicos aplicados a Redes Sociais.Hailton David Lemos - Lattes: http://lattes.cnpq.br/6984620495051513

A palavra social est em voga! Uma rede social uma estrutura social composta por indivduos, conectadas por um ou vrios tipos de relaes, que partilham valores e objetivos comuns. Uma das caractersticas fundamentais na definio das redes so a sua abertura e porosidade, possibilitando relacionamentos horizontais e no hierrquicos entre os participantes. Vnculos fortes e fracos esto presentes nas redes sociais. Quanto mais fortes so os ns, maior ser a chance de sucesso. Segundo alguns pesquisadores seis graus de separao conectam todos os indivduos no mundo, medo, ansiedade, felicidade e epidemias so condutas coletivas alimentadas por um determinado grupo. Nossos amigos, os amigos de nossos amigos e os amigos dos amigos de nossos amigos direcionam, direta ou indiretamente, todo o nosso comportamento. Genericamente, uma rede social um conjunto de pessoas ou grupos de pessoas com algum padro de conexo e interao de amizade, relaes de negocio, relaes conjugais, dentre outros. Na literatura matemtica, as redes so reconhecidas como grafos, seus elementos como vrtices e suas conexes como arestas; nas cincias sociais, os elementos so denominados atores e suas conexes so laos; e na literatura da cincia da computao os elementos so reconhecidos como ns e as conexes como ligaes. Muitas regras e teorias das redes sociais se aplicam a derivam de conceitos provenientes da biologia, em especial dos insetos. Outra aplicao tambm poder ser em redes sociais, como Orkut, Facebook, Myspace e Twitter, para identificar participantes canalizadores, isto , pessoas que influenciam o comportamento de outras na rede. H muitos sculos a observao da natureza nos permitiu estabelecer teorias e modelos de como a natureza funciona. Um inseto pode ter apenas algumas centenas de clulas cerebrais, mas a sua organizao capaz de realizar maravilhas arquitetnicas, de elaborar sistemas de comunicao e de resistir s terrveis ameaas da natureza. Os insetos sociais como formigas vivem em grandes comunidades onde eles dependem uns dos outros para a sobrevivncia de toda a colnia. Uma colnia de formigas pode variar de algumas dezenas de milhares de indivduos.

Para ver a evoluo das redes sociais em ao e assim fazer um comparativo com as redes sociais devemos voltar os olhos para o modo de vida da colnia: onde ela vive o que come quem come e com que ela partilha alimento e espao, por exemplo, para que assim possa-se determinar ou encontrar um padro e depois descobrir como e quando ele muda. Todas as espcies de formigas so verdadeiramente sociais ou eu sociais, assim como os cupins. Um inseto denominado social ou eu social pela sobreposio de geraes, pela diviso de tarefas e pelo cuidado com a prole. A diviso de tarefas est associada com a presena de diferentes castas dentro da colnia. Segundo Deborah Gordon, O mistrio bsico que cerca as colnias que nelas no h administrao. Uma organizao ativa sem que haja algum no comando algo to diverso do modo como os seres humanos operam que chega a ser quase inconcebvel. No h nenhum controle central. Nenhum inseto d ordens a outro ou o instrui a fazer coisas de determinada maneira. Nenhum indivduo tem conhecimento do que deve ser feito para levar a cabo qualquer tarefa da colnia. Cada formiga abre seu caminho arranhando e picando atravs do minsculo mundo de sua vizinhana imediata. As formigas se encontram, se separam, vo cuidar de seus afazeres. De certa maneira, esses pequenos eventos criam um padro que engendra o comportamento coordenado das colnias". Ao estudar o comportamento das formigas possvel entender e descobrir como cada uma delas decide o que fazer, e de que maneira isso contribui para as realizaes da colnia ou da rede social na qual ela esta inserida. A evoluo do comportamento das redes sociais depende de quo bem elas funcionam em relao s outras em termos de sua populao. Citando Deborah Gordon, "Uma lio que as formigas do que para compreender um sistema como o delas no suficiente desagreg-lo. O comportamento de cada unidade no est encerrado dentro daquela unidade, mas decorre de suas conexes com o resto do sistema. Para ver como os componentes produzem a resposta do sistema global, tem de rastrear essas conexes em situaes cambiantes. Poderamos dissecar um crebro em milhes de diferentes clulas nervosas, mas jamais encontraramos alguma dedicada a pensar sobre a "natureza" ou as "formigas" ou qualquer outra coisa; os pensamentos so feitos pelo padro em mudana de interaes de neurnios. Os anticorpos se formam no sistema imune como conseqncia de encontros com clulas estranhas. As formigas no nascem para executar certa tarefa; a funo de cada uma delas muda juntamente com as condies que encontra, incluindo as atividades de outras formigas". Portanto, anlise do comportamento temporal de grupos em redes sociais, pode ir alem dos milhares de genes que compem o genoma humano se relacionam entre si por meio de complexas redes de regulao nas quais,

em algumas delas, certos genes (denominados canalizadores) controlam o funcionamento de diversos outros. Seja na escala das cidades, das colnias de formigas, da Web, das organizaes, das telecomunicaes ou das mentes humanas nossas vidas englobam os poderes da emergncia. Voltando ao exemplo biolgico de uma colnia de formigas, a rainha no da s ordens diretas e no diz s formigas o que fazer. Ao invs disso, cada formiga reage a estmulos qumicos deixados por outras larvas, outras formigas, intrusos e comida, e deixa para trs uma trilha qumica que, por sua vez, gera um estmulo para as outras formigas. Neste caso cada formiga uma unidade autnoma que reage dependendo apenas de seus arredores e das regras genticas codificadas para sua variedade de formiga. Tirando o fato da tomada de decises centralizada, as colnias de formiga exibem um comportamento complexo e tem mostrado serem capazes de resolver problemas geomtricos. Por exemplo, a colnia de formigas rotineiramente encontra a maior distncia possvel de todas as entradas da colnia para depositar os corpos mortos. A World Wilde Web , tipicamente, um fenmeno emergente. Mas estar a Web realmente aprendendo, ficando mais inteligente, assim como as cidades e os formigueiros ficam? A Web um tpico sistema emergente, no qual o processo de feedback, ou seja, o das conexes de duas vias fomenta a aprendizagem de nvel mais alto. Exemplos populares de emergncia so o Linux e outros projetos de cdigo aberto, a World Wilde Web (WWW), e a enciclopdia online Wikipdia. A emergncia , ao lado dos esforos dos fundadores desta, Jim Wales e Larry Sanger, a maior razo para o grande sucesso da Wikipdia. Todos estes projetos descentralizados e distribudos no so possveis sem um grande nmero de participantes ou voluntrios. Nenhum participante individual conhece a estrutura inteira, todos conhecem e editam apenas uma parte, apesar de todos os participantes terem a sensao de estarem participando de algo maior do que eles mesmos. O retorno de cima para baixo aumenta a motivao e a unio, o retorno de baixo para cima aumenta a variedade e diversidade. Esta unio responsvel pela complexidade das estruturas emergentes.