A Onda Verde - Monteiro Lobato

  • Published on
    19-Jun-2015

  • View
    1.087

  • Download
    76

Embed Size (px)

Transcript

M o N T . I R o

LOBATO

-?

A OndaVe r deII

^

"1

I

-:

5BGUNDA EDIO

DO MESMO AUTORURUPS

Contos.

IDAS DE JECA TATU

Critica.

CIDADES MORTAS NEGRINHA Contos. PROBLEMA VITAL

Contos e impresse.

Hygiene e

sociologia.

NARIZINHO ARREBITADO

Phantasia.

FABULAS

Phantasia.

'*3l^t^*^t^-/^:;^->^^^^

MONTEIRO LOBATO

A

Onda Verde

MONTEIRO LOBATO & Cia., exitores RUA GUSMES. 70-SO PAULO 1922

A

ONDA VERDEj//:

Monteiro LobatoEuropa entroncam no

As

velhas fidalguias de

banditismo dos cruzados.

Ter na linhagem um

facinora encoscorado de ferro, que saqueou, quei-

mou,

violou,

matou larga no Oriente,

o

maior

padro de gloria deentre os avs

um marquez

de Frana. Terser

um

"grilleiro"

de hoje vae

o

orgulho supremo dos nossos millionarios futuros.

Matars, roubars, so os mandamentos de alto

bordo do declogo humano, eternos e

irreductiveis,

que a ingnuaantepondo-lhes"Grillo"

lei

de Moyss tentouinnocuo "no".propriedade

inverter,

umuma

territorial

legali-

zada por meio deo advogado ou

um

titulo

falso;

"grilleiro"

"guia"

qualquer manipulador

deas

"grillos'; terras "grillentas"

ou "engrilladas",forense no

que tm maromba

de

alchimia

titulo.

Comotota

este acridio proliferou

na Noroeste mais

do que o permitte ohumana,as

coefficiente tolervel

da paalli

conversas

resentem-se

de

accentuado locustismo.

O "Gr

i

11

o"terras

/7no "grillo" do doutor

VouNo

comprar

Honestino dos Anjos.

caias nessa

!

O Honestino

um

"gril-

leiro" sujo.

Qualquer dia escangalham-lhe com ade primeirssima, que d gosto,!

patota. "Grillo"

o

da Ponte Preta

Esse, sim ...

Porque hatros

"grillos" geniaes, obra

de Caglios-

encarnados nos Lobes desovados pelo "vene;

rando mosteiro"

e os ha ineptos, mancos, fabrica-

dos ahi por sapateiros de Themis, "curiosos*' da

trampolinagem sem dedo para a

coisa.

Aquellesdevida

gosam de toda a considerao

social

obra dos meneurs de vistas largas, ao passo quea estes os cobre o povo deAlli

leiro"

vae o senador Ponte macta! E que me de Beltrano? Um comdizessujo! Borrou-se

irriso.

Preta,

um

"grl-

aquelle "grillinho"tentar

indecente da

Pedra Azul e anda agora a

um

outro mais inepto ainda. E'

um

crime deixar. .

a policia, soltos pelas ruas, typos dessa ordem,

NoA

tem a pinta

! .

.

Onda Verde

2

-

.

.

18

Monteiro LobatoE'isso.

O

"grilleiro"

um

alchimista.

Envelhece

papeis, resuscita sellos

do Imprio, inventa guiasescre-

de impostos, crea genealogias, ensina a

ver a velhos urumbevas que morreram analphabetos,

embaatira

juizes,

suborna escrives

e,

novo

Jehovah,

a terra do nada.

Seu

laboratrio

lembra as espeluncas dos Faustos medievos; maispratico,

porm, no alchimizaelixir

alli

a pedra philo-

sophal ou o

da

longa

vida.

Cagliostro

virou rbula: manipula a propriedade.

Envelhecer toda

um

titulo falso,

"enverdadeiral-o",

uma

sciencia.

Mas*conseguem-no. Do-lhe

a cor, o tom, o cheiro da velhice, e fazem-no

muitas vezes mais authentico do que os reaes.

Expem-no ao

fumeiro,

a

tal

distancia

da

fu-

maa conforme o grau de ancianidadee

requerido,

conseguem assim a

gammase

inteira

dos amarelli-

dos, segredo at aqui de Chronos.

Emquanto o papelses sabias, que lhes celluloses

defuma, fazeni-lhe aspera rugosidade peculiar

dem

d'antanho.

O "Cr illp"

19

Finalmente, para impregnal-o do cheirinho, do

"bouquet" dos decennios, passeiam-no a cavallo,mettido entre o baixeiro e a carona.. .

Ee

mais coisas fazem que os leigos no pescam,

que constituem o segredo do "ponto de bala".

Tudopelle

isso,

s vezes,

falha.

Veste o lobo a

da

velhice,fora.

mas

fica

com o rabo da moci-

dade de

Conta-se de um, superiormente engenhado, quefalliu

por artes de

um

raio

de

sol.

O

documento

engrillado era perfeito,

sem cochilo minimo por

onde o advogado

contrario, preposto a destramar

a marosca, pudesse levantar a perdiz.

Por mais

que

virasse

e

revirasse

o papel, e analysasse a

letra, e cotejasse

os dizeres, e cheirasse, e apal-

passe,

no atinava com o calcanhar de Achilles."grillo",sol entra

J com dor de cabea ia pr de parte o quando Apollo intervm. raio de

Um

pela janella e

d

de

chapa

contra

o

titulo.

Aquella sbita e intensa illuminao o perito pou-

de vislumbrar as

letras

d'agua com que a fabrica

--'

-

-- -li-j,^

" F^-

7-:?^M***

20

'

Monteiro LohaioEl estava a estreita

marcara o papel.publica^ nesse

da Re..

documento do sculo dezesete.

Aolivre,

trabalhinho de laboratrio alliam-se, ao aros actos annexos e complementares

vio-

lncias, suborno, incndio de cartrios, sumio de

autos.

Porque o

"grillo" proteiforme, e para

com-

pletar-se sobe at ptica,

subornando os theo-

dolitos dos engenheiros.

Que

prodigios opera

neste

campo!o

Oum

pri-

meiro substituir

a

corrente,

podometro, oins-

theodolito, a trigonometria e o mais por

trumento s de alta engenhosidade

:

o olhometro.

*^S o olhometro mereceapparelho maravilhoso,

f aos "grilleiros**, esse

de

criao nossa, e j estudos estatisticos.os cursos dos

muito usado pelos governos

em

Por intermdiorios.

delle

mudam-se

passa-sedireita,

um

affluente

da margem esquerda

para a

cream-se cachoeiras

em

sities

onde

o nivel manso, e operam-se quantas mais revolues geographicas se

fazem mister patota.

1^

Um

"grilleiro" possue

o nome dese

um

rio

que a

natureza esqueceu de crear;zal-o,elle,

consegue locaK-

o "grillo" sahir de primeirssima.rio s costas,

E

l

vae

com o.

em

procura de collo-

cao.

A outrotal

fazia grande conta

uma

cachoeira

em

ponto de certas divisas.

O

homem novistoria

pesta-

neja: constre a cachoeira.

Hazas.

interveno judiciaria.

Na

chamam

para perito o morador mais antigo das redonde-

O caboclo chega, defronta-se com a cachoeiraabocca.

phantastica e abre

Cincoenta

annos

que vive

alli,

moe,

como

conhecedor da zona como a palma da que nunca viu^ aquelle "poder

d'agua", barulhento e espumoso? entrando na agua, desfaz

Masl

desconfia

com

dois pontaps arola,

Paulo Affonso de mentira, queabaixo, transformada

aguas

emEra

tranqueira de galhaa,"grillo'*!. .

paulama e cips

.

.

.

.

Odalei,

"grillo"

come nas

terras

apossadas pelos

caboclos mal apetrechados contra os percevejostanto quanto nas terras devolutas que, en-

Z2

*

Monteiro LobatoL., e O., derreten -se

grilladas a N., S.,

como

torro de assucar n'agua.

Calcula

uma

autoridade no assumpto

em

trs

milhes de alqueires a rea das terras "engrilla-

das" na Noroeste.

E

esses

milhes caminham

para quatro, visto como agora a industria do "grillo'

interessa os

altos

paredros da politica, vermatria de voracidade.trs

dadeiras piranhas

em

No

ha exagero no calculo de

milhes,e

sabendo-se que ha "grillos" de 200,mil alqueires

300

500

territrios equivalentes

metade

da Blgica, quasi Saxonia,os

e

tamanhos comoallemes!..

antigos ducados e principados

.

Verdade

seja

que

estes

grillos

so os grillos-

mes, os 420 da espcie.

Um"clan"

existe

de 480 mil alqueires

o

rei

da

notvel,

no s pelo t