ANESTESIA VENOSA slide 0

ANESTESIA VENOSA

  • Published on
    02-Jan-2016

  • View
    87

  • Download
    0

DESCRIPTION

ANESTESIA VENOSA. ESTÁGIOS ANESTÉSICOS. 1951 Guedel - Estágio I – início analgesia e perda da consciência - Estágio II – fase de excitação - Estágio III - Anestesia Cirúrgica 1 0 plano 2 0 plano 3 0 plano 4 0 plano - Estágio IV – choque bulbar morte. Barbitúricos. Classificação - PowerPoint PPT Presentation

Transcript

  • ANESTESIA VENOSA
  • ESTÁGIOS ANESTÉSICOS 1951 Guedel - Estágio I – início analgesia e perda da consciência - Estágio II – fase de excitação - Estágio III - Anestesia Cirúrgica 10 plano 20 plano 30 plano 40 plano - Estágio IV – choque bulbar morte
  • Barbitúricos Classificação a) ação ultra curta (10-30 min.) b) ação curta (30-120 min.) c) ação prolongada (6-12 horas)
  • Barbitúricos Tiopental Sódico (Thionembutal) pH solução (2,5%) = 10,5 Início da ação – velocidade de injeção Término da ação (músculo--- gordura) Atravessa rapidamente barreira placentária (pico concent sanguínea fetal 2-3 min) AINE altas concentrações deslocam a ligação com PTNS plasmáticas (aspirina)
  • Barbitúricos Tiopental Sódico (Thionembutal) Mecanismo de ação diminuem a possibilidade de liberação do GABA de seus receptores aumentando sua atividade (mantém canal Cl- aberto) Ação estabilizadora (aumentam o limiar a estimulação elétrica retardam o aumento na permeabilidade ao Na+)
  • Barbitúricos Mecanismo de ação - se ligam aos receptores do GABA diminuindo a dissociação deste com seu receptor - diminuem os efeitos excitatórios do glutamato
  • Barbitúricos SNC Sedação a hipnose Analgesia X Hiperalgesia- doses subclínicas (aumenta sensibilidade a dor somática) ou recuperação sobredoses Reduz fluxo sg (FSC), consumo cerebral de O2 (CMRO2), PIC e PIO Perfusão/ consumo O2 – aumentada – pacientes com isquemia cerebral
  • Barbitúricos Cardiovasculares Aumento transitório da FC (estimulação reflexa simpática mediada por barorreceptores) Redução do DC – ação depressora direta/ diminuição do retorno venoso
  • Barbitúricos Efeitos cardiovasculares - diminui PA - aumenta FC
  • Barbitúricos Respiratórios Apnéia transitória Redução VT > FR Redução resposta hipercania Associação MPA (pós-operatório) Respiração fetal
  • Barbitúricos FARMACOCINÉTICA ABSORÇÃO DISTRIBUIÇÃO (ligação PTNs Plasmáticas) BIOTRANSFORMAÇÃO EXCREÇÃO
  • Barbitúricos
  • Etomidato Introduzido em 1972 Base orgânica não ionizada em sol. aquosa pouco hidrossolúvel Potência 25 vezes superior ao tiopental Hidrolizada rapidamente em ácido carboxílico (inativo) + sítios extrahepáticos Eliminação 75% ligação às PTNS Características IC – mínimo efeito acumulativo
  • Etomidato Mecanismo de Ação Hipnose Potencializa o efeito GABA sobre o receptor GABAA
  • Etomidato SNC Similares aos efeitos dos barbitúricos Efeitos excitatórios reduzidos com MPA Mioclonias (movimentos musculares involuntários)
  • Etomidato Cardiovasculares - Discreta redução da FC (MPA) - Diminui consumo O2 (MVO2) diminuição da RVP
  • Etomidato Respiratórios Volume e FR Apnéia transitória
  • Etomidato Outros Efeitos Não libera histamina Mioclonias, náusea e vômito e dor à injeção Insuficiência supra renal dose dependente e reversível 11-β-hidroxilase converte 11-deoxicortisol em cortisol * Causando redução do cortisol
  • Etomidato Doses Cão e gato Indução com MPA 1-2 mg.Kg-1 sem MPA 2-3 mg.Kg-1 Uso de MPA
  • Propofol Introduzido 1977 Ácido orgânico (pKa 11) Solução 1% (10% óleo de soja, 2,25% glicerol e 1,2% fosfato purificado de ovo)- diluição solução glicosada ou fisiológica Reduzido “context-sensitive half-time” “Clearance” de eliminação > fluxo hepático
  • Propofol Mecanismo de Ação Potencialização da função GABA sobre a ativação do canal de Cl-
  • Propofol SNC Depressão dose-dependente (SHORT; BUFALARI,1999) Potente efeito sobre GABAA ↓ metabolismo cerebral (THURMON et al.,1996) Diminui fluxo sg, consumo de O2 e aumenta RVcerebral Indução- contrações tônico-clônicas – sistema extrapiramidal
  • Propofol Respiratórios Apnéia transitória Reduz Vt e f (BRAZ & CASTIGLIA, 2000) ↑PaCO2 e ↓ PaO2 Uso de MPA
  • Propofol Cardiovasculares Diminui PAD PAS (20-30%) e PAM sem aumento compensatório da FC (SHORT & BUFALARI, 1999) Reduz DC e RVS (10-20%) e VS Vasodilatação venosa e arterial (reposição volume)- diminui pré e pós carga
  • Propofol Cardiovasculares Alteração mínima da FC Rara incidência de arritmias cardíacas (WATKINS et al., 1987)
  • Propofol Outros efeitos ↓ temperatura – diminuição da atividade metabólica e vasodilatação (venosa e arterial) (FANTONI, 2002) e hipotálamo opistótomo, pedalagem, tremores (QUANDT et al,.1998) WATKINS et al,.não observou alterações neuromusculares pós MPA
  • Propofol Doses Cão e gato Indução Com MPA 3-4 mg.Kg-1 Sem MPA 6-8 mg.Kg-1 Manutenção Bolus- 0,5 a 2,0 mg.Kg-1 (THURMON et al., 1996) Infusão continua - 0,3 a 0,8 mg.Kg.min.-1
  • Propofol Outros efeitos Dor à injeção Anti-emético (quimioterapia) Não potencializa BNM
  • ANESTESIA DISSOCIATIVA
  • Anestesia Dissociativa Características Manutenção dos reflexos protetores Responsivo a som, luz e outros estímulos sensoriais Aumento do tônus muscular (movimento cabeça e pescoço) Analgesia somática x visceral (associações)
  • Anestesia Dissociativa Mecanismo de Ação Estimulação seletiva do SNC Produz sedação, amnésia e analgesia Antagonimo em receptores NMDA
  • Anestesia Dissociativa Farmacocinética Alta lipossolubilidade Rápido início e término de ação Metabolização hepática ( metabólito 1/3 de ação) 4% da dose inicial recuperado na urina
  • Anestesia Dissociativa Efeitos cardiovasculares Aumento da freqüência cardíaca e aumento da PA – estimulação simpática (cardiomiopatia e hipertiroidismo)
  • Anestesia Dissociativa Efeitos respiratórios Padrão apnêustico Volume corrente e freqüência respiratória podem estar diminuídas Broncodilatação
  • Anestesia Dissociativa Efeitos SNC Aumento da fluxo sanguíneo cerebral e PIC Nistagmo e delírios ao despertar
  • Anestesia Dissociativa Outros efeitos: Irritação tissular Sialorréia PIC (contra indicada em TCE) Efeitos oculares