APICETOMIA SEGUIDA DE OBTURAÇÃO RETRÓGRADA REPEO] Numero 2 Artigo 1.pdf · Revista de Endodontia…

  • Published on
    14-Nov-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 1, Nmero 2, Julho/Dezembro, 2005. 1ISSN - (Aguardando Registro) - http://www.ufsm.br/endodontiaonline</p><p>APICETOMIA SEGUIDA DE OBTURAO RETRGRADA COM AGREGADO TRIXIDO MINERAL</p><p>(MTA) RELATO DE CASO CLNICO</p><p>APICECTOMY FOLLOWED BY RETROFILLING WITH MINERAL TRIOXIDE AGGREGATE (MTA) -</p><p>CASE REPORT.</p><p>Maria Gabriela Pereira de Carvalhoa</p><p>Walter Blaya Perezb</p><p>Sandro Borges Matterc</p><p>Diego Segatto Blayad</p><p>Ana Cludia Anhalde</p><p>Resumo</p><p>A Apicetomia com obturao retrgrada consiste no corte da poro apical da raiz do dente, seguido do</p><p>preparo de uma cavidade na poro final do remanescente radicular e a obturao deste espao com um material</p><p>adequado. Este procedimento est indicado em casos onde o tratamento endodntico convencional fracassou ou em</p><p>casos de impossibilidade de acesso ao canal radicular por via coronria. No presente caso clnico, optou-se pela</p><p>cirurgia porque o dente possua uma coroa prottica. Foi proposto o uso do Agregado Trixido Mineral (MTA) como</p><p>material retro-obturador, devido as suas vantagens quando comparado a outros materiais. Dentre essas vantagens,</p><p>podemos citar o menor grau de resposta inflamatria, formao de tecido duro sobre o material, menor infiltrao,</p><p>hidrofilia, facilidade de manipulao, entre outras. O relato deste caso clnico tem por objetivo a demonstrao do</p><p>uso do MTA. dentro das suas indicaes na clnica diria sendo observado um perodo de proservao suficiente</p><p>exigido pelos requisitos clnicos quanto aos estudos de processos reparativos. As propriedades fsicas, qumicas e</p><p>biolgicas do MTA somadas sua aplicabilidade clnica indicam uma atuao promissora desse material na</p><p>Odontologia. </p><p>PALAVRAS CHAVES: Endodontia, Apicetomia, MTA</p><p> !" #</p><p>$%</p><p>$%</p><p>&amp;" #</p><p>Apicetomia seguida de obturao retrgrada com agregado trixido mineral (MTA) relato de caso clnico</p></li><li><p>Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 1, Nmero 2, Julho/Dezembro, 2005. 2ISSN - (Aguardando Registro) - http://www.ufsm.br/endodontiaonline</p><p>Abstract</p><p>Apicectomy with retrofilling consists of cutting the apical root portion of the tooth, preparing a cavity on the</p><p>final portion of the remaining radicular and the obturation of that space with appropriate material. This procedure is</p><p>indicated in cases where conventional endodontic treatment fail or in cases where it is impossible to access the</p><p>radicular canal through the crown. In this presented case, a surgery was performed because the tooth had a prothesis.</p><p>The use of mineral trioxide aggregate (MTA) was chosen as a retro-obturator material, due its advantages when</p><p>compared to other materials. Less inflammatory level, hard tissue growth over the material, less infiltration,</p><p>hydrophil, easy handling, among other, are some of the advantages of using MTA. The objective of reporting this</p><p>clinical case is to show the use of MTA within its indications for the everyday practice, observing and checking it, for</p><p>as long as it is required by clinical standards on repairing processes during studies. The physical, chemical and</p><p>biological properties of MTA, plus its clinical applicability, indicate a very promising use of this material in</p><p>Dentistry.</p><p>KEYWORDS: Endodontia, Apicectomy, MTA</p><p>Apicetomia seguida de obturao retrgrada com agregado trixido mineral (MTA) relato de caso clnico</p></li><li><p>Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 1, Nmero 2, Julho/Dezembro, 2005. 3ISSN - (Aguardando Registro) - http://www.ufsm.br/endodontiaonline</p><p>INTRODUO</p><p>A apicetomia com obturao retrgrada consiste</p><p>no corte da poro apical da raiz do dente, seguido do</p><p>preparo de uma cavidade na poro final do</p><p>remanescente radicular e a obturao deste espao com</p><p>um material adequado. Este deve apresentar boa</p><p>capacidade de selamento a longo prazo,</p><p>biocompatibilidade, no interfira nos processos</p><p>biolgicos do reparo, no seja reabsorvido, possua boa</p><p>estabilidade dimensional, facilidade de preparo e</p><p>insero, radiopacidade e seja insensvel umidade.</p><p>Este procedimento est indicado em casos onde o</p><p>tratamento endodntico convencional fracassou ou em</p><p>casos de impossibilidade de acesso ao canal radicular</p><p>por via coronria.</p><p>O relato deste caso clnico tem por objetivo a</p><p>demonstrao do uso do MTA (Agregado Trixido</p><p>Mineral) dentro das suas indicaes na clnica diria</p><p>sendo observado um perodo de proservao suficiente</p><p>exigido pelos requisitos clnicos quanto aos estudos de</p><p>processos reparativos.</p><p>REVISO DE BIBLIOGRAFIA</p><p>A obturao do sistema de canais radiculares</p><p>tem como objetivo selar toda a extenso da cavidade</p><p>endodntica (Lopes e Siqueira 6) de forma</p><p>tridimensional (Soares e Goldberg 10). O material</p><p>obturador deve ser inerte ou anti-sptico que no</p><p>interfira e de preferncia estimule o processo de reparo</p><p>apical e periapical. Esse deve ocorrer aps a concluso</p><p>do tratamento endodntico radical (Leonardo e Leal 5).</p><p>Segundo Soares e Goldberg 10, a obturao o</p><p>retrato da endodontia. Leonardo e Leal 5 confirmam isso</p><p>afirmando que a incorreta execuo de uma das fases do</p><p>tratamento levaria a dificuldade nas fases</p><p>subseqentes, podendo trazer como conseqncia o</p><p>fracasso total. Flores3 destaca ainda que perfuraes</p><p>dentais, reabsores apicais, fraturas de instrumentos,</p><p>extravasamento de material obturador, leses</p><p>periapicais no reparadas, inacessibilidade ao pice</p><p>podem ser resolvidos com o tratamento cirrgico. Dessa</p><p>maneira, Lopes e Siqueira 6 consideram que, a despeito</p><p>de ser um procedimento invasivo, a teraputica</p><p>endodntica cirrgica hoje considerada como</p><p>tratamento conservador, pois s atravs dela que o</p><p>rgo dental ser preservado.</p><p>Vrias so as denominaes para os</p><p>procedimentos cirrgicos que envolvem o peripice:</p><p>cirurgia periapical (Taylor e Bump 11), cirurgia</p><p>paraendodntica (Leonardo e Leal5), cirurgia</p><p>endodntica (Peterson e Colaboradores 7) ou ainda</p><p>cirurgia perirradicular (Lopes e Siqueira 6).</p><p>Os primeiros relatos de procedimentos de</p><p>cirurgia paraendodntica foram descritos em 1843 por</p><p>Desirabode, envolvendo somente a remoo da poro</p><p>apical da raiz de um dente (Taylor e Bump 11).</p><p>Segundo Leonardo e Leal 5, a cirurgia</p><p>paraendodntica um conjunto de procedimentos, cujo</p><p>objetivo bsico visa resolver complicaes decorrentes de</p><p>um tratamento de canal radicular ou seu insucesso.</p><p>Flores3 cita vrias modalidades de cirurgia</p><p>paraendodntica: curetagem perirradicular, apicetomia,</p><p>apicoplastia, cirurgia com obturao simultnea do</p><p>canal, obturao retrgrada, retro-instrumentao com</p><p>Apicetomia seguida de obturao retrgrada com agregado trixido mineral (MTA) relato de caso clnico</p></li><li><p>Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 1, Nmero 2, Julho/Dezembro, 2005. 4ISSN - (Aguardando Registro) - http://www.ufsm.br/endodontiaonline</p><p>retro-obturao, retro-instrumentao associada </p><p>obturao retrgrada, rizectomia, odontosseco e</p><p>cirurgia dos cistos radiculares.</p><p>As principais indicaes das cirurgias</p><p>paraendodnticas, segundo Lopes e Siqueira6, so:</p><p>patologias perirradiculares persistentes aps o</p><p>tratamento ou retratamento endodntico; obstrues</p><p>que impeam o retratamento endodntico; fraturas</p><p>transversais do tero apical; reabsores patolgicas e</p><p>calcificaes radiculares; impossibilidade de tratamento</p><p>endodntico adequado devido a grandes dilaceraes</p><p>radiculares, desvios e perfuraes; manuteno da</p><p>sintomatologia dolorosa; presena de exsudato</p><p>persistente. So contra-indicaes do procedimento</p><p>cirrgico: a no identificao das causas de insucesso do</p><p>tratamento endodntico (Peterson e Colaboradores 7); a</p><p>possibilidade de realizar tratamento/retratamento</p><p>endodntico; risco de injria a estruturas anatmicas;</p><p>suporte sseo insatisfatrio (Leonardo e Leal5, Peterson</p><p>e Colaboradores 7 ); acesso cirrgico dificultado (Lopes e</p><p>Siqueira 6, Leonardo e Leal5, Peterson e Colaboradores7); dentes com razes muito curtas ou que j sofreram</p><p>apicetomia (Peterson e Colaboradores 7); e, complicaes</p><p>sistmicas (Lopes e Siqueira 6, Leonardo e Leal5,</p><p>Peterson e Colaboradores 7).</p><p>A apicetomia com obturao retrgrada consiste</p><p>no corte da poro apical da raiz de um dente, seguido</p><p>do preparo de uma cavidade na poro final do</p><p>remanescente radicular e a obturao deste espao com</p><p>um material adequado (Leonardo e Leal5). Segundo</p><p>Lopes e Siqueira 6, objetivo da obturao retrgrada o</p><p>selamento hermtico da regio apical, propiciando o</p><p>processo de cura e reparao. Trope e Colaboradores 15</p><p>citam que os materiais seladores apicais constituem um</p><p>ponto crtico, uma vez que devem ser no-txicos,</p><p>estveis biologicamente e no-reabsorvveis. Lopes e</p><p>Siqueira 6 adicionam ainda s propriedades ideais do</p><p>material retro-obturador a adesividade, a estabilidade</p><p>dimensional, apresentar presa rpida, ter</p><p>radiopacidade, ser de fcil manipulao e presena de</p><p>atividade antimicrobiana. </p><p>Segundo Flores3, vrios so os materiais que</p><p>podem ser utilizados na retro-obturao. Podem ser</p><p>citados o amlgama, o cianoacrilato e o ionmero de</p><p>vidro. Quesada8 verificou em sua pesquisa que nenhum</p><p>dente foi infiltrado com corante azul de metileno a 0,2%</p><p>nos dentes apicetomizados e retroobturados com</p><p>ionmero de vidro. No entanto, Torabinejad e Chivian 12</p><p>descrevem o emprego do MTA (Agregado Trixido</p><p>Mineral) como alternativa de material retro-obturador</p><p>em cirurgias paraendodnticas. Segundo o mesmo</p><p>autor, as principais vantagens observadas para o MTA</p><p>quando comparado ao amlgama so menor grau de</p><p>resposta inflamatria, formao de cemento sobre o</p><p>MTA e regenerao dos tecidos perirradiculares com</p><p>conformao semelhante normal.</p><p>Schwartz e Colaboradores 9 destacam que,</p><p>desde a sua aprovao em 1998 pela Administrao de</p><p>Alimentos e Drogas dos Estados Unidos, o Trixido</p><p>Mineral Agregado tem se tornado um material com</p><p>numerosas aplicaes na clnica endodntica e seu uso</p><p>tende expanso. Com o objetivo de analisar a</p><p>informao que os cirurgies-dentistas residentes na</p><p>cidade de Santa Maria (RS-Brasil) tm sobre o MTA,</p><p>Carvalho e Colaboradores 1 realizaram uma pesquisa</p><p>por meio de questionrio e concluram que apenas</p><p>Apicetomia seguida de obturao retrgrada com agregado trixido mineral (MTA) relato de caso clnico</p></li><li><p>Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 1, Nmero 2, Julho/Dezembro, 2005. 5ISSN - (Aguardando Registro) - http://www.ufsm.br/endodontiaonline</p><p>32,46% dos entrevistados conhecem o material,</p><p>enquanto que 67,53% no o conhecem.</p><p>O MTA um p constitudo de silicato</p><p>triclcico, aluminato triclcico, xido triclcico, xido de</p><p>silicato, xido de bismuto e ainda pequenas quantidades</p><p>de outros xidos que modificam propriedades qumicas e</p><p>fsicas (Schwartz e Colaboradores 9).</p><p>Segundo Holland e Colaboradores 4 o</p><p>mecanismo de ao do MTA similar ao hidrxido de</p><p>clcio. O xido de clcio, um dos constituintes do MTA,</p><p>ao realizar-se a preparao da pasta com gua, seria</p><p>convertido em hidrxido de clcio. Este por sua vez, em</p><p>contato com os fluidos tissulares, se dissociaria em ons</p><p>clcio e hidroxila. Na seqncia, haveria a formao de</p><p>uma ponte de tecido duro. O p de MTA constitudo</p><p>ainda por finas partculas hidroflicas, que favorecem o</p><p>uso na presena de umidade, sendo esta propriedade</p><p>requerida nas cirurgias paraendodnticas.</p><p>Comparando os efeitos antimicrobianos da</p><p>pasta de hidrxido de clcio, MTA, cimento Portland,</p><p>Sealapex e Dycal, Estrela e Colaboradores 2 verificaram</p><p>que os efeitos da pasta de hidrxido de clcio foi</p><p>superior a todas as outras substncias enquanto que o</p><p>MTA apenas apresentou zona de difuso. No entanto,</p><p>Torabinejad e Colaboradores 13 relataram que o MTA</p><p>apresenta propriedades antimicrobianas para 5 das 9</p><p>bactrias facultativas mais encontradas em canais</p><p>radiculares infectados, mas no tem efeito sobre</p><p>bactrias estritamente anaerbias. Schwartz e</p><p>Colaboradores 9 descrevem que a ao antimicrobiana</p><p>do material pode estar relacionada ao pH de 12,5,</p><p>observado aps a colocao do MTA, que semelhante</p><p>ao do hidrxido de clcio.</p><p>Em 1993, ao comparar a capacidade de</p><p>selamento do MTA, amlgama e super EBA utilizando</p><p>corantes, Torabinejad e Colaboradores 14 demonstraram</p><p>que o MTA demonstrou menor quantidade de infiltrao</p><p>que os demais materiais. No mesmo trabalho,</p><p>apontaram como vantagens a facilidade de insero,</p><p>manipulao, remoo de excessos e ainda</p><p>comportamento favorvel frente umidade. O longo</p><p>tempo de presa do material (3 a 4 horas) foi apontado</p><p>como a principal desvantagem em seu emprego. </p><p>De acordo com Schwartz e Colaboradores 9, a</p><p>deposio de cemento sobre o MTA e o estabelecimento</p><p>de um ligamento periodontal so preferveis formao</p><p>de tecido fibroso que acontece com outros materiais. O</p><p>cemento pode formar um selamento biolgico que </p><p>semelhante ao de uma superfcie de raiz normal.</p><p>Segundo Holland e Colaboradores 4, aps a sua</p><p>presa, o MTA passa a conter xido de clcio, que</p><p>reagindo com os fluidos teciduais origina o hidrxido de</p><p>clcio. Assim, o seu possvel mecanismo de ao pode</p><p>ser semelhante ao produzido pelo hidrxido de clcio,</p><p>estimulando a deposio de tecido duro.</p><p>Apicetomia seguida de obturao retrgrada com agregado trixido mineral (MTA) relato de caso clnico</p></li><li><p>Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 1, Nmero 2, Julho/Dezembro, 2005. 6ISSN - (Aguardando Registro) - http://www.ufsm.br/endodontiaonline</p><p>RELATO DO CASO </p><p>Paciente do sexo feminino, 36 anos, procurou a</p><p>clnica de odontologia para exames de rotina. Foi</p><p>diagnosticada no exame radiogrfico uma leso</p><p>periapical no dente 12, a qual no havia regredido ao</p><p>tratamento endodntico convencional. No entanto, a</p><p>paciente era portadora de uma coroa prottica nesse</p><p>dente, tornando-se arriscado o acesso ao canal radicular</p><p>via coronria.</p><p>Figura 1 - Radiografia panormica eperiapical evidenciando a leso no picedo incisivo lateral superior</p><p>Optou-se, ento, pela apicetomia seguida de obturao</p><p>retrgrada. Aps preparo da mesa cirrgica e campo</p><p>operatrio, foi realizada anestesia do nervo alveolar</p><p>ntero-superior de ambos os lados e nervo nasopalatino</p><p>e inciso de Newman modificada para levantamento de</p><p>retalho mucoperisteo.</p><p>Figura 2 - Levantamento do retalho mucoperisteo</p><p>A trepanao na regio apical para exposio do pice</p><p>radicular foi feita com broca para osso n. 8 (SS White,</p><p>SP, Brasil). Foi feita a curetagem perirradicular para</p><p>remoo da leso, </p><p>Figura 3 Ostectomia para exposio do piceradicular, curetagem periapical, remoo da leso epice radicular aps a remoo da leso</p><p>a resseco radicular realizou-se com uma ponta</p><p>diamantada cilndrica n 1090 (KG Sorensen, SP,</p><p>Brasil) a 2 mm do pice seguindo o sentido longitudinal</p><p>da raiz e preparou-se uma retrocavidade.</p><p>Figura 4 - Resseco radicular em torno de 2 a 3 mm dopice e viso aps a resseco radicular.</p><p>Apicetomia seguida de obturao retrgrada com agregado trixido mineral (MTA) relato de caso clnico</p></li><li><p>Revista de Endodontia Pesqu...</p></li></ul>

Recommended

View more >