Apostila de Introdução Bíblica

  • Published on
    07-Jun-2015

  • View
    38.777

  • Download
    81

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Uma excelente ferramenta para os novos convertidos f bblica, onde procuro mostrar a importncia da Bblia, o Preservacionismo, a Revelao, a Inspirao e a Iluminao, os Manuscritos, os idiomas da Bblia, Curiosidades bblicas, etc.(Pesquisa, elaborao e coletnea de material por: Humberto Fontes)humbertoetania@globo.com OBS: A presente apostila foi revista e atualizada em Junho de 2009.

Transcript

<p>Introduo BblicaInclinar-me-ei para o teu santo templo, e louvarei o teu nome pela tua benignidade, e pela tua verdade; pois engrandeceste a tua palavra acima de todo o teu nome.(Salmos 138:2 ACF) (Pesquisa, elaborao e coletnea de material por: Humberto Fontes) humbertoetania@globo.com OBS: A presente apostila foi revista e atualizada em Junho de 2009.</p> <p>2</p> <p>SNTESE DA HISTRIA BBLICA1. DEUS criou o homem e o colocou no Jardim do den 2. O homem pecou e deixou de ser aquilo para o que Deus o tinha destinado. Foi ento que Deus ps em andamento o plano para a salvao do homem e o fez chamando Abrao para que fundasse uma nao, mediante a qual o plano seria executado. 3. A nao no andou nos caminhos do Senhor e foram escravizados no Egito. Aps 400 anos, sob a direo de Moiss, o povo foi tirado do Egito de volta terra prometida de Cana. A nao se tornou um grande e poderoso reino. 4. O reino foi dividido no fim do reinado de Salomo: Israel, ao norte, 10 tribos, levada cativa pela Assria em 721 a. C., e Jud, ao sul, 2 tribos, levada cativa pela Babilnia no ano 600 a. C. 5. Encerra-se o Antigo Testamento. 400 anos mais tarde, cumpre-se a promessa pelo aparecimento de Jesus, o Messias, a esperana da humanidade, mediante Quem o homem seria redimido e nascido de novo. Para realizar e consumar Sua obra salvadora, Jesus Cristo MORREU pelo pecado humano, ressuscitou e ordenou que os discpulos sassem pelo mundo contando a histria de Sua vida e Seu poder redentor. 6. Assim, obedecendo ordem (a grande comisso), partiram os discpulos por toda parte, em todas as direes, levando as BOAS NOVAS, alcanando o mundo civilizado conhecido da poca. Assim, com o lanamento da obra da redeno humana, encerra-se o Novo Testamento.</p> <p>A BBLIAA Bblia o Livro de Deus (Is 34:16). A palavra Bblia (Livros) entrou para as lnguas modernas por intermdio do francs, passando primeiro pelo latim bblia, com origem no grego biblos (folha de papiro do sculo XI a. C preparada para a escrita). Um rolo de papiro tamanho pequeno era chamado biblion, e vrios destes era uma Bblia. Portanto Bblia quer dizer coleo de vrios livros. No princpio, os livros sagrados no estavam reunidos uns aos outros como os temos agora em nossa Bblia. O que tornou isso possvel foi a inveno do papel no sc. II pelos chineses, bem como a inveno do prelo de tipos mveis, em 1450 A. D. por Guttenberg, tipgrafo alemo. At ento tudo era manuscrito como ocorria anteriormente com os escribas, de modo laborioso, lento e oneroso. Com a inveno do papel desapareceram os rolos e a palavra biblos deu origem a livro como se v em biblioteca (coleo de livros), bibliografia, biblifilo (colecionador de livros). A primeira pessoa a aplicar o nome Bblia foi Joo Crisstomo, grande reformador e patriarca de Constantinopla, 398-404 A. D. Teologicamente a Bblia a revelao de Deus para a humanidade. Etimologicamente uma coleo de livros pequenos, cujo autor Deus, o Esprito Santo seu real intrprete e Jesus Cristo seu TEMA UNIFICADOR, seu assunto central. Cerca de 40 personagens se envolveram no registro e compilao dos 66 livros que compem a Bblia Sagrada (1 Ts 2:13; 1 Pedro 1:20-21). Os escritores viveram distantes uns dos outros (11 pases diferentes), em pocas e condies diferentes, no se conheceram (na poca a comunicao era praticamente impossvel) pertenceram s mais variadas camadas sociais, e tinham cultura e profisses muito diferentes. Foram das mais diferentes categorias (19 ocupaes diferentes): escritores, estadistas, camponeses, reis, vaqueiros, pescadores, cobradores de impostos, instrudos e ignorantes, judeus e gentios. Ex: legislador (Moiss); general (Josu); profetas (Samuel, Isaas, etc.); Reis (Davi e Salomo); msico (Asafe, comps 12 Salmos); boiadeiro (Ams); prncipe e estadista (Daniel); sacerdote (Esdras); coletor de impostos (Mateus); mdico (Lucas); erudito (Paulo); pescadores (Pedro e Joo).</p> <p>3 So aproximadamente 50 geraes de homens. Um exame das vidas dos escritores mostra a verdade deste testemunho. Esses eram homens srios. Eles vieram de todos os caminhos da vida. Eram homens de boa reputao e mente brilhante. Muitos deles foram cruelmente perseguidos e mortos pelo testemunho que mantiveram. No ficaram ricos pelas profecias que deram. Longe disso. Muitos empobreceram. O autor dos cinco primeiros livros da Bblia escolheu viver uma vida terrivelmente pesada e de lutas ao servio de Deus em oposio vida milionria que ele poderia ter tido como o filho do Fara. Muitos escritores da Bblia fizeram escolhas semelhantes. Suas motivaes certamente no foram convencionais nem mundanamente vantajosas. Eles no eram homens perfeitos, mas eram homens santos. As vidas que eles viveram e os testemunhos que deram e as mortes de que morreram deram forte evidncia de que estavam dizendo a verdade. Cada escritor manifestou seu prprio jeito de escrever (idiossincrasia), seu estilo e caractersticas literrias. A Bblia possui aproximadamente 10 estilos literrios diferentes: poticos (J, Sl, Pv); parbolas (evangelhos sinticos); alegorias (Gl 4); metforas (Gn 6:6; x 15:16; Dt 13:17; Sl 18:2; 34:16; Lm 3:56; Zc 14:4; 2 Co 3:2-3; Ef 4:30; Tg 3:6); comparaes (Mt 10:1; Jo 21:25; Cl 1:23; Tg 1:6); figuras poticas (J 41:1); stiras (Mt 19:24; 23:24); figuras de linguagem (Sl 36:7; Sl 44:23). Demoraram cerca de aproximadamente 1600 anos para escrever os 66 livros. 1491 a. C., quando Moiss (teve a viso do passado) comeou a escrever o Pentateuco, no meio do trovo no monte Sinai, at 97 d. C., quando o apstolo Joo (teve a viso do futuro), ele mesmo um filho do trovo (Mc 3:17), escreveu seu evangelho na sia Menor. Entretanto, h na Bblia um s plano ou projeto, que de fato mostra a existncia de um s Autor divino, guiando os escritores. A Bblia um s livro. Tem um s sistema doutrinrio, um s padro moral (expresso da autoridade de Deus), um s plano de salvao, um s programa das eras. As diversas narrativas ali encontradas dos mesmos incidentes e ensinamentos no so contraditrias, mas suplementares. No h em todo o seu contedo uma s contradio, e um livro sempre d continuidade ou complementa o outro, apesar das condies em que foram escritos. Muitas vezes, um autor iniciava um assunto e, sculos depois, outro o completava. Os escritores humanos fornecem variedade de estilo e matria. O Autor Divino garante unidade de revelao e ensino. Em todo o seu conjunto, possui uma harmonia, que s pode ser explicada como sendo um MILAGRE. A Bblia a coleo das exatas palavras dos 66 livros que constituem o seu CNON (cnon significa autoridade, regra de f. O cnon est fechado, no h mais nenhum livro inspirado!!!). Vide (Mt 4:4; Jo 12:48; 2 Tm 3:16-17; 2 Pe 1:3; Jd 3). Assim, a Bblia composta: 24 livros os do cnon judaico do VT (equivalentes aos nossos 39 livros, o mesmo que hoje chamado de "Texto Massortico de BEN CHAYyIM" e que, depois da inveno da Imprensa, foi impresso por Daniel Bomberg, um abastado cristo veneziano originrio da Anturpia, em 1524-5. A edio da segunda publicao ficou a cargo de Jacob Ben Chayyim);</p> <p>No confundir Ben Chayyim com Ben Asher. No confundir o Texto Massortico de Ben Chayyim (100% genuno) com o falso Texto Massortico, de Ben Asher (com falsificaes e tambm referido como Bblia Stuttgartensia). No confundir a Bblia Hebraica de Kittel (BHK) 1 e 2 edio [1906 e 1912, boas, baseadas no Texto Massortico de Ben Chayyim] com as BHK edies posteriores, ms, baseadas no falso Texto Massortico, de Ben Asher. 27 livros os do cnon do NT (os mesmos que, depois da inveno da Imprensa, foram impressos, terminando por serem conhecidos pelo nome de TR, ou "Textus Receptus", isto , "O Texto Recebido").</p> <p>4 "Textus Receptus": do latim textum ergo habes, nunc ab amnibus receptum, que significa: texto ora recebido por todos. Foi a frase escrita no prefcio da edio de 1633, do N.T. grego dos irmos Elzevir (impressores holandeses de origem judaica). So os 27 livros do N.T. que foram recebidos pelas igrejas do sculo I, das mos dos homens inspirados por Deus para escrevlo; e, tambm, recebido pela Reforma, das mos das pequeninas igrejas fiis {perseguidas por Roma} e da Igreja Grega Ortodoxa. O T.R. foi o texto usado pela igreja por quase 2000 anos, antes de surgirem as verses modernas e deturpadas da Bblia, baseadas no texto crtico, em 1881, com o surgimento do Novo Texto Grego de Westcott e Hort. O T.R. foi usado em todo o perodo bizantino (312-1453), donde foi traduzido por Almeida e o texto grego do N.T. que os reformadores (Reforma Protestante) usaram no sculo XVI e XVII, para traduzir a Bblia em vrios idiomas, inclusive o portugus. O nome massoretas se refere aos rabinos judeus surgidos aproximadamente no ano 100 d.C. que conservavam e transmitiam o texto bblico. Eles substituram os escribas. Faziam anotaes s margens do texto, chamadas massorah. Eles incorporaram os sinais voclicos ao texto hebraico (que no possui vogais), entre o 5 e 6 sculos. Apesar de toda oposio, a Bblia o livro mais antigo, mais famoso e mais lido do mundo. Escrito em mais de 2000 lnguas e dialetos, j atravessou 3.000 anos. tambm o livro de maior circulao em todo o mundo. Em 1996, por exemplo, foram distribudos 20 milhes de Bblias em todo o mundo. S no Brasil, foram quase 7 milhes e na China circulam cerca de 3 milhes. Por tudo isto, podemos dizer, sem medo de errar que a Bblia tem origem sobre-humana! Os nomes mais comuns dados Bblia so: Livro do Senhor (Is 34:16); Palavra de Deus (Mc 7:13; Jo 10:35; Hb 4:12); Escrituras ou Sagradas Escrituras (Mt 21:42; Lc 4:21; Jo 7:38, 42; Rm 1:2; Rm 4:3; Gl 4:30); a Verdade (Jo 17:17; Rm 15:8); Lei (Sl 119); Lc 10:26; Mt 5:18); Mandamentos (Sl 119); a Lei e os Profetas (Mt 5:17; Lc 16:16); a Lei de Moiss (Lc 24:44); Orculos de Deus (Rm 3:2).</p> <p>Assim como Jesus Cristo (que a Palavra Viva = 1 Jo 1:1; Ap 19:13) 100% Humano e 100% Divino, a Bblia (que a Palavra escrita) humana e divina e sem erros!!!A Palavra de Deus : inspirada (Sl 19:7-11; 119:89; 105, 130, 160; Pv 30:5-6; Is 8:20; Jr 1:2, 4, 9; Lc 16:31; 24:25-27; 44-45; Jo 5:39, 45-47; 12:48; 14:26; 16:13; 17:17; At 1:16; 28:25; Rm 3:4; 15:4; 1 Co 2:10-13; 2 Co 2:4; Ef 6:17; 1 Ts 2:13; 2 Tm 3:16-17; 1 Pe 1:11-12; 2 Pe 1:19-23; 1 Jo 1:1-3; Ap 1:1-3; 22:19); eterna (Sl 119:89; Mt 24:35); nica regra de f e prtica (Is 8:20; Jo 12:48); suficiente para a vida crist (Mt 4:4; Jo 12:48; 2 Tm 3:16-17; 2 Pe 1:3; Jd 3); lmpada para os nosso ps (Sl 119:105); amada pelos salvos (Sl 119:47, 72, 82, 97); purificao da vida (Sl 119:9); para ler, estudar e examinar (Dt 17:19; Js 1:8; Jo 5:39; At 17:11); alimento espiritual (1 Pe 2:2); para a santificao (Jo 17:17); proveitosa para toda boa obra (2 Tm 3:16); preservada (Lc 21:33); fogo consumidor (Jr 5:14); martelo (Jr 23:29); fonte de vida (Ez 37:7); poder para a salvao (Rm 1:16); penetrante (Hb 4:12); algo a ser defendido pelos santos (Jd 3); para ser pregada a todos (Mt 28:18-20; Mc 16:15); espelho (Tg 1:23-25); semente (1 Pe 1:23); espada (Ef 6:17); comida (Hb 5:12-14); mel (Sl 119:103); leite (Hb 5:13); viva e atual (Jo 6:63 b; Hb 4:12; 1 Pe 1:23; 1 Jo 1:1). NOTA IMPORTANTE: A BBLIA O LIVRO PELO QUAL TODOS OS HOMENS SERO JULGADOS: Jo 12:48</p> <p>5</p> <p>A UTILIDADE DA BBLIA:Toda escritura inspirada por Deus e til para o ensino, para a repreenso, para a correo, para a educao na justia, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. 2 Tm 3:16-17. Examine ainda 1 Corntios 10:11 e Romanos 15:4. A BBLIA UM LIVRO PARA: ser buscado/examinado (Jo 5:39); crido (Jo 2:22); lido (1 Tm 4:13); recebido (1 Ts 2:13); confirmado e aceito (At 17:11). A BBLIA TEM MUITOS OBJETIVOS: avisar os crentes (1 Co 10:11); manifestar o cuidado de Deus (1 Co 9:9, 10); ensinar e instruir (Rm 15:4); aperfeioar o cristo para toda boa obra (2 Tm 3:16-17); fazer o homem sbio para a salvao (2 Tm 3:15); produzir f na divindade de Cristo (Jo 20:31); produzir vida eterna (Jo 5:24). A unidade da Bblia sem paralelo. Nunca, em qualquer outro lugar, uniram-se tantos tratados diferentes, histricos, biogrficos, ticos, profticos e poticos, para perfazer um livro. Assim como todas as pedras lavradas e as tbuas de madeira compem um edifcio ou, melhor ainda, como todos os ossos, msculos e ligamentos se combinam em um corpo, assim tambm com a Bblia.</p> <p>A MENSAGEM SINGULAR DA BBLIAEntre a Bblia e os outros escritos religiosos e filosficos existe um abismo intransponvel. A Bblia o nico Livro que se atreve a prever o futuro e o faz com 100% de preciso e acerto!!! (Dt 18:20-22; Is 41:22-23; 42:8-9; 44:6-8). Certamente, valores como a verdade, a honestidade, a justia e o altrusmo so comuns aos melhores escritos da humanidade. Nisso, a Bblia se identifica com todos os outros. Mas, o que dizer do Deus apresentado pela Bblia? Que contraste com a energia impessoal do Hindusmo ou com os frgeis e grotescos deuses dos pantees greco-romanos! Deus Se apresenta em toda a Sua majestade e grandeza: Santo, Justo, Fiel, Onipotente, Onipresente e Onisciente; Perfeito em amor e misericrdia, Imutvel em todos os Seus atributos!!! O prprio mistrio da Trindade demonstra um Deus maior que nossa razo. O homem, na Bblia, retratado no seu melhor e no seu pior estado. Enquanto na Filosofia o homem deificado como senhor do seu prprio destino, na Bblia, o homem criatura de Deus, pecador e dependente. Enquanto em algumas crendices o homem parte de um jogo de dados csmicos, joguete nas mos de foras poderosas, na Bblia, o homem criado por Deus com dignidade e sentido na Histria. O caminho bblico para a salvao vai de encontro idia arraigada, no esprito humano, de que cada um deve promover a sua prpria salvao. Na Bblia, a salvao um presente que no pode ser comprado, mas deve ser recebido com gratido. O perdo dos pecados no ocorre por cerimnias vazias (como na igreja catlica romana, por exemplo), mas, mediante a morte do Filho de Deus na cruz, no lugar dos pecadores. O destino final, na Bblia, no a aniquilao da personalidade, nem um paraso de prazeres carnais (como no Islamismo); mas, a comunho com Deus por toda a eternidade. E isto ocorrer somente para aqueles que um dia aceitaram o caminho oferecido por Deus (Jesus Cristo Jo 14:6). Homens no narrariam seus prprios pecados, derrotas, idolatrias, etc. Nenhum homem conceberia a idia de um inferno de sofrimento eterno. Isto mostra que a Bblia um livro inspirado por Deus!</p> <p>6 A Bblia se ope a certos conceitos filosficos do mundo, e os refuta: 1) Atesmo (Sl 14:1; 53:1; Jr 4:22) 2) Politesmo (Mc 12:32; 1 Co 8:6; Ef 4:6; 1 Tm 2:5; Tg 2:19) 3) Materialismo (Mt 6:19-21, 24; Mt 19:16-26, 29; 1 Tm 6:10a; Sl 62:10b) 4) Pantesmo (Gn 1:1, 26; Mt 1:1, 18; Jo 1:1, 18; 16:7; 2 Co 13:14; Hb 13:8; 1 Jo 5:7) 5) A eternidade da matria (Gn 1:1). 6) Filosofia (1 Co 1:22; Cl 2:8; 1 Tm 6:20; Tg 1:5).</p> <p>CAPTULOS E VERSCULOS:A diviso da Bblia em captulos s veio acontecer no ano de 1250 A. D., pelo cardeal Hugo de Sancto Caro, monge dominicano. Alguns pesquisadores atribuem essa diviso tambm a Stephen Langton, professor da Universidade de Paris e mais tarde arcebispo da Cantur...</p>