Artigo - Clarice Lispector

Embed Size (px)

Text of Artigo - Clarice Lispector

  • XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interaes, Convergncias

    13 a 17 de julho de 2008 USP So Paulo, Brasil

    Benedito Nunes: O Mundo de Clarice Lispector - Primeiro Livro Publicado

    Prof. Doutoranda Maria de Ftima do Nascimentoi/UFPA/UNICAMP

    Resumo:

    Benedito Nunes comeou o trabalho de crtica literria muito jovem, nos jornais e peridicos de Belm do Par, como colaborador do Suplemento Literrio Arte e Literatura, do jornal Folha do Norte, de 1946 a 1951, e como diretor das revistas Encontro (1948) e Norte (1952), posteriormente em revistas e jornais literrios nacionais, a exemplo de: Suplemento Literrio do Estado de So Paulo e Revista do Livro, entre outros. Nos anos subseqentes, ele continuou atuando, com larga repercusso nacional, na crtica literria, divulgada em eventos e em livros, como: O Mundo de Clarice Lispector (1966) e O Dorso do Tigre (1969). Neste trabalho objetivamos analisar o primei-ro ensaio dos cinco que compem o livro inicial de Benedito Nunes: O Mundo de Clarice Lispector (Ensaio), publicado em 1966.

    . Palavras-chave: Benedito Nunes, Crtica literria, Romance brasileiro, Filosofia.

    O livro O Mundo de Clarice Lispector (Ensaio) constitudo de cinco ensaios: A Nusea, A Experincia Mstica de G. H, A Estrutura dos Personagens, A Existncia Absurda e Linguagem e Silncio, que foram publicados em 1969, na segunda parte do livro O Dorso do Tigre, com mudana de ttulo, O Mundo Imaginrio de Clarice Lispector, e com muitas alteraes no contedo dos ensaios, mas sem nenhuma meno ao livro publicado em 1966.

    Olhando de relance os livros de Benedito Nunes, percebemos que ele optou quase sempre por analisar obras de grandes escritores, a exemplo de: Guimares Rosa, Joo Cabral de Melo Neto, Fernando Pessoa, Jean-Paul Sartre e Clarice Lispector.

    De todos os grandes autores por ele estudados, Clarice Lispector est no centro de suas atenes. Os romances e contos de Clarice Lispector parecem ter sido seu grande achado para o estudo que o interessava, ou seja, a reflexo sobre filosofia e arte, em especial, a literatura. A propsito, em um artigo publicado em 2005, intitulado Meu Caminho na Crtica, em que Nunes faz um balano de seu caminho de crtico literrio, ele comea citando a autora que o inspirou a refletir sobre a cultura e a natureza, a partir de tantos escritos dela: Num dos encontros, em Belm, com Clarice Lispector, depois que publiquei O Drama da Linguagem (So Paulo, tica, 1989), sobre o conjunto da obra dessa escritora, ela me disse antes do cumprimento de praxe: Voc no um crtico, mas algo diferente, que no sei o que (NUNES, 2005. p. 289).

    No entanto, ainda que Nunes, aos olhos contemporneos, tenha escolhido para suas anlises uma grande autora, na poca em que escreveu O Mundo de Clarice Lispector (Ensaio), em meados da dcada de 60, Clarice Lispector no era to prestigiada na Literatura Brasileira como hoje, haja vista dois textos de lvaro Lins, um de 1944 e outro de 1946, intitulados A experincia incompleta: Clarice Lispector, sobre os romances Perto do Corao Selvagem (1944) e O Lustre (1946), textos esses publicados em jornais e, posteriormente, em 1963, no livro Os Mortos de Sobrecasaca: Ensaios e Estudos 1940-1960, em que, embora afirme que tal produo clariceana remeta a ...um romance original nas nossas letras (LINS, 1963. p. 187), critica negativamente os dois romances da autora de Laos de Famlia, afirmando que:

    Romances, porm, no se fazem somente com um personagem e pedaos de romances, romances mutilados e incompletos, so os dois livros publicados pela Sra. Clarice Lispector, transmitindo ambas nas ltimas pginas a sensao de que

  • XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interaes, Convergncias

    13 a 17 de julho de 2008 USP So Paulo, Brasil

    alguma coisa essencial deixou de ser captada ou dominada pela autora no processo da arte de fico (LINS, 1963 p. 192).

    Nunes, ao contrrio de lvaro Lins, faz uma crtica valorizando a obra de Clarice Lispector, criticando os estudiosos que no conseguiam ver a importncia de certos temas e situaes, constantes na obra da escritora brasileira e chama a ateno para isso na introduo de O Mundo de Clarice Lispector (Ensaio), de 1966, portanto muito prximo da publicao do livro de Lins, parece dar uma resposta ao autor de Os Mortos de Sobrecasaca: Ensaios e Estudos 1940-1960, notadamente quando faz a seguinte afirmao em seu primeiro livro:

    Este ensaio uma tentativa para interpretar coerentemente a fico de Clarice Lispector, cuja importncia cresceu muito, sobretudo depois do aparecimento de A Ma no Escuro (1961). A Paixo Segundo G. H., de 1964, recebido pela crtica com respeitoso silncio, quebrado por uma ou outra apreciao, ainda no foi devidamente avaliado quanto ao lugar que ocupa na prosa de fico da extraordinria escritora. Houve mesmo, a propsito desse ltimo romance de Clarice Lispector, reaes de surpresa e de estarrecimento. Chegou-se at a falar no hermetismo da autora, de seu culto de vaguido, e da incomunicabilidade final dos propsitos da romancista. (NUNES, 1966, p. 11).

    O crtico paraense no foi o primeiro a analisar a obra da autora de A Ma no Escuro. Porm, parece ter sido Benedito Nunes quem mais se encantou naquele momento com a escrita da autora de A Paixo Segundo G. H, pois ele continuou, por vrios anos, estudando a obra da escritora e republicando livros com os mesmos ensaios sobre ela, com mudanas apenas de ttulo, ou com pequenos acrscimos de outros ensaios, ou ainda retirando informaes que foram sendo trabalhadas durante vrios anos. Notamos, em sua anlise, que, em nenhum momento, Nunes tratou com inferioridade a obra de Clarice por ela ser do sexo feminino, como fez lvaro Lins: Este tipo de criao literria no se ajusta muito bem aos temperamentos femininos; e talvez seja essa uma razo capaz de explicar porque a escola realista e a escola naturalista no foram propcias s mulheres escritoras, salvo um ou outro caso de inteligncia (LINS, 1963, p. 186).

    Contra esse modo de interpretao, Nunes procurou estudar teorias que pudessem iluminar a obra da escritora que parece ter chamado tanto sua ateno, e encontrou, nas teorias filosficas de Heidegger, Kierkegaard, Jean-Paul Sartre, entre outros, suporte terico para analisar a obra da referida autora, fazendo uma aproximao da obra dela com A Nusea (1938), do escritor francs Sartre, como que querendo mostrar que a escritora em apreciao era importante porque trazia novas perspectivas para a literatura brasileira, mas tambm que sua obra resistiria a uma anlise com base em determinadas teorias filosficas que, para os crticos brasileiros da poca, deviam ser importantes para consagrar uma escritora/um escritor.

    Nunes, no primeiro ensaio, A Nusea, do livro em apreciao, analisa trs textos de Clarice Lispector, atentando para a experincia da nusea no comportamento das principais personagens das obras em anlise: Ana, protagonista do conto Amor, do livro de contos Laos de Famlia (1960); Martim, do romance A Ma no Escuro (1961), e G. H., do romance A Paixo Segundo G. H. (1964), para mostrar a concepo-do-mundo de Clarice Lispector, ressaltando que sempre possvel encontrar na literatura de fico, principalmente na escala do romance, uma concepo-do-mundo, inerente obra considerada em si, concepo esta que deriva da atitude criadora do artista, configurando e interpretando a realidade (NUNES, 1966. p. 15). Porm, nas obras de Clarice, segundo Nunes, h afinidades marcantes com a filosofia da existncia, deixando claro que essa sua percepo da filosofia existencial nas obras de Clarice Lispector no fecha para outras possibilidades de anlises.

    Nunes, a partir da leitura de teorias sobre nusea, angstia e medo, como as abordadas em Ser e Tempo (1927), de Heidegger, O Ser e o Nada (1943), de Sartre, e O Conceito de Angstia (1844), de Kierkegaard, entre outros filsofos, como Pascal, e ainda a partir da leitura do romance

  • XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interaes, Convergncias

    13 a 17 de julho de 2008 USP So Paulo, Brasil

    A Nusea (1938), de Jean-Paul Sartre, analisa a obra de Clarice Lispector, mostrando que existem temas importantes na obra da escritora brasileira que podem ser elucidados por essas teorias.

    Desse modo, inicia a anlise do ensaio A Nusea, do livro em apreciao, para tratar da experincia da nusea na obra de Clarice Lispector, mas, para isso, discute primeiramente as teorias sobre a nusea descrita por Sartre como sendo uma forma emocional violenta da angstia, que arrebata o corpo, manifestando-se por uma reao orgnica definida, ou seja, a nusea a expresso fsica da angstia, entendida essa como a liberdade da conscincia, que contamina o ser em geral``. Sob tal enfoque, Nunes, reconhecendo a lio heideggeriana de que a linguagem, enquanto casa ou morada do Ser, representa uma instncia de refgio da condio humana, ainda complementa:

    Quando nos sentimos existindo, em confronto solitrio com a nossa prpria existncia, sem a familiaridade do cotidiano e a proteo das formas habituais da linguagem, quando percebemos ainda a irremedivel contingncia, ameaada pelo Nada, dessa existncia, que estamos sob o domnio da angstia, sentimento especfico e raro, que nos d uma compreenso preliminar do Ser (NUNES, 1966.p. 93).

    Em seguida, Nunes aproxima essa percepo de Sartre das teorias de Heidegger, para mostrar a diferena entre angstia e medo, sentimentos descritos pelo filsofo alemo, mostrando que a angstia um sentimento de alcance metafsico e, portanto, diferente do medo, pois tem-se medo de algo definido, de um ser particular (intramundano) e tem-se angstia sem saber do qu (NUNES, 1966, p.16).

    O ensasta conceitua esses trs sentimentos muito prximos, no entanto bastantes diferentes um do outro, para se concentrar na angstia e na nusea, teorias que serviro de base para a anlise da obra de Clarice.

    Por