Banducci Junior

  • Published on
    20-Jul-2015

  • View
    88

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

Romaria do Sinhozinho devoo e f em Bonito-MSIsabella Banducci Amizo lvaro Banducci Jnior

Bonito, municpio do interior de Mato Grosso do Sul, est situado a sudoeste do estado e dista aproximadamente trezentos quilmetros da capital, Campo Grande. Contando hoje com uma populao de mais de 15.000 habitantes, tem como uma de suas principais atividades econmicas o turismo, que apresenta significativo crescimento desde o fim da dcada de 1980. Hoje a cidade se destaca tanto no cenrio nacional quanto no internacional como destino turstico devido riqueza de suas paisagens naturais e qualidade de suas guas (Cf. VARGAS, 2001). Contudo, muitos aspectos da cultura e da histria de Bonito permanecem desconhecidos do pblico, o que inclui a prpria populao de Mato Grosso do Sul, e no se dimensiona a importncia desses elementos nem mesmo para o incremento do turismo na regio. Um interessante evento que compe a histria do municpio e que se reflete hoje em suas manifestaes populares o aparecimento de Sinhozinho (ou Senhorzinho), em meados da dcada de 1940. Sinhozinho, tambm chamado de Mestre Divino, foi um lder religioso que viveu na cidade por um curto perodo, mas que conseguiu agregar em torno de si inmeros fiis. Seu aparecimento ocorreu de forma misteriosa, sem que se saiba sua origem, e tanto seus feitos quanto seu desaparecimento envolvem uma gama de histrias e mitos narrados ainda hoje por seus fiis. Uma peculiaridade, porm, destaca Sinhozinho perante outras figuras religiosas conhecidas no Brasil, como, por exemplo, Antnio Conselheiro, no interior da Bahia, e Padre Ccero, no Cear: Sinhozinho no falava. Em seus ensinamentos e pregaes contava com o auxlio de um intrprete, membro da comunidade. Seu comportamento humilde e pacfico, a relao com as crianas e os animais, suas pregaes e, sobretudo, suas curas e milagres fizeram com que Sinhozinho fosse visto como um enviado divino. A devoo e a f a ele destinadas se mantm at os dias atuais atravs da crena em seus milagres e benfeitorias, dos rituais cotidianos de seus fiis e das visitas Capelinha, uma pequena igreja construda a seu pedido na rea rural de Bonito. O ponto alto dessa devoo se revela atravs de uma romaria realizada anualmente, no dia 12 de outubro, em que, saindo ainda de madrugada de suas casas, os fiis chegam a percorrer mais doze quilmetros em direo Capelinha, onde realizam seus ritos de devoo e assistem a uma missa.

1

O presente trabalho resultado de um estudo que visa compreender o sentido que as manifestaes relacionadas ao Sinhozinho, em Bonito, apresentam nos dias atuais. Buscou-se, para isso, conhecer tais manifestaes, que se mantm h mais de 60 anos, mesmo na ausncia de seu lder, e que hoje se revelam atravs da romaria, alm de entender o personagem que, com suas particularidades, desencadeou esse processo e tornou-se uma referncia religiosa na cidade.

O municpio de Bonito

A ocupao da regio que hoje compreende o municpio de Bonito se deu ao longo do sculo XIX. De acordo com a histria oficial, alguns fazendeiros e colonos j viviam naquele territrio, mas foi por volta de 1869 que o Capito Luiz Falco chegou ao local com o objetivo de expulsar os indgenas que ali viviam e criar uma cidade. O primeiro passo para isso foi adquirir uma fazenda, a qual recebeu o nome de Rinco Bonito (Cf. FLORES, 2006). Um segundo episdio que marca a ocupao desse territrio a Guerra do Paraguai, que ocorreu entre os anos de 1865 e 1870. Segundo Flores:Durante a Guerra, vrios colonos e fazendeiros ajudaram as tropas que por aquela regio passaram, recepcionando-as em suas casas, ou at mesmo na conduo at a regio de fronteira. Porm, assustados com o conflito, muitos desses colonos fugiram para outras regies do pas e, ao voltarem, trouxeram colonos mineiros, paulistas e, principalmente gachos (idem, p. 23).

Bonito tornou-se municpio no ano de 1948. At a data de sua emancipao, era um Distrito de Paz, criado em 1915, e por um longo tempo esteve subordinado administrativamente cidade de Miranda. Durante este perodo, recebeu diferentes nomes, mas no momento que antecede sua emancipao conhecido como Vila Rinco Bonito, em referncia antiga fazenda do Capito Luiz Falco, que recebia o mesmo nome e que ocupava grande parte do territrio. Sendo assim, na dcada de 1940, perodo do aparecimento de Sinhozinho, Bonito estava s vsperas de se tornar um municpio emancipado, e j contava com estabelecimentos que supriam as necessidades da populao local: algumas residncias, pequenas casas de comrcio, uma farmcia, o cartrio e a delegacia, uma escola e uma igrejinha de madeira. Ainda que uma pequena parcela da populao vivesse nesse pequeno centro, a maior parte das famlias residia na rea rural. Havia os grandes

2

fazendeiros, que criavam gado e cultivavam plantaes; os trabalhadores rurais, por eles empregados; e ainda os pequenos proprietrios, colonos vindos de diferentes regies do pas, membros, geralmente de famlias de mesma origem, que cultivavam o necessrio para sua subsistncia. A economia da cidade girava, portanto, em torno da agropecuria. Um aspecto fundamental a ser mencionado a respeito da sociedade de Bonito naquele momento, e que colabora fortemente para o interesse e devoo dedicados ao Sinhozinho, a predominncia da religiosidade catlica entre a populao e, apesar disso, a ausncia de uma autoridade religiosa que pudesse orientar e sustentar suas crenas. Como afirma em depoimento a senhora Alci, uma seguidora de Sinhozinho, foi com ele que as pessoas aprenderamAs orao, as coisas boas que a gente faz na vida, como saber rezar, como saber, n? Que isso a uma coisa muito importante, que meu pai mesmo e a minha me falava que antes do Sinhozinho chegar, vim pra c, eles no benziam o corpo pra dormir, eles no rezavam, nada. Que era assim, igual animal. Escurecia, anoitecia, todo mundo ia pra sua cama. Ningum fazia as orao, ningum rezava.1

Esporadicamente, um padre vindo de alguma cidade vizinha, como Miranda e Bela Vista, realizava bnos, batismos e casamentos, e ainda missas em datas de comemorao religiosa, como a festa de So Pedro, padroeiro da cidade2. Diante dessa ausncia, Sinhozinho parecia ocupar uma lacuna a ser preenchida, representando a figura orientadora pela qual buscavam seus fiis. Isso pode ser notado at mesmo atravs da maneira como os seguidores referem-se ainda hoje a ele: Mestre Divino.

Sinhozinho o personagem e sua histria

As informaes a respeito do aparecimento de Sinhozinho em Bonito e sobre o perodo de sua permanncia so variadas, no havendo registros oficiais que relatem sua passagem pela regio. Nos ltimos anos, a histria do Mestre Divino tem despertado o interesse de pesquisadores, j tendo dado origem, por exemplo, a um documentrio, de Alexandre Basso, e uma monografia apresentada como trabalho de concluso do curso. Entretanto, atravs dos relatos de fiis e de pessoas que viviam na regio naquela

1

Os depoimentos apresentados neste trabalho foram recolhidos entre os meses de setembro de 2009 e junho de 2010. 2 Apenas em 1971, Bonito pode contar com seu primeiro padre, Roosevelt de S Medeiros.

3

poca que se pode obter, com maior riqueza, informaes sobre os acontecimentos que envolvem o episdio. Apesar das divergncias a respeito de datas ou de mincias concernentes aos eventos, as narrativas abordam sempre os mesmos assuntos, circulando em torno dos mesmos temas. Tal fato comum quando se trabalha com eventos cuja principal fonte para obteno de dados a tradio oral. O antroplogo Carlos Alberto Steil, analisando os relatos de fiis do Bom Jesus da Lapa, na Bahia, conclui que:... h uma pluralidade de estrias compostas por figuras e smbolos polifnicos que permitem articular a variedade de sentidos e reinventar os contextos em que os romeiros experimentam sua relao com o Bom Jesus na comunidade dos devotos. Esta pluralidade, no entanto, quando analisada em seu conjunto, percebese que no ilimitada, mas varia dentro de um repertrio reconhecido e legitimado pela conversao entre os romeiros. E, quando vista da perspectiva da sua composio, se caracteriza pela uniformidade e formalizao. Se existe uma grande variedade de estrias, tambm existe uma estrutura comum que se repete em cada estria e que assegura uma seqncia narrativa previsvel (1996, p. 148)

As primeiras contradies aparecem ao se tratar do perodo de estada de Sinhozinho em Bonito. Poucos so os fiis que conseguem afirmar com exatido o ano de sua chegada e a data de sua priso. Ainda, h relatos de que sua permanncia tenha durado apenas alguns meses enquanto outros afirmam ter sido de at trs anos. Contudo, h um consenso de que os acontecimentos se deram em meados da dcada de 1940. Isso se confirma, sobretudo, devido a uma histria repetidamente contada, que trata da previso feita pelo Mestre Divino sobre o trmino da II Grande Guerra, que, naquele momento, estava em curso. Sinhozinho teria aparecido pela primeira vez na cidade de Miranda e, depois disso, seguido at a regio de Bonito, onde se fixou, praticou seus ensinamentos e bnos, realizou curas e milagres. A primeira pessoa a v-lo nesta cidade, em uma fazenda nas proximidades do Rio do Peixe, teria sido, em algumas verses, o senhor Alfredo Machado, em outras o senhor Joo da Mata, ou ainda Hilrio Sanches. Independentemente disso, o que se conta que ao sair de casa, tal senhor se deparou com um homem em p, sombra de uma rvore. Sinhozinho era muito alto, tinha barba e cabelos longos, loiros e olhos claros; vestia uma espcie de batina azul, coberta por

4

um manto sob o qual escondia um de seus braos3; trazia consigo alguns objetos produzidos por ele mesmo, como pequenas cruzes, lgrimas de Nossa Senhora uma espcie de tero confeccionado com as sementes dessa mesma planta (Coix Lacrymajobi L). , uma cabaa com mel, um cajado e, ainda, uma bandeira de So Joo Batista. Assustado com aquele estranho, o senhor aproximou-se, mas logo percebeu que se tratava de