Bases Diagnósticas em Audiologia I

  • Published on
    01-Dec-2015

  • View
    42

  • Download
    12

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>Bases Diagnsticas em Audiologia I </p><p>Mod 1 Introduo audiologia </p><p> a cincia que estuda os sons, a audio e seus distrbios. Ela trabalha com preveno, reabilitao e diagnstico. por meio da audio que normalmente se adquire a comunicao oral. Surgiu durante a 2 Guerra Mundial.Carhart reconhecido como o pai da audiologia. Campos de atuao: audiologia clnica, AASI, audiologia ocupacional e monitoramento de ototoxidade. Locais de trabalho: clnicas particulares, hospitais, clnicas mdicas, institutos de audio, centros auditivos e de linguagem, indstrias, rea militar, postos de sade e escolas. Preveno: procedimentos para conservar as funes da audio e do equilbrio. Triagem auditiva: para descobrir de forma rpida perdas, distrbios, incapacidades auditivas que podero necessitar de avaliao e tratamento audiolgico ou de outros profissionais de sade. Feito em berrios, escolas, empresas e asilos. O monitoramento de ototoxidade realizado em pctes submetidos a drogas como aminoglicosdeos e a substncias usadas em quimioterapia, alm dos pctes expostos a radioterapia. </p><p>Mod 2 Fisiologia da Audio </p><p>Orelha: localizada no osso temporal e responsvel pela audio e pelo equilbrio. </p><p>Orelha externa: formada pelo pavilho auricular que constitudo por cartilagem e pele. Sua funo a localizao da fonte sonora e amplificao do som Logo aps vem o meato acstico externo, que um canal formado por osso e cartilagem, que conduz e amplifica o som at chegar membrana timpnica, alm de proteger a MT e a orelha mdia. </p><p>Orelha mdia: formada pela cavidade timpnica, MT, ossculos (martelo, bigorna e estribo) e tuba auditiva. Sua funo transformar as ondas sonoras em ondas areas, adaptando ao meio lquido que est na orelha interna sem perder energia. Membrana timpnica: formada pela parte tensa(tem 3 camadas, a parte que vibra) e pela parte flcida(tem 2 camadas). Mesmo se a MT for totalmente perfurada a perda auditiva de at 28 dB. Atravs da vibrao recebida da MT, o mm tensor do tmpano vibra, fazendo com que os ossculos vibrem, junto com o mm estapdio(que o mm que entra em fadiga). Os ossculos formam um sistema de alavancas que tambm amplificam as ondas sonoras. Tuba auditiva: funes - igualar a presso do meio interno com o meio externo, drenagem, ventilao e proteo. </p><p>Orelha interna: localizada prximo ao centro do crnio num dos ossos mais duros do corpo, como proteo. formada: parte anterior cclea e parte posterior vestbulo e canais semicirculares e ao final dela encontra-se a entrada para o nervo auditivo. Cclea: formado pelo labirinto membranoso que fica dentro do labirinto sseo, ducto coclear e rgo de Corti(CCI e CCE). Dentro da cclea existe um lquido, a perilinfa. No ducto coclear encontra-se a estria vascular, que origina a endolinfa e responsvel pelas atividades metablicas. Na cclea encontra-se a membrana basilar uma forte estrutura que atua com uma srie de ressonadores; as fibras basilares prximas a janela oval (base) so curtas, mas tornam-se mais longas a medida que chegam ao centro, o pice, so distintas para cada freqncia. Sobre ela que fica o rgo de Corti. rgo de Corti onde se localizam as CCE e as CCI. A membrana tectria fica em cima das clulas ciliadas, como um teto de proteo. As clulas ciliadas convertem a energia mecnica em respostas eltricas. As CCE amplificam o estmulo para as CCI atravs da contrao, so formadas por 3 camadas de clulas em W. A perda dessas clulas pode ocasionar no s diminuio da audio mas a dificuldade de discernir freqncia. As CCI fazem a codificao do estmulo sonoro em mensagem bioeltrica, so os verdadeiros transdutores sensoriais para o nervo auditivo que ento chega ao crtex auditivo. formado por uma nica fileira de clulas, no tem contato com a membrana </p></li><li><p>tectria. A perda dessas clulas implica dificuldade no entendimento da fala no silncio e especialmente no rudo. Perdas maiores que 60dB j considerada uma leso. O sistema vestibular composto pelo vestbulo e os canais semicirculares so responsveis pelo equilbrio. Detectam a acelerao angular e a linear. </p><p>Como ocorre a audio: As ondas sonoras so localizadas e amplificadas pelo pavilho auricular, passando ento pelo meato acstico externo, fazendo ento vibrar a membrana timpnica e o mm tensor do tmpano, que aciona o efeito alavanca dos ossculos, fazendo entrar em ao o mm estapdio, amplificando novamente o som e transmitindo at a janela oval, onde convertido em onda mecnica, gerando ondas na perilinfa. As ondas do lquido empurram a membrana do ducto coclear. As clulas ciliadas se inclinam e os canais inicos se abrem, gerando um sinal eltrico que altera a liberao no neurotransmissor. O neurotransmissor liberado nos neurnios sensoriais e gera potenciais de ao que vo pelo nervo auditivo at o encfalo. A energia das ondas transferida atravs do ducto coclear para a rampa do tmpano e se dissipa de volta para a orelha mdia atravs da janela redonda. </p><p>Mod 3 - Acstica e Psicoacstica </p><p>Acstica a gerao, transmisso e recepo de energia na forma de ondas vibracionais na matria.; ou seja estuda vibraes e ondas mecnicas. </p><p>Som: uma modificao de presso que ocorre em meios elsticos propagando-se em forma de ondas ou oscilaes mecnicas. </p><p>Onda Sonora uma oscilao/vibrao que se propaga em um meio elstico. tridimensional e no se propaga no vcuo. Pode ser classificada por grau de complexidade(1 e 2) e quanto periodicidade(3 e 4). </p><p>Onda Senoidal: movimento harmnico simples, possui uma nica freqncia e origina o tom puro. Onda complexa: uma srie de senides simples que podem ser diferentes na amplitude, freqncia ou fase. Onda peridica: se repete em intervalos iguais de tempo. Agradvel de ouvir, como o som da maioria dos instrumentos musicais. Onda aperidica: no existe um padro num intervalo de tempo, imprevisvel. o rudo. Algo indefinido como se houve vrios sons indistinguveis ao mesmo tempo, desagradvel de ouvir. </p><p>Freqncia: a quantidade de ciclos que a onde possui por segundo. medida por Hertz. Casa ciclo 1 Hz. Quanto maior for a freqncia, maior quantidade de ciclos, mais agudo o som. Quanto menor for a freqncia, menor quantidade de ciclos, mais grave o som. - Baixas freqncias: 125 Hz a 500 Hz - Mdias freqncias: 1000 a 3000 Hz. - Altas freqncias: 4000 a 8000 Hz - Super alta freqncias: At 20000 Hz. </p><p>Amplitude: quanto maior a amplitude na vibrao da onda sonora(quanto mais ela vibrar), maior a intensidade do som e vice-versa Intensidade: o que classifica som forte e som fraco. Quando maior a amplitude mais forte o som. Quantidade de energia contida no movimento vibratrio. D-se em Decibel. </p><p>Rudo: onda sonora aperidica, som desagradvel de ouvir. Os 2 tipos mais importantes de rudos usados em exames audiolgicos so: </p><p>Speech Noise(rudo da fala): uma filtragem do rudo branco, usado para mascarar os sons da fala. Freqncia: 250 a 4000 Hz. Narrow Band(rudo de banda estreita): um rudo restrito, aquele onde a energia sonora est concentrada numa faixa de freqncia restrita para cada freqncia sonora testada. </p></li><li><p>Psicoacstica estuda a relao dos sons e o que eles provocam nos indivduos traduzidos por reaes comportamentais. Ela a base da audiologia. </p><p>Timbre: a qualidade da fonte sonora. Ex: cada pessoa possui um tom de voz nico no repetido. Meio pelo qual diferenciado as notas musicais e os instrumentos musicais. </p><p>Pitch: sensao subjetiva de freqncia. Loudness: sensao subjetiva de intensidade. </p><p>Limiar auditivo: mnimo que uma pessoa escuta. O normal at 25dB </p><p>Limiar de dor/Zona de desconforto: mximo que uma pessoa consegue suportar ouvir, mas j com dor. Varia entre 120 e 140 dB NPS. </p><p>rea da fala: em torno de 400 a 4000 Hz. </p><p>Campo dinmico: a rea localizada entre o limiar auditivo e o limiar da dor. </p><p>Audiometria Tonal Limiar: exame realizado para encontrar limiar auditivo usando tons puros. Feito tanto por via area quanto por via ssea. </p><p>Logoaudiometria: exame realizado para avaliar a audio na rea da fala e sua compreenso. usado palavras em vez de sons em tom puro. </p><p>NA (Nvel de Audio): o ouvido humano ouve entre 20 e 20.000 Hz e o exame utilizado para sua avaliao a audiometria. </p><p>NS (Nvel de Sensao): a percepo auditiva dos sons. Varivel de pessoa para pessoa. Usado nos exames o nvel de 30 40dB porque foram feitos estudos que comprovaram que para a voz humana ser ouvida e compreendida, o rudo precisa encontrar-se a pelo menos 30 dB abaixo da fala(e a fala em mdia em 60/65 dB). Para usar no exame ento soma-se o limitar auditivo do pcte (ex: 15 dB) + o nvel de sensao que eu quero que o pcte tenha (ex: 30dB). Ou seja o exame ir iniciar em 45 dB. </p><p>Efeitos do rudo na audio: podem ser de 3 tipos: Mudana temporria no limiar(TTS) ou fadiga auditiva: diminuio gradual da sensibilidade auditiva, quem cansa o mm. estapdio. Trauma acstico: restrito aos rudos de impactos e impulsivos. So os mais nocivos ao ouvido humano. Mudana permanente no limiar(PTS) ou Perda Auditiva Induzida pelo Rudo(PAIR): decorrente de acmulo de exposio a rudos, normalmente dirios, que so repetidos constantemente, por um perodo de muitos anos. </p><p>Teste de Weber: seu objetivo comparar a captao do estmulo por via ssea entre as duas orelhas. Resultados: - Lateralizao para o lado melhor quando tem melhor cclea (NS). - Lateralizao sempre para a condutiva (quando houver) mesmo se tiver uma orelha com neurossensorial. - Quando houver 2 condutivas, a resposta vai para o lado pior. </p><p>NPS: nvel de presso sonora NIS: nvel de intensidade sonora </p></li></ul>