CADERNO II- GLOBALIZAÇÃO E AS NOVAS FRONTEIRAS DO MERCADO E DOS CONFLITOS

  • Published on
    16-Apr-2015

  • View
    109

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li> Slide 1 </li> <li> CADERNO II- GLOBALIZAO E AS NOVAS FRONTEIRAS DO MERCADO E DOS CONFLITOS </li> <li> Slide 2 </li> <li> Globalizao e as novas fronteiras do mercado e dos conflitos. Descreva a imagem a seguir e depois anote em seu caderno as possveis relaes entre ela e o atual processo de globalizao mundial. </li> <li> Slide 3 </li> <li> Sc. XV: incio da globalizao com as Grandes Navegaes. Sculo XVIII: aprofundamento da globalizao devido Revoluo Industrial. Sculo XX: intensificao da globalizao devido s melhorias dos meios de transportes e comunicaes. Globalizao : o aumento da atuao internacional do capital. Globalizao : aumento das relaes entre os povos devido s melhorias dos meios de transportes e comunicaes. Ao mesmo tempo que gera riqueza a globalizao aumenta as desigualdades sociais, regionais e de desenvolvimento. O PROCESSO DE GLOBALIZAO </li> <li> Slide 4 </li> <li> OS CAPITAIS DO MUNDO GLOBALIZADO Capital produtivo ou de investimento direto: aquele que se traduz no espao geogrfico por instalaes industriais, redes de lojas, supermercados, lanchonetes, estradas, hidreltricas e etc. Eles geram empregos e aumentam a arrecadao de impostos nos pases receptores. Alm disso esses investimentos aumentam a competitividade das empresas investidoras. Capital especulativo: investimentos de curto prazo, cujo objetivo o lucro, e no a produo. So provenientes de bancos de investimentos, corretoras e fundos de penso que procuram mercados rentveis e seguros para realizarem investimentos. Capital de emprstimo: destinado melhoria da infraestrutura nos pases e ao incentivo ao desenvolvimento da economia. </li> <li> Slide 5 </li> <li> A CRISE FINANCEIRA E CAMBIAL A crise financeira mundial teve sua origem em fragilidades das economias desenvolvidas, sobretudo dos Estados Unidos e pases europeus, que esto entre os mais atingidos. </li> <li> Slide 6 </li> <li> 3.1- AS FRONTEIRAS DO MERCADO: BLOCOS ECONMICOS. Diante a competitividade da economia globalizada os pases passaram a se organizar em blocos econmicos com o objetivo de conseguirem privilgios que deem vantagens aos seus produtos. Veja no mapa ao lado os muitos blocos econmicos da economia globalizada. </li> <li> Slide 7 </li> <li> Os blocos econmicos so acordos entre pases que aumentam suas integraes polticas, econmicas e sociais. Para format-los os pases membros abrem mo de parte de suas soberanias para obter vantagens econmicas e, quanto maior a integrao econmica, maior a perda de soberania desses pases. Tem sido comum a resistncia popular integrao de seus pases em blocos econmicos que limitem a soberania e que possam afetar a vida dos seus habitantes. </li> <li> Slide 8 </li> <li> A implementao de blocos econmicos regionais tem como objetivo reduzir as barreiras para a circulao de capitais, mercadorias, pessoas e servios que existem entre os pases e fortalecer a economia dos mesmos frente ao processo de globalizao. O objetivo do processo de globalizao romper as barreiras que limitam o livre comrcio e a expanso do capital. </li> <li> Slide 9 </li> <li> As possveis fases de um bloco econmico so: -Acordo de Livre Comrcio: faz a gradativa retirada de barreiras protecionistas aumentando a livre circulao de mercadorias, sem contudo, liberar a circulao de pessoas. Ex.: Nafta e Apec. -Unio Aduaneira: alm da retirada de barreiras protecionistas cria-se tambm uma tec (tarifa externa comum). Ex.: Mercosul. -Unio Econmica e Monetria: adiciona elementos como moeda nica, nico Banco Central e polticas macroeconmicas comuns. </li> </ul>