COCO QUE GIRA O CORPO: UM ESTUDO SOBRE AS ?· a dança dentro das configurações estéticas das giras,…

  • Published on
    27-Nov-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>ANAIS DO II CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANA ANDA Comit Dana em Configuraes Estticas Julho/2012 </p><p>http://portalanda.org.br/index.php/anais 1 </p><p>COCO QUE GIRA O CORPO: UM ESTUDO SOBRE AS TRANSFORMAES DO CORPO E A EXPERINCIA DA DANA NAS GIRAS DA </p><p>JUREMA SAGRADA </p><p>Uana Mahin Passos Braga (UFPE) </p><p> Uana Mahin Braga, graduanda do curso de Licenciatura em Dana da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), aluna-pesquisadora do projeto de pesquisa O Corpo em Festa mapeamento de fontes e referncias acerca do corpo em movimento nas culturas populares e tradicionais, coordenado pela Profa. Maria Acselrad, vinculado ao grupo de pesquisa Arte, Educao e Diversidade Cultural, do Depto. Teoria da Arte e Expresso Artstica, da UFPE. Atualmente trabalha como pesquisadora no Acervo RecorDana. E-mail: uanapassos@gmail.com </p><p>Resumo A presente pesquisa busca compreender as transformaes do corpo a partir da experincia da dana do Coco de Gira nas sesses da Jurema Sagrada. Baseada numa abordagem da antropologia do corpo e da dana, a pesquisa se prope a pensar a dana dentro das configuraes estticas das giras, considerando o discurso e a experincia dos prprios praticantes da Jurema Sagrada. De carter terico-prtica, compreendendo leitura e discusso de textos, trabalho de campo com observao participante, registro e aprendizagem de aspectos da dana e msica, a pesquisa tambm desenvolve laboratrios de criao, como forma de acessar a compreenso acerca dos fenmenos investigados. Palavras-chave: Cultura Popular, Transe, Corpo, Religio. </p><p>COCO QUE GIRA O CORPO: A STUDY ON BODY CHANGES AND THE EXPERIENCE OF DANCE IN THE SESSIONS OF THE JUREMA </p><p> Abstract This research seeks to understand the body changes from the experience of the dance Coco de Gira at sessions of Jurema Sagrada. Aproach based on the anthropology of dance, this research think dancing in aesthetic settings of "giras", considering the discourse and experience of practitioners of Jurema Sagrada.Theorethical and pratical, this research includes reading and discussing texts, fieldwork with participant observation, registration and learning aspects of dance and music, creative labs, as a means of understanding access about the phenomena investigated. Keywords: Popular Culture, Trance, Body, Religion. </p><p>Introduo </p></li><li><p>ANAIS DO II CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANA ANDA Comit Dana em Configuraes Estticas Julho/2012 </p><p>http://portalanda.org.br/index.php/anais 2 </p><p>Sob a tica da antropologia do corpo e da dana, esta pesquisa busca </p><p>compreender as transformaes do corpo, a partir da experincia do Coco de Gira, </p><p>danado nas sesses da Jurema Sagrada. "A Jurema Sagrada um dos vrios cultos </p><p>com fortes marcas indgenas que se mesclaram com traos do catolicismo popular e </p><p>das religies negras do Brasil" (AYALA, 2000, p.117), uma religio de encantados </p><p>como acreditam seus adeptos o que significa que as entidades ali cultuadas viveram </p><p>um dia e por suas aes em vida se encantaram ao morrer, voltando terra para </p><p>realizar trabalhos diversos, afim de ajudar seus fiis. </p><p>O presente trabalho tem como objetivo pensar as diferentes concepes de </p><p>corpo, por meio da relao corpo/cultura, que compe os processos de preparao, </p><p>transformao e transmisso de saberes acerca do corpo, ligados produo esttica </p><p>no contexto das culturas populares e tradicionais. As transformaes no corpo aqui </p><p>investigadas so aquelas propiciadas pelo transe, definido por Lewis (1971, p.41) como </p><p>"um estado de dissociao, caracterizado pela falta de movimento voluntrio e, </p><p>frequentemente, por automatismo de ato e pensamento". Busca-se compreender, </p><p>portanto, de que forma o Coco de Gira possibilita as transformaes no corpo, </p><p>compreendendo a construo deste corpo extracotidiano, segundo a perspectiva dos </p><p>"rodantes", categoria nativa que se refere aos adeptos responsveis pela incorporao </p><p>das entidades, no contexto desta manifestao. </p><p>A pesquisa tem seu foco no Terreiro de Jurema e Candombl Mensageiros da F, </p><p>conhecido como Casa de Dona Dora, situado no Jordo Baixo Zona Norte do Recife, </p><p>e conta tambm com a observao da mesma prtica em demais terreiros da periferia </p><p>da cidade. de carter terico-prtica, compreendendo leitura e discusso de textos, </p><p>trabalho de campo com observao participante, registro e aprendizagem1</p><p>Sobre a abordagem antropolgica do corpo e da dana </p><p> de aspectos </p><p>da dana e msica para a construo de um laboratrio criativo desenvolvido pelos </p><p>integrantes do projeto Corpo em Festa. </p><p>A dana faz parte da herana cultural de um povo (Zemp, 1998) o que significa </p><p>que por se inserir num determinado contexto socio-cultural, contribui para a </p></li><li><p>ANAIS DO II CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANA ANDA Comit Dana em Configuraes Estticas Julho/2012 </p><p>http://portalanda.org.br/index.php/anais 3 </p><p>compreenso da estrutura profunda da sociedade e dos homens que fomentam </p><p>sistemas culturais diversos (KAEPPLER, 1997). Est diretamente relacionada com a </p><p>vida em sociedade, influenciando os modelos culturais, a gesto de tenses, a busca </p><p>de objetivos, a adaptao, a integrao (KEALINOHMOKU apud KAEPPLER, 1997). </p><p>Assim, pensando a experincia da dana como um reflexo das relaes sociais </p><p>estabelecidas, mas, sobretudo, compreendendo que "a dana, ocupa inteiramente seu </p><p>lugar, do ponto de vista antropolgico, no estudo de estrutura, de relaes sociais, de </p><p>ritual e de filosofia" (KAEPPLER, 1997) que desenvolvemos este trabalho. </p><p>Ainda que inseridas numa sociedade moderna ocidental onde o corpo fator de </p><p>individualizao, muitas comunidades cujas prticas culturais populares e tradicionais </p><p>comungam de uma viso de corpo que o integra natureza, no vem o corpo como </p><p>fronteira de onde comea e acaba o indivduo, tal como afirma Le Breton (2011, p.49-</p><p>50).: </p><p>Nas camadas populares a persona permance subordinada a uma totalidade social e csmica, que a ultrapassa. As fronteiras da carne no demarcam os limites da mnada individual. [...] O corpo humano nas tradies populares, o vetor de uma incluso, no o motivo deuma excluso, [...] ele vinculador do homem a todas as energias visveis e invisveis que percorrem o mundo.[...] isso que mostra tambm a feitiaria popular: uma inscrio do homem num tecido holista no qual tudo est em inter-relao, onde um gesto ameaa o cosmo e desencadeia foras deliberadamente ou por inadvertncia. </p><p>Sob esta tica holista, que v o homem integrado ao cosmo, que se encontra a </p><p>comunidade pesquisada. Marginalizada pela sociedade, em geral, e pela prpria </p><p>comunidade das religies de matriz africana e afroamerndia, a Jurema Sagrada, por </p><p>ser pouco conhecida e por no haver uma padronizao entre os grupos existentes, </p><p>ainda vista como segmento de outras religies. </p><p>Nas sesses da Jurema Sagrada brincado o Coco de Gira como forma de </p><p>diverso e de evocao s entidades religiosas. O Coco uma manifestao popular </p><p>de origem nordestina com dana, msica e literatura oral e possui vrias modalidades. </p><p>Nosso estudo est voltado para uma modalidade religiosa da brincadeira do Coco, </p><p> 1 A aprendizagem da dana e da msica, neste caso, se resume a alguns aspectos, devido a uma </p><p>limitao religiosa, uma vez que o processo de aprendizado da dana como um todo implica a iniciao, o que no se constitui como objetivo da presente pesquisa. </p></li><li><p>ANAIS DO II CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANA ANDA Comit Dana em Configuraes Estticas Julho/2012 </p><p>http://portalanda.org.br/index.php/anais 4 </p><p>conhecida como Coco de Gira que pode ser compreendida como parte da sesso </p><p>dedicada aos encantados na Jurema, e tambm como a roda feita pelos seus adeptos </p><p>para danar o Coco. </p><p>A dana aparece nas giras associada msica, existindo uma relao evidente </p><p>entre tais linguagens, podendo a msica guiar a dana por fazer referncia a uma ou </p><p>outra entidade. Assim, tambm busca-se uma maneira de danar fazendo aluso </p><p>movimentao do mestre, mestra, caboclo, etc. Essa combinao dana-msica nas </p><p>giras, conjugada com outros elementos religiosos como bebidas e cachimbos, do </p><p>possibilidade para as transformaes no corpo propiciadas pelo transe. Rouget (1985) </p><p>afirma que o ritmo o elemento mais ativo na experincia do transe. Esse elemento, </p><p>marcado pela percusso, ainda mais eficaz em desencadear a experincia de </p><p>possesso, se pensarmos que no Coco de Gira alm dos instrumentos percussivos, </p><p>como por exemplo o tambor conhecido como Il - h tambm a percusso corporal </p><p>feita pelo bater forte de ps no cho, que acompanha os cnticos. </p><p> Os movimentos do Coco concentram-se bastante na regio inferior do corpo. Alm da </p><p>percusso corporal so observados outros princpios de movimentos como a </p><p>transferncia de peso e a suspenso do tronco, alm do giro objeto principal de </p><p>estudo e investigao do laboratrio de criao do grupo. </p><p>Consideraes finais </p><p>Acreditamos que a compreenso das transformaes do corpo, entre os </p><p>praticantes do Coco de Gira, da Jurema Sagrada, em terreiros da periferia do Recife, </p><p>possibilita um entendimento das possveis concepes e experincias acerca do corpo </p><p>e da dana experimentadas neste contexto. Alm disso, atravs desta pesquisa </p><p>pensamos ser possvel entrar em contato com as categorias estticas nativas e as </p><p>metforas corporais que circulam dentro destas comunidades. Esttica tomada aqui no </p><p>seu sentido mais amplo, ou seja: </p><p>No se aplicando exclusivamente e necessariamente ao conceito de belo, mas tambm s noes de justeza e de qualidade da execuo, competncia dos executantes, maneira de avaliar uma dana e sua msica segundo as normas culturais de uma sociedade. (ZEMP, 1998, p.24) </p></li><li><p>ANAIS DO II CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANA ANDA Comit Dana em Configuraes Estticas Julho/2012 </p><p>http://portalanda.org.br/index.php/anais 5 </p><p>Desta forma, possvel contribuir para a desconstruo de discursos </p><p>etnocntricos, risco que se corre ao serem impostas perspectivas sobre corpo e dana </p><p>de uma cultura sobre outra, assim como para a valorizao de diferentes experincias </p><p>acerca do corpo e da dana. </p><p> Referncias </p><p>AYALA, M. I. N.; AYALA, M. (Org). Cocos: alegria e devoo. Natal: EDUFRN, 2000. </p><p>LE BRETON, D. Antropologia do corpo e modernidade. Petrpolis: Vozes, 2011. </p><p>LEWIS, I. M. xtase religioso. So Paulo: Perspectiva, 1971. </p><p>KAEPPLER, A. L. La danse selon une perspective anthropologique. In: Nouvelles de Danse, 34/35, Danse Nomade: regards d'anthropologues et d'artistes. Traduo de Giselle Guilhon Antunes Camargo. Bruxelles: Contredanse, 1997. p.24-46. </p><p>ROUGET, G. Music and trance. A Theory of the Relations Between Music and Possession. Chicago: University of Chicago Press, 1985. </p><p>ZEMP, H. Para entrar na dana. In: Les Danses du Monde. Traduo de Maria Acselrad. Paris: Collection CNRS/ Muse de L'Homme, 1998. </p></li></ul>