COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude -cracking… page 1
COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude -cracking… page 2
COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude -cracking… page 3
COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude -cracking… page 4
COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude -cracking… page 5

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude -cracking…

Embed Size (px)

Text of COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO ?· cracking do petróleo -destilação fracionada do crude...

  • COLGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA

    ANO LECTIVO 2017/2018

    DEPARTAMENTO DE C. Fsico-Qumicas

    DISCIPLINA: Qumica

    COMPETNCIAS/CONTEDOS

    12 ano

    ..............................................................................................................

    Domnios / Objetivos Conceitos/ Contedos Calendarizao

    (blocos)

    METAIS E LIGAS METLICAS

    METAIS E LIGAS METLICAS

    DEGRADAO DOS METAIS

    Um outro olhar sobre a tabela Peridica dos elementos

    - a importncia dos metais em ligas e compostos

    - os elementos metlicos na Tabela Peridica (blocos s, p, d e f)

    - os metais de transio: a especificidade das orbitais d

    - os metais de transio interna e as orbitais f

    Ligao qumica nos metais e noutros slidos - ligao metlica

    - propriedades caractersticas dos metais: brilho, maleabilidade, ductilidade, condutividade trmica e eltrica

    - slidos metlicos versus outros tipos de slidos (inicos, covalentes, moleculares)

    - ligas metlicas

    - reciclagem de metais

    AL 1.2 Um ciclo do cobre

    Corroso: uma oxidao indesejada

    - a corroso como uma reao de oxidao-reduo

    - a importncia do meio nas reaes de oxidao-reduo

    2 blocos

    3 blocos

    1 bloco

    3 blocos

  • COLGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA

    ANO LECTIVO 2017/2018

    METAIS, AMBIENTE E VIDA

    Pilhas e baterias: uma oxidao til o as pilhas como fonte de energia - a reatividade dos metais e o potencial padro de eltrodo

    - a espontaneidade das reaes redox

    APL Construo de uma pilha com diferena de potencial determinada Proteo de metais

    - as ligas metlicas e a resistncia corroso

    - a proteo catdica

    - proteo de superfcie: galvanoplastia e anodizao

    AL 1.3 Corroso e proteo de metais Dos minerais aos materiais metlicos

    - os minerais como fonte de metais: xidos e sulfuretos

    - processos mais utilizados na extrao de metais: - extrao por reduo: mtodos qumicos e eletrolticos

    - a eletrlise: uma reao qumica forada

    Metais, complexos e cor

    - complexos e compostos de coordenao

    - ies complexos no quotidiano

    - a cor nos complexos

    AL 1.5 A cor e a composio quantitativa de solues com ies metlicos

    Os metais no organismo humano - a vida e os metais: metais essenciais e metais txicos

    - a hemoglobina e o transporte de gases no sangue

    - o caso do CO2 indispensvel: efeito tampo

    2 blocos

    1 bloco

    2 blocos

    1 bloco

    3 blocos

    2 blocos

    1 bloco

    3 blocos

  • COLGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA

    ANO LECTIVO 2017/2018

    - grau de ionizao (ou de dissociao) e fora de cidos e bases

    - propriedades cidas ou bsicas das solues de sais

    - solues tampo

    - o poder tampo do CO2 no sangue

    - variao do pH por adio de cidos e bases a solues: titulaes cido-base

    AL 1.6 Funcionamento de um sistema tampo

    Os metais como catalisadores - a importncia dos catalisadores na vida e na indstria

    - catalisadores biolgicos: enzimas e catlise enzimtica

    - catlise homognea e catlise heterognea

    - mecanismo de catlise: estado de transio e energia de ativao

    5 blocos

    1 bloco

    2 blocos

    Combustveis, Energia E Ambiente

    COMBUSTVEIS FSSEIS

    Do crude ao Gs de Petrleo Liquefeito (GPL) e aos fuis: destilao fracionada e

    cracking do petrleo

    - destilao fracionada do crude

    - cracking cataltico

    - uso de zelitos como catalisadores nas reaes de cracking

    - alcanos, cicloalcanos, alcenos e alcinos: nomenclatura.

    - lcoois e teres: nomenclatura

    - o benzeno e outros hidrocarbonetos aromticos o isomeria:

    - de cadeia e de posio nos alcanos e nos lcoois

    - de grupo funcional entre lcoois e teres

    - geomtrica em alcenos

    AL 2.1 Destilao fracionada de uma mistura de trs componentes

    5 blocos

    1 bloco

  • COLGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA

    ANO LECTIVO 2017/2018

    DE ONDE VEM A ENERGIA DOS COMBUSTVEIS

    Os combustveis gasosos, lquidos e slidos

    - gases reais e gases ideais

    - a equao dos gases ideais

    - tipos de foras intermoleculares em diferentes interaes moleculares

    - as foras intermoleculares e os estados fsicos das substncias

    - como variam as propriedades fsicas dos alcanos em funo da cadeia carbonada

    APL Produo de um biodiesel a partir de leos alimentares queimados

    Energia, calor, entalpia e variao de entalpia

    - entalpia e variao de entalpia de uma reao

    - variaes de entalpia de reao: conveno de sinais e condies padro; entalpia padro

    - diagrama de energia associado a uma reao qumica

    - variaes de entalpia associadas a diferentes tipos de reaes: entalpia padro de combusto e entalpia padro de formao

    - clculo da entalpia de uma reao a partir das entalpias de formao: lei de Hess ou da aditividade das entalpias padro de reao

    - a energia dos combustveis e a entalpia de combusto

    - quantidade de oxignio na molcula de um combustvel versus energia libertada na combusto

    - poder calorfico de um combustvel em funo do nmero de tomos de carbono da cadeia e da posio da funo lcool

    AL 2.3 Determinao da entalpia de neutralizao da reao NaOH (aq) + HCl (aq)

    AL 2.5 Determinao da entalpia de combusto de diferentes lcoois.

    4 blocos

    1 bloco

    5 blocos

    2 blocos

    Plsticos, vidros e novos materiais

    OS PLSTICOS E OS MATERIAIS POLIMRICOS

    O que so polmeros: macromolcula e cadeia polimrica

    O que so materiais plsticos

    1 bloco

  • COLGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA

    ANO LECTIVO 2017/2018

    POLMEROS SINTTICOS E A

    INDSTRIA DOS POLMEROS

    NOVOS MATERIAIS

    Termoplsticos e plsticos termofixos (comportamento perante o aquecimento e sua

    relao com a estrutura)

    Polmeros naturais, artificiais e sintticos (matrias primas e suas fontes)

    AL 3.1 Identificao de plsticos por testes fsico-qumicos

    Obteno de polmeros sintticos: monmeros e reaes de polimerizao

    Homopolmeros e co-polmeros

    Monmeros e grupos funcionais: lcoois, cidos carboxlicos, cloretos de acilo, aminas,

    amidas, teres, steres, aldedos e cetonas.

    Polmeros de condensao: reaes de polimerizao de condensao

    Polmeros de adio: reaes de adio de polimerizao (iniciao, propagao e

    finalizao) A reciclagem de plsticos

    AL 3.6 Sintetizar polmeros

    O que so biomateriais e suas aplicaes

    Materiais de base sustentvel

    2 blocos

    1 bloco

    4 blocos

    1 bloco

    2 blocos