Conexao Microsoft Advertising

  • View
    972

  • Download
    2

Embed Size (px)

Transcript

  • n51 - Novembro/Dezembro de 2010

    Artigo 02 Sergio Valente, As novas mdias e a fofoqueira da janela Per l 03 Cristiana Agostini Agncia 07 Wunderman Case 08 Samsung Mtricas 11 Compras coletivas Campanhas 12

    ponto de vista 10 Clarissa Gaiatto conta que Visa est cada vez mais agressiva na internet

    conexo

    Entender como as pessoas navegam decisivo para desenvolver campanhas de marcas cada vez mais assertivas na internet

    Planejamentoestratgico

  • CONEXO MICROSOFT ADVERTISING uma publicao da Microsoft Advertising direcionada ao mercado anunciante e publicitrio que trata de marketing e publicidade na internet.

    CONSELHO EDITORIALAndra Leal: trade marketing managerandreale@microsoft.com

    Eduardo Lcio da Silva: market intelligence & communication manageredusilva@microsoft.com EDIO E REDAORoberto Perrone: jornalista MTb 16.291perrone@composita.com.br

    Hilton Breymaier: diretor de arte

    Os textos do Conexo podem ser reproduzidos desde que citada a fonte.Fotos: Divulgao

    Sobre Microsoft Advertising

    Microsoft Advertising uma diviso de negcios responsvel pelo conjunto de produtos com foco no mercado publicitrio. O objetivo oferecer solues de comunicao por meio das mltiplas plataformas de publicidade da empresa: Portal MSN, Windows Live, Live Search, Office Live e Xbox Live. Oferece aos seus anunciantes o melhor retorno sobre investimento do mercado publicitrio online, pois coloca disposio uma audincia de massa, com mais de 86% de cobertura na internet, combinada com um mix de produtos diferenciados e mltiplas opes de segmentao de target.

    Fonte: * Dados Internos - Agosto/2010 ** IBOPE Nielsen Online - Agosto/2010

    52,8 milhesde contas ativas no Messenger*

    50,3 milhesde contas ativas no Hotmail*

    1,2 bilhode Page Viewsno Portal do MSN*

    86% de coberturana internet**34,2 milhesde usurios nicos na

    Homepage do MSN*

    A gerente de marketing digital da LG Eletronics, Cristiana Agostini, j tem 12 anos de experincia liderando projetos de desenvolvimento e gesto de produtos na internet e de estratgias e campanhas de marketing digital, em suas passagens por agncias como McCann-Erickson (atual WMcCann) e NBS, e em portais como Globo.com e Yahoo!. A vida acadmica tambm rica, pois ela formada em publicidade pela University of Miami, tem ps-graduao em Marketing pelo Coppead-UFRJ e um curso de Marketing Innovative Technologies em Harvard. Vamos ver o que ela pensa sobre a internet.

    Sua de nio para internet A internet fundamental para o desenvolvimento da cidadania. Ela aprendizado, colaborao, compartilhamento de conhecimento itens fundamentais numa sociedade que vive na era de informao e transformao.

    Um objetivo na internet Apesar da internet estar presente na minha vida 70% para o trabalho, os outros 30% procuro utiliz-la para projetos de cunho social.

    Agncias de internet so A ponte para entregar sempre novas solues para os anunciantes. Tm papel fundamental na evoluo e maturidade do meio como mdia.

    Propaganda na internet A possibilidade de trabalhar o novo.

    Anunciantes devem No subestimar a perspiccia do internauta. O poder do usurio de pesquisar e confrontar informaes enorme.

    O que gostaria de dizer aos internautas O que ns somos se re ete tambm na forma com a qual utilizamos a internet. Portanto, muita conscincia ao utiliz-la!

    O que nunca esquece Meu celular, para estar always on.

    Uma armadilha A estrutura epidmica das redes sociais.

    Um arco-ris Apesar de ainda existir uma desigualdade na distribuio de acesso rede, ela um dos espaos mais democrticos j existentes em toda a histria da humanidade.

    Quando e a que horas online, por qu? 24hs Acho que at quando estou dormindo estou online.

    Nome: Cristiana Agostini

    Idade: 34 anos

    Empresa: LG Electronics

    Cargo: Gerente Geral de Marketing Digital

    Per l

    artigo

    conexo n51 - Novembro/Dezembro de 201002

    As novas mdias e a fofoqueira da janela

    Existe na cultura brasileira uma fi gura que ganhou ares de caricata na antiga srie o Bem Amado, que no pode faltar em novelas brasileiras e que at no artesanato garantiu espao. Estou falando da fofoqueira da janela. Aquela fi gura que adora se debruar metade para dentro metade para fora de casa, s para ver e ouvir o que est acontecendo nas redondezas e sair compartilhando o que descobriu. Pois essa fi gura que nos ajudar a entender como as novas mdias mudaram o papel do consumidor e como isso est impactando o trabalho de construo de marcas.

    bem verdade que dos dias retratados no Bem Amado at agora, muita coisa evoluiu. A conectividade porttil e suas inmeras ferramentas esto mudando o jeito das pessoas se relacionarem. Temos no Brasil, 32 milhes de pessoas conectadas internet, que no primeiro semestre deste ano, movimentaram R$ 431 milhes em compras do varejo digital. Detalhe que merece nota: desse contingente de internautas, 39% esto na classe C. Alm disso, a nossa realidade de hoje se passa em multitelas, cada vez mais pessoais, portteis e multitouch com 87% da populao acessando a internet em computadores pessoais semanalmente, e 194 milhes de celulares para 191 milhes de pessoas.

    Contribuidor

    Mas, se a tecnologia evoluiu, a essncia do nosso consumidor a mesma. O consumidor hoje em dia, senhores, como a fofoqueira da janela. Ele que ser o primeiro a saber das coisas, para ser o primeiro a compartilh-la e assim in uenciar toda a sua rede, aumentando o seu prestgio perante a comunidade com que se relaciona. Mas, tem um detalhe. Este neoconsumidor assumiu diferentes papis com o avano tecnolgico. Ele deixou de ser o receptor da mensagem, para ser co-autor, contestador e contribuidor da mensagem. Se hora ele l um anuncio ou texto, outra ele posta um vdeo falando de uma marca, para em um terceiro momento compartilhar uma foto de um produto ou de um local. O neoconsumidor o que afi nal? Consumidor, publicitrio ou veculo? Os trs juntos ao mesmo tempo em um movimento convergente.

    Sem querer ditar regras, acho que o caminho passa pelo fortalecimento do planejamento nas empresas e agncias, necessidade de times de trabalho multidisciplinares e integrao de equipes. Feito isso, o prximo passo sob meu ponto de vista, : testar. preciso testar, experimentar, assumir uma atitude beta

    *Sergio Valente presidente da DM9DDB

    *Sergio Valente

    Apesar dos nmeros e das mudanas que essa nova dinmica social est provocando na comunicao ainda existem marcas que no acreditam no potencial do ambiente digital em uma estratgia de construo de marca. Para esses, um aviso: sua marca j est no ambiente digital e nas redes sociais, queira voc ou no. A partir de agora, a nica escolha que est em suas mos : voc vai querer participar dessa conversa, ou vai fi car passivo nessa nova realidade?

    Erro e acerto

    Para participar, junte-se a parceiros que o ajudaro a falar essa nova linguagem e a dominar com excelncia as ferramentas a favor de uma grande ideia que se traduza em relevncia para o consumidor. Combinar com perfeio essas outras partes da equao que difcil. Ora se acerta na linguagem e erra-se na ferramenta, ora se acerta na ferramenta e erra-se na linguagem. Qualquer combinao errada pode comprometer seriamente os resultados. Como fazer certo, ento? Essa a pergunta que todos querem responder. Sem querer ditar regras, acho que o caminho passa pelo fortalecimento do planejamento nas empresas e agncias, necessidade de times de trabalho multidisciplinares e integrao de equipes. Feito isso, o prximo passo sob meu ponto de vista, : testar. preciso testar, experimentar, assumir uma atitude beta. Junte profi ssionais competentes, treine sua equipe, fornea contedo que se traduza em inspirao para a turma, controle o que pode ser controlado e, a partir da, teste. Faa. Algumas vezes voc errar, mas s erra quem faz. Para fi nalizar, adote o always beta, como lema.

    conexo n51 - Novembro/Dezembro de 2010 03

  • >>

    capa

    conexo n51 - Novembro/Dezembro de 2010 05conexo n51 - Novembro/Dezembro de 201004

    A premissa bsica: preciso ter objetivos muito bem defi nidos, aliados a planos de mtricas adequados a cada um deles, pois daro o suporte s anlises de desempenho e retorno das campanhas. O fato de o usurio realizar diferentes tarefas na internet justamente a matria prima do planejamento estratgico. O comportamento de navegao e consumo de contedo nos ajudam a traar um pouco melhor o perfi l desse usurio, diz Adriana Knackfuss, gerente snior de marketing interativo da Coca-Cola Brasil. Olhar isoladamente estes momentos deixar de entender esse consumidor de forma mais holstica.

    Padro caracterstico

    De forma geral, isso mesmo. preciso fi car atento e monitorar constantemente o padro de navegao dos usurios, pois certamente dar os indicativos necessrios ao desenvolvimento de campanhas. H padres de navegao que so bem caractersticos em determinados grupos de consumidores. Uma mulher que est grvida ou que tem um beb pequeno vai se interessar muito mais por sites de contedo relacionados a esse tema do que qualquer outro grupo, exemplifi ca Adriana. Sim, claro, parece bvio, mas no . Nem todos jogam, fazem compras ou entram em redes sociais. Isso vai depender desse perfi l to desejado. H dois anos atuando com foco em marketing digital na Nokia, o gerente de marketing Fernando Migrone acentua ser importante acompanhar a jornada do consumidor. Desde a hora na qual ele acorda at a hora de dormir, para saber quais so os pontos de contato com cada tipo de mdia ao longo dessa jornada. No adianta entender esse consumidor em um nico meio, acredita ele que responde pelo site, por aes de links patrocinados, de social media, suporte online e mtricas da marca. Claro que atualmente existem campanhas com um peso muito maior dentro do