curso roteiro

  • Published on
    06-Jun-2015

  • View
    7.584

  • Download
    1

Embed Size (px)

Transcript

Captulo 1

Curso de roteiro

1. Introduo Muita gente sonha em escreve um roteiro para Cinema e/ou TV. As dificuldades comeam ao se buscar informao a respeito. Poucos so os livros disponveis. Cursos geralmente s acontecem em grandes cidades e normalmente so pagos. Mesmo na internet no se encontra muito. Foi por isso que eu resolvi escrever esse Curso de Roteiro e disponibiliza-lo gratuitamente no site Banco de Roteiros. uma forma de democratizar mais a informao, de dividir a experincia que eu tenho com voc. tambm uma forma de agradecer a todos aqueles que colocam informao na internet em vrias reas, da msica informtica, e que j me ajudaram tanto em minhas pesquisas. Objetivo - durante as aulas voc vai acompanhar como eu escrevo um roteiro passo a passo, etapa por etapa. No final, seguindo essas mesmas etapas, espero que voc possa tambm escrever o seu roteiro. Faremos o roteiro de um Curta metragem. Os elementos da trama esto todos a como num longa, mas numa escala menor. Aconselho a escrever alguns curtas antes de tentar escrever um longa-metragem. Captulo 2 2. Tudo que voc puder Ser roteirista mais do que apenas escrever. Ser roteirista tambm um estado de esprito. Muita gente acha que roteirista quando senta ao computador e digita as primeiras linhas de uma cena. Mas o verdadeiro roteirista roteirista em tempo integra. Digamos quase 24 horas por dia. Ao seu lado ou na sua frente pode estar acontecendo algo que ser o tema do seu prximo roteiro. Ou at o prprio roteiro. Afinal qual a matria-prima do roteiro? A vida, a imaginao, a observao e a formatao artstica de tudo isso temperada com o seu talento. Talento: apenas uma palavra com tantos significados. Muitos tem talento, poucos o usam. Muitos tem talento, poucos o desenvolvem. Ento voc precisa ter e usar o seu talento. Sempre. Estar sempre atento a realidade, s pessoas e situaes a sua volta, a si mesmo. Um roteirista, para ser original, precisa ter uma maneira original de ver a vida, de entender pessoas, fatos e situaes. Veja, leia, analise tudo que voc puder. Esteja atento. Suas observaes vo enriquecer suas personagens, histrias e aes. Aquela pessoa que voc tanto odeia pode ser a vilo do seu prximo roteiro. (Pior pra ela: teve o que merecia... rss). Aquela situao vexatria que voc acabou de vivenciar pode ser a cena cmica de um roteiro. Seja roteirista o tempo todo. Especialmente quando estiver trabalhando num novo roteiro. Da voc precisa ser roteirista 36 horas por dia. Eu costumo ficar vidrado no que estou escrevendo. Enquanto escrevo um roteiro normalmente no penso em mais nenhuma histria: toda a minha energia e pensamento esto voltados para aquele roteiro. V ao cinema, alugue todos os DVDs que puder. Assista todos os making offs dos DVDs (eu disse todos). Analise todos os filmes que voc ver. Por que voc gostou ou no gostou? O que fez com que voc odiasse tal personagem ou se importasse com tal? Como a histria flui? lenta? Rpida? Acontece numa velocidade vertiginosa desde o comeo ou demora para acontecer? Tem barrigas (aquelas partes que o filme parece parar e nos d sono)? Os filmes ruins podem nos ensinar tanto quanto os filmes bons. Com os bons voc aprende o que fazer; com os ruins voc aprende o que no deve fazer nunca. Assista, veja tudo que puder, mais de uma vez. E analise. Esse tipo de anlise ainda mais produtivo quando voc encontra uma pessoa ou um grupo de interessados em debater o filme com voc. Se voc conhece outros roteiristas ou aspirantes a roteiristas - aproveite e faa um grupo de estudos de roteiros com eles. Juntem-se, assistam ao filme e depois debatam. Voc vai ver que ser muito til. Sabe aqueles filmes que voc adora? Os seus preferidos? Assista muitas vezes. Muitas. At que voc consiga no mais se envolver com o filme, no ver mais a histria em si mas sim a tcnica, o que o levou a escolher aquele filme como seu preferido. No fim muitos roteiristas escrevem (e at se especializam) no gnero de filmes que gostam de ver. Por isso defina: quais so seus gneros preferidos? Comdia? Drama? Aventura? Suspense? Quanto mais voc conhecer do mundo, das pessoas, da stima arte e de voc mesmo mais material ter para seus roteiros. Capitulo 3 3. Formatando o roteiro Mal o sujeito decide escrever um roteiro e l vem a dvida cruel: em que formato se deve escrever um roteiro? Existe uma tentativa de estabelecer normas para o formato de um roteiro. Livros, manuais e alguns sites abordam isso. Existem at alguns programas que prometem facilitar essa formatao. H um tempo atrs eu tambm fiquei na dvida. Queria formatar corretamente meus roteiros conforme mandavam os manuais. Da comecei a ler roteiros de descobri que a grande verdade uma s: cada roteirista acaba escrevendo da maneira como achar mais cmodo. isso que pouca gente diz pra voc. Pessoalmente achei mais fcil desenvolver uma forma do que aprender a operar esses programas. E depois que eu li o roteiro do longa Cidade de Deus fiquei mais tranqilo em relao a formato. Ento o meu conselho o seguinte: na dvida escreva do seu jeito, do jeito que voc achar melhor. Se voc ficar se preocupando com isso agora sua idia de roteiro vai por gua abaixo e voc ficar preso nas teias das teorias e normas. Depois que voc acabar de escrever e revisar seu roteiro a se preocupe com a formatao. Baixe alguns roteiros na internet, d uma boa lida e analise que tipo de estilo combina mais com voc.

No meu ofcio de roteirista tenho desenvolvido no uma mas vrias formas de escrever um roteiro, desde o tipo mais prximo do tradicional at os mais ousados. Pra voc ter uma idia: o roteiro do Curta O MEDO mais parece um Plano de Cmera do que vai ser filmado. O roteiro do Curta O TELEFONEMA parece um Plano de Edio. NAMORO NA INTERNET j tem um formato mais tradicional. Tudo depende muito do que eu estou querendo/precisando escrever. No caso do MEDO e do TELEFONEMA eu (roteirista) quis fazer um roteiro detalhado do que tinha imaginado para que eu (diretor) pudesse filmar depois com mais facilidade. a vantagem de voc filmar seus prprios roteiros. Via de regra, porm, voc no precisa se dar a esse trabalho. Pode apenas indicar o lugar onde se passa a cena, o momento, se interna ou externa. So informaes que ajudam o diretor a compreender melhor o roteiro. Outra coisa que voc vai observar nos meus roteiros: dificilmente uso palavras em ingls. Procuro sempre o equivalente em portugus. Isso faz parte da busca de uma identidade tupiniquim para o cinema nacional. Sei que o assunto polmico mas assim que eu trabalho. Busco criar uma nova linguagem dentro de uma nova esttica at mesmo na formatao do roteiro. Mentes novas, idias novas. Capitulo 4 4. A idia O fantasma da folha em branco vem assolar todos ns, escritores e roteiristas. A abertura do filme JOGUE A MAME DO TREM tem uma seqncia primorosa de um escritor com a sndrome da folha em branco. Sentado frente de sua mquina de escrever o pobre homem sofre um bocado sem conseguir uma frase que preste para comear seu novo romance. Folhas e mais folhas so tiradas da maquina, violentamente amassadas e jogadas ao lixo. Como o filme um pouco antigo hoje em dia o escritor estaria na frente da tela em branco do Word... De onde vem a idia? Como e quando um roteiro realmente comea? Eu tenho 2 processos de criao. Estando sempre atento a observar o mundo e tentar entende-lo nesse processo aparecem boas idias. Uma notcia num jornal, uma observao feita acerca de determinada situao, um tema que me pareceu pouco (ou erroneamente) explorado pela mdia, tudo isso me fornecem idias. Esse primeiro processo muito mais cerebral, fruto de usar a observao aliada ao talento. Depende de voc estar conscientemente atento e fazer um trabalho que parte muitas vezes do racional para o emocional. Mas existe um segundo processo que mais, digamos assim, mgico, um tanto quanto incontrolvel e imprevisvel: a inspirao. Voc no pode prever quando ela vem nem fora-la a vir. Mas quando ela vem ela vem com tudo. De estalo, aparentemente do nada, tenho uma idia. Ao invs de deixa-la passar, de espanta-la como se espanta uma mariposa que voa em volta da nossa cabea eu a deixo voar. Deixo a idia evoluir na frente dos meus olhos pra ver at onde vai dar. Da o roteiro me aparece quase pronto. Seqncias inteiras esto ali, diante dos meus olhos, numa velocidade vertiginosa. E preciso anotar tudo nessa hora - porque depois vai ser tarde demais. Porque isso um processo emocional e a parte racional agora estragaria tudo. Nessas horas o negcio anotar com o mximo de detalhes possveis a idia e se lanar ao roteiro o quanto antes. Porque depois o tempo vai passando, as cores da idia vo se desbotando, e o que poderia ser o roteiro do ano pode acabar com mais um pedao de papel amassado no fundo da gaveta. Para esses momentos mgicos recomendo estar sempre com caneta e um bloco de anotaes mo. Afinal voc nunca sabe onde vai ter uma idia: pode ser no servio, no nibus, no carro enquanto voc dirige (esse o pior dos momentos), enfim em qualquer lugar. Muitas vezes um pensamento se encadeia com outro, que no tinha nada a ver com o primeiro nem com onde eu estava, e de repente se abre a janela da mente e voa a idia fazendo suas evolues magnficas. Outras vezes um fato acontecido ali na minha frente liberta a idia - que no fim no vai ter nada ou pouco a ver com o fato que a originou. Muita gente fica esperando a vida toda por esses momentos mgicos que ou no vem ou quando vm no podem ser aproveitados. Ento meu conselho como roteirista : trabalhe. No espere a idia pintada de dourado na sua frente. Porque no fim as idias nascem mesmo das nossas observaes. E observar ajuda muito a inspirao. Capitulo 5 5. Personagem principal, Gnero e Tema Como eu disse antes a idia escrever um Curta. Todos os elementos do drama ou da comdia condensados em poucos minutos de filme. E como difcil dizer tanta coisa quando se tem pouco tempo pra dizer. Eu gosto de escrever: crnicas, roteiros, textos de teatro, histrias. So vrios formatos, vrias tcnicas diferentes. Mas