De pastor para pastor

  • View
    295

  • Download
    43

Embed Size (px)

Transcript

  • De: Pastor ^ftiY Pastor

    i Hi IH iiiiinii li mui i i l mu. inmm 11 k i i M "' ' """ < " "Hl lu lu*

    -y?h- Princpios para ser ~I pastor segundo o corao de Deus

    t>^^#2#

  • 2008 Hernandes Dias Lopes

    Reviso

    Regina Aranha Andr a Fila iro

    Capa

    Souto Crescimento de Marca

    Diagramaao

    Sandra Oliveira

    Gerente editorial Juan Carlos Martinez

    V edio - Agosto - 2008

    Reimpresso - Maro - 2009

    Coordenador de produo Mauro W. Terrengui

    Impresso e acabamento Imprensa da f

    Todos os direitos desta edio reservados para:

    Editora Hagnos

    Av. Jacinto Jlio, 27

    0481 5-160 - So Paulo - SP - Tel/Fax: (11) 5668^5668 h a g n o s @ h a g n o s . c o m . b r - w w w . h a g n o s . c o m . b r

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP) (Cmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

    Lopes, Hernandes Dias De pastor a pastor: princpios para ser um pastor segundo o corao de Deus / Hernandes Dias Lopes. -- So Paulo: Hagnos, 2008.

    Bibliografia ISBN 978-85-7742-033-9

    1. Liderana crist 2. Teologia pastoral I. Ttulo.

    08-04469 CDD-253

    ndices para catlogo sistemtico: 1. Pastores: Funo e ministrio:

    Teologia pastoral 253

    Dedicatria

    Dedico este livro aos presbteros da Primeira Igreja Presbite-riana de Vitria, homens de Deus, que tm sido meus pas-tores e tm cuidado de mim e da minha famlia com sabedoria e graa, dando-nos suporte e apoio integral no ministrio.

  • Sumrio

    Prefcio 7 1. Os perigos do pastor 11 2. A vocao do pastor 35 3. O preparo do pastor 47 4. A vida devocional do pastor 65 5. Os atributos do pastor 89 6. Os sofrimentos do pastor 109 7. Os compromissos do pastor 119 8. O salrio do pastor 135

    Notas 155

  • fl

    1 ste livro grito da minha alma e o soluo do meu cora

    /Foi escrito com dor e, s vezes, at com lgrimas. P lado, escrevi-ol com um senso profundo de alegria e ^~atic listou convencido de que ser pastor um bendito privilgij* uma grande responsabilidade. Ser embaixador de Deus e mTniS'1 i ro da reconciliao a misso mais nobre, mais sublime e mlK^ urgente que um homem pode exercer na terra. Ser portado^^P boas novas, pregador do evangelho, consolador dos aflitos, erHP cador dos santos e pastor de almas o posto de maior honre um homem pode ocupar na vida. Nenhuma vantagem fmanil deveria desviar-nos dessa empreitada. Nenhuma posio p | ca, por mais estratgica, deveria nos encantar a ponto dei viar-nos do ministrio da Palavra. Charles Spurgeon dizia seus alunos: "Meus filhos, se a rainha da Inglaterra vos convidar para serdes embaixadores em qualquer pas do mundo, no

  • De pastor a pastor

    rebaixeis de posto, deixando de ser embaixadores do Rei dos reis e do Senhor dos senhores".

    Estou convencido de que a maior necessidade que temos na igreja contempornea de um grande despertamento espiritual na vida dos pastores. Se os pastores forem gravetos secos a arder, at lenha verdade pegar fogo. Concordo com Dwight Moody quando disse que o despertamento da igreja tem incio quando se acende uma fogueira no plpito. Se por um lado os obreiros so o principal problema da obra; por outro, eles tambm so o principal instrumento para o crescimento da obra. Precisamos desesperadamente de um avivamento no plpito!

    Precisamos de pastores que amem a Deus mais do que seu sucesso pessoal. Precisamos de pastores que se afadiguem na Pa-lavra e tragam alimento nutritivo para o povo. Precisamos de pas-tores que conheam a intimidade de Deus pela orao e sejam exemplo de piedade para o rebanho. Precisamos de pastores que dem a vida pelo rebanho em vez de explorarem o rebanho. Pre-cisamos de pastores que tenham coragem de dizer "no" quando todos esto dizendo "sim" e, dizer "sim", quando a maioria diz "no". Precisamos de pastores que no se dobrem ao pragmatis-mo nem vendam sua conscincia por dinheiro ou sucesso. Preci-samos de pastores fiis e no de pastores populares. Precisamos de homens quebrantados e no de astros ensimesmados.

    Talvez um dos grandes problemas contemporneos seja que temos estrelas demais na constelao da grei evanglica brasi-leira. H pastores que gostam de ser tratados como astros de cinema e como atores de televiso. importante que se diga,

    8

    Prefcio

    entretanto, que as estrelas s brilham onde o sol no est bri-lhando. Onde o Sol da Justia brilha, no h espao para o ho-mem brilhar. Deus no divide sua glria com ningum. Somente Jesus deve ser exaltado na igreja. Toda a glria dada ao homem glria vazia, vanglria. O culto personalidade idolatria e uma abominao para o Senhor.

    Minha ardente expectativa que os pastores sejam os pri-meiros a acertarem sua vida com Deus, a chorarem entre o prtico e o altar e clamarem a Deus por um tempo de restaurao. O grande reavivamento que veio sobre a Igreja Coreana no comeo do sculo vinte foi resultado do quebrantamento dos pastores. Sou testemunha ocular desse glorioso despertamento espiritual na igreja coreana. Chegou o tempo de sermos conhecidos como homens de Deus como Elias e Eliseu. Chegou o tempo das pessoas serem informadas que na cidade onde moramos h homens de Deus absolutamente confiveis como Samuel. Chegou o tempo das pessoas reconhecerem que a Palavra de Deus na nossa boca verdade. Chegou o tempo de sermos homens como Paulo, que pregava com lgrimas e poder, seja na priso ou em liberdade, com dinheiro ou passando privaes, na sade ou quando acicatado pelos espinhos. Chegou o tempo de sermos pastores como Pedro que no vendia a graa de Deus por dinheiro, no aceitava ofertas hipcritas e mesmo desprovido de prata e ouro, via o poder de Deus realizando grandes prodgios por seu intermdio. Chegou o tempo de sermos pastores como Joo Batista que estava pronto a perder a vida, mas jamais a negociar os absolutos de Deus em seu ministrio. Chegou o tempo de

    9

  • De pastor a pastor

    imitarmos o grande e supremo pastor das ovelhas, Jesus Cristo, que foi manso e humilde de corao, amou suas ovelhas at o fim e deu por elas sua prpria vida. Que Deus nos d pastores segundo o seu corao!

    Hernandes Dias Lopes

    10

    Captulo

    Os perigos do pastor

    Tenho percorrido todo o Brasil e pregado em centenas de igrejas, de vrias denominaes. Tenho conversado com centenas de pastores e lderes da igreja evanglica brasileira. Te-nho visto coisas maravilhosas: pastores fiis pregando com zelo a palavra de Deus, vidas sendo transformadas pela ao regene-radora do Esprito Santo. Tenho visto lares sendo modificados e igrejas sendo edificadas na verdade. Por outro lado, tenho visto, lambem, outro cenrio. Este cinzento e tempestuoso, acenando a presena de uma devastadora tempestade. Trata-se de uma cri' se de integridade teolgica e moral na classe pastoral. Essa crise est se espalhando celeremente como um rastilho de plvora, atingindo toda a igreja. As consequncias desse terremoto aba-lam as prprias estruturas da sociedade.

    Viajo com certa frequncia para o Canad e Estados Unidos. Por vezes, quando fao a imigrao, ao dizer que sou pastor,

    u

  • De pastor a pastor

    imediatamente sou encaminhado para uma sala especial, para prestar esclarecimento mais profundo acerca das minhas motivaes para entrar no pas. Em tempos de outrora, ao simples fato de algum apresentar-se como pastor, as portas se abriam; hoje, portas se fecham. Conheo colegas pastores que foram impedidos de concretizar a compra de um veculo financiado logo que a empresa tomou conhecimento que o comprador era pastor. A classe pastoral vive a crise do descrdito.

    Em um passado no muito distante, quando uma jovem se candidatava para se casar com um pastor, isso era como um pas-saporte para um casamento feliz. Hoje, casar-se com pastor um contrato de risco. H muitos pastores que so um fenmeno no plpito, mas tm um desempenho pfio dentro de casa. So amveis com as ovelhas e truculentos com a esposa. H muitos pastores em crise no casamento. H muitos filhos de pastor re-voltados e at decepcionados com a igreja.

    Estou convencido de que a crise moral que assola a nao respinga na igreja e refle te a crise moral tambm presente no ministrio pastoral. Uma pesquisa feita recentemente no Brasil apontou os polticos, a polcia e os pastores como as trs classes mais desacreditadas do Brasil. Estamos vivendo uma inverso de valores. Estamos vivendo uma crise de integridade. Aqueles que deveriam ser os guardies da tica tropeam nela. Aqueles que deveriam ser o paradigma de uma vida ilibada esto se imiscuin-do em vergonhosos escndalos.

    Minha percepo que os pastores esto sob srios perigos e quero a seguir destacar alguns:

    12

    Os perigos do pastor

    H PASTORES NO CONVERTIDOS NO MINISTRIO

    doloroso que alguns daqueles que se levantam para pregar o evangelho aos outros no tenham sido ainda alcanados por esse mesmo evangelho. H quem pregue arrependimento sem jamais t-lo experimentado. H quem anuncie a graa sem jamais ter sido transformado por ela. H quem conduza os perdidos sal-vao e ainda est perdido.1

    Judas Iscariotes foi apstolo de Jesus. Foi o nico no grupo que recebeu um cargo de confiana. Foi nomeado para cuidar da tesouraria do grupo apostlico. Desfrutava de total confian-a dos seus condiscpulos. Jamais houve alguma suspeita deles acerca de sua integridade. Mesmo no Cenculo, quando Jesus o apontou como traidor, os outros discpulos no compreenderam do que se tratava. Judas chegou a liderar os discpulos em um gesto de revolta contra a atitude de Maria, que quebrou um vaso de alabastro, com um caro perfume para ungir Jesus. Ele era um falso filantropo. Ele era ladro. Seu corao no era reto diante de Deus. Suas intenes estavam em desacordo com os propsitos divinos. Certamente ele pregou aos outros, mas no pregou a si mesmo. Levou outros salvao, mas ele me