Designer ou Design Thinker: reflexão sobre Conceitos

  • Published on
    11-Nov-2015

  • View
    2

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Designer ou Design Thinker: reflexosobre Conceitos. 1 parteKatja Tschimmel

Transcript

<ul><li><p>Designer ou Design Thinker: reflexo sobre Conceitos 1 parte</p><p>Katja Tschimmel</p><p> 159 </p><p>158 </p><p>Produo </p><p>pli-arte &amp; design</p><p>Referncia bibliogrfica:</p><p>Tschimmel, K. (2014). Designer ou Design Thinker: Reflexo sobre </p><p>Conceitos_1 parte. In PLI * ARTE &amp; DESIGN. Publicao peridica de </p><p>reflexo crtica sobre prticas e discursos do design contemporneo. </p><p>N5/2014. Matosinhos: Edies ESAD. pp. 159-165.</p></li><li><p>O Design Thinking hoje entendido como um processo de pensamento para conceber novas realidades, expressando a introduo da cultura do design e seus mtodos em reas como a invao empresarial, social e do ensino.</p><p>O Design Thinker um profissional de qualquer rea </p><p>do conhecimento que aplica as ferramentas da </p><p>metodologia do design em processos coletivos de </p><p>inovao, com o objetivo de pensar de forma mais </p><p>fluida, flexvel, emptica, human centered, visual e </p><p>original.</p><p> 161 </p><p>160 </p><p>Produo </p><p>pli-arte &amp; design</p></li><li><p>centrando-se na funo comunicativa e simblica dos artefactos. </p><p>Assim, Brdek salienta na obra Design. Histria, Teoria e Prtica </p><p>do Design de Produtos (2006) a perspetiva do design de interface, </p><p>do processamento de informao e a funo comunicativa </p><p>do design. Na sua perspetiva, o design deveria visualizar os </p><p>progressos tecnolgicos, facilitar a utilizao dos produtos em </p><p>causa, tornar transparentes as ligaes existentes no mundo do </p><p>consumo e compreensveis os servios8. Como ele, houve muitos </p><p>outros autores que destacaram a importncia dos significados </p><p>e da linguagem dos artefactos na definio do design. Um </p><p>representante desta viso o designer, terico e educador de </p><p>design Gui Bonsiepe, que define o design na perspetiva do conceito </p><p>de Interface Design. Segundo Bonsiepe, o designer tem como </p><p>misso tornar o encontro entre utilizador, artefacto e tarefa a </p><p>desempenhar to compreensvel quanto possvel, razo pela qual </p><p>entende como ncleo do design a interseo do artefacto com o </p><p>utilizador enquanto pessoa que age. Para clarificar a perspetiva </p><p>alargada do design de interface, que no pode ser circunscrito </p><p> linguagem de produto, Bonsiepe reinterpreta o conceito de </p><p>design sob a forma de sete teses9. Sem enumerar aqui estas </p><p>teses, podemos constatar que a reinterpretao de design de </p><p>Bonsiepe corresponde, de um modo geral, a um entendimento </p><p>multidisciplinar do design e supresso de reas especficas, </p><p>sendo o design visto como uma atividade inerente a qualquer tipo </p><p>de inovao, independentemente da sua rea de conhecimento. </p><p>No seu livro Hiperdesign (2013), o artista-designer portugus </p><p>Leonel Moura vai ainda mais longe quando afirma: Tudo tem </p><p>design10. Segundo esta perspetiva, design e criatividade esto </p><p>intimamente interligados porque so os mecanismos responsveis </p><p>por toda a evoluo, natural e artificial. J em 1969, Herbert Simon </p><p>defendeu que everyone designs who devises courses of action aimed </p><p>at changing existing situations into preferred ones11, sendo esta </p><p>afirmao uma das frases mais citadas na literatura sobre design e </p><p>criatividade12.</p><p>Como vemos nesta curta exposio de diferentes interpretaes do </p><p>design, cada uma das definies depende de um contexto histrico, </p><p>de uma perspetiva cultural e da experincia profissional a partir da </p><p>qual a atividade do design contemplada. Em comum, todas estas </p><p>interpretaes tm o foco no projeto e na atividade criativa que d </p><p>origem a novas combinaes materiais ou imateriais (artefactos). </p><p>E a partir desta viso sntese podemos facilmente fazer a ponte </p><p>para o conceito de Design Thinking, tal como utilizado atualmente </p><p>no meio das organizaes. </p><p>Mas antes vejamos a origem do conceito. O termo design thinking, </p><p>inicialmente escrito com letras minsculas, tem a sua origem </p><p>em projetos internacionais de investigao na rea da cognio </p><p>em design. Embora o incio da investigao cientfica sobre os </p><p>processos cognitivos dos designers se situe nos anos 70, nos </p><p>anos 90 que se verifica um boom na investigao em design thinking. </p><p>O interesse crescente nesta rea de investigao foi claramente </p><p>uma consequncia da crtica metodologia racional do design. </p><p>Contra todas as expectativas, o movimento metodolgico do </p><p>design tinha falhado na tentativa de melhorar a qualidade do </p><p>planeamento e da configurao dos projetos de design atravs da </p><p>aplicao de mtodos racionais. Surgiram ento vrias jornadas de </p><p>investigao sobre o tema Pensar o Design, os chamados Design </p><p>8 Brdek, B. E. (2006). Design. Histria, Teoria </p><p>e Prtica do Design de Produtos. So Paulo: </p><p>Eduardo Blcher. p. 16.</p><p>9 Bonsiepe, G. (1996). Interface. Design Neu </p><p>Begreifen (Interface. Compreender o Design </p><p>de Novo), Col. Kommunikation &amp; Neue Medien. </p><p>Mannheim: Ed. Bollmann. </p><p>10 Moura, L. (2012). Hiperdesign. Lisboa: IADE </p><p>Edies.</p><p>11 Simon, H. (1996). The Sciences of the </p><p>Artificial. 3 ed. Cambridge, Massachusetts: The </p><p>MIT Press [1 ed. 1969]. p. 111.</p><p>12 Por exemplo em:</p><p>Bonsiepe, G. (1996). Interface. Design Neu </p><p>Begreifen (Interface. Compreender o Design </p><p>de Novo), Col. Kommunikation &amp; Neue Medien. </p><p>Mannheim: Ed. Bollmann. </p><p>Friedman, K. (1997). Design Science and Design </p><p>Education, Research Report 7/1997. Norwegian </p><p>School of Management School of Marketing, </p><p>Sandvika. 1 publicao in The Challenge of </p><p>Complexity, Peter McGrory (Ed.). Helsnquia: </p><p>University of Art and Design Helsinki. 1997. pp. </p><p>54-72.</p><p>Jonas, W. (1999). On the Foundations of a </p><p>Science of the Artificial. Disponvel em </p><p>http://home.snafu.de/jonasw/JONAS4-49.html, </p><p>acedido em 20.10.2013. </p><p>Em 2013, o jornal Pblico anunciou num artigo de opinio A </p><p>Revoluo do Design Thinking1. Ser isso uma boa notcia para a </p><p>comunidade dos designers? Que tipo de revoluo est o autor, </p><p>Ricardo Morais, a proclamar? Cito: O design thinking assume-se, </p><p>pois, como uma nova forma de pensar e de inovar que promete </p><p>revolucionar a forma como indivduos, organizaes e comunidades </p><p>resolvem os seus problemas. Uma revoluo de que Portugal bem </p><p>precisa. Que Portugal e a maior parte das empresas portuguesas </p><p>precisam neste momento de uma revoluo, ou melhor dito, de </p><p>novas perspetivas e novos modelos de negcio, ningum tem </p><p>dvida. Que os designers podiam dar um contributo importante </p><p>neste assunto, muitos tambm concordariam. Mas neste artigo </p><p>no se fala dos designers, mas de um pensamento que tpico </p><p>dos designers. Quem so os donos deste tipo de pensamento </p><p>que conduz a novas formas de resolver problemas, ao nvel </p><p>individual e organizacional? Sero todos os designers, s alguns </p><p>deles ou tambm outros profissionais? Pois v-se cada vez mais </p><p>que profissionais de diversas reas do design, da gesto ou do </p><p>marketing, se identificam ou descrevem como Design Thinkers, </p><p>seja nos seus curricula, seja no seu perfil em redes sociais como o </p><p>LinkedIn, uma realidade que desagrada a muitos designers, pois </p><p>pode levar irnica e errnea interpretao de que estes Design </p><p>Thinkers pensam quando fazem design e os outros designers no. </p><p>Surge ento aqui a pergunta pertinente: o que torna um designer </p><p>num Design Thinker? E outra: ser que um no-designer pode ser </p><p>um Design Thinker? E ainda outra: ser que se pode ser um designer </p><p>sem ser um Design Thinker? Note-se que a questo aqui no se </p><p>se pode ser um designer sem pensar, mas sim sem ser um Design </p><p>Thinker na perspetiva de um novo perfil profissional.</p><p>Para esclarecer todas estas dvidas, ser preciso que olhemos para </p><p>os significados dos dois conceitos, no querendo entrar aqui em </p><p>anlises etimolgicas e lexicolgicas2, mas apenas na exposio de </p><p>algumas interpretaes de autores nacionais e internacionais de </p><p>referncia.</p><p>Existem poucas reas em que haja to pouco consenso como </p><p>na definio do design, graas ao seu carter multidisciplinar e </p><p>interdisciplinar. Enquanto os autores da gerao dos funcionalistas </p><p>limitam a atividade do designer criao e conceo industrial de </p><p>artefactos (Maldonado3, Archer4 e muitos outros), sendo estes </p><p>artefactos vistos como produtos ou imagens, outros autores </p><p>procuram alargar a sua definio, afastando o design da obrigatria </p><p>produo industrial. Daciano da Costa, por exemplo, tentava </p><p>nos anos 90 equiparar o design ao acto do projecto do arquiteto5, </p><p>defendendo que a Arquitectura e o Design tm em comum o acto </p><p>do projecto como modo de resolver problemas da materialidade </p><p>do Ambiente Humano. Sobretudo, nos anos 70/80, os designers </p><p>foram vistos por muitos autores numa perspetiva positivista como </p><p>Rational Problem Solvers6. Na primeira edio da obra clssica The </p><p>Sciences of the Artificial (1969), Herbert Simon descreve o campo </p><p>da resoluo de problemas como the search for a solution through a </p><p>vast maze of possibilities (within the problem space). () Successful </p><p>problem solving involves searching the maze selectively and reducing it </p><p>to manageable solutions 7.</p><p>Esta interpretao fundamentalmente racional e analtica </p><p>substituda nos anos 90 por uma viso mais holstica e humanista, </p><p>1 Morais, R. (2013). A Revoluo do Design </p><p>Thinking. PBLICO online, Economia, 24.07.2013. </p><p>Disponvel em http://www.publico.pt/economia/</p><p>noticia/a-revolucao-do-design-thinking-1601137.</p><p>2 Os leitores interessados na origem etimolgica </p><p>e lexicolgica do conceito de design podem </p><p>ler mais sobre o assunto em: Tschimmel, </p><p>Pensamento Criativo do Design. Dissertao </p><p>de Doutoramento. Universidade de Aveiro, </p><p>Departamento de Comunicao e Arte, Aveiro. </p><p>Cap. 6. Disponvel online em http://ria.ua.pt/</p><p>bitstream/10773/1270/1/2010000838.pdf.</p><p>3 Maldonado, T. (1993). El Diseo Industrial </p><p>Reconsiderado. 3 ed., revista e ampliada. </p><p>Barcelona: Gustavo Gili.</p><p>4 Archer, B. (1974). Design Awareness and Planned </p><p>Creativity in Industry. Office of Design, </p><p>Department of Industry, Trade and Commerce, </p><p>Ottawa, e Design Council of Great Britain, </p><p>Londres.</p><p>5 Da Costa, D. (1998). Design e Mal-Estar. </p><p>Coleo Design, Tecnologia e Gesto. Centro </p><p>Portugus de Design. p. 29</p><p>6 Mais sobre o paradigma da Resoluo Racional de </p><p>Problemas e a mudana de paradigmas metodolgicos </p><p>no design na segunda parte deste artigo, no </p><p>prximo nmero da PLI arte &amp; design.</p><p>7 Simon, H. (1996). The Sciences of the </p><p>Artificial. 3 ed. Cambridge, Massachusetts: </p><p>The MIT Press [1 ed. 1969].</p><p>1 edio da Ps-Graduao em Design Thinking da ESAD Matosinhos, </p><p>coordenada por Katja Tchimmel.</p><p> 163 </p><p>162 </p><p>Produo </p><p>pli-arte &amp; design</p></li><li><p>DESIGNER </p><p>Profissional de design que </p><p>projeta novos artefactos </p><p>materiais e imateriais.</p><p>DESIGNER THINKER </p><p>Profissional de qualquer rea </p><p>de conhecimento que aplica </p><p>tcnicas da metodologia </p><p>projetual em processos </p><p>coletivos de inovao </p><p>empresarial, social ou de </p><p>ensino.</p><p>OUTRO PROFISSIONAL</p><p>diria: o designer um profissional que projeta novos artefactos </p><p>materiais e imateriais, logo produzidos e/ou divulgados atravs </p><p>de processos industriais ou digitais, enquanto o Design Thinker </p><p>um profissional de qualquer rea do conhecimento que aplica as </p><p>ferramentas da metodologia do design em processos coletivos </p><p>de inovao, com o objetivo de pensar de forma mais fluida, mais </p><p>flexvel, mais emptica, mais human centered, mais visual e mais </p><p>original. </p><p>Regressando pergunta colocada no incio desta reflexo, se </p><p>os designers so obrigatoriamente Design Thinkers, podemos </p><p>afirmar agora que todos os designers so Design Thinkers </p><p>na medida em que aplicam nos seus processos criativos as </p><p>ferramentas da metodologia projetual: desde as ferramentas de </p><p>explorao, gerao e visualizao de ideias, at s ferramentas </p><p>de comunicao do projeto e da sua materializao. No conheo </p><p>nenhum designer que no seja tambm um Design Thinker (embora </p><p>existam aqui vrios graus) e conheo alguns no-designers que so </p><p>verdadeiros Design Thinkers. O melhor exemplo, na minha opinio, </p><p> o cozinheiro catalo Ferran Adri, que no s uma das pessoas </p><p>que mais entende sobre a criatividade aplicada numa rea prtica, </p><p>como um excecional Design Thinker. Quem pretender compreender </p><p>melhor a razo desta minha afirmao, leia (e veja) o livro Cmo </p><p>Funciona elBulli. Las Ideas, los Mtodos y la Creatividad de Ferran </p><p>Adri16, em que so verbal e visualmente descritos os mtodos e as </p><p>tcnicas que foram aplicados nos processos de inovao do menu </p><p>do restaurante elBulli. Uma enorme fonte de inspirao para levar o </p><p>Design Thinking a outras reas de conhecimento e prtica. </p><p>E pergunto-me: e eu prpria, formada em design de produto mas </p><p>sem exercer esta atividade nos ltimos 18 anos? Uma vez que </p><p>investigo e aplico na prtica as ferramentas da metodologia do </p><p>design, por um lado, de forma mais individual, na preparao de </p><p>palestras, aulas e workshops, e na comunicao das mesmas, </p><p>por outro lado, de forma coletiva, em sesses de consultoria ou </p><p>formao, na conceo de eventos e na facilitao de processos de </p><p>inovao em organizaes, considero-me claramente uma Design </p><p>Thinker, porque o outcome das minhas atividades criativas no </p><p>so artefactos no sentido clssico, mas so processos de ensino, </p><p>aprendizagem e desenvolvimento, modelos didticos, eventos, </p><p>e servios de consultoria e formao. Poderia algum comentar: </p><p>ento s uma designer de processos e uma designer de servios. E </p><p>eu concordaria, mas entraramos aqui no campo de mais conceitos </p><p>novos do universo do design. Deixemos isso para uma prxima </p><p>oportunidade.</p><p>no prximo nmero da PLI: </p><p>Designer e Design Thinker </p><p>2 Parte: Uma Mudana de Paradigma Metodolgico</p><p>16 Adri, F., Soler, J. Adri, A. (2010). Cmo </p><p>Funciona elBulli. Las Ideas, los Mtodos y la </p><p>Creatividad de Ferran Adri. Londres: Phaidon </p><p>Press.</p><p>Thinking Research Symposia, por iniciativa de Nigel Cross, Norbert </p><p>Roozenburg e Kees Dorst, na Escola Superior Tcnica de Delft, nas </p><p>reas do design de engenharia e de produto13. Os membros desta </p><p>comunidade de investigao da cognio no design e numerosos </p><p>outros cientistas do design defendem que existe uma forma </p><p>de pensar tpica do design (designerly way of thinking), que se </p><p>distingue do pensamento cientfico ou do pensamento quotidiano14. </p><p>O objetivo principal deste conjunto de pesquisas a melhoria das </p><p>habilidades cognitivas do designer em processos individuais e em </p><p>processos de design coletivos, assim como tambm na educao e </p><p>na prtica.</p><p>A partir deste movimento de investigao em design, e </p><p>paralelamente ao seu desenvolvimento, surge outra verso </p><p>do conceito de Design Thinking, desta vez escrito com letras </p><p>maisculas, e desta vez no meio da gesto e no seio da prtica </p><p>de uma agncia de design, a IDEO (embora com ligao ntima ao </p><p>Departamento de Design de Produto da Universidade de Stanford). </p><p>No livro Change by Design: How Design Thinking Transforms </p><p>Organizations and Inspires Innovation (2009), escrito por Tim </p><p>Brown, atual CEO da IDEO, o design j no visto meramente como </p><p>motor para a inovao promovido pelos designers, mas oferece </p><p>novos modelos de processos e ferramentas que ajudam a melhorar, </p><p>acelerar e visualizar todo o processo criativo, realizado no s por </p><p>designers, mas por equipas multidisciplinares em qualquer tipo de </p><p>organizao. O novo uso do termo Design Thinking, especificamente </p><p>a combinao de pensar e design, oferece a reas como a Gesto da </p><p>Inovao a oportunidade de aplicar as ferramentas da metodologia </p><p>de design noutros contextos de resoluo de problemas, no </p><p>diretamente relacionados com a aparncia e a funcionalidade dos </p><p>artefactos, mas com modelos de negcio, servios e processos. </p><p>Ne...</p></li></ul>