Dupla irreverência

  • Published on
    05-Apr-2016

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Eduardo Lima e Reginauro Silva

Transcript

  • Montes Claros perdeu recentemente dois de seus lhos mais ilustres

    Os jornalistas Eduardo Lima e Reginauro Silva. Um de corao e outro de adoo.

    Eduardo Lima nha uma das maiores vozes do rdio brasileiro. Tinha 60 anos, 13 lhos, nascido em Montes Claros.

    Apresentou o Viva a Tarde, na Rdio Itaaia, e sua marca era o bordo: quem inteligente est ouvindo a gente. O

    radialista trabalhou em vrias emissoras de rdio e TV, parcipou como cantor em diversos CDs, fez teatro e, no cinema,

    foi roteirista, diretor e ator. Foi compositor, cronista e escritor. Comeou sua carreira na ZYD7. Ele colaborou em parcerias

    musicais com vrios arstas mineiros. Nos lmos anos parcipava do TV VERDADE, da Alterosa.

    Reginauro Silva nasceu em Almenara/MG, mas foi em Montes Claros que escreveu sua carreira prossional pautada pela

    criavidade, irreverncia e paixo pelo Jornalismo. Foi reprter do O Jornal de Montes Claros e do Dirio de Montes

    Claros, reprter e editor-chefe do Jornal do Norte, correspondente de O Globo na regio, redator da Rdio Educadora de

    Montes Claros, reprter do Dirio de Minas, editor-adjunto de polcia do Jornal Hoje em Dia, free-lancer da Revista Veja,

    O Indicador Rural, Agncia Efe, Gazeta Mercanl, Revista Isto. Editou do Jornal O Norte de Minas. Foi fundador do Jornal

    do Povo e A Provncia. Tinha 62 anos, 4 lhos e era advogado. Foi autor de peas de teatro e agitador cultural, inventor da

    conhecida frase: Montes Claros, Cidade da Arte e da Cultura. Como teatrlogo, Reginauro Silva ajudou a divulgar a arte

    de representar e brindou Montes Claros com vrias peas, entre elas: 'Montes Claros, a Formiga que queria ser Cidade e

    virou Princesa'.

    ZYD7

    ir vernciare

    dupla

  • Esses seus dezesseis anos s me causaram um ocre no sabor da boca, porque me calou no fundo um medo de

    amar voc e me entornar.

    Certamente voc ler minha carta com cuidado e choro e sem se preocupar em me esquecer, se, pois, quando eu

    mal cuidei de aparecer em sua vida, voc me sorriu e me convidou para umas caipiras de vodka e beijos de hall`s

    na boca, que eu mais me embeveci de encantamento e desesperos.

    No deixe que nossos amigos leiam da carta o momento em que digo que eu no vi os seus seios e nem os deixe

    desconar que a beijei toda, nem me segurei nos seus quadris para afogar-me em voc.

    E nem os deixe saber que seu corpo no cou cheio de umas gotinhas de gua de cachoeira, suas coxas no me

    lixaram ou se esfregaram em mim, e que eu no respirei fundo nem revirei os olhos fortemente em voc.

    Conte, contudo, que se l num trecho da carta, meu desejo de carmos apertados e colocando apelidos em

    todos os pedaos dos nossos corpos, num encantamento que enleva e nos faz derrapar para o instante mais

    calado do amor.

    Leia-se num trecho, que numa bela noite, ns samos de mos dadas e descalos e, que voc quando mais nova

    sujou o alpendre da minha casa com ps e pedaos de po, querendo me ferir ou achando que desse escndalo eu

    viesse, a saber, do seu amor.

    Magali, se amar esse estonteante querer mais uma caipira de vodka, o amor se mais que lindo d um gosto de

    umbu na boca e uma vontade louca de escrever.

    Voc ,certamente, chegar aos termos da carta, onde eu digo que suas mos so lindas, quase o que seus olhos e

    seus cabelos muito lindos, invejam seu colo que no beijei.

    Magali, os meus angustiantes vinte oito anos sero diludas nas suas saudades e suas lgrimas muito grossas e

    salgadas recomporo nossos momentos de amor.

    Eu serei um pedao de papel, apenas, numa gaveta ou num romance pstumo, detalhe para documentar o amor

    que no pudemos viver como pediam seus dezesseis anos.

    D um beijo no cu e que Deus nos acolha.

    Eu amei tambm o seu jeito de amar e de falar das coisas. Eu amei o medo que eu senti ao falar com voc das

    coisas do passado.

    Magali, eu amo voc.

    uma Histria de amor em quadrinhos

    O policial encarregado da percia apanhou o papel e no seu rosto no se viu uma expresso sequer de espanto, no havia

    um choro, sequer um suspiro, nem uma mosca voando, s um rudo de mexer em papel dobrado e uma tnue luz de um

    abajur vermelho.

    Havia poemas enumerados e dedicados a muitas mulheres, algumas fotos molhadas de vodka, um disco de Geraldo

    Azevedo, um par de botas, cartazes de show passado, o telefone de uma prostuta, uma aplice de seguro, outro disco

    de Barbra Straisend, uma foto da esposa, umas impresses digitais, coleo de tampinha de coca-cola, um trofu, um

    livro de Millor Fernandes, dois de Pablo Neruda, EUA estante, uma radiola, um mao de cigarros, trezentos e vinte trs

    cruzeiros, uns textos de teatro, um cheque, umas garrafas vazias e um pincel atmico que escreveu MAGALI com letras

    de forma na porta do banheiro.

    O policial encarregado da percia apanhou um papel e no seu rosto no se viu uma expresso sequer de espanto.; com

    uma caneta escreveu a causa mors, embrulhou o corpo e fumou um cigarro desesperadamente, olhando um pster .

    De Bruna Lombardi.

    Magali,

    Voc certamente ler minha carta e encher os olhos com o calor de muitas lgrimas e

    se lembrar dos poemas que no lhe z, ouvindo musicas de Geraldo Azevedo. E certamente,

    Magali, nossos amigos se lembraro que ns comeamos a amar sem mais nem menos, numa

    perdida mesa de bar, onde nos achamos para condncias e planos, eu que, nos meus pesados

    vinte oito anos, bebi sua impetuosidade com a sede dos perdidos.

    Magali, d lembranas a Mnica e conte para o Cebolinha que eu guardo seu segredo com velada doura,

    porque no fui eu quem o soube amar nem malandrear seus primeiros quintais subindo goiabeiras, em

    torpor de menino.

    TUIA HOMENAGEM

  • No incio, no entendi nada do que ela falava. Talvez devido a essa mania atvica que tenho de querer desentender a

    mulher desde aquela histria da costela de Ado. Ou seria da costela de Eva? Ou da costela de ambos? Ou seria coisa do

    GLST? Havia GLST no paraso ou isso inveno dos freqentadores da Avenida Sanitria? Porque s abrir um barzinho

    e logo o ambiente dominado por esse movimento de todos os quadris. Que entende de tudo, menos de mulher. Mas

    que d palpite, disso no tenha dvidas!

    No importa, deixa essa cambada pra l. O fato que eu no entendia ou no queria entender por que os dois namorados

    criaram um cannho do amor numa repblica 100% feminina... J a prenunciava-se uma discusso sem m, pois houve

    uma poca em Teresina, l no Piau, em que o ento amante dela da tal mulher - fora agrado no conhecidssimo Castelo

    do amor. Que funcionava da seguinte forma: todas as mulheres bonitas e elegantes do bafon de Teresina eram

    convidadas a freqentar o Castelo do amor. Que, naturalmente, pertencia a ele.

    Rolava de tudo, menos drogas. Alis, j naquela poca usar drogas era careta! Imagine hoje... Tem nada a ver voc sair por

    a se envenenando, fazendo do livre arbtrio sua bblia desventurada e, depois, mais feio do que um tropico no alto da

    serra de Itacambira, car merc da ajuda alheia, sem foras nem para fazer xixi.

    Era exatamente a que estava o o da meada, mas ela insisa em querer explicar que aquele beijo no cannho do amor

    confundira seu senso comum. Senso que ela sempre confunde com razo, quando quer inverter a ordem das coisas. E

    no existe contraveno mais popular neste pas do que o jogo do bicho. Em pracamente todas as esquinas voc

    encontra algum apontando milhares, centenas, passes e ternos, fora a milhar-centena da data obrigatria, mas cotada

    pela metade. Houvesse uma confraria dessa magnitude para defender o meio ambiente e, certamente, o Grean peace

    seria desse tamaninho. Nem mesmo o galo l de casa, que cismou de cantar sem parar a parr da meia noite, mereceria

    tamanha ateno.

    Nesse ponto da conversa, ela se vira para mim toda cheia de si e lasca um:

    - Pois eu sei muito bem em que voc est pensando!

    Como no h resposta, lasca outro:

    - Em qu no, eu sei muissimo bem em quem voc est pensando!

    claro que connuei no entendendo bulhufas, o que no era nenhuma novidade. Novidade, mesmo, foi uma menina

    to meiga, to linda, to dengosa e compenetrada (e pe compenetrada nisso!) aparecer grvida aos 15 anos

    incompletos. Logo nos dias de hoje, em que h tantos mtodos anconcepvos! Sinceramente, no sei como a

    populao connua crescendo nesta cidade, pois evita-se tudo, sobretudo, lhos. E quando chega o perodo de matrcula

    escolar, a que d uma vontade danada de connuar evitando...

    Evitar, bem que eu tentei, mas a conversa j descambara para a qualidade do biscoito fofo e, a, tenha pacincia, quem

    que agenta? Preferi virar de lado...

    (olhos)

    - ...todas as mulheres bonitas e elegantes do bafon de Teresinha eram convidadas a freqentar o Castelo do amor.

    - Nem mesmo o galo l de casa, que cismou de cantar sem parar a parr da meia noite, mereceria tamanha

    ateno.strengo.

    Ai!!!

    Por Reginauro Silva

    MUITO DIFCIL

    ENTENDER A MULHER...

    TUIA HOMENAGEM