Edição 425

  • View
    222

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal Potiguar Notcias

Transcript

  • www.potiguarnoticias.com.brParnamirim - 28 de maio de 2012 - segunda-feira Ano 12 - nmero 426 - R$ 1.50

    Cefas Carvalho

    E se Lcifer, comtdio, decidisse sematar, como tudoficaria?

    Pg 7

    Pinto Jnior

    Natal vive poltica pequenaatualmente e defogo curto

    Valrio Mesquita

    Causos e anedotas populares epolticos

    Pgina 2

    Evandro Borges

    Mun. Pg. 3

    Potiguar NotciasEx-prefeito condenado a devolver R$ 4 milhes

    Pgina 5

    EleiesMunicipais e asnovas questescontemporneas

    Francisca Henrique

    Parn. Pg. 3

    Novidades sobreo Colgio PH3 ea educao emParnamirim

    on no 4

    MossorSo GonaloS. Jos de MipibuGoianinhaSanta CruzMacaba

    e outros

    RN

    MUNICPIOS NESTA EDIO

    Joo Pedro, de Guamar, condenado pelo uso irregular de recursos dos royalties do petrleo e ter de retornar quase 5 milhes .Municpios Pg. 5

    Carlos Eduardo fica inelegvel ou no? Pgina 3

    Novidades e acontecimentossobre gente que faz, produz,

    brilha e vive!

    Claudino Leite

    Novidades sobreo universoevanglico doRN e do pas

    Mun. Pgina 8

    Ex-prefeito deAngicos ter depagar multa

    O ex-prefeito de Angicos

    Clemenceau Alves foi con-

    denado a pagar multa de R$

    10 mil Mun.. Pg. 5

    Parnamirim lutacontra mal dotabagismo

    CCPAR entra na luta ao

    combate contra o cigarro

    no municpio.

    Parn. .Capa

    Ariano Suassunapode concorrerao Nobel

    Senado aprova indica-

    o do dramaturgo e es-

    critor ao prmio literrio

    mundial. Pg. 7

    Parnamirimdefine coligaesna proporcional

    Partidos polticos pratica-

    mente definem as coliga-

    es para eleio.

    Pg. 3.

    Forrozeiros querem trocarsanfona por poltica

    Nas eleies, em pelo menos dois municpios,sanfoneiros tentam chegar Prefeitura

    Pg. 8

    Solidariedade e cidadaniaTrabalho feito em Parnamirim leva alegria e melhores

    condies a detentas do CDP do municpio Pg. 6

    Potiguar Capa:2.qxd 25/5/2012 21:42 Page 2

  • DESTAQUESDESTAQUESda semana

    Taxa de inadimplncia

    tem leve alta em abrilAps cair em maro, a taxa de

    emprstimos com atraso h mais

    de 90 dias subiu para 5,8%; j a

    taxa mdia de juros das operaes

    de crdito caiu 2 pontos

    percentuais

    Economia

    Dilma veta artigos doCdigo FlorestalGoverno anuncia veto a 12

    artigos aprovados pelo Congresso

    Nacional. Enquanto o lder do

    governo elogiou a medida, ONGs

    como o Greenpeace queriam o

    veto total.

    Ecologia

    Amrica-RN de olho no

    Bayern de MuniqueO presidente do Amrica, Alex

    Padang, anunciou, na noite da

    ltima quinta-feira (17), que o

    Alvirrubro dever fechar, nos

    prximos dias, uma parceria

    com o time alemo.

    Futebol

    ARTIGOS

    A restaurao do emprio dos Guara-pes um dos meus ltimos sonhos desgas-tados. Iniciei uma luta em seu favor, e ain-da espero confiante o seu desfecho. Comodeputado estadual, l pelos idos dos anosnoventa, requeri, atravs de pronuncia-mentos e proposies, o seu resgate histri-co junto ao governo do estado. Integrandoo Conselho Estadual de Cultura, solicitei oseu tombamento e fui o relator do processodirigido secretaria de educao e cultura.Depois, passei a lutar em outro campo,contando com o apoio do ento presidenteda Fundao Jos Augusto jornalista Wo-den Madruga para desapropriar a rea.Feita a desapropriao, de imediato, aindano governo Garibaldi Filho, a referida reafoi paga ao seu proprietrio. Em seguida,ocorreu o tombamento como patrimniohistrico. Paralelamente, o projeto tcnicofoi concludo na FJA pelo arquiteto Paulo

    Valrio Mesquita

    Presidente do

    TCE/RN e

    escritor

    Quem conta um conto, aumenta um ponto

    Porque as mulheres no pensam: abremrosas tenebrosas

    Herberto Helder

    Nos olhos da viva, havia guas e a es-pessa nostalgia das anguas. (Deus existe?Existe, o que esfacela. Deus existe,quem sou eu para neg-lo? Deus existe,quem sou eu para me eximir desta culpa?Eu que acredito piamente nas coisas in-teis, que s existem porque se acredita ne-las. Eu que bordo minhas misericrdiasem lenis de linho. Eu que nunca me ex-traviei por paixo. Eu que transbordo pe-nitncia).

    (No tenho o poder da negao, eu vi-vo de afirmar. E porque afirmo, eu geroexistncias. Sou fmea. Deus, no. Deus um pedregoso lugar de veredas. Por esse

    lugar aventurei a vida, imersa em dispora.Ando devagar, encandeada de deus. Semdeus, como eu saberia o tamanho da dor?Sem deus, no h medio).

    O dote havia sido gasto durante os anosde casamento. Talvez acomodar-se s pr-prias razes fosse a salvao. (Pensei que avida era uma s. Mas agora todas as exis-tncias que tive desfilam diante dos meusolhos. Reluto em fechar o acesso ao passa-do. Talvez eu no devesse fazer isso. Tenho de preparar-me para as no esperas. Fi-car pronta para acontecer. Mas como pre-parar-me para acontecer, se nem sequer seisonhar? Quero ficar muda e eterna, co-mo se fosse feita de deus).

    O vento e a chuva esperneavam l fo-ra. O cheiro de saudade aliciava a escuri-do e as paredes. (Tenho de aprender aschaves, test-las. Elas inventam as aber-turas, mas tambm inventam as vulnera-bilidades. O esquecimento um dever aser cumprido. Eu que sempre cumpri de-veres, agora estou posta em espanto. Ha-ver uma chave para o esquecimento,pergunto-me, minguada. No sei. O va-zio est dentro e fora. E de uma levezainsustentvel, como a de um amor quenos dedicam, mas no correspondemos.

    Em toda a minha vida, correspondi a tu-do. Em toda minha vida, eu disse sim.Nunca testei as chaves do no).

    Os filhos decidiriam o porvir. (Interrom-per-me Talvez a solido me faa voltarao lugar ancestral, quase esquecido. Nesselugar, eu era a princesinha, a moa atadaao pedestal. Era um lugar imaginrio, masme impedia de exercer a mim mesma. Eeu queria apenas isso. J o casamento meexerceu, eu fui toda empenhamento. Eagora, o casamento vai imergir no tempo,como o lugar antigo).

    (Sim, tudo tende antiguidade. Mesmoas crianas correntes sero desbastadas pe-lo tempo. O tempo existe? Existe, quemsou eu para neg-lo? Eu que sou feita detempo. Eu que sou feita de dias correntesfeito as crianas. Eu que desbasto dias. Otempo existe e no devolve o que devora,nem por artes de um deus. Do que o tem-po engole s fica a memria, quando fica.Sinto-me ensopada de antiguidades. O fu-turo em que me penso antigo, mesmo es-tando a nascer agora).

    A vida doravante seria bem mais mo-desta. (Nunca me senti to ntima de mimmesma como agora, nesta espcie latentede crepsculo).

    Carmem Vasconcelos

    Poeta

    O Quixote no Rio Grande do Norte

    A figura do grande cavaleiro da tristefigura inspirou artistas no mundo inteiroe muitos romances, peas de teatro, ba-ls, peras, filmes e canes foram feitasinspiradas na saga do cavaleiro manche-go. No Rio Grande do Norte so muitosos artistas plsticos e escritores apaixo-nados pelo Quixote.

    Cmara Cascudo escreveu prefciopara uma edio do Quixote publicadano Brasil em cinco volumes pela editoraJos Olympio. Nesse prefcio, o polgra-fo potiguar observa como o Dom Quixo-te vive atravs de usos e costumes brasi-leiros, em adgios, provrbios e frasesfeitas, tal como vivera em sua jornadavalente na Espanha do sc. XVII. Muitosdesses adgios e provrbios ainda somuito citados no Brasil. Uma andori-

    nha s na faz vero. Dize-me com quemandas que eu te direi que s, etc. O poetaLuiz Carlos Guimares era um apaixona-do pelo Quixote e escreve poesia em suahomenagem. Ele emprestou uma ediodo Quixote ao pintor Assis Marinho paraservir de inspirao e pediu para que pin-tasse um quadro baseado na novela cer-vantina e no seu principal personagem. Oresultado que Assis Marinho j pintou ocavaleiro sonhador e seu criador em maisde um milhar de belos quadros utilizandodiferentes tcnicas. O Quixote ficou sendoo principal motivo de inspirao para umdos maiores artistas do estado do RN. Opoeta e pintor Newton Navarro tambmpintou alguns quadros imortais da maiscelebre dupla da literatura: Dom Quixote eSancho Pana. O grande Dorian Gray pin-tou uma serie de Quixote por ocasio do4 centenrio da 1 edio do livro lanadoem 1605. Outros grandes pintores do nos-so estado ficaram fascinados pela histriae pintaram ao seu modo o Dom Quixote.So belos e nicos os Quixotes de Marce-lus Bob e Fabio Eduardo. Parte dessesquadros podem ser apreciados na exposi-o na Galeria Newton Navarro da Fun-dao Jos Augusto em homenagem aoQuixote que fica aberta at o final desse

    ms. Na exposio tambm podem serapreciados quadros de Ojuara, Edvaldo,Valderedo, Pantoja, Alcides, Mano e ou-tros grandes artistas do Rio Grande doNorte.

    O artista plstico Guaraci Gabriel, co-nhecido por suas grandes esculturas, pro-duziu um Quixote utilizando carcaas deautomveis que foi chantada no Distritode Estremoz na BR 101 RN. O DomQuixote um romance que d margens amuitas leituras e cada artista faz a sua lei-tura. Mesmo quem nunca leu o livro nasua integridade tem conhecimento da per-sonagem , que se transformou num mito.

    Anchieta Rolim outro grande artista eso belas as suas geoformas. Amigo e poe-ta resolveu me presentear com um lindoQuixote utilizando uma tcnica nova.Uma pea nica que entra para a galeriada minha coleo e far parte da iconogra-fia quixoteana do planeta apaixonado pelogrande fidalgo e homem de rigorosos cos-tumes e tica inabalvel. Obrigado Rolim.Obrigado a todos os artistas da minha ter-ra que bem souberam captar a essncia donobre cavaleiro. O Quixote chega aqui naliteratura de cordel, frequenta as feiras,praias, come melancia e faz reviver o idealdaqueles que lutam pela liberdade.

    Joo da Mata

    Escritor e

    professor

    Santos e Corinthians na

    semi da LibertadoresO Santos e o Corinthians

    venceram seus jogos nas quarta

    de final (sobre Velez e Vasco) e

    vo s