Edio N 37 / 2011

  • Published on
    17-Mar-2016

  • View
    217

  • Download
    0

DESCRIPTION

Edio N 37 / 2011

Transcript

  • BOLETIM PARA INSTALADORES DE REFRIGERAO E AR CONDICIONADO ABR/MAI/JUN - 2011EDIO N37BOLETIM PARA INSTALADORES DE REFRIGERAO E AR CONDICIONADO ABR/MAI/JUN - 2011EDIO N37

  • r02. Skknews

    NDICE

    03EDITORIALPensamento crtico

    04 - 05SKKFORAs instalaes da SKKFOR e a prtica simulada

    11ActualidadePublicaesEventos

    09 VENTILAOMoradias Unifamiliares

    10NOVIDADES BITZER Ecoline

    06 - 07PROBLEMAS USUAISCOM FILTROSSolues

    08CONTROLADOR XC1015DControladores de centrais

    Ficha Tcnica

    Director Pereira da Silva

    Propriedade SKK, SA.

    Periodicidade Trimestral

    Tiragem 1500 exemplares

    Dep. Legal 90527/95

    N. Inscries MJ219057

    SKK, SA. - Rua Monte dos Pipos, Arm. 6,

    4460 - 059 Matosinhos - Portugal

  • rEDITORIAL

    Skknews. 03

    Quem pensa de forma crtica apodera-se de novas

    ideias e conceitos

    Face ao contexto que actualmente se vive, de tanta incerte-

    za e desorientao, aprender a reflectir, a optar e a agir com

    qualidade, torna-se muito mais crtico do que noutra qual-

    quer situao. Todos pensamos, da nossa natureza. Toda-

    via, muito do nosso pensar distorcido, enviesado, parcial,

    acrtico, interesseiro, uniforme e at prejudicial. Com efei-

    to, a qualidade da nossa vida, o que fazemos, depende da

    qualidade do nosso pensamento. No raras vezes, o nosso

    pensamentos e as nossas ideias resultam em custos desne-

    cessrios para ns prprios e para os demais.

    Pensar criticamente significa melhorar a nossa vida pessoal e

    a comum. Quem pensa de forma crtica, apodera-se de novas

    ideias e conceitos e compreende os seus objectivos ltimos;

    prev as questes que esse conhecimento coloca; colige in-

    formao de forma a obter resultados fidedignos; reflecte

    sobre as consequncias dessas informaes; est consciente

    das implicaes e pontos de vista inerentes sua reflexo.

    O pensamento crtico permite ainda ponderar se a informao

    que se recebe, lgica, ou gera, clara, precisa, relevante, pro-

    funda, abrangente e lgica; e at, em certas situaes, justa.

    O pensamento crtico transversal a todos os campos do saber

    e formador de cidados.

  • As instalaes da SKKFOR e a prtica simulada

    04. Skknews

    Na busca por competitividade e me-

    lhoria no desempenho organizacio-

    nal, uma das estratgias adoptadas

    por diversas empresas consiste em

    focar os seus esforos na adopo de

    novas tecnologias capazes de incre-

    mentar seu desempenho.

    A tecnologia adquirida de forma co-

    erente com a estratgia e com os re-

    cursos organizacionais pode ser um

    parmetro vital para assegurar nveis

    de competitividade compatveis com os

    desafios empresariais da actualidade.

    A actualizao tecnolgica na rea da

    Refrigerao e Climatizao pode ser um

    factor de diferenciao, contribuindo, sig-

    nificativamente, para manter padres de

    competitividade, o que ter de ser reflecti-

    do tambm na prtica simulada, realizada

    nas formaes desenvolvidas na SKKFOR,

    uma vez que constitui um parmetro vital

    para os formandos assegurarem nveis de

    competitividade compatveis com os de-

    safios empresariais da actualidade.

    A SKKFOR, est assim habilitada com os

    suportes tcnico-pedaggicos adequa-

    dos aos seus objectivos, nomeadamente

    computadores (fixos e portteis) impres-

    soras, scanners, aparelhagem multimdia,

    vdeos, projectores de slides, datadisplay,

    mquina de filmar digital, quadros, etc.

    Com frequncia, os cursos previstos no pla-

    no de formao da SKKFOR decorrem nas

    instalaes da sede, localizadas na Rua Mon-

    te dos Pipos Armazm 7 4460-059 Guifes.

    Pontualmente e de acordo com as solici-

    taes dos nossos clientes, as aces de

    formao podero realizar-se nomeada-

    mente na regio Norte e Centro do pas e

    em outros locais como a Figueira da Foz,

    Estremoz ou mesmo Portimo.

    Equipamento especfico das reas de formao:

    rea de trabalho em bancada constituda por trs bancadas com dois postos de trabalho cada sendo duas destinadas a traba-lhos de natureza elctrica/elec-trnica e uma destinada a traba-lhos de natureza mecnica.

    rea de trabalho isolada das res-tantes adequadamente venti-lada e destinada a trabalhos de soldadura.

    rea de trabalho em refrigerao simulando a disposio de instala-o comercial e industrial em cam-po e composta por uma central fri-

    gorfica, um grupo frigorfico, uma cmara frigorfica, um expositor mural de lacticnios, um expositor mural de congelados uma ilha de congelados, um balco vitrine, um armrio com frio incorporado, e um quadro elctrico de coman-do e controle.

    rea de trabalho em climatizao simulando a disposio de insta-laes de climatizao em campo e composta por uma unidade de tratamento de ar, um ventilador de extraco, um climatizador split mural, e uma unidade compacta de tratamento de ar.

    As instalaes SKKFOR tm uma rea aproximada de 300 m que se distri-buem nas seguintes zonas:

    As instalaes destinadas s aulas de prtica simulada so compostas pelas seguintes reas:

    Central frigorfica

    Grupo frigorfico

    Cmara frigorfica

    Expositor mural de lacticnios

    Expositor mural de congelados

    Ilha de congelados

    Balco vitrine

    Armrio

    Quadro elctrico de comando e controle

    Unidade de tratamento de ar

    Split mural

    Ventilador de extraco

    Unidade compacta de tratamento de ar

    Bancada de trabalho equipada com ferramentas para a mecnica

    Bancada de trabalho equipada com ferramentas para a electricidade

    Posto para soldadura de ao, cobre e plstico.

    Recepo e rea administrativa

    Salas de formao terica (duas salas para 15 formandos, sendo uma das salas adaptada para cur-sos de informtica).

    Unidade de tratamento do ar, a gua glicolada com varo de suporte, manga txtil e suporte metlico (em fase de construo para utilizao na componente de

    prtica simulada a partir de 2009.

    Zonas de formao prtica de frio industrial, frio comercial, climati-zao, electricidade, mecnica e soldadura.

    Zona de formao prtica de componentes de automao e controlo Dixell e Danfoss.

  • Skknews. 05

    Formao Financiada

    Cdigo UFCD

    Para obteno do percurso de certificao de Electromecnico de Refrigerao e Climatizao - Nvel II Horas

    1247 Mdulo de Interpretao de circuitos termodinmicos e elctricos 25 H

    1251 Mdulo de Funcionamento de compressores 25 H

    Condies de acesso: Preferencialmente Habilitaes Literrias inferiores ao 3 Ciclo (menos que o 9 Ano de Escolaridade)

    Conhea os nossos servios, seleccione as ofertas que melhor se adequam ao seu perfil e conte com a SKKFOR para aumentar as suas qualificaes.

    Oferta formativa SKKFOR para 2011A SKKFOR dispe das seguintes Unidades de Formao de Curta Durao na sua oferta formativa a avanar a curto prazo para obteno das seguintes qualificaes Electromecnico (a) de Refrigerao e Climatizao (nvel II) e de Tcnico(a) de Refrigerao (nvel III) :

    Cdigo UFCD

    Para obteno do percurso de certificao deTcnico de Refrigerao e Climatizao - Nvel III Horas

    1287Mdulo de Termodinmica aplicada - Seleco de compressores e dimensionamento de linhas- Condensadores e evaporadores

    50 H

    1249Mdulo de Tecnologia Mecnica - Constituio Genrica de mquinas Trmicas 25 H

    1317Mdulo de Prticas de Instalao e Montagem - Instalao de um sistema de Refrigerao 25 H

    1249Mdulo de Tecnologia Mecnica- Constituio Genrica das Mquinas Trmicas 25 H

    1298Mdulo de Curso Termodinmicas Aplicada Estados de Transformao de Ar 25 H

    1289Mdulo de Curso de Electricidade e Electrnica- Electricidade e Medidas Elctricas 25 H

    1294Mdulo de Prticas de Instalao e Montagem- Instalao de Sistemas de Ar Condicionado 25 H

    Condies de acesso: Habilitaes Literrias entre o 9 Ano e o 12 Ano de Escolaridade

    A INICIAR EM JUNHO

    A INICIAR EM JUNHO

    Para mais informaes por favor contacte o e-mail lurdesneves.skkfor@skk.pt ou atravs do telefone 229 571 132 ou fax 229 571 146.

  • 06. Skknews

    PROBLEMAS USUAIS COM FILTROS NUMA INSTALAO FRIGORFICA Solues

    Linha de aspirao Perda de carga admissvel (bar) Instalao permanente

    Gs Refrigerante Temperatura de evaporao

    5C -7C -18C -29C -40C

    R134a 0.14 0.105 0.07 0,035 -

    R-22/R410A 0.21 0.14 0.105 0,07 0,035

    R-404A/R507A 0.21 0.14 0.105 0,07 0,035

    Instalao temporria (

  • Skknews. 07Skknews. 07

    As perdas de gs refrigerante em filtros hermticos no so muito comuns, mas quando ocorrem so geralmente nas ligaes roscadas (SAE). Quando se uti-liza este tipo de ligaes, estas devem ser apertadas de modo a garantir a es-tanquicidade do circuito. Se aps o re-aperto das porcas num filtro hermtico ainda permanecerem fugas de gs, deve substituir-se o filtro secador por um novo. Nos gases refrigerantes do tipo HFCs, como so os casos do R134a, R404A,

    Notas importantes

    1. Devem ser instalados filtros secadores em todos os sistemas de refrigerao,

    2. Os filtros secadores devem ser substitudos,Sempre que o circuito seja aberto para manuteno;Sempre que seja necessrio fazer uma carga de refrigerante no sistema; Quando a perda de carga no filtro for o dobro da inicial, o que significa saturao/entupimento parcial da superfcie filtrante.

    3. O gs refrigerante deve ser recolhido no condensador ou no depsito de lquido antes de se proceder substituio de um filtro.

    4. Nunca se deve efectuar a soldadura de um filtro na presena de carga de gs refrigerante no circuito.

    5. Quando se substitui um filtro deve ser verificada a sua capacidade frigorfi-ca de acordo com o tipo de gs refrigerante existente na instalao e com as respectivas condies de trabalho (temperaturas de evaporao e de condensao). Como foi dito atrs, no se deve seleccionar um filtro pelas ligaes. Se olharmos para uma tabela de seleco de filtros hermticos, verificamos que para uma determinada ligao existem filtros com diferen-tes capacidades de filtragem.

    Existem tambm diferenas entre os diversos fabricantes onde o mesmo tamanho no significa exactamente a mesma capacidade.

    6. Um filtro secador do tipo hermtico ou uma carga substituda no devem ser recuperados.

    R407C, R410A, etc. recomendada a aplicao de filtros com ligaes de sol-dar pelo facto das molculas que com-pem estes gases serem menores que as molculas que compem os gases do tipo CFCs, usados anteriormente. Quando se usam filtros com ligaes ros-cadas (SAE), as porcas podem desapertar-se com o passar do tempo devido a vibra-es. Nos filtros com ligaes de soldar, uma vez efectuados os testes de fuga, este tipo de problema no dever ocorrer.

    Linha de lquido

    O filtro secador dever ser substitu-do antes de atingir uma perda de car-ga equivalente a 0,28bar.

    Este valor pode corresponder a um subarrefecimento de 1C a 2C. Se este valor for ultrapassado origina-r a formao de bolhas de gs antes da vlvula de expanso e a conse-quentemente perda de rendimento do sistema frigorfico.

    2.Perdas do gs refrigerante na instalao

  • 08. Skknews

    A srie XC1000D, da DIXELL foi proje-

    tada para a gesto de compressores

    e ventiladores de condensadores, at

    um total de 15 sadas em srie. O con-

    trolador pode gerir diferentes tipos de

    compressores: scroll, semi-hermticos,

    multi-estgios e parafusos.

    A srie XC1000D faculta ao utilizador - atra-

    vs de algoritmos - vrias solues que lhe

    permitem gerir a poupana de energia,

    factor de importncia crescente, quando

    lidamos com a gesto de compressores.

    Permite fazer a gesto da presso de

    condensao, em funo da tempera-

    tura exterior: Set Point dinmico para

    o Condensador.

    Permite fazer a gesto da presso de aspi-

    rao, em funo da temperatura interior:

    Set Point dinmico para a aspirao.

    Os compressores podem ser activados se-

    quencialmente ou em funo do nmero

    de horas de trabalho, de forma a equilibrar

    os tempos de funcionamento.

    Graas aos algoritmos especiais e uma fai-

    xa de presso adequada, a srie XC1000D

    pode gerir e monitorizar, inclusiv instala-

    es funcionando a CO2.

    Superviso da Instalao

    A ligao aos sistemas de monitorizao

    e controlo da Dixell, das sries XWEB5000,

    permite, graas ao algoritmo CRO ( com-

    pressor Rack Optimization) analizar as

    informaes do controlador e determinar

    em cada instante o Set Point ideal para a

    optimizao dos valores do sistema. Em

    cada instante o sistema de monitorizao

    d ordem ao controlador para aumentar

    ou diminuir as solicitaes aos compres-

    sores. O Set Point calculado tendo em

    conta a situao mais desfavorvel do

    sistema, para que em cada momento a

    capacidade frigorfica cedida pela Central

    seja a mais adequada, para uma mxima

    eficincia energtica do sistema.

    CONTROLADOR XC1015D Controladores de centrais para aplicao at 15 Compressores / ventiladoresCom Teclado VISOGRAPH

    Com este controlador possvel gerir da melhor forma possvel, a maioria das aplicaes para os circuitos de refrigerao:

    2 circuitos de aspirao2 circuitos de condensao

    1 circuito de aspirao 1 circuito de condensao

    2 circuitos de aspirao1 circuito de condensao

    Informaes sobre as variveis da Central de Compressores, programvel atravs do

    painel grfico VISOGRAPH (LCD - 240x96 pixels)

    Controlo por banda proporcional ou banda neutra;

    Visualizao de temperatura e presso, dependendo do gs (Freon, NH3, CO2, ...)

    Grande versatilidade e possibilidade de personalizao de variveis;

    2 sadas analgicas para compressores com variao de frequncia;

    2 sadas analgicas para variador de frequncia para os ventiladores do condensador;

    Reduo de set point para a gesto de poupana de energia;

    Sinalizao horria de necessidade de manuteno;

    Set point dinmico para a poupana de energia;

    Controlo do sub-arrefecimento;

    Armazenamento e visualizao dos ultimos 100 alarmes;

    Algoritmos especiais para poupana de energia;

    Protocolo de comunicao MODBUS-RTU

    Programvel por chave de programao (Hot Key) ou ligao ao acessrio de

    programao Prog Tool Kit;

    Tipos de gs refrigerante: R22, R134A, R404A, R507, R717:

    Resoluo: 1/100bar, 1/10C, 1F, 1PSI.

    Formato XC1015D: calha DIN 10 mdulos;

    Dimenses VISOGRAPH: 82X156mm;

    Proteco elctrica do VISOGRAPH: IP65.

    Caractersticas principais

  • VENTILAOMoradias Unifamiliares

    PROMETEO HR400

    Skknews. 09

    O recurso a recuperadores de calor para

    a ventilao de moradias tem-se tornado

    uma prtica cada vez mais comum, isto

    porque a ventilao natural por aco tr-

    mica s se consegue a partir de um certo

    diferencial entre a temperatura interior

    e exterior e em casos em que a aco do

    vento seja favorvel, provocando por isso

    muitas vezes aos ocupantes desconforto

    com as correntes de ar geradas.

    Para alm dos inconvenientes apontados

    para a ventilao natural, que tornam im-

    possvel um controlo eficaz da qualidade

    de ar no interior da habitao, temos tam-

    bm perdas energticas muito importan-

    tes, principalmente no Inverno.

    O tipo de ventilao, que poderemos cha-

    mar de ventilao mecnica controlada

    de duplo fluxo, consiste na extraco de

    ar atravs de um ventilador e um outro

    para a insuflao de ar novo.

    Este sistema, permite a aplicao de

    um recuperador de calor e cruzar os

    fluxos de entrada e sada de ar, recu-

    perando assim parte da temperatura

    do ar de sada, passando-a para o flu-

    xo de entrada de ar, obtendo-se assim

    uma importante eficincia energtica.

    Em certos recuperadores de alta eficincia

    essa recuperao pode chegar aos 92%.

    Desta forma realizada a extraco do

    ar contaminado das zonas mais hmi-

    das como sejam os banhos e cozinhas e

    efectuar a entrada de ar novo em zonas

    de menor actividade como os quartos,

    halls ou corredores.

    Tudo isto de uma forma perfeitamente controlada com mltiplas solues:

    Controlo auto regulvel: este sistema consiste em manter um caudal constante e permanente em todas as zonas da vivenda.

    Controlo higro regulvel: este sistema consiste em ventilar com um caudal varivel em funo do teor de humidade que existe na zona onde se situa o sensor de humidade.

    Existem recuperadores de vrios modelos, com maior ou menor sofisticao a nvel de controlo, tais como:

    Controlo remoto por wireless.

    Display para visualizar os parmetros de temperatura, humidade e CO2.

    Funcionamento totalmente automtico em funo das condies ambientais introduzidas.

  • NovidadesBitzer Ecoline

    10. Skknews

    Durante os ltimos anos, a influncia da

    refrigerao no meio ambiente tem sido

    muito debatida publicamente. Alm da

    eficincia energtica que sempre foi uma

    questo importante para a Bitzer, o balan-

    o total de CO2 nos sistemas de refrigera-

    o (consumo de energia, perdas de gs

    refrigerante devido s fugas e sua recupe-

    rao) constitui um factor essencial para o

    impacto do meio ambiente.

    Os estudos detalhados que tm sido feitos

    em instalaes de mdia temperatura em

    supermercados tm demonstrado que o

    R134a oferece actualmente a melhor op-

    o no que respeita eficincia ecolgica.

    Por isso, a Bitzer desenvolveu uma nova

    gama de compressores para R134a, des-

    tinadas a instalaes de mdia tempera-

    tura com ganhos significativos de efici-

    ncia quando trabalham com tempera-

    turas de condensao baixas.

    Os limites de aplicao foram estendi-

    dos para baixas temperaturas de con-

    densao para que o COP anual possa

    ser aumentado de 20%.

    A Bitzer desenvolveu uma vasta gama de

    compressores para instalaes destinadas

    refrigerao, climatizao e sistemas

    com bombas de calor.

    Com as sries CE4, BE5 e BE6, a Bitzer ofere-

    ce compressores optimizados para R134a

    que permitem satisfazer as mais exigentes

    instalaes frigorficas modernas.

    80

    40

    0

    20

    -40 -30 -20 -10 0 10 30

    tc [C]

    60

    to [C]

    Motor 1

    toh = 20C

    Temperatura de evaporao (C)Temperatura de gs aspirado (C)Sobreaquecimento na aspirao (K)Temperatura de condensao (C)Arrefecimento Adicional Sobreaquecimento na aspirao >10 K

    totohtohtc

    Limites de aplicaoReferem-se a uma temperaturade gs aspirado de 20 C

    Para R134a e tc > 60 C deve utilizar-se o leo B5E55 em vezdo leo BSE32Motor 2

    R134a

    Mecanismo de alta fiabilidade

    Velocidade regulvel entre 25 e 70 Hz

    Vlvulas robustas de alta eficcia especialmente adaptadas

    Motores de alta potncia especialmente adaptados

    Campo de aplicao especialmente adaptado para:

    Instalaes de mdia temperatura a R134a

    Bombas de calor a R134a

    Eficcia energtica

    Alta potncia frigorfica com consumos mnimos de energia, graas s seguintes caractersticas:

    Vlvulas eficazes

    Espao morto mnimo

    Motor elctrico econmico

    Optimizao nas temperaturas de condensao baixas

    Regulao de capacidade eficaz

    De 34.7 m3/h a 151.5 m3/h a (50Hz)

    Compressores de 4 cilindros: 50%

    Compressores de 6 cilindros: 66% / 33%

    Funcionamento em paralelo comprovado

    Compressores tandem de 69 m3/ h a 303 m3/h (50Hz)

    Grande resistncia ao desgaste

    Superfcie da cambota endurecida

    Rolamentos de baixa frico e pistes em alumnio

    Segmentos dos pistes revestidos a crmio duro

    Silenciosos e baixas vibraes

    Equilbrio optimizado das massasPulsaes baixas

    Mnimo espao

    Dimenses compactas

    Robustos

    Pratos de vlvulas de construo slidaVlvulas em ao com alta resistncia ao impacto Mecanismos resistentes

    Proteco electrnica dos compressores

    Monitorizao trmica atravs de sondas PTC

    Resistncia de crter (opo)

    Em manga metlica pr montada

  • Skknews. 11

    PUBLICAES PASSATEMPO

    ACTUALIDADE

    EVENTOS

    Soluo do passatempo anterior:

    Sudoku um jogo de raciocnio e lgica. Apesar de ser bastante simples, divertido e viciante. Basta completar cada linha, coluna e quadrado 3x3 com nmeros de 1 a 9. No h nenhum tipo de matemtica envolvida.

    4 9 1

    4 2

    2 9 1 5

    2 5 8 6

    3

    6 5 1 7

    5 8 9 4

    6 8

    2 5

    Manual Tcnico do Instalador de Refrigerao e Climatizao

    Esta obra um instrumento de trabalho fundamental para profissio-nais ligados rea de refrigerao e climatizao. So abordados to-dos os aspectos tecnolgicos do conforto trmico, assim como a prti-ca de projectar e construir sistemas de refrigerao e ar condicionado. Est disponvel em todas as lojas SKK, ao preo de 5.

    Energia solar pode ser aplicada na refrigerao

    Investigadores alemes demonstraram que a

    refrigerao solar funciona. Durante o projec-

    to Medisco, da Unio Europeia, foi instalado

    um sistema solar para arrefecer vinho numa

    explorao vincola localizada na Tunsia, e lei-

    te numa fbrica de laticnios em Marrocos. A

    tcnica aplicvel em regies de grande expo-

    sio solar, principalmente em reas remotas,

    onde devido escassez de gua e falta de fon-

    tes de energia regulares no h possibilidade

    de refrigerao convencional. um mtodo

    benfico para o ambiente sendo que o custo

    da energia para equipamentos de refrigerao

    AVAI China 201111 a 13 de Agosto 2011-Guangzhou, China

    AVAI China tem sido realizada por trs anos consecutivos, concentrando empresas de mais de 20 pases, e mais de 35.000 visitantes, 700 stands e 15 mil metros quadrados. a plataforma perfeita para fornecedores e com-pradores internacionais na indstria do ar-condicionado e ventilao.http://www.avaichina.com/index_e.asp

    ICR 2011 - Refrigerao para o Desenvolvimento Sustentvel 21 a 26 de Agosto Centro de Congressos de Praga, Repblica ChecaO 23 Congresso Internacional de Refrigerao (ICR) realiza-se de 4 em 4 anos, reunindo um grande nmero de interessados na rea da refrigerao de todo o mundo. Neste congresso promovido pelo Instituto Internacional de Refrigerao (IIR, www.iifiir.org), uma organizao intergovernamental independente, sero abordados assuntos sobre a refrigerao e tecnologias associadas, que so necessrias para uma vida rentvel e ambientalmente sustentvel. Sero abordados temas como qualidade e segurana alimentar do produtor ao consumidor, conforto habitacional e nos edifcios comerciais, produtos e servios de sade, e a eficcia energtica.http://www.icr2011.org/

    convencionais reduzido ao mnimo.

    Os investigadores desenvolveram os painis

    solares de forma que a luz do sol seja dirigida

    por meio de espelhos, para um receptor. Os

    raios de sol concentrados aquecem a gua

    dentro de um reservatrio a 200C. Esta

    temperatura extrema da gua necessria para

    accionar a chamada mquina de arrefecimento

    por absoro com alta temperatura exterior.

    Diferente do refrigerador comum, no se

    utiliza energia, mas calor para gerar frio.

    As mquinas de arrefecimento solar podem re-

    frigerar salas e at edifcios inteiros. Muitos pro-

    jectos de pesquisa demonstraram que os siste-

    mas de energia solar economizam 50% a 80%

    em comparao s tecnologias convencionais

    de refrigerao. Apesar de todas as vantagens,

    os especialistas destacam que a tecnologia ain-

    da no est pronta para o mercado devido aos

    custos de instalao que ainda so elevados.

  • ARMAZM CENTRAL Rua Monte dos Pipos, Arm. 6, 4460-059 GUIFES MATOSINHOS T (+351) 229 571 108 F (+351) 229 571 151

    MAIA

    Centro Empresarial da MaiaRua Joaquim Antnio Moreira, 418 - Armazm 334470 - 078 Moreira da MaiaT (+351) 229 470 600F (+351) 229 470 609

    COIMBRA

    Travessa Vale Paraso Sul

    9200-AZ Eiras

    3020-324 Coimbra

    T (+351) 239 914 032

    F (+351) 239 914 029

    LISBOA

    Avenida Marechal Gomes

    da Costa, 35, Arm. 22,

    1800-255 Lisboa

    T (+351) 218 310 940

    F (+351) 218 310 942

    ESTREMOZ

    Zona industrial, lote 81

    7100 Estremoz

    T (+351) 268 894 801

    F (+351) 268 894 783

    LOUL

    E.N. 125 - Quatro Estradas,

    8100 Loul

    T (+351) 289 391 435

    F (+351) 289 391 436

    SKK - Central de Distribuiopara Refrigerao e Climatizao, S.A.