FAETEC = 2011 / 2012 (GABARITO COMENTADO) 2012... · FAETEC = 2011 / 2012 (GABARITO COMENTADO) LÍNGUA…

  • Published on
    11-Nov-2018

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>FAETEC = 2011 / 2012 (GABARITO COMENTADO) LNGUA PORTUGUESA </p><p>HOMENS QUE NO SE CUIDAM Cuidar da sade uma das ltimas preocupaes dos homens cariocas. Um levantamento realizado pela Secretaria Municipal de Sade mostra que a grande maioria dos homens foge das consultas mdicas de rotina e s procura ajuda quando est com problemas mais srios. Dos cerca de dez milhes de atendimentos ambulatoriais de ateno bsica realizados na rede municipal de janeiro a julho, somente 12% dos pacientes eram do sexo masculino (na faixa de 20 a 59 anos). Quando includos os mais idosos, o ndice de homens que procuram os servios de sade de forma preventiva no ultrapassa os 25%. Mas, quando considerada a ateno secundria (policlnicas e locais de exames), os homens de 20 a 59 anos representam 30%, o que confirma que s procuram servios de sade quando j esto doentes. Para mudar o quadro, a secretaria vai criar a Gerncia de Sade do Homem, com a misso de definir estratgias para aumentar o interesse dos homens pelo atendimento ambulatorial. Uma delas aumentar o horrio de atendimento das Clnicas de Famlia at as 20h para que os trabalhadores tenham mais oportunidades de conseguir uma consulta. At o fim do ano, estaro implantadas 24 unidades. - Vrios fatores contribuem para que o homem no procure atendimento. Tem a questo do horrio, o pensamento masculino de que nada de ruim vai acontecer. Tambm existe o temor de que, se for ao mdico, vai achar algum problema diz Andrea Castro, que ficar frente da nova gerncia. Segundo o levantamento, as especialidades mais procuradas pelos homens so angiologia, clnica mdica, pneumologia, psiquiatria, fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia. Para conquistar mais pacientes masculinos, principalmente para consultas de cardiologia (doenas cardiovasculares uma das maiores causas de mortes), a secretaria vai atuar em vrias frentes. Uma das idias fazer parcerias com empresas para que as equipes masculinas parem, dez minutos por dia, para assistir a orientaes de sade. Uma grande rede de supermercados j adotou a idia. Outra medida ser estimular o homem que acompanha a companheira grvida no pr-natal a tambm fazer exames de rotina. - J percebemos que a implantao de academias de ginstica em unidades de sade tem feito com que os homens se interessem mais pelos cuidados com a sade e procurem atendimento preventivo. A gerncia agora vai procurar novas formas de atrair os pacientes do sexo masculino diz o secretrio de sade, Hans Dohmann. Nas 13 unidades onde j foram implantadas academias, a procura pelos servios de sade era baixa, mas agora chega a 18% de homens. No Rio, para cerca de 1,5 milho de moradores do sexo masculino, entre 20 e 59 anos, h 1,8 de mulheres na mesma faixa etria. </p><p>Maria Elisa Alves. O Globo. 05/10/2010 - adaptado 01) No ttulo dado ao texto homens que no se cuidam a orao adjetiva (que no se cuidam) pode ser substituda adequadamente pelos seguintes adjetivos: a) negligentes cautelosos b) imprudentes distrados c) distrados descuidados d) cautelosos imprudentes e) descuidados negligentes RESOLUO: Descuidados, negligentes os dois adjetivos, que so sinnimos, querem atribuir a idias de descaso. Descuidado seria desleixado, enquanto negligente tem como significado principal aquele que tem falta de ateno ou cuidado. GABARITO: E 02) Reescrevendo-se o primeiro perodo do texto cuidar da sade uma das ltimas preocupaes dos homens cariocas de forma a manter o sentido original, a nica forma inadequada : a) A ltima preocupao dos homens cariocas o cuidado com a sade. b) Uma das ltimas preocupaes dos homens cariocas cuidar da sade. c) Cuidar da sade, entre os homens cariocas, uma das ltimas preocupaes. d) Est entre as ltimas preocupaes dos homens cariocas o cuidado com a sade. e) Entre as ltimas preocupaes dos homens cariocas est o cuidado com a sade. </p></li><li><p>RESOLUO: O trecho que torna esta a questo inadequada a ltima preocupao dos homens, quando na verdade o trecho original diz (...) uma das ltimas preocupaes dos homens(...) GABARITO: A 03) Em relao ao contedo geral do texto, o perodo inicial cuidar da sade uma das ltimas preocupaes dos homens cariocas funciona como uma: a) opinio, que ser defendida. b) dvida, que ser esclarecida. c) afirmao, que ser debatida, d) concluso, que ser explicada. e) hiptese, que ser comprovada. RESOLUO: Podemos afirmar que se trata de uma concluso, pois ao longo do texto a autora ir explicar sua afirmativa baseada em nmeros concretos, provenientes de pesquisas anteriormente realizadas. GABARITO: D 04) Nas alternativas abaixo, aquela em que a alterao proposta para o primeiro segmento modifica o sentido original : a) a procura pelos servios de sade era baixa / era baixa a procura pelos servios da sade. b)s procuram servios de sade s quando esto doentes / procuram servios de sade s quando esto doentes. c) somente 12% dos pacientes eram do sexo masculino / 12% dos pacientes eram somente do sexo masculino. d) Uma grande rede de supermercados j adotou a idia / A idia j foi adotada por uma grande rede de supermercados. e) s procura ajuda quando est com problemas mais srios / procura ajuda s quando est com problemas mais srios. RESOLUO: O equvoco reside no fato de que a palavra somente , no enunciado original, relaciona-se com o nmero percentual (12%), enquanto a reescritura desloca o advrbio, relacionando-o expresso sexo masculino. GABARITO: C 05) A frase abaixo em que permitida uma outra forma de concordncia verbal : a) Uma das idias fazer parcerias com empresas. b) a grande maioria dos homens foge das consultas mdicas. c) somente 12% dos pacientes eram do sexo masculino. d) Nas 13 unidades onde j foram implantadas academias. e) Uma das grandes redes de supermercados j adotou a idia. RESOLUO: Na frase original, o verbo fugir concorda com a palavra maioria. Tambm possvel fazer a seguinte frase: A grande maioria dos homens fogem das consultas mdicas, com o verbo indo para o plural, em concordncia com a palavra homens. Ambas as manifestaes so possveis. GABARITO: B 06) Muitas so as razes pelas quais os homens no procuram atendimento mdico de rotina. O texto aborda algumas dessas razes. Segundo o texto, o argumento formulado abaixo, que NO serviria como razo para essa falta de cuidado com a sade : a) No vou consultar-me porque podem achar alguma coisa ruim em mim. b) No preciso de academias para que fique bem de sade. c) No vou me tratar porque meu horrio no permite. d) No me cuido, pois coisas graves no me atingem. e) No vou a mdicos porque quem procura, acha. RESOLUO: Esta opo no serviria como argumento pois, quando a autora trata do item academias, este vem como uma possvel soluo para atrair o homem a fazer algum tipo de tratamento preventivo. Todas as outras opes esto corretas, pois fazem parte do elenco de razes dadas pela autora que justificam a ausncia do homem nos hospitais. GABARITO: B </p></li><li><p>07) Muitas so as especialidades mdicas procuradas por quem est doente: entre as que so citadas no texto, aquela que tem sua finalidade corretamente indicada : a) angiologia angstia psquica b) cardiologia deficincia renal c) psiquiatria aparelho digestivo d) fisioterapia aparelho reprodutor e) pneumologia sistema respiratrio RESOLUO: Angiologia: sistema circulatrio; Cardiologia: estudo do corao; Psiquiatria: ramo da medicina que trata das doenas mentais; Fisioterapia: terapia em que se usam agentes e exerccios fsicos. (fonte: Dicionrio Aurlio) GABARITO: E 08) A frase em que o vocbulo mais apresenta uma classe gramatical diferente das demais frases : a) os homens se interessem mais pelos cuidados com a sade. b) as especialidades mais procuradas pelos homens. c) Para conquistar mais pacientes masculinos... d) ...quando est com problemas mais srios. e) ...quando includos os mais idosos... RESOLUO: Nesta opo, a palavra mais funciona como pronome indefinido, e tem o significado de em maior nmero ou quantidade. Em todas as outras opes, a palavra funciona como advrbio. GABARITO: C 09) O levantamento realizado na rede municipal de sade comprova que os homens fogem dos mdicos. Essa comprovao se apoiou em: a) declaraes de autoridades do servio de sade. b) informaes de proprietrios de academias. c) depoimentos pessoais dos homens. d) entrevistas com mulheres grvidas. e) estatsticas de atendimento mdico. RESOLUO: As comprovaes do texto so principalmente baseadas em nmeros estatsticos. Os depoimentos existentes s confirmam os que os nmeros j dizem. GABARITO: E 10) Dos cerca de dez milhes de atendimentos ambulatoriais de ateno bsica realizados na rede municipal de janeiro a julho, somente 12% dos pacientes eram do sexo masculino (na faixa de 20 a 59 anos). Quando includos os mais idosos, o ndice de homens que procuram os servios de sade de forma preventiva no ultrapassa os 25%. Mas, quando considerada a ateno secundria (policlnicas e locais de exames), os homens de 20 a 59 anos representam 30% o que confirma que s procuram servios de sade quando j esto doentes. O crescimento estatstico de atendimento citado nesse fragmento do texto est diretamente relacionado : a) idade dos pacientes e gravidade da doena. b) gravidade da doena e disponibilidade de horrio. c) proximidade do atendimento e idade dos pacientes. d) disponibilidade de horrio e qualidade dos servios. e) qualidade dos servios e proximidade do atendimento. RESOLUO: A gradao demonstrada no texto extrado para a questo revela que, quanto mais velho o homem fica, o percentual de procura a hospitais aumenta, pois os homens j se encontram doentes. A procura para a preveno bem inferior quando comparada procura para tratamento. GABARITO: A 11) A criao da nova Gerncia de Sade do Homem, citada no segundo pargrafo do texto, tem por finalidade: a) acompanhar os homens em seus exames de rotina. b) produzir mais locais de exames mdicos masculinos. c) estimular os homens em acompanharem as mulheres em seus exames. d) fazer crescer a procura, por parte dos homens, dos exames ambulatoriais. e) reduzir a quantidade de doenas masculinas por falta de exames mdicos. </p></li><li><p>RESOLUO: A ideia fazer o homem, com a criao dessa nova gerncia, procurar mais os servios de preveno. GABARITO: D 12) Dos cerca de dez milhes de atendimentos...; No Rio, h cerca de 1,5 milho de moradores do sexo masculino.... Observando-se esses segmentos do texto, podemos ver que a expresso cerca de empregada exclusivamente: a) em relao a longas distncias. b) em relao quantidade de pessoas. c) com referncia a quantidades precisas. d) com expresses numricas de tempo e espao. e) antes de expresses quantitativas aproximadas. RESOLUO: Nestes segmentos do texto, a expresso cerca de ajuda a dar ao leitor uma ideia aproximada do nmero de pessoas e atendimentos. No h o interesse, nesse texto, de informar nmeros exatos, mas sim a grandiosidade dos nmeros e a diferena entre eles. GABARITO: E 13) A alternativa em que o vocbulo destacado tem seu sinnimo incorretamente indicado : a) Para mudar o quadro... = cenrio b) ...na mesma faixa etria = de idade c) ...problemas mais srios... = graves d) ...vai atuar em vrias frentes = prioridades e) ...ficar frente da nova gerncia = na chefia RESOLUO: Neste trecho, frentes tem o sinnimo de setores, campos de atuao. GABARITO: D 14) Muitos adjetivos em lngua portuguesa podem aparecer antes ou depois dos substantivos. O caso em que isso pode ocorrer de forma adequada, sem alterao de sentido, : a) gerncia nova b) problemas srios c) homens cariocas d) consultas mdicas e) atendimentos ambulatoriais RESOLUO: Vemos que, ao colocar o adjetivo srios frente do substantivo problemas, no h prejuzo do significado do texto em geral. O mesmo no acontece em homens cariocas. Se invertermos a ordem das palavras, enfatizaremos o adjetivos cariocas, atribuindo-lhe uma nova significao. GABARITO: B 15) A alternativa em que o vocbulo QUE tem classe gramatical diferente das demais : a) o ndice de homens que procuram os servios de sade... b) Tambm existe o temor de que (...) vai achar algum problema. c) ...o pensamento masculino de que nada de ruim vai acontecer. d) J percebemos que a implantao de academias de ginstica.... e) ...confirma que s procuram servios de sade quando j esto doentes. RESOLUO: Nesta opo temos a palavra que atuando como pronome relativo. Ela pode ser substituda, sem alterao de sentido, pela expresso correspondente os quais. Todos os outros so conjunes integrantes. GABARITO: A 16) ...se for ao mdico, vai achar algum problema.... A alternativa em que a correspondncia dos tempos verbais est correta, como ocorre no fragmento em destaque, : a) caso v ao mdico, acharia algum problema. b) se fosse ao mdico, vai achar algum problema. c) caso for ao mdico, iria achar algum problema. d) caso v ao mdico, ter achado algum problema. e) se tivesse ido ao mdico, teria achado algum problema. RESOLUO: </p></li><li><p>Deve-se observar o tempo verbal da primeira orao, para fazermos a concordncia correta do verbo da segunda orao. Na letra A, seria caso v/ achar ; na letra B, seria se fosse/ acharia ; na letra C, caso v/ achar ; e letra D teramos caso v / achar. GABARITO: E 17) Observe os casos abaixo de emprego de parnteses: I ...somente 12% dos pacientes eram do sexo masculino (na faixa de 20 a 59 anos). II Mas, quando considerada a ateno secundria (policlnicas e locais de exame), os homens... III ...principalmente para consultas de cardiologia (doenas cardiovasculares uma das maiores causas de mortes), a secretaria vai atuar... A alternativa em que se faz o comentrio correto sobre esses empregos : a) Na frase II, o expresso entre parnteses retifica uma informao dada anteriormente. b) Nas frases II e III h esclarecimentos indispensveis para o perfeito entendimento do leitor. c) Na frase I, os parnteses so empregados para explicar o significado de um termo anterior. d) Em todas as frases, o que veiculado entre parnteses repetitivo, pois j foi dito anteriormente. e) Na frase III h a presena de uma frase sinnima, que poderia substituir o termo anterior aos parnteses. RESOLUO: Vemos que nos trechos II e III, extrados do texto, a informao contida entre parnteses essencial, pois sem ela teramos prejuzos ao tentar entender o texto. Na letra A, o trecho no retifica, e sim explica; na letra C, o trecho entre parnteses expande a informao dada anteriormente; na letra E, a frase entre parnteses no sinnima do termo anterior. GABARITO: B 18) O valor semntico do conectivo em negrito distinto dos demais em: a) Para mudar o quadro... b) Para conquistar mais pacientes masculinos... c) ...principalmente para consultas de cardiologia... d) No Rio, para cerca de 1,5 milho de moradores... e) ...definir estratgias para aumentar o interesse dos homens... RESOLUO: Nesta opo, o termo para ajuda a construir a ideia de proporcionalidade que o trecho pretende. Em todas as outras opes, temos para como o sentido de finalidade. GABARITO: D 19) Nas 13 unidades onde j foram implantadas academias, a procura pelos servios de sade era baixa, mas agora chega a 18% de homens. Por esse segme...</p></li></ul>

Recommended

View more >