Feira do Livro do Porto 2015 — Programação

  • View
    218

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

PortoLazer

Transcript

  • cinemaconcertosdebates

    exposiesleiturasoficinas

    spoken word

    Jardins do Palcio de Cristal

    420 Set 2015

  • 2Uma promessa de felicidade

    Paulo Cunha e Silva,Vereador da Cultura da CMP

    CMPO

    RTO

    Debates 3Spoken Word 45Cinema 67Quintas de Leitura 7Agenda / Mapa 89Exposies 1011Programa de Animao 1213Programa para a Infncia e Juventude 1415

    ndice

    A Literatura tem o poder de nos fazer descobrir novos lugares e sentir de forma diferente os lugares de sempre. Atravs dela, o efeito encantatrio dos Jardins do Palcio fez se sentir h um ano, quando a Cmara Municipal do Porto os adotou como recinto da Feira do Livro um projeto cuja organizao decidiu assumir pela primeira vez em oitenta anos. A cidade no hesitou em aderir a este momento de viragem, transformando a paisagem verde e literria da Feira do Livro num grande territrio de celebrao da escrita e dos seus autores.A Feira do Livro regressa incontornavelmente ao mesmo local e com o mesmo modelo: acessvel a todos os agentes do Livro e cmplice das mltiplas formas de conhecer a Literatura e o uso da Palavra.A programao cultural deste ano no poderia deixar de ser estimulada pela ideia de reflexo sobre a felicidade, a partir dos diversos gneros e veculos da Literatura. De debates ao cinema, da spoken word s artes visuais, cruzamos o pensamento sobre a produo literria com espaos onde a criao artstica surge particularmente atenta potica da escrita. E porque queremos ter espao, nesta programao, para homenagear os nomes maiores do nosso panorama literrio, a Agustina Bessa Lus simbolicamente atribuda uma tlia, numa Avenida em cujas rvores a vida acontece com seiva e Literatura, desde 2014.Se a Arte uma promessa de felicidade, como dizia Adorno, a Feira do Livro do Porto uma das grandes oportunidades para a cidade se aproximar desse estado atravs dos livros e da leitura, podendo o fazer num cenrio particular: a olhar o rio, no aroma das rvores e flores, ao sabor do cantar de paves. Mas algum tem dvidas de que entre 4 e 20 de setembro aqui poder ser feliz?

    Feira do Livro do Porto 2015Jardins do Palcio de Cristal420 de setembro

    Dom: 12h0022h00SegQui: 15h0022h00Sex: 15h0023h00Sb: 12h0023h00

    Organizao

    Cmara Municipal do Porto

    Rui Moreira PresidentePaulo Cunha e SilvaVereador da Cultura

    Pelouro da Cultura

    Guilherme BlancAdjuntoOlga MaiaDiretora MunicipalSofia AlvesDiretora de DepartamentoMaria Joo SampaioChefe de Diviso (Bibliotecas)Patrcia CamposComunicaoFilipa CorreiaFrancisco MalheiroJoo GestaPatrcia VazProduo

    Gabinete de Comunicao e Promoo

    PortoLazer

    Nuno LemosAdministrador executivoCristina PintoProgramao e ativao de MarcaJorge RodriguesComunicaoBernardo SoaresLogsticaFernando PinheiroProduo executivaJoo Moreira da SilvaDesenho e planta do evento

    Design

    Pedro Noranoradesign.net

    Paulo FreitasDesigner assistente

    AGUSTINA UM MUNDO FELIZ? SB 5 18H00

    Isabel Ponce de Leo Mnica BaldaqueZita Seabra (m)

    A Avenida das Tlias transformou--se, em 2014, numa avenida dos es-critores, com a atribuio simblica a Vasco Graa Moura de uma tlia e uma placa onde se inscreve um excerto de um dos seus poemas. Este ano a homenageada ser Agustina Bessa-Lus, referncia maior da lite-ratura portuguesa. Trs convidadas particularmente ligadas sua vida e obra juntam-se homenagem e falam-nos sobre a felicidade no universo agustiniano. [ 1 ]

    AS ESCRITAS DAS ARTES DOM 6 16H00

    Andr E. TeodsioSrgio GodinhoBernardo Pinto de Almeida (m)

    Nos anos 50, os surrealistas diziam que a crtica era a forma da sua permanncia. Ser a escrita sobre, e enquanto expresso de arte, necessariamente crtica? Um debate com quem escreve sobre arte e cuja escrita se identifica com o prprio objeto artstico, da msica poesia, passando pelo teatro.

    OS AMORES DA ESCRITA QUA 9 19H00

    Daniel JonasTiago SalazarPossidnio Cachapa (m)

    As mulheres e os homens so fortes desde que defendam o que amam. Mas, como diz Agustina, no ser o amor o mais hertico dos fenme-nos? Como hoje tratado o tema na novssima literatura nacional e internacional? Um distinto painel de escritores discute o Amor, essa potn-cia criadora de todos os tempos.

    NMEROS FELIZES SEX 11 19H00

    Antnio CmaraCarlos FiolhaisNuno Camarneiro (m)

    Trs cientistas-autores discutem os desafios que se colocam a quem quer

    escrever sobre Cincia para o grande pblico. Estaro os leitores prepa-rados e motivados para as obras de divulgao cientfica? E o que pensam os cientistas quando a cincia invade a fico e outros gneros literrios? Conversaro sobre estas e outras questes trs vultos da nossa Cincia.

    CONTA-ME HISTRIAS SB 12 16H00

    Frederico LourenoRichard ZimlerFrancisco Jos Viegas (m)

    Conto e novela, o que estimula os escritores a optarem por esta exgua estrutura de escrita? E os leitores? Trs nomes incontornveis da nossa Literatura discutem o que os separa de exerccios literrios mais extensos, de um ponto de vista da criao literria e do consumo pelos leitores nacionais e internacionais.

    A ILHA DE PORTAS ABERTASDOM 13 16H00

    Ana Ribeiro Martins Antnio Fontelas Joo Teixeira LopesManuel Correia FernandesFernando Matos Rodrigues (m)

    A Feira de Livro cruza-se com o projeto Cultura em Expanso e leva a Feira do Livro Ilha da Bela Vista com uma mesa-redonda sobre trans-versalidades poticas, a cultura nas Ilhas do Porto e a produo literria de raiz popular. Uma conversa que ser marcada pelo lanamento do livro de poemas Portas Abertas, da autoria da residente da Ilha Ana Ribeiro Martins. Uma iniciativa do Pelouro da Cultura e do Laboratrio de Habitao Bsica e Social com as Edies Afrontamento. [ 2 ]

    O LENTO E INCENDIRIO CAMINHO DO HUMOR QUA 16 19H00

    Lus AfonsoValter Hugo MeAdolfo Luxria Canibal (m)

    Um ttulo quase potico para uma viagem sem rumo com trs autores que nos transformam e transtornam com a sua permeabilidade ao humor. No ser o humor, afinal, a forma mais eficaz de dizermos no aos constran-

    gimentos quotidianos e ao prprio sistema? Do que rimos, em Portugal? E haver verdadeiramente espao para o humor neste pas conformista e melanclico?

    AMOR REAL? DA HISTRIA LITERATURA SEX 18 19H00

    Germano SilvaHlder PachecoJoel CletoMiguel Miranda (m)

    Partindo do corao de D. Pedro IV, e da sua impressiva histria de amor ao povo do Porto e de Portugal, quatro conhecidos convidados fazem uma viagem aos coraes de reis legados em testamento, preservados para me-mria futura, e a histrias de paixes reais vertidas nos relatos da Histria, nas lendas e na Literatura.

    AINDA H FADAS? SB 19 16H00

    lvaro MagalhesCarlos Alberto Moniz Isabel Minhs Martins (m)

    Querida imaginao, o que mais amo em ti, que tu no perdoas (Andr Breton). Uma boa histria de fadas pode levar-nos ao fundo do mar, acima das nuvens, a pases distantes, ao passado e ao futuro. A nossa literatura infantil continua a dar cartas no mercado internacional. Afinal, o sucesso em feiras e concursos internacionais est ancorado apenas na ilustrao ou numa maneira diferente de escrever para o pblico infantil? [ 3 ]

    MEMRIAS POLTICAS: UM PASSADO FELIZ?DOM 20 16H00

    Ins de MedeirosPaulo RangelPedro Batista (m)

    A partir de obras autobiogrficas da autoria de figuras da poltica nacional e internacional, um painel de conhecidos polticos e politlogos conversam sobre o papel das mem-rias polticas para quem escreve mas tambm para quem as l. Aps anos de escassa produo em Portugal, teremos finalmente alinhado com a popularidade deste gnero literrio a nvel internacional?

    3

    Debates Auditrio

    da Biblioteca Municipal Almeida Garrett

    Galeria Municipal do Porto

    Ilha da Bela Vista (Rua D. Joo IV, 832 )

    520 de setembro Produo: Booktailors

    Agustina Bessa-Lus

    PEDR

    O CU

    NHA

    / P

    BLIC

    O

    [ 1 ] Sesso integrada no ciclo "Um Objeto e Seus Discursos por Semana".[ 2 ] Este debate decorre na Ilha da Bela Vista, na Rua D. Joo IV, 832.[ 3 ] Este debate decorre na Galeria Municipal do Porto.

  • O Porto vai ser de novo, em setembro, a capital da Palavra.O Festival de Spoken Word da Feira do Livro do Porto convoca seis projetos desafiantes, distintos, com um propsito comum: celebrar o universo da Palavra.Palavra falada, muitas vezes sussurrada, palavra cantada, palavra ao servio da vida.Uma programao pluridisciplinar, uma intocvel cumplicidade entre a msica e a voz dos nossos poetas. Tempo ainda para um percurso improvvel atravs da msica sacra e da msica tradicional portuguesa. Em suma, a torrencialidade da Palavra, desaguando, ora pura e cristalina, ora sorrateira e guerrilheira, no Auditrio da Biblioteca Municipal Almeida Garrett.Seis performances imperdveis, com a Palavra a espreitar ao canto da noite.

    Anamar

    Os Poetas

    Valete

    Tiago Gomes e Flak

    Capella Duriensis

    Sopa de Pedra

    Spoken Word Auditrio

    da Biblioteca Municipal Almeida Garrett

    419 de setembro

    VALETESEX 4 22H00

    Valete um rapper portugus. Comeou a ouvir rap no ano de 1991, mas foi a partir de 1995 que passou a encarar a msica de forma mais profunda, tendo como principais referncias artistas como Nas, KRS One ou Racionais MC's. O nome Valete surgiu aps ter visto num documentrio de ilusionismo a ideia mtica de que a carta Valete, utilizada em truques de ilusionismo, no permitia que o truque resultasse. Em 1997, iniciou a sua atividade musical e, com Adamastor, formou o Canal 115 e, mais tarde, a Horizontal Records. Nesse mesmo ano, e ainda com 16 anos, comeou a ser convidado para as mix tapes lanadas por Djs como Bomberjack e Cruzfader. Em 2002, regressou com o lbum "Educao Visual", lanado de forma independente para poder gerir e conduzir o lbum sua maneira. Valete, que antes deste lbum era mais conhecido como u