FUTURISMO EXPRESSIONISMO CUBISMO DADAÍSMO SURREALISMO MOVIMENTOS DA VANGUARDA EUROPÉIA EUROPÉIA

  • View
    257

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • FUTURISMOEXPRESSIONISMOCUBISMODADASMOSURREALISMOMOVIMENTOS DA VANGUARDA EUROPIA

  • O MODERNISMO Sculo XX: estado de insatisfao do homem em relao civilizao

    Ruptura com o passado para lev-lo de volta s origens primitivas, a sua formao pura;

    Primeira Guerra Mundial - incio do sculo XX =>transformaes na maneira de pensar do homem moderno (idia de nacionalismo / nazismo, fascismo ecomunismo => intensas agitaes;

    1939-1945: Segunda Guerra Mundial / (EUA x URSS).

  • SEMANA DE ARTE MODERNA

    13, 15 e 17 de fevereiro no teatro de SP.

    Abertura com Graa Aranha e na segunda noite Ronald de Carvalho, Os Sapos.

    Conquistou seu maior objetivo: assustar a burguesia que cochila na glria de seus lucros.

    Apoio financeiro # SAM

    Atacar o passado.

  • ARTES Ruptura com o passado.

    Volta s origens.

    Anseio de independncia e renovaoprofunda, marcando o desgosto e a decepodo homem com o passado.

  • A SEMANA DE ARTEMODERNA1922 - Marco do Modernismo no Brasil. Movimento: artstico poltico social

    Inteno de colocar a culturabrasileira a par das correntesde vanguarda do pensamentoeuropeu e pregava a tomadade conscincia da realidadebrasileira.

  • REVISTAS E MANIFESTOS REVISTA KLAXON - 1923A REVISTA - 1925MANIFESTO PAU-BRASIL - 1924Tinha como proposta uma concepo estilstica diferente, que anunciava a modernidade, o sculo XX, buzinando, pedindo passagem.Escrito por Oswald de Andrade e tinha como propostauma literatura vinculada realidade brasileira, a partirde uma redescoberta do Brasil. CRTICO/EXPORTAOPublicao responsvel pela divulgao do movimentomodernista em Minas Gerais e tinha como um dos redatores Carlos Drummond de Andrade.

  • MANIFESTO VERDE-AMARELO- 1926Tecia vrias crticas ao nacionalismo importado de Oswald. Exaltava o nacionalismo ufanista, verso nacional do nazifacismo. Smbolo: Anta (Escola da Anta) MANIFESTO ANTROPOFAGIA - 1928O mais radical dos manifestos. Propunha a devorao da cultura e das tcnicas importadas e sua reelaborao, a fim de torn-lo produto importado para ser exportvel. Inspirao: Abaporu que significa...RUPTURA DE OSWALD COM MRIO

  • 1922 a 1930 - 1 Fase Modernista Tentativa de definir e marcar posies CARACTERSTICAS Rompimento com todas as estruturas do passado, necessidade de definio.

    Carter anrquico => sentido destruidor.

    Manifestao do nacionalismo => volta s origens, procura de uma lngua brasileira, as pardias, valorizao do ndio verdadeiramente brasileiro.

  • MRIO DE ANDRADE - 1893 / 1945

    H uma gota de sangue em cada poema => obra de estria => influncias de escolas anteriores (rigor mtrica, rima, vocabulrio...)

    Sua poesia manifesta-se modernista a partir do livroPaulicia Desvairada (ruptura com os moldes do passado)

    Lutou por uma lngua brasileira, prxima do povo(cuspe = guspe). Valorizou, tambm, o brasileirismo e o folclore brasileiro.

  • OSWALD DE ANDRADE

    Idealizador dos principais manifestos modernistas. Cubismo e Futurismo

    Caractersticas: nacionalismo que busca as origens sem perder a viso crtica da realidade brasileira. A pardia como uma forma de repensar a literatura. Valorizao do falar cotidiano Anlise crtica da sociedade burguesa capitalista.

  • Pronominais D-me um cigarro Diz a gramtica Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da Nao Brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me d um cigarro

  • Canto de Regresso Patria Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os pssaros daqui No cantam como os de l Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de l No permita Deus que eu morra Sem que volte para l No permita Deus que eu morra Sem que volte para So Paulo Sem que veja a Rua 15 E o progresso de So Paulo

  • MANUEL BANDEIRA

    Buscou na prpria vida inspirao para os seus grandes temas:

    de uma lado a famlia, a morte, a infncia no Recife;

    de outro, a constante observao da rua por onde transitam os mendigos, as prostitutas, os meninos carvoeiros, os carregadores das feiras, falando o portugus gostoso do Brasil (humor, ceticismo, ironia, tristeza e alegria dos homens, idealizao de um mundo melhor.

  • PneumotraxFebre, hemoptise, dispnia e suores noturnos. A vida inteira que podia ter sido e que no foi. Tosse, tosse, tosse. Mandou chamar o mdico: - Diga trinta e trs. - Trinta e trs... trinta e trs... trinta e trs... - Respire. - O senhor tem uma escavao no pulmo esquerdo e o pulmo direito infiltrado. - Ento, doutor, no possvel tentar o pneumotrax? - No. A nica coisa a fazer tocar um tango argentino.

  • NO SEI DANARUns tomam ter, outros cocana. Eu j tomei tristeza, hoje tomo alegria. Tenho todos os motivos menos um de ser triste. Mas o clculo das probabilidades uma pilhria... Abaixo Amiel! E nunca lerei o dirio de Maria Bashkirtseff. Sim, j perdi pai, me, irmos. Perdi a sade tambm. por isso que sinto como ningum o ritmo do jazz band. Uns tomam ter, outros cocana. Eu tomo alegria! Eis a por que vim assistir a este baile de tera-feira gorda.

  • POTICAEstou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionrio pblico com livro de ponto expediente protocolo e manifestaes de apreo ao Sr. Diretor. Estou farto do lirismo que pra e vai averiguar no dicionrio o cunho vernculo de um vocbulo. Abaixo os puristasTodas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construes sobretudo as sintaxes de exceo Todos os ritmos sobretudo os inumerveis

    *