GEADÁGIO - ccdb.gea.nom.br ?· Não compre o capacete enquanto não puder ter a motocicleta... ...…

  • Published on
    15-Dec-2018

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

GEADGIO

Provrbios e Pensamentosextrados das pginas

capitularesdo escrito

Ga

Agora com excertos similaresde Genha (Geinhadgio)mas no todos, que s se acham nos

prprios livros

(No contm as poesias, seno a de abertura:

as demais devem ser lidas no texto de Ga)

2

No escrevo Gacom o intuito de superar

Homero, Verglio ou Cames:meu objetivo muito maior!Quando esse objetivo exigir,

oh! creia-me, Leitor!super-los-ei.Eis quem sou.

SIM! ARROGANTE!(e dou comeo a Ga)

Nasci a tremer: sou preto-e-branco.No vento do sul; sim: bandeirante!

Do ndio ao saci; vou, firo e tranco.De harpa ao azul, c te garante,

Subir desde aqui; por porte? cordas!Quem som si verter das treze listras.Brasil fiz do cu; oh! di? discordas?Da morte teu vu! se te encalistras.

MAS NEM TANTO...(e Verglio enceta A Eneida)

Aquelle, ... , ao toar da gracil frauta,Em outro tempo, versos modulou,

E, j deixado o matto, a darem lautaColheita, ao colono avido, obrigou

Estes campos visinhos, eis quem sou.

EIS QUEM SOU

Pgina 16 de Ga - Livro Primeiro

3

Clausar tem nua diante de si a perfeio: Ky.Ky, com seus olhos profundos qual profundo mar de Ga,

iluminados de sol, a emitir o verde calmo do Amor e a iridescncia dodesejo, entreabre os lbios surpresos e sussurra...

- Mas Voc meu pai!...

Pgina 19 de Ga - Livro Primeiro

4 Pgina 56 de Ga - Livro Primeiro

As drogas s vezes do imenso prazer,mas sempre do infinita dor.

No compre o capacete enquanto no puder ter a motocicleta...mas jamais deixe de sonhar: quando tiver a moto, compre dois!

Se dermos a migalha ao necessitado,ele devolver todo o po do mundo.

O mar cheio de desejo: acaricia com mos de ondas e unhasde espumas o bojo dos navios, feito o homem a seios, louco por

naufrag-los e possu-los para sempre.

Tal como alguns pintores e escultores alcanam o movimento,alguns homens alcanam a eternidade.

No centro do Universo h uma coluna truncada. Sobre a colunaest o Nada. A coluna se chama Imaginao, quem a sustenta

Deus e quem olha o Nada o homem.

O jovem s tem a criatividade; o adulto, s afazeres; o velho,s experincia: nenhum pode criar provrbios. S quem

velho, adulto e jovem pode, e esse se chama escritor.Escreva e seja trs em um: assim, nunca estar s.

Um diamante do dimetro do dia o diadema do Diabo:foi a aliana com o homem, roubada do dedo de Deus.

No se preocupe coa vida: basta uma clula para reviver umplaneta morto... mas tem de ver se a Vida querer fazer a

clula, pois o planeta fcil.

A diferena da preciosidade para o preciosismo a mesma daourivesaria para a bijuteria, mas, a despeito dos despeitosos,

ambos valorizam textos e testas.

5

Uma obrarepleta de erros,

mas com um nico acerto,pode salvar a humanidade;

uma obra repleta de acertos,mas com um nico erro,

podedestrui-la

( humanidadeou salvadora obra).

Dir ento o perfeccionista:faamos obras totalmente certas.

Dir o cnico: faamos obras totalmente erradas.Dir o medocre: faamos obras meio certas e meio erradas.

Dir o covarde: oh, no! no obremos jamais!Dir o crente: deixemos Deus obrar.

Digo eu: fao Ga sozinho,onde a humanidade

to-somente umadas obras.

As pupilas, em si, nada so; e, tal como o Nada, so tudo...

sbio quem abandona um problema quando os sbios no lheacham a soluo; louco o insistente, e gnio se a encontra.

Certas mulheres so tesouras:abrem as pernas e a mente, mas nunca o corao;

outras so pinas: abrem pernas e corao, jamais a mente;prefiro as canivetes: abrem-se inteiras, na hora certa...

e cortam o dedo de quem no as merece.

Certos homens culpam a Deuspor todas as suas prprias imperfeies deles

e querem ouvi-Lo pedir perdo por hav-los criado!

Pgina 100 de Ga - Livro Primeiro

6 Pgina 122 de Ga - Livro Primeiro

Algumasgrandes peras, sinfonias;

certos livros, filmes; vrios poemas, cantos;todos esses comeam como a decolagem dos caas,

lanados pela catapulta num navio-aerdromo. Outros seiniciam feito a flor e a vida: de manso, para desabrocharem,

matizarem o planeta, odorarem o ar e, at mesmo! volverem aoprincpio e ressuscitarem. Este o caso de Ga: Ga a minhae a sua vida, Leitora, Leitor. Est certo quem adquire apenas oprimeiro volume de uma coleo para ler e, se gostar, compraro resto. Porm, nem sempre quem est certo o certssimo dos

certos. O escrito Ga no foi feito para ser vendido; sim,para ser lido, lido, lido inteiro, e, mxime, relido.

Quem s ler um volume ter lido o broto;quem ler todos ter lido o boto;

quem reler ter lidoa rosa.

Felizmente nem todos pensam como eu,pois, se pensassem, no precisaria mais pensar...

Disse Blaise Pascal: como no podemos conhecertudo de tudo, devemos conhecer de tudo um pouco. Os

cientistas, entanto, procuram conhecer tudo de um pouco,e acabam conhecendo nada de tudo. Se submetssemos acincia filosofia; e esta, ao misticismo, conheceramos,sim, tudo de tudo, pois num pouco desse pouco h tudo.

Para o s preciso uma coleo de romances;para o amante, basta um nome.

Um dia, respondi a escura carta do mais claro amigo, sobre oslimites cerebrais e o contnuo espao-tempo: As dimenses

alcanadas pelo crebro transcendem esse continuum, sepermitirmos a nosso rgo mximo pulsar feito o corao.

7Pgina 162 de Ga - Livro Primeiro

O livro a ponta do iceberg escritor, cuja Alma toda a guado Universo, cujo Leitor todo o ar, cuja matria toda a

terra, cujo estro todo o fogo e cujo Deus o livro.

Transparncias no fazem mal s crianas; ocultaes sim.O maior pecado da tela a escandalosa supresso da nudez.

Devido impunidade, o bandido assassinou jovem casal,quando este preparava o terreno para construir morada

e criar filhos. Esse bandido repetidamente assassina outrosjovens casais, e ningum toma providncias. Os casais

so marimbondos, o terreno o teto de minha sala e o bandido sou eu.

Chama, entre as chamas, o infernal Hades divina Persfonee aponta-lhe, no alto, a cavernosidade de seu subterrneoznite: - L, onde um dia reinou Zeus, subvivem nossos

sditos: so as minhas cidhades!....

No sou contra os ces: sou a favor dos gatos.

Olhe sempre os dentes, principalmente se o cavalo for dado;seno, olhe ao menos os dentes de quem deu.

O homem inseguro est beira do abismo de si prprio, onde todosquantos descobrem-no querem atir-lo. Ah, se desse por si umpasso alm! o abismo mero espelho, estendido no cho...

Deus cria o Universo fabricando e pisando espelhos.

Para os muito superiores, o tdio de ver os inferiores chega atornar-se interesse e at generosidade, confundidos por estes

com igualdade e fraternidade, a ponto de tomarem liberdades...(Esse o motivo de este escritor tomar certas liberdades comDeus e de certos crticos tomarem liberdades com Escritores).

8Pgina 182 de Ga - Livro Primeiro

Devido riqueza de suas psiques, os homens so os maisheterogneos dos seres na Terra; contudo, essa mesma

heterogeneidade permite-lhes assemelharem-se mais, semobrig-los a tristemente se igualarem.

No Brasil, um bilho vale mil milhes;em Portugal, mil vezes isso. Logo, um ladro de bilho

brasileiro tem de roubar mil vezes mais para igualar um ladrode bilho portugus. Por isso se rouba tanto aqui. S por isso.

As hemcias do rico so rubi; do nobre, safira; e do pobre,plidas, at o mdico ou o bandido igualarem-nas em vermelho

e os polticos pretejarem-nas com os apages. Felizmente asminhas j so pretas, pois, no sangue, correm-me letras.

No comeo do fim, chove sol, venta vcuo, neva fogo,anoitecem manhs, amanhecem noites, verticaliza-se o

horizonte e nasce a Morte, mas no morre a Vida,pois no fim do fim est o comeo do comeo.

O prosador conduz no sangue prosa e dor: hemcias pretas deletras, tcitos leuccitos de espcios; batem-lhe, no peitolangue, exclamaes de efeito, e no crebro pulsa-lhe a

saudade mais cida, de quem, amena qual pena! roubou-lhe,em leito escuro e noite calma, num plcido riso, o futuro, o

direito, o arrimo, o jeito, a rima, o siso, a f at... e, qui ded, deixou-lhe s um fio de luz, a linha da pgina, plumbaginapor onde, ao fugir, se esconde, dana, e, criana, p ante p,

desenrolou-lhe a Alma.

Nada to belo quanto nova poesia velha.

As quatro foras do Universo so: cincia, filosofia, misticismoe fico, perfeitamente unificadas no escrito Ga...

9Pgina 250 de Ga - Livro Segundo

Durono

...dar sua vida, sim, , por pitecantropos!morrer

nosbraos

dacruz...

Escritor:no queira compor

como este ou aquele literato;sim, qual certo pintor, feito algum escultor,msico, ou outro mestre qualquer. Melhor

ainda: queira escrever igualVoc mesmo.

Umjardim

no se v:freqenta-se:

mutvel comoo programa de um

cinema.

A terra no como Penlope: no espera quem diz ser dono:vai com quem cuidar dela.

No se preocupe com o futuro distante:uma cobra muito longe pode ser uma minhoca perto.

A fantasia o mais belo traje da Verdade:por trs de todas as iluses religiosas e os delrios msticos

h uma Verdade s!

10 Pgina 384 de Ga - Livro Segundo

O vero escritor evita, mas comete, erros, pois, se dedicasse otempo todo a os no cometer, jamais escreveria, muito menos

inovaria e nem sequer gramtico ou professor seria.Isso no prioriza a clareza sobre a correo: deve-se escreverclaro e certo. Troque-se erros por escuridades, los porlas, clareza por correo, o correo original por

clareza, e as frases acima continuam verdadeiras.

O bom escritor escreve certo para no escrever escuro.O bom escritor escreve claro para no escrever errado.

O homem imenso ponto de interrogao,no medocre texto da vida, no pequeno livro do Universo,

puntiforme na mo de Deus.

Mercadologia a arte de fazer a gente comprar um parafusopara obrig-la a dever o planeta onde ele serve.

A linguagem erudita possui o dom da gria:serve aos eruditos para no serem entendidos pelas outras

pessoas. Pode servir de guardi, no portal da iniciao mstica,aos buscadores estudiosos e srios.

No se deve ensinar a quem no se preparou para aprender.

Depois de matar o prprio ego e obter o Ego Csmico, cumpreressuscitar o primeiro; por meio de ambos alcanar terceiro,para, com equilbrio, operar na matria e no esprito, fora e

dentro do Universo, destacando-se dele e sendo, feito Deus, umdeus !

Para resolver o problema de energia deste desligado mundo,bastaria ligar os pensadores s cadeiras eltricas: em suas

cabeas no falta luz! Felizmente no sou pensador...

11Pgina 484 de Ga - Livro Terceiro

Escritor! Voc pode usar a aquarela sem plagiar Drer,a pintura a leo com pouco branco sem imitar Tintoretto,a escala pentatnica sem copiar Lu Pu-wei e o mrmore

sem arremedar Fdias. Use, s por um momento, as tintas(os adjetivos e quejandos) de um mestre das letras ao cit-lo,

para recriar-lhe o Leitmotiv e homenage-lo; no entanto,se lhe reproduzir o estilo, se lhe macaquear as idias,

no merecer o ttulo de autor, pois silenciaro Leitmotiv de Deus: a originalidade.

Se pretende realizarum trabalho indescritvel,

v deixando-o, enquanto o faz,provisoriamente (ao menos) belo,

pois j ir fazendo os outros felizescom ele, sendo feliz tambm e se,

talvez, no puder termin-lo,mesmo assim seu trabalho

estar sempre pronto.

Raios so flashes de Deus, fotografando a Terra.A cincia j os produz, mas no fotografa Deus.

Oh, ventura! subir nu com um livro rea da cobertura,deitar-me no cu azul a ss com o Sol e deix-lo virar as

pginas com o sopro do vento; v-las mais ntidas sob a intensaluz, bronzeando-se comigo e, em seu portal eterno, imutvel,

vislumbrar voarem discos voadores, em cujo bojo teclammutantes escritores teclados de efmeros, sombrios e duros

computadores, para imprimirem as pginas soprveis pelo Solcom o vento; eternas; imutveis; de um livro de aventura!

melhor ganhar mil no seu prprio negcio,em vez de um milho no dos outros, pois s o seu poder

dar-lhe um bilho... para gastar com os outros!

12 Pgina 554 de Ga - Livro Terceiro

Voa, Laranja!

Voa, bela das naus do Cosmo!

Voa, ao pego do Fogo dos fogos mesmo!

Voa,de todas as flamas, para as mais intensas!

Voar! na Luz das luzes, guardada por nove Trevas!

Navegar! pelo assaz vasto mar do casto magma inico!

Mergulha, bem fundo, no fim dos fins de todos os mundos!

e

Submerge, segue alcinico, na suprema exploso nuclear!

Timoneia R, Maior Piloto da Espira, no imo da estrela!

Pilotar! ao mago, e l tomar do astro o teu nome!

Acompanha teu nume amigo, nxia Txia!

Telria txica, da sanha mortal!

Vai,leal, at onde

Telria nenhuma tlia jamais teceu, num rasgo desafiador!Atura a loucura dura do comandante, vido bio de vida!Entrega teus sonhos s; rebenta mutante, nutante mquina escrava!Mas pe nas craveiras mos, rebento imaturo, do filho do Criador!

13Pgina 716 de Ga - Livro Quarto

Ao troc-lopelo sapato para sair,

disse o dono ao chinelo velho:- Obrigado. Depois eu piso

em Voc outra vez.

O Brasil assim:Voc se deu bem na vida.

de tardinha, e trabalha no jardimde sua bonita residncia em Mar do Norte.

Sbito, ouve chegando pela rua a delicada voz deuma garota, com seus quatorze anos de idade. Voc no

a v, pois ela passa conversando com algum silencioso, dooutro lado da cerca viva. Voc excogita: - Com quem estaressa moa a falar? Ser com alguma pessoa na Europa, pelotelefone celular?. A garota dobra a esquina, l na descida.

Agora, por cima da sebe, Voc a pode ver: o celular eraum nen... Mas a garota volta, com o nen no colo,enxerga Voc de longe, abre-se num belo sorriso

de mulata, brinda-o com um:- Oi! alegree um cascateante - Bom dia!!!.

Se fosse a garota do celular,ah! essa no lhe daria

coisa nenhuma!Nem em sonho!

Por isso e muito maisgosto do Brasil como ele

.

- Oh, guru! O tesouro da sapincia jaz no pico da montanha maisdura de escalar!... - Oh, chela! J pensou se ele estivesse l no altoe no existisse a montanha? Alis, chela, o certo pico do monte;no, da montanha. - Moral: o corpo e o mundo no so obstculos;sim, o caminho para a iluminao. Devem ser preservados, poisvalem tanto quanto ela. Alis, guru, bastaria dizer pico, ou cume.

14 Pgina 932 de Ga - Livro Quinto

ASolido

um espelho:se o encararmos,

obteremos a companhiada Verdade. Ao nos afastarmos,

a Verdade no tomar o vo rumo opostodo reflexo: ir conosco e nos guiar direto ao Amor.

No visite sempreo jardim com sua amada;pois, se a ama de verdade,

no conseguir prestarateno s rosas.

Onde s h maus amigos, o melhor deles a Solido;Onde s tenho bons amigos, o melhor deles sou eu.

A poluio o capuz do poluidor no patbulo do mundo.

Ameaa de criana mstica: - Eu te furo o terceiro olho, seu...

Reze pelo bem de seu inimigo; mas, se ele o atacar, enfrente-o!No... Ficou bom; mas, no, perfeito. Ento: Ore sempre por seuinimigo; faa-lhe o bem quando puder; porm, se, um dia, ele oacometer, enfrente-o; todavia, se o cara for um assaltante, noreaja!... ... A vida...

Recommended

View more >