Jornal EXPRESSO 19ª Edição

  • Published on
    22-Mar-2016

  • View
    218

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal EXPRESSO 19 Edio

Transcript

<ul><li><p>Naiara Barroso: princesa formosa desce a Serra da Ibiapaba PG. 28</p><p>camila lima</p><p>Fortaleza, 2 a 8 de julho de 2010</p><p>Ano I - Edio 19</p><p>aps cinco anos e meio, gesto afunda Fortaleza em mar de problemas PG. 24</p><p>CompaCto e CompletoexpressoJorNa</p><p>l</p><p>PG. 3</p><p>PG. 24</p><p>*Est</p><p>E Ex</p><p>EmPla</p><p>r sEu</p><p>. PEG</p><p>uE , lEv</p><p>E E lE</p><p>ia</p><p>controladoria esvaziadapor baixos salrios</p><p>lcio e marcos cals podemlevar disputa para 2 turno</p><p>PG. 24PG. 24</p><p>Eleies 2010</p><p>Falta de energia prejudica atendimento no curi</p><p>Sade</p><p>PG. 3</p><p>PG. 8</p></li><li><p>Fidelidade pelos arestucanos de bico mole errampouso na conveno do PsB</p><p>Poltica</p><p>Xyco Theophilo</p><p>caldeiroxycotheophilo@jornalexpressoceara.com.br</p><p>2 expressoJorNal</p><p>EscanteioBate e volta entre luizianne e cid repercute alm da viceO no comparecimento da prefeita Luizianne Lins (foto) conveno go-vernista, atribudo a uma forte enxaqueca, deu margem a outro raciocnio que foi bem alm de uma cefaleia. Est sendo interpretado como um recado a Cid Gomes, de que estaria insatisfeita com o no atendimento reivindicao quanto composio da chapa. Todo mundo sabe que ela lutou at a ltima hora para empurrar o nome do seu assessor poltico Waldemir Catanho como vice, mesmo percebendo que a proposta no levava nenhum entusiasmo. Ocorre que, ao ficar frente da batalha para impor a presena do deputado Jos Pimentel numa das vagas para o Senado, Luizianne acabou dando a Cid uma sada para no destinar a vice aos petistas. Com isso, ele ps fim a um impasse gerado no PT (onde, alm de Catanho, o vice atual, Francisco Pinhei-ro, e o ex-secretrio Joaquim Cartaxo tambm cobiavam a vice) e foi buscar um nome para o lugar no PMDB, Domingos Aguiar, que, aparentemente, no tinha nada a ver com a histria, como no poema famoso de Carlos Drummond de Andrade. Pelo visto, Cid fez que se conformou, mas no engoliu a perda do estaleiro, projeto que a prefeita, abertamente, botou para escanteio...</p><p>Onde esto nossas pesquisas para o Senado? Os nmeros disponveis so ainda de fevereiro, um perodo remoto que no retrata mais a realidade. Ali, o papo dos votos era Tasso Senador Jereissati. Colado a ele, Lcio ex-governador Alcntara. Seguido de Euncio PMDB Oliveira. Agora, tem o Z da Previdncia Pimentel e Aguiar Maguary Jr. Tem Patrcia Sobral Saboya (arrependeu-se e quer ser de novo). S no tem pesquisas. Perguntei minha ex-aluna muito querida, do mestrado de marketing poltico, Norma Oliveira Silva, da Zaytec: cad os sujeitos das pesquisas? E ela, prontamente respondeu: Esto ocultos, professor. Em campanha eleitoral, sujeito-candidato-oculto a coisa mais intil da poltica. </p><p>PrEFErido PrEtEridoO conterrneo deputado Ciro Gomes era o nome preferido do presidente Lula para ser o vice na chapa da ex-ministra Dilma Rousseff Presidncia da Repblica. Teve uma pedra no caminho: o PMDB, de Michel Temer. Lula demonstra eterna gratido a Ciro, pois no mensalo, enquanto ele abria a boca, os petistas e aliados se escondiam para no falar. Vai ter que esperar para talvez, quem sabe, ser rival de Lula em 2014. </p><p>comEou o BEstEirolA propaganda eleitoral j est dando indcios do que vai ser, a partir da propaganda de um dos presidenciveis, que diz ser filho de um vendedor de frutas. No bairro que morei, tinha um respeitvel vendedor e todos chamavam o filho dele de frutinha. Isso traumatizou a criana. A vida nos indica que nem todo vendedor de frutas produz bons frutos. E, em todo balaio de frutas h boas e podres (que passaram do ponto de amadurecer). E as boas acabam, pelo simples contgio, </p><p>apodrecidas pelas podres. H um ditado popular: basta uma fruta podre para estragar toda a caixa. </p><p>Gua Fria Enquanto na federal, disputa Serra tem a opo de 21 vices, que nem time de futebol e Grmio Recreativo, aqui uma meia dzia de trs ou quatro vices embaralham as coalizes. Isso levou o governador Cid Gomes para a frica, jogando gua fria na fogueira do Caldeiro. Sabe-se que um ex-Duda vai cuidar de sua campanha, e o prprio Duda Mendona, pode comandar a de Tasso. Ser que criador e criatura esto alinhados nos bastidores? Chamem O Prncipe Alan Neto, autor do quem viver, ver....</p><p>Na conveno do PSB para homologao da chapa encabeada por Cid Gomes sucesso estadual, um fato que chamou ateno foi o comparecimento de trs prefeitos, cuja presena passaria desperce-bida, no fossem eles filiados ao PSDB. Tratava-se de Junior Tavares, de Caridade; Afonso Sampaio, de Nova Olinda; e Antnio Dorival, deAltaneira, provocando uma interrogao: Teriam errado de pouso? Na realidade, eles acabaram lembrando a advertncia que o deputado tucano Nenm Coelho havia feito, numa recente reunio do PSDB, para tratar do lanamento de um candidato do partido sucesso ce-arense. Naquela oportunidade, o parlamentar disse, em alto e bom tom, sem errar no Portugus, que somente votaria no candidato tuca-no a governador se este fosse o senador Tasso Jereissati. Pelo visto, nas bases tucanas, tem mais gente seguindo o posicionamento manifesta-do por Nenm Coelho na presena do dono do partido no Cear, Tasso Jereissati. Talvez para no ser chamado, posteriomente, de traidor, mas simplesmente de dissidente...</p><p>Nossa maior tragdia no </p><p>saber o que fazer com a vida.</p><p>(Jos saramago)</p><p>Nos meios polticos, a opo pelo nome de Marcos Cals para a chapa tucana e a inclu-so do nome de Domingos Aguiar para a chapa en-cabeada por Cid Gomes est sendo recebida como sendo de natureza estrat-gica. Isto , ambos contam com muito prestgio entre os parlamentares estadu-ais, com quem convivem h muitos anos, um na condi-o de ex-presidente do Po-der Legislativo por quatro anos e o outro, Domingos, na situao de quem se en-contra no quarto ano con-secutivo como ocupante do mesmo cargo.</p><p>Do lado dos tucanos e do lado do governador, o raciocnio de que, para qualquer candidato a go-vernador, uma condio importante, estratgica, uma boa articulao com os deputados, principal-mente os estaduais. So eles que convivem mais assiduamente e com maior proximidade com prefeitos, ex-prefeitos, vereadores e outras lideranas polticas e da prpria sociedade ci-vil, tendo, por isso mesmo, um inegvel grau de influ-ncia em cada cidade no processo eleitoral.</p><p>QuEsto dE articulao dEtErmiNaEscolHa dE PErFis como cals E domiNGos</p><p>opinio Por Ossian Lima | EDiTOr DE POLTiCA</p><p>O que diferencia Cid de Marcos Cals, pelo menos, durante o perodo de cam-panha eleitoral, que, no contexto da prpria Assem-bleia, haver diferenas es-tratgicas. Aos apoiadores de Cid na Casa, comeando por Domingos Aguiar, ca-ber ali a incumbncia de neutralizar ou contestar crticas e outras iniciativas que representem questio-namento de algum tipo en-</p><p>volvendo a administrao estadual. Da parte dos tuca-nos, o propsito exatamen-te o contrrio: intensificar a oposio a Cid, analisando deficincias do seu governo, denunciando, agindo como oposio de verdade, para usar a expresso de Lcio Alcntara. Uma oposio ainda que tardia, parafra-seando a frase famosa dos que fizeram a Inconfidncia Mineira...</p><p>jolima105@gmail.com</p><p>divulGao/al-cE</p><p>CALS E DOMINGO: perfis estratgicos</p><p>Fortaleza, 2 a 8 de julho de 2010</p></li><li><p>3expressoJorNal</p><p>Para analistas, um outro ponto que poder atrair votos para as coliga-es a postura de PSDB e Pr em relao ao governo Cid Gomes. Os tucanos aliados, at bem pouco tempo atrs, do governador, esto intensificando as crticas e outras atitudes.J esta semana, o PSDB, na in-</p><p>teno de demonstrar que entrou no preo da sucesso estadual para valer, anunciou, na Assem-bleia, apoio ao pedido do deputado Heitor Frrer, de que seja formada, na Casa, uma CPi para apurar de-nncias de supostas irregularidades na concorrncia para a reforma do Estdio Castelo.Os pronunciamentos de par-</p><p>lamentares tucanos no plenrio tambm tm sido na mesma linha, ou seja, de questionamentos sobre polticas adotadas no governo, prin-cipalmente as que dizem respeito segurana e aos problemas sociais.</p><p>PsdB e Pr adotampostura mais crtica</p><p>O lanamento das candidaturas de Marcos Cals (PSB), inicialmente tida como leve a ponto de no incomodar o governador Cid Gomes, e de Lcio Alcntara (PL), que se posiciona como oposio de verdade, esto sendo avaliadas como detentoras de potencial para levar sucesso estadual ao desafio do segundo turno</p><p>Duas frentes</p><p>candidaturas de cals e lcio podemlevar a eleio para o segundo turno</p><p> Pesquisas que vinham sen-do feitas nas ltimas semanas, para uso interno dos parti-dos, indicavam uma margem de pontuao a favor tanto de Lcio, como a Marcos Cals, dizia esta semana, fonte do EX-PRESSO, com trnsito entre assessores de ambos.</p><p>O entendimento dos bastido-res polticos de que, depen-dendo de sua evoluo, inclusi-ve no horrio eleitoral, Lcio e Cals podero crescer na disputa pela Chefia do Executivo esta-dual, a ponto de impedir em uma vitria de Cid, antes tido como franco favorito para ven-cer logo no primeiro turno.</p><p>Entre outros aspectos analisa-dos, est o fato de que os tucanos (muito mais por meio do sena-dor Tasso Jereissati do que, pro-priamente, de Cals) esto subin-do o tom do seu discurso sobre a atual administrao estadual. O </p><p>ricardo stuckErt/Pr</p><p>outro a postura de Lcio que, antes mesmo de formalizar sua candidatura, vinha fazendo opo-sio sistemtica ao governo Cid Gomes, por meio do seu blog e nas entrevistas imprensa.</p><p>Outro trunfo de Marcos Cals e Lcio Alcntara, para esses analistas de bastidores, que os dois so detentores, hoje, de muita visibilidade, inclusive no interior. No caso de Lcio, </p><p>por ter uma longa carreira na poltica, em que foi de prefei-to de Fortaleza a governador, passando por mandatos na Cmara Federal e Senado. Por sua vez, Marcos vinha h muito </p><p>tempo exercendo mandatos de deputado estadual, tendo sido, durante quatro anos consecu-tivos, presidente da Assembleia Legislativa, com um bom ndice de aprovao no cargo.</p><p>O lanamento dos nomes de L-cio Alcntara e Marcos Cals veio trazer um sentimento de alvio aos candidatos do PSDB e do PR s eleies proporcionais. Eles acreditam que, com os dois par-tidos tendo candidatos prprios, Lcio e Marcos iro cumprir ou-tra misso estratgica, que a de atuarem como puxadores de votos para vagas na Cmara Federal e Assembleia Legislativa.</p><p>Ainda esta semana, na Assem-blia, os 14 deputados tucanos re-conheciam essa mudana de pers-pectivas, com Fernando Hugo afirmando que a candidatura Cals veio fortificar a chapa encabea-da pelo PSDB. </p><p>Antes de se concretizar esta candidatura, os atuais parlamen-tares tucanos estavam desanima-dos. Na Assembleia, a avaliao vinha sendo a de que, sem candi-</p><p>dato a governador, o PSDB, quan-do muito, somente conseguiria a metade das cadeiras que possui e, com relao Cmara, o qua-dro seria ainda mais complicado. Agora, reconhecem que h difi-culdades para que mantenham o mesmo espao, mas vem a possi-bilidade de menor reduo, nota-damente na banca estadual.</p><p>Por seu lado, no PR, a inquie-tao no estava sendo diferente. No Cear, o partido conta hoje com quatro deputados federais (Gorete Pereira, Lo Alcntara, Marcelo Teixeira e Vicente Ar-ruda) e dois estaduais, Adahil Barreto e Vasques Landim. Sem candidato ao governo, eles tam-bm entendiam que o partido iria enfraquecido para a briga por vagas no Legislativo. Agora, veem chances reais de que Lcio impulsione a votao.</p><p>Candidatostm visibilidade</p><p>no interior</p><p>do estado</p><p>Potencial eleitoral sustenta hiptesesNesta linha de raciocnio, j agora, nasce uma expectativa de que a disputa pelo governo possa ser de-finida apenas no segundo turno, ao final de novembro. De qual-quer modo, indo ou no para o se-gundo turno, o importante que a eleio, com o surgimento das candidaturas Lcio e Marcos Cals, saiu daquele negcio de W.O, ou seja, do j ganhou. Com a nova situao, haver, concretamente, uma briga pelo cargo, em razo exatamente do potencial eleito-ral de que Lcio e Marcos Cals so possuidores, acentuou uma fonte que, durante muito tempo, teve li-gaes polticas com os dois.Com relao a Lcio, lembrou </p><p>que, mesmo tendo perdido a elei-o para governador em 2002, em outras eleies, obteve vota-es expressivas para deputado federal e para senador. Quanto a Marcos Cals, observou que, nas quatro legislaturas mais recentes, ele sempre ficou entre os mais vo-tados para a Assembleia.</p><p>Bancadas aliviadas com perspectivas de reeleio</p><p>MARCOS CALS traz boa avaliao parlamentar e Lcio, experincia no Executivo e Legislativo</p><p>Fortaleza, 2 a 8 de julho de 2010</p></li><li><p>4 expressoJorNal</p><p> gente demais?</p><p>Mesmo com o discurso da unidade que procurou passar, nas entrevistas e nas convenes do PSB e partidos aliados no ltimo final de semana, a coligao formada em torno da candidatura de Cid Gomes reeleio convive com algumas dissidncias, rebeldias e at, em certos momentos, lapsos de memria ou ausncias no suficientemente explicadas</p><p>Na conveno do PSB, por exemplo, Cid procurou re-correr a um estilo concilia-trio no somente com os aliados, mas at mesmo com os adversrios, poupando crticas, inclusive, aos tuca-nos. Porm esqueceu (com aspas ou sem aspas) de fazer meno candidatura Dil-ma Rousseff Presidncia </p><p>Bloco de cid Gomes convivecom rebeldias e divergncias</p><p>Para completar o quadro, nas bases cidis-tas e de aliados, o sentimento em relao s candidaturas Jos Pimentel e Euncio Oliveira permanecem divergentes. As bases do PSB, conforme ficou claramente evidenciado nos recentes encontros regionais de suas lideran-as, foi manifestada abertamente prefern-cia, quanto ao Senado, pela dobradinha Tasso Jereissati-Euncio Oliveira. Naturalmente, no se sabe se a tendncia persiste, diante do lan-amento, pelos tucanos, de um candidato para enfrentar Cid nas eleies.</p><p>Pelo lado de Euncio, as complicaes no so menores. Alm de prefeitos peemedebistas que, abertamente, declaram no apoiar Euncio para o Senado, mesmo sendo ele o presidente do PMDB no Cear, agora o deputado federal Anbal Gomes que assume o mesmo posicio-namento. Anbal, que tem ligaes polticas com prefeitos e outras lideranas polticas em diversos municpios, advertiu que, s aps uma conversa com o presidente da Assembleia, de-putado Domingos Aguiar, que decidir, em definitivo, se dar ou no o seu apoio a Euncio.</p><p>candidaturas ao senado j abrigam dissidncias</p><p>da Repblica, que ele jura apoiar incondicionalmen-te, juntamente com o irmo Ciro Gomes e demais aliados.</p><p>Na oportunidade, prometeu apoiar tanto Jos Pimentel, quanto Euncio Oliveira para </p><p>o Senado, mas no conseguiu disfarar a falta de entusiamo que tem no que se refere candidatura do petista. Tam-bm no recebeu da prefeita Luizianne Lins, a deferncia, digamos assim, do compare-</p><p>cimento dela ao evento, sob a alegao de que fora acome-tida de uma forte enxaqueca, problema que, ultimamente, parece no atacar apenas Cid, mas tambm alguns dos seus aliados.</p><p>Cid nodisfarou faltade entusiasmocom pimentel</p><p>CONVENO homologou chapa majoritria nas eleies de outubro</p><p>Fotos: divulGao</p><p>Fortaleza, 2 a 8 de julho de 2010</p></li><li><p>5expressoJorNal</p><p>de quem?Quem teve a brilhante ideia de sugerir o nome de Ama-rlio Macdo (foto) para disputar a sucesso cearense, se o homem s quer saber de So Paulo? </p><p>visibilidadeA ida do jornalista Francisco Bilas para a assessoria de comunicao do CIC esperana de que a entidade recupere a visibilidade, debilitada de uns tempos para c.</p><p>de que adianta?Gab...</p></li></ul>