JOTA MACÁRIO JÚNIOR - ?· Aedes aegypti e/ou Aedes albopictus encontram-se nas residências ou em…

  • Published on
    03-Dec-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / UNIVERSIDADE ABERTA </p><p>DO BRASIL </p><p>CURSO DE ESPECIALIZAO EM ATENO BSICA EM SADE DA </p><p>FAMLIA </p><p>JOTA MACRIO JNIOR </p><p>COMBATE E PREVENO DA DENGUE: PROJETO DE INTERVENO NA REA </p><p>DE ABRANGNCIA DA EQUIPE DE SADE DA FAMLIA SASBI </p><p>(SERVIO DE ASSISTNCIA A SADE BSICA DE ITANHOMI) </p><p>Governador Valadares - MG 2011 </p></li><li><p>UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / UNIVERSIDADE ABERTA </p><p>DO BRASIL </p><p>CURSO DE ESPECIALIZAO EM ATENO BSICA EM SADE DA </p><p>FAMLIA </p><p>JOTA MACRIO JNIOR </p><p>COMBATE E PREVENO DA DENGUE: PROJETO DE INTERVENO NA REA </p><p>DE ABRANGNCIA DA EQUIPE DE SADE DA FAMLIA SASBI </p><p>(SERVIO DE ASSISTNCIA A SADE BSICA DE ITANHOMI) </p><p>Trabalho de concluso de curso apresentado ao curso de Especializao em Ateno Bsica em Sade da Famlia, Universidade Federal de Minas Gerais, para obteno do Certificado de Especialista. Orientador: Ricardo Alexandre de Souza </p><p>Governador Valadares - MG 2011 </p></li><li><p>JOTA MACRIO JNIOR </p><p>COMBATE E PREVENO DA DENGUE: PROJETO DE INTERVENO NA REA </p><p>DE ABRANGNCIA DA EQUIPE DE SADE DA FAMLIA SASBI ( SERVIO DE </p><p>ASSISTNCIA A SADE BSICA DE ITANHOMI). </p><p> Trabalho de concluso de curso apresentado ao curso de Especializao em Ateno Bsica em Sade da Famlia, Universidade Federal de Minas Gerais, para obteno do Certificado de Especialista. Orientador: Ricardo Alexandre de Souza </p><p>Banca Examinadora: Professor: Ricardo Alexandre de Souza Professor: Alexandre Sampaio Moura </p><p>Aprovado em Belo Horizonte: 04/02/2012 </p></li><li><p>AGRADECIMENTOS </p><p>Agradeo, primeiramente DEUS, que foi meu maior porto seguro, com a </p><p>ajuda Dele eu tive foras para chegar ao final dessa grande jornada. O nosso Deus me </p><p>deu a coragem que eu precisava para ir alm dos meus limites nestes dois anos e </p><p>alguns meses dedicados ao Curso de Especializao em Ateno Bsica em Sade </p><p>da Famlia e no me deixou faltar foras para ir at o final e quebrar as barreiras. </p><p>Aos meus pais Jos Macrio e Martha Rezende Macrio, ambos so os </p><p>responsveis pelo sucesso obtidos e cada degrau avanado em minha vida. Durante </p><p>todo esse tempo vocs foram pra mim um grande exemplo de fora, coragem, </p><p>perseverana e energia infinita para nunca desistir diante do primeiro obstculo </p><p>encontrado, vocs so e sempre ser meu maior porto seguro aqui na terra, meu </p><p>maior exemplo de vitria, meus heris e simplesmente aqueles que mais amo. </p><p>Agradeo minha querida e amada esposa Kamila De Souza Macrio e as minhas </p><p>filhas Nayhara Karoline Pereira Macrio e Vitrya De Souza Macrio, obrigado por </p><p>estarem sempre comigo, por participarem comigo durante essa caminhada, me </p><p>ajudando a construir os alicerces de um futuro melhor e mais qualificado para o </p><p>exerccio da profisso. Vocs me ensinaram direta e indiretamente lies pra toda uma </p><p>vida. </p><p>A amiga e companheira Alexandra Bastos por ter me orientado e me ajudado a </p><p>sanar algumas dvidas que tinha e sempre estava pronta para me incentivar a </p><p>continuar fazendo o curso. </p><p>Ao meu tutor e orientador Ricardo Alexandre de Souza pelo incentivo, motivao </p><p>e fora para vencer mais esta batalha de minha vida e pelo jeito carinhoso que sempre </p><p>demostrou com o nosso trabalho nesta reta final. </p><p>A todos obrigado por tudo. </p></li><li><p>RESUMO </p><p>A dengue se tornou ao longo dos anos um grande problema de sade pblica, </p><p>devido aos grandes malefcios que ela tem gerado mundialmente a essas </p><p>populaes, no mundo e atinge principalmente os pases de clima tropicais em </p><p>razo do clima quente e mido, que forma condies ideais para proliferao </p><p>do mosquito. Este trabalho fez uma anlise de incidncia de dengue na cidade </p><p>de Itanhomi, estado de Minas Gerais, durante os surtos ocorridos nos anos de </p><p>2008 e 2009, confrontando com a situao atual, buscando aprofundar os </p><p>conhecimentos sobre esta realidade e propor estratgias para melhor controle, </p><p>combate e preveno da dengue no municpio. A anlise dos dados permitiu </p><p>afirmar que h uma demanda de campanhas de mobilizao e trabalhos de </p><p>preveno contra a dengue. Dessa forma, este trabalho objetivou elaborar um </p><p>Plano de interveno a ser implementado pela equipe de sade da famlia </p><p>SASBI (Servio de Assistncia a Sade Bsica de Itanhomi) com vistas </p><p>implantao de aes de melhoria na capacitao de profissionais e usurios </p><p>no controle da dengue. Com compromisso e muito trabalho ser possvel essa </p><p>pratica para cumprimento das metas, gerando um trabalho de qualidade. </p><p>PALAVRAS-CHAVES: Proposta de interveno, dengue, controle, ateno primria a sade. </p></li><li><p>ABSTRACT </p><p>Over the years Dengue fever has become a major public health problem, due to </p><p>the great harm it has done to these populations around the world. Dengue </p><p>reaches primarily in tropical countries because of the hot and humid weather, </p><p>which are ideal conditions for mosquito proliferation. This work has made an </p><p>analysis of incidences of dengue in the city of Itanhomi, State of Minas Gerais, </p><p>during outbreaks that occurred in the years 2008 and 2009, comparing with the </p><p>current situation, seeking to deepen the knowledge of this reality and propose </p><p>strategies for better control, combating and prevention of dengue in the city. </p><p>From the data analysis it was verified that there is a demand for programs of </p><p>mobilization and prevention works to stop Dengue. Therefore, this work is about </p><p>elaborating an Intervention Plan to be implemented by the SASBI group (Basic </p><p>Health Assistance of Itanhomi) in order to implement actions to improve the </p><p>professionals and users capacity to prevent Dengue. Trough dedication and </p><p>hard work, this will be possible to reach our goals, generating a full quality job. </p><p>Keywords: Proposal of intervention, Dengue, Control, Primary Health Assistance. </p></li><li><p>SUMRIO </p><p>1 INTRODUO ........................................................................................ 08 </p><p>2 JUSTIFICATIVA ...................................................................................... 10 </p><p>3 OBJETIVOS ............................................................................................ 12 </p><p>3.1 OBJETIVO GERAL ................................................................................. 12 </p><p>3.2 OBJETIVOS ESPECIFICOS ................................................................... 12 </p><p>4 METODOLOGIA ...................................................................................... 13 </p><p>5 REFERENCIALTEORICO ....................................................................... 14 </p><p>6 COLETA E ANALISE DOS DADOS ....................................................... 22 </p><p>7 PROPOSTA DE INTERVENO ............................................................ 24 </p><p>8 CONCLUSO .......................................................................................... 34 </p><p> REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS ....................................................... 35 </p></li><li><p> 8 </p><p>1 INTRODUO </p><p>O presente projeto uma pesquisa elaborada com o intuito de contribuir </p><p>para a compreenso das dificuldades encontradas por profissionais de sade </p><p>da ateno primria na preveno, combate, controle e tratamento da dengue. </p><p>Considerando ento a dengue um agravo sade, so necessrios que </p><p>se estudem quais objetivos queremos alcanar quem sabe um dos mais </p><p>ambiciosos: a erradicao e a reduo da mortalidade especfica pelo agravo; </p><p>objetivos mais restritos, passando pela eliminao, reduo da sua incidncia </p><p>ou da sua gravidade, para que se determinem, diante dos conhecimentos </p><p>cientficos e tecnolgicos disponveis, quais so as metas das atividades de </p><p>controle passveis de ser alcanadas, estabelecendo-se as medidas </p><p>preventivas adequadas a estes objetivos. </p><p>No Brasil, aps introduo dos vrus DEN-1 e DEN-2 nos anos de 1986 </p><p>e 1990 no municpio do Rio de Janeiro, outros municpio foram afetados por </p><p>vrias epidemias; esse fator aliado identificao de trs sorotipos virais em </p><p>vrios estados fez com que o Ministrio da Sade, buscando o combate da </p><p>dengue, intensificando aes existentes e programando novas estratgias com </p><p>maior abrangncia operacional, implantasse em 2002, o Plano Nacional de </p><p>controle da dengue (MINISTRIO DA SADE 2002). </p><p>A dengue assim como outras doenas transmitidas por vetores enfrenta </p><p>como seu agravante principal a falta de participao efetiva da populao no </p><p>seu controle. O problema da mobilizao social em sade no estaria apenas </p><p>no fato de imputar aos indivduos a responsabilizao pelo seu estado de </p><p>sade, mas no fato de desconsiderar que a responsabilidade individual </p><p>limitada pela existncia (ou no) de suportes social-coletivos que possibilitem o </p><p>desenvolvimento de um "individualismo positivo" (CASTEL, 1998). </p><p>No caso especfico da dengue, como a grande maioria dos criadouros de </p><p>Aedes aegypti e/ou Aedes albopictus encontram-se nas residncias ou em </p><p>suas imediaes, esta questo torna-se vital para a eficcia das medidas de </p><p>controle. </p><p>O mosquito Aedes aegypti a principal espcie responsvel pela </p><p>transmisso do dengue. um mosquito domstico, antropoflico, com atividade </p></li><li><p> 9 </p><p>hematofgica diurna e utiliza-se preferencialmente de depsitos artificiais de </p><p>gua limpa para colocar os seus ovos. Estes tm uma alta capacidade de </p><p>resistir dessecao, mantendo-se viveis na ausncia de gua por at 450 </p><p>dias. O Aedes aegypti tem mostrado uma grande capacidade de adaptao a </p><p>diferentes situaes ambientais consideradas desfavorveis. Adultos j foram </p><p>encontrados em altitudes elevadas e larvas em gua poluda (TAUIL, 1998). </p><p>Gomes (1998) acredita que no se sabe qual o ndice de infestao </p><p>abaixo do qual a transmisso da dengue se interrompe, tornando a luta contra </p><p>o mosquito difcil, repleta de pontos crticos. </p><p>A dengue nos ltimos anos tem sido uma das mais relevantes doenas </p><p>epidmicas registradas em pases em desenvolvimento o que causa para as </p><p>comunidades onde ocorre grande impacto econmico social e de sade. </p><p>Para Tauil (2001), diversos fatores de risco esto relacionados com </p><p>presena do mosquito vetor e da doena, destacando-se o crescimento </p><p>populacional, migraes, viagens areas, urbanizao inadequada, mau </p><p>funcionamento dos sistemas de sade e densidade populacional. Para esse </p><p>autor, dentre as doenas reemergentes a dengue a que se constitui em </p><p>problema mais grave de sade pblica. </p><p>Campanhas educativas que objetivam a divulgao de informaes </p><p>pelos meios de comunicao de massa e divulgao direcionadas a escolares </p><p>e grupos da comunidade, entre outros, atingem grande parte da populao, </p><p>proporcionando conhecimento sobre a dengue, os vetores e medidas de </p><p>controle, mas sem muita influncia nas mudanas de comportamento que </p><p>permitam a diminuio dos nveis de infestao de vetores (WINCH et al 1991). </p><p>Assim, uma questo perpassa na mente de todos da equipe de sade da </p><p>famlia Servio de Assistncia a Sade Bsica de Itanhomi (SASBI): quais as </p><p>principais causas de infeco da dengue na rea de abrangncia da ESF </p><p>SASBI? Que aes so mais efetivas para combater o vetor dengue? </p><p>Essa situao vista por ns como um problema de sade pblica que </p><p>requer estudos, reflexes e tomadas de deciso que permitam no apenas o </p><p>combate da dengue pela equipe de sade da famlia, mas que nos permitam </p><p>criar vnculos, construir juntos caminhos que previnam a populao e a </p><p>preparem no controle dos vetores. </p></li><li><p> 10 </p><p>2 JUSTIFICATIVA </p><p>O projeto proposto pretende examinar, exibir e levantar questes </p><p>relacionadas ao problema de infeco por dengue e atuar no controle deste. </p><p>Segundo Marzochi (1994) a dengue uma arbovirose que se tornou um </p><p>grave problema de sade pblica no Brasil, assim como em outras regies </p><p>tropicais do mundo. de transmisso essencialmente urbana, ambiente no </p><p>qual se encontram todos os fatores fundamentais para sua ocorrncia: o </p><p>homem, o vrus, o vetor e principalmente as condies polticas, econmicas e </p><p>culturais que formam a estrutura que permite o estabelecimento da cadeia de </p><p>transmisso. </p><p>Itanhomi um municpio considerado de pequeno porte com populao </p><p>de 11.856 mil habitantes segundo dados do IBGE 2010 rea territorial 488.842 </p><p>Km, localizado na regio leste de Minas Gerais. Alm do centro urbano o </p><p>municpio possui mais trs unidades territoriais, e todas contam com </p><p>saneamento bsico. No que se refere economia ela se baseia na agricultura, </p><p>pecuria e pequenas atividades comerciais, mas tem como seu principal </p><p>empregador o servio pblico. </p><p>Um municpio em ascenso poltico-econmica, marcado por eventos </p><p>epidemiolgicos significativos, dentre os quais a epidemia de dengue ocorrida </p><p>nos anos de 2008 e 2009. Buscando avanos e melhorias nos perfis </p><p>epidemiolgicos, ndices de sade e qualidade de vida, vm estruturando a </p><p>sade pblica, em 2005, implantou a primeira Estratgia de Sade da Famlia, </p><p>Servio de Assistncia a Sade Bsica de Itanhomi (SASBI), que atendia a </p><p>populao mais carente do municpio, onde houve os focos de transmisso da </p><p>dengue, para a qual damos destaque para o desenvolvimento desse trabalho. </p><p>Esta equipe de Sade da Famlia composta por Mdico Clinico geral, </p><p>um Enfermeiro, tcnico de Enfermagem e nove Agentes Comunitrios de </p><p>Sade, abrangendo uma populao de 3.957 em sua maioria composta por </p><p>pessoas carentes com baixo nvel de escolaridade, que demonstram durante </p><p>os atendimentos realizados a baixa condio scio-econmica e baixo nvel de </p><p>escolaridade. A Equipe reconhece que isso contribui para intensificar a </p><p>ocorrncia de incidncia de casos de dengue. </p></li><li><p> 11 </p><p>O municpio conta com ainda para cumprir seu papel dentro do sistema </p><p>de sade com: 02 Centros Municipais de Sade; 01 Unidade Bsica, 01 </p><p>Unidade Hospitalar; e mais 03 Unidades de Equipe de Sade da Famlia. As </p><p>equipes de ESF abrangem 100% da populao. A unidade hospitalar de </p><p>pequeno porte, possuindo apenas 21 leitos, destes 18 so para atendimentos </p><p>ao SUS e 03 para particulares, o ambulatrio despreparado de equipamentos e </p><p>atende a uma mdia de 900 atendimentos ms, ficando todo o tempo lotado. </p><p>Por no possuir Leitos de UTI casos graves so encaminhados a Unidade de </p><p>Referncia em Governador Valadares de acordo com a pactuao. </p><p>O controle da dengue um grande desafio a ser enfrentado pelos </p><p>profissionais de sade, visto que atitudes de interveno vm sendo colocadas </p><p>em prtica sem muitos resultados. Isso pode ser comprovado pelo grande surto </p><p>que tivemos em 2008 e 2009, no municpio de Itanhomi. Essa epidemia se </p><p>tornou um grave problema para sade pblica municipal, tendo como </p><p>conseqncias, postos e unidades de sade sempre lotados de pacientes com </p><p>sintomas e queixas relativas doena. Alm de lotao no nico hospital, </p><p>fazendo com que faltassem at mesmo recursos materiais para o atendimento </p><p>desses pacientes. </p><p>Assim a elaborao desse projeto se faz necessria para que ajude na </p><p>elaborao de capacitao para que a equipe esteja preparada e ajude na </p><p>conscientizao da populao para o enfrentamento e combate a dengue no </p><p>municpio e principalmente na rea de abrangncia da ESF. </p></li><li><p> 12 </p><p>3 OBJETIVOS 3.1 OBJETIVO GERAL: </p><p>Elaborar um Plano de interveno a ser implementado pela equipe de </p><p>sade da famlia SASBI s vistas de implantar aes de melhoria na </p><p>capacitao de profissionais e usurios na preveno e controle da dengue. </p><p> 3.2 OBJETIVOS ESPECFICOS </p><p> Compreender a relao existente entre mudanas demogrfica e </p><p>dengue; </p><p> Refletir sobre a necessidade do envolvimento coletivo em torno da </p><p>problemt...</p></li></ul>