Laudato Si e o Cuidado da Casa Comum Afonso Murad

  • View
    224

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

Apresentao do PowerPoint

Laudato Si e o Cuidado da Casa ComumAfonso Murad

Anda, quero te dizer nenhum segredoFalo desse cho, da nossa casa, vem que t na hora de arrumar.Tempo, quero viver mais duzentos anosQuero no ferir meu semelhante, nem por isso quero me ferir

Vamos precisar de todo mundo pr banir do mundo a opressoPara construir a vida nova vamos precisar de muito amorA felicidade mora ao lado e quem no tolo pode ver

A paz na Terra, amor, o p na terraA paz na Terra, amor, o sal da...Terra, s o mais bonito dos planetasEsto te maltratando por dinheiro, tu que s a nave nossa irmCanta, leva tua vida em harmoniaE nos alimenta com teus frutos, tu que s do homem a ma.

Vamos precisar de todo mundo, um mais um sempre mais que dois.Pr melhor juntar as nossas foras s repartir melhor o poRecriar o paraso agora para merecer quem vem depois

Deixa nascer o amor, deixa fluir o amorDeixa crescer o amor, deixa viver o amor(Sal da Terra Beto Guedes)Nossa casa comum se compara ora a uma irm com quem partilhamos a existncia, ora a uma boa me que nos acolhe nos seus braos (LS 1)O apelo, a esperanaProteger a nossa casa comum inclui unir toda a famlia humana na busca de um desenvolvimento sustentvel e integral, pois sabemos que as coisas podem mudar. A humanidade possui ainda a capacidade de colaborar na construo da nossa casa comum (LS 13)O convite ao mutiroLano um convite urgente a renovar o dilogo sobre a maneira como estamos construindo o futuro do planeta. Precisamos de um debate que nos una a todos, porque o desafio ambiental e as suas razes tm impacto sobre todos ns (LS 14).

Juntando forasTudo est interligado. Por isso, exige-se preocupao pelo meio ambiente, unida ao amor pelos seres humanos e ao compromisso com os problemas da sociedade. Quando o corao est aberto a uma comunho universal, nada e ningum fica excludo desta fraternidade (LS 91-92)Reconhecimento Movimento ecolgicoO movimento ecolgico mundial fez um longo percurso, enriquecido pelo esforo de muitas organizaes da sociedade civil. Graas a tanta entrega, as questes ambientais estiveram cada vez mais presentes na agenda pblica e converteram-se em constante convite a se pensar a longo prazo (LS 166).Incentivo ao localEnquanto a ordem mundial mostrar-se impotente para assumir responsabilidades, a instncia local pode fazer a diferena. Nela se gera responsabilidade, forte sentido comunitrio, especial capacidade de cuidado e criatividade generosa, profundo amor terra (LS 179)Incentivo ao localJ que o direito por vezes se mostra insuficiente, por causa da corrupo, exige-se uma deciso poltica, alavancada pela presso da populao. A sociedade, por meio de organismos no governamentais e associaes intermdias, deve obrigar os governos a desenvolver cdigos, procedimentos e controles mais rigorosos (LS 179)Religies e ecologiaAs solues (para a crise ecolgica) no podem nascer de um nico modo de interpretar e transformar a realidade. Tambm necessrio recorrer s riquezas culturais dos povos, arte e poesia, a vida interior e espiritualidade (LS 63)Religies e ecologiaSe quisermos construir uma ecologia para sanear tudo o que destrumos, nenhum ramo das cincias e nenhuma forma de sabedoria pode ser deixada de lado, nem a sabedoria religiosa, com sua linguagem prpria (LS 63)Religies e ecologiaOs textos religiosos clssicos podem oferecer um significado para todas as pocas; tm uma fora motivadora, que abre sempre novos horizontes (LS 199)Religies e ecologiaA maior parte dos habitantes do planeta declaram-se crentes e isto deveria provocar as religies a entrar num dilogo entre si, orientado para o cuidado com a natureza, a defesa dos pobres, a construo das redes de respeito e de fraternidade (LS 201)Religies e ecologiaA gravidade da crise ecolgica exige de ns todos que pensemos no bem comum e que avancemos por um caminho de dilogo, que exige pacincia, ascese e generosidade, pois a realidade superior ideia (LS, 201)Razes bblicasNas narrativas do Gnesis h uma convico atual: que tudo est relacionado e que o autntico cuidado com nosso prpria vida e com nossas relaes com a natureza inseparvel da fraternidade, da justia e da fidelidade para com os outros (LS 66)Razes bblicasAs criaturas deste mundo j no se nos apresentam como uma realidade meramente natural, porque o Ressuscitado as envolve misteriosamente e as orienta a um destino de plenitude. At as flores do campo e as aves que ele contemplou admirado com seus olhos humanos, esto agora cheias de sua presena luminosa (LS 100)Um novo estilo de vidaPodemos precisar de poucas coisas e viver muito, sobretudo se desenvolvermos outros prazeres e encontrarmos satisfao nos encontros fraternos, no servio, no exerccio dos carismas, na msica, na arte e contato com a natureza e na orao (LS 223)Um novo estilo de viverA felicidade requer saber limitar algumas necessidades que nos atordoam, para ficar disponveis para as mltiplas possibilidades que a vida oferece (LS 223)O amor social e ecolgicoJuntamente com os pequenos gestos dirios, o amor social impele-nos s grandes estratgias para deter a degradao ambiental e incentivar uma cultura do cuidado, que permeie toda a sociedade (LS 231)Espiritualidade e aoA vocao para intervir juntamente com os outros nas dinmicas sociais e ambientais faz parte da espiritualidade, exerccio da caridade e, deste modo, amadurece e santifica (LS 231)Espiritualidade integradoraTudo est relacionado, e todos ns, seres humanos, caminhamos juntos como irmos e irms numa peregrinao maravilhosa, entrelaados pelo amor que Deus tem a cada uma das suas criaturas e que nos une tambm, com terna afeio, ao irmo sol, irm lua, ao irmo rio e me terra (LS 92)Crer, louvar, lutarNo corao deste mundo, permanece presente o Senhor da vida que tanto nos ama. No nos abandona, no nos deixa sozinhos, porque se uniu definitivamente nossa terra e o seu amor sempre nos leva a encontrar novos caminhos. Ele seja louvado! (LS 245)Orao por nossa terraDeus Onipotente,que ests presente em todo o universoe na mais pequenina das tuas criaturas,Tu que envolves com a tua ternuratudo o que existe,derrama em ns a fora do teu amorpara cuidarmos da vida e da beleza.Inunda-nos de paz,para que vivamos como irmos e irmssem prejudicar ningum.Cura a nossa vida,para que protejamos o mundoe no o depredemos,para que semeemos belezae no poluio nem destruio.Ensina-nos a descobrir o valor de cada coisa,a contemplar com encanto,a reconhecer que estamos profundamente unidoscom todas as criaturasno nosso caminho para a tua luz infinita.Obrigado porque ests conosco todos os dias.Sustenta-nos na nossa lutapela justia, o amor e a paz(LS 246)