Livro colaborativo de Redes Sociais e Inovação Digital

  • Published on
    12-Mar-2016

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Livro colaborativo dos alunos do professor Gil Giardelli da ESPM.

Transcript

<ul><li><p>Redes Sociais e Inovao DigitalNo use velhos mapas para descobrir novas terras</p><p>Um projetoGaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>Copyright 2011 Gaia Criative www.gaiacreative.com.br (fund. 2009) / So Paulo; 83 pginas</p><p>Ttulo: Redes Socias e Inovao Digital</p><p>Expediente</p><p>Conselho Editorial:Cibele Silva, Gil Giardelli</p><p>Responsvel:Gil Giardelli</p><p>Realizao:Gaia Creative e CIC/ESPM</p><p>Edio e Reviso:Cibele Silva</p><p>Pr oduo de grfica Bruna Ramon</p><p>Diagramao:Camila Carrano</p><p>ORGANIZAO E EXECUO</p><p>+ A Gaia Creative uma Empresa de Tendncias, que visa inovao na Gesto do Conhecimento, a Gesto da Inovao e especializada em solues tecnolgicas para Relacionamento Digital, Redes Sociais, Campanhas de Email Marketing e Campanhas de Mobile Marketing. </p><p> Clique e saiba mais em:www.gaiacreative.com.br/site/@ _gaiacreativefacebook.com/gaiacreativebrasil</p><p>Clique e saiba mais em:</p><p>O Centro de Inovao e Criatividade (CIC) ESPM proporciona o ambiente adequado para pessoas interessadas em se tornarem profissionais atuantes em um cenrio extremamente dinmico onde inovao e criatividade caracterizam cada vez mais as atividades das marcas lderes. No CIC so realizados os cursos do professor Gil Giardelli, o #InovadoresESPM </p><p>Esta obra est licenciada sob uma Licena Creative Commons. Atribuio Uso no-comercial Compartilhamento pela mesma licena 3.0 Brasil. Para ver esta licena, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/</p></li><li><p>Inovadores</p><p>Andr NogueiraAndrezza LeiteBrunno FerreiraCaio C. O. RibeiroChristiane Vila Nova CamargoDiego E. MatteraEderaildo FontesEdna Gomes PereiraEduardo PonceElaine RodriguesFabio AntunesFabio GobboFatima de Oliveira CarvalhoFernanda QuintoGisele AranaGloria PereiraIsrael RibeiroJuliano Akira KimuraJulio Cesar da CruzKarina BradleyKathia MoriniLigia Chemin Le TalludecMarcelo AbrantesMarcio Traguetta AlaminosMaria SanniniMariana AnselmoMariana NassifMarina NarcisoMonise dos Reis Martins da SilvaNatasha TorlayNayane MonteiroPaula Regina Subires GarciaRenata BonadiaRicardo KaramRosi BeniniSrgio PorcariSuzie Clavery CaldasThiago MouraVincius Sacramento</p></li><li><p>PREFCIOO Livro Colaborativo de Redes Sociais nasceu de uma idia de juntar todas as opinies dos meus alunos que passaram pelo Inovadores ESPM. Esses artigos so uma juno da gesto do conhecimento, inovao e mdias sociais.</p><p>Tenho orgulho de lanar esse livro colaborativo volume I. uma forma de humanizar e aproximar uma parte dos alunos que passaram em tantas e distintas turmas que tive a honra de lecionar e ampliar a viso do mundo digital.</p><p>Por mais paradoxal que possa parecer, para o estudioso do mundo digital, como eu, o fato da digitalizao do mundo, o que, naturalmente, gera grandes dvidas, para mim antes de abranger o surgimento delas, importante entender por que elas existem.</p><p>Hoje, se algum passar dez minutos na frente de um computador, ser o suficiente para que aparea uma srie de perguntas como por que a Rainha da Inglaterra tem um perfil oficial no Twitter?, qual o motivo para as pessoas passarem 100 milhes de horas editando a Wikipdia? ou o que levou os usurios a ficarem mais de um trilho de horas em redes sociais?.</p><p>O porqu complexo e encontrar razes em relaes sociais amplificadas pela internet. Para ele, questes como: engajar-se, sentir-se includo, ver-se como socialmente til e pr em prtica a alma empreendedora, so algumas das causas que levam a este novo comportamento virtual.</p><p>Tudo isso, no entanto, leva para um mesmo caminho, o que chamo de generosidade coletiva. Em redes sociais, por exemplo, possvel enxergar exemplos desta afirmao, como quando pessoas recorrem ao Twitter para pedir socorro ou para saber informaes de familiares e amigos envolvidos em uma tragdia, como foi o caso do ltimo terremoto no Japo.</p><p>A criao colaborativa de conhecimento tambm pode ser vista em sites como o Eu Lembro em que se pode acompanhar se as propostas de determinado candidato </p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>Gil Giardelli especialista no Mundo.com, com 12 anos de experincia na era digital. Seu trabalho acadmico baseado na Sociedade Imediatista, Economia Criativa e na era da democracia das mdias sociais. Professor nos cursos de Ps-Graduao e MBA na ESPM e CEO da Gaia Creative, empresa em que implementa inteligncia de mdias sociais, economia colaborativa e gesto do conhecimento para empresas como BMW, Fundao Roberto Marinho, Grupo CCR, SEBRAE, MINI, Grupo Cruzeiro do Sul, entre outras.No CIC (Centro de Inovao e Criatividade) da ESPM coordena quatro cursos: Aes Inovadoras em Comunicao Digital Redes Sociais e Inovao Digital Startups, Economia Criativa e Empreendedorismo na Era Digital CyberArte</p><p>Texto baseado na cobertura do portal Terra da palestra no TEDxPorto Alegre</p><p>eleito esto sendo cumpridas , ou do Just Made Love, em que, por algum motivo estranho, pessoas compartilham com o mundo como foi sua ltima relao sexual.</p><p>Para alm da impresso de que a internet a soluo para todos os problemas do mundo, o cenrio vislumbrado pelo palestrante realmente impressiona. Neste contexto, geram-se novos valores sociais e novas responsabilidades, como o nascimento doindivduo coletivo. No sculo XXI, as moedas que movimentam o planeta so a da reputao e a da credibilidade. H um novo tipo de civilizao mais engajada nascendo e a rede social se tornou o lugar da verdade. H uma nova msica embalando a humanidade.</p><p>Preciso humanizar a internet, gerar contedo de qualidade, socializar mais, utilizar a inteligncia coletiva para criar solues criativas para os problemas da humanidade. preciso entender o significado de o todo maior que a soma das partes. Isso que ensino na sala de aula e por esses motivos que reuni textos de meus alunos nesse livro para partilhar conhecimento. Agradeo a todos pela colaborao e dedicao.</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>AGRADECIMENTOSA ideia do e-book nasceu em 2010, dentro do curso Redes Sociais e Inovao Digital e se estendeu para o curso de Aes Inovadoras e Comunicao Digital. Esses cursos realizados pelo Centro de Inovao e Criatividade/ESPM e ministrados pelo professor Gil Giardelli.</p><p>Os alunos abraaram a ideia e encaminharam seus textos colaborativamente, mostrando que podemos colocar bom contedo na rede, com boas fontes e que o importante partilhar o que acontece de bom.</p><p>Esse e-book uma maneira de demonstrar o quanto os alunos so ricos em contedo e que tem a capacidade de produzirem contedo. Tambm contamos com textos de participantes do #Interminas 2010, realizado pelo Imasters.</p><p> com muita alegria que agradeo primeiro a Deus, que me deu fora para cultivar esse projeto, depois ao professor Gil Giardelli que me deu a honra de editar e cuidar de todos os detalhes do projeto e por ltimo, e no menos importante, aos alunos que participaram colaborativamente com seus textos, suas ideias, sem vocs no estaramos aqui. Aproveito para destacar a pro atividade da Camila Carrano ao diagramar o livro e faz-lo com dedicao e amor, assim como todos os envolvidos no projeto.</p><p>Agradeo a todos os propagadores desta ideia e j antecipo, meu muito obrigado, aos prximos alunos do Gil Giardelli que participaro dos prximos e-books.</p><p>Abraos,Cibele SilvaAnalista de Mdias Sociais da Gaia Creative</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>SUMRIO</p><p>Branding online e engajamento do consumidorRosi Benini</p><p>Redes Sociais dos anos 80 e o que elas no podem fazer pela sua empresa hoje!Eduardo Ponce</p><p>Inteligncia Competitiva Aplicada s Micro e Pequenas EmpresasIsrael Ribeiro</p><p>A Lei da Selva 2.0: Entrar nas mdias sociais era opo: hoje obrigao. Qual a sua arroba?Vincius Sacramento </p><p>Colaborativismo e a nova era da comunicaoThiago Moura</p><p>#Interminas 2010 - relacionamentos alm das tecnologiasMariana Anselmo</p><p>As mdias sociais esto dando onda. Vamos surfar?Vincius Sacramento</p><p>To infinity and beyondFernanda Quinto</p><p>Redes Sociais: No complique, comunique-seElaine Rodrigues </p><p>O jogo como desafio do ldico nas redes sociaisGloria Pereira </p><p>14</p><p>16</p><p>18</p><p>21</p><p>23</p><p>25</p><p>27</p><p>29</p><p>31</p><p>33</p><p>1</p><p>2</p><p>3</p><p>4</p><p>5</p><p>6</p><p>7</p><p>8</p><p>9</p><p>10</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>RT por favor!Monise dos Reis Martins da Silva </p><p>A simplicidade da InovaoFabio Gobbo </p><p>Ns qunticosAndr Nogueira </p><p>Itinerrio da InovaoAndrezza Leite </p><p>A inovao digital Brunno Ferreira</p><p>Uma boa conversaCaio C. O. Ribeiro</p><p>Um momento de inovao... E porque no, de reflexoDiego E. Mattera</p><p>O espao para inovarEderaildo Fontes </p><p>Redes Sociais e InovaoEdna Gomes Pereira </p><p>Inovao DigitalFabio Antunes </p><p>Redes Sociais: contatos imediatos de todos os grausFatima de Oliveira Carvalho </p><p>11</p><p>12</p><p>13</p><p>14</p><p>15</p><p>16</p><p>17</p><p>18</p><p>19</p><p>20</p><p>21</p><p>38</p><p>39</p><p>40</p><p>41</p><p>42</p><p>43</p><p>45</p><p>48</p><p>49</p><p>50</p><p>52</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>A inovao e seus impactos na sociedade atual Gisele Arana</p><p>Tornado tangvel uma rede socialJuliano Akira Kimura</p><p>O que inovao na comunicao digital?Kathia Morini </p><p>Jogos e redes sociais, uma relao de mutualismoMarcelo Abrantes </p><p>Inovar ViverMarcio Traguetta Alaminos</p><p>De gerao em geraoMaria Sannini </p><p>As sensaes da inovaoMariana Nassif </p><p>Inovando na Comunicao do EvangelhoMarina Narciso </p><p>O comportamento igualitrio nas redes sociaisNatasha Torlay</p><p>Voc j nasceu nas redes sociais?Paula Regina Subires Garcia</p><p>2.500 caracteres sobre inovaoRenata Bonadia </p><p>22</p><p>23</p><p>24</p><p>25</p><p>26</p><p>27</p><p>28</p><p>29</p><p>30</p><p>31</p><p>32</p><p>54</p><p>56</p><p>58</p><p>60</p><p>61</p><p>62</p><p>64</p><p>66</p><p>68</p><p>69</p><p>70</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>O Boom do momento: as Redes SociaisRicardo Karam</p><p>A tecnologia a favor da humanidadeSrgio Porcari </p><p>Redes sociais virtuais: o meio do comeo Suzie Clavery Caldas</p><p>Uma Nova Verso para a Histria das OrganizaesChristiane Vila Nova Camargo </p><p>Compartilhamento Social Julio Cesar Da Cruz </p><p>Melhor amigoKarina Bradley </p><p>Falando de novoLigia Chemin Le Talludec </p><p>Pensamentos sobre Redes SociaisNayane Monteiro</p><p>33</p><p>34</p><p>35</p><p>36</p><p>37</p><p>38</p><p>39</p><p>40</p><p>72</p><p>73</p><p>75</p><p>77</p><p>79</p><p>80</p><p>82</p><p>84</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM</p></li><li><p>Branding online e engajamento do consumidor</p><p>Rosi Benini </p><p>A construo de uma marca mais abrangente do que a criao de uma identidade visual que a represente; construir uma marca posicion-la ideologicamente no mercado, criando valores com os quais os consumidores se identifiquem emocionalmente. A internet surge como um novo ambiente em que a marca deve se posicionar estrategicamente para alcanar seu pblico: o branding online. </p><p>A comunicao online permite uma interao com o pblico inexistente em outras mdias. possvel analisar imediatamente os resultados de uma ao, identificar e modificar estratgias que no esto funcionando, enviar respostas em tempo real, alm de compartilhar e expor materiais facilmente. Sites, comunidades, blogs e redes sociais em geral so canais de comunicao da marca com o consumidor (e vice-versa). Porm, importante lembrar que no so canais exclusivos: uma informao publicada na web est sujeita a ser encontrada e replicada por qualquer pessoa, independente se positiva ou negativamente. O perfil do consumidor mudou e com ele acabou muito do misticismo que existia em torno da publicidade; a chance de pessoas acreditarem em opinies de pessoas iguais a elas muito maior do que acreditarem em representantes de marcas vidos por vendas. O crescimento do acesso a esse tipo de servio, onde pessoas podem publicar suas vises sobre qualquer assunto para qualquer um, demandou a necessidade de monitorar o que falado sobre a marca online, alm de criar artfices para um posicionamento que atenda aos consumidores desse ambiente especfico. O branding entra, ento, para planejar esse comportamento.</p><p>Primeiramente, o branding, em qualquer mdia, deve se preocupar com o valor sentimental transmitido pela marca. A qualidade do produto, a experincia proporcionada pelo uso e a sensao de pertencer a uma comunidade com os mesmos ideais o que faz uma marca perdurar no gosto de um consumidor. Marcas que contam histrias e engajam pessoas em causas criam um vnculo emocional e extrapolam a relao compra e venda. Especificamente na comunicao online, essa relao cliente/marca foi infinitamente ampliada e intensificada devido aos recursos do meio. O canal de comunicao no </p><p>1. </p><p>Gaia Creative + CIC ESPM 12</p></li><li><p>unilateral, permitindo que os prprios consumidores produzam contedo sobre a marca e divulguem para outros; o meio democrtico, portanto no h uma censura sobre opinies sinceras divulgadas; o fluxo informacional alto, o que exige respostas rpidas por parte das marcas. Tais particularidades explicam a demanda de um planejamento de posicionamento para a marca no meio digital, incluindo como lidar com um pblico que ganha voz e poder de deciso.</p><p>Apesar do foco no branding online, importante frisar que a presena da marca no se limita a uma mdia; normalmente, planejamentos de gesto incluem aes em impresso, rdio e TV. O fato deve ser levado em conta no planejamento online: a comunicao deve ser integrada, ou seja, cada pea e posicionamento devem ser coerentes com o todo. Uma oportunidade de proporcionar experincias diferentes criar histrias transmiditicas: so criados contedos especficos para cada suporte, atendendo s suas particularidades de interao, e o objetivo que o prprio consumidor busque e complemente esse contedo. Alm de experincias de interao diferentes, essas histrias envolvem pessoas, que comentam com outras pessoas sobre a experincia, gerando um buzz espontneo de interesse. A presena em vrias mdias tambm garante um maior nmero de pontos de contato com o consumidor, o que demonstra interesse da marca em estar presente onde seus clientes (mesmo que nichos deles) esto mas no se deve confundir pontos de contatos com fazer spam e sobrecarreg-los de informao.</p><p>O branding deve incluir tambm um planejamento de comunicao interna para aqueles que esto em contato direto com a marca. Todos os funcionrios so agentes que representam e transmitem para o pblico os valores ou caractersticas de uma campanha; uma experincia frustrante para o consumidor ter a inteno de participar de uma atividade promovida pela marca, porm no obter informaes necessrias com os prprios envolvidos. At mesmo a credibilidade das aes pode ser perdida se todos no estiverem cientes de qual proposta a marca representa.</p><p>Uma boa estratgia de branding online resultado de uma estratgia pensada homogeneamente como branding da marca. um conjunto que leva em conta os suportes miditicos, planejadores, funcionrios e, principalmente, consumidores. O uso da internet no deve ser feito por ser uma tendncia, mas sim por permitir aproximao e cultivo de emoes da marca para com o consumidor. So os tais jardineiros alimentando e cuidando de seus jardins. </p><p>Redes Sociais e Inovao Digital</p><p>Gaia Creative + CIC ESPM 13</p></li><li><p>Redes Sociais dos anos 80 e o que elas no podem fazer pela sua empresa hoje!</p><p>Eduardo Ponce </p><p>Que diferena existe entre uma rede social dos anos 80 e das atuais aplicaes via Facebook e cia? Simples: a tecnologia.</p><p>L amos brincar de comandos em ao, playmobil, falcon, andar de bicicross, fechar a rua para uma pelada em pleno anos 80, e como primeiro passo, convidvamos os melhores amigos da regio para participar da empreitada. Um dos amigos sempre chamava o outro e a notcia se espalhava, o POKE era gerado!</p><p>Qual o melhor brinquedo, equipamento, acessrio ou ltimo lanamento? Sempre tinha aquele cara que sabia de todas as novidades e era o Master. Nada como seguir o mais antenado de todos (mera coincidncia digital, no?)</p><p>O grupo era homogneo!...</p></li></ul>

Recommended

View more >