Livro TOP CVM - Relação Com Investidores

  • Published on
    23-Nov-2015

  • View
    69

  • Download
    9

Embed Size (px)

Transcript

  • TOPPROGRAMA DE TREINAMENTO

    DE PROFESSORES

    RELAES COM INVESTIDORES

    DA PEQUENA EMPRESA AO MERCADO DE CAPITAIS

  • Comisso de Valores Mobilirios

    Instituto Brasileiro de Relaes com Investidores

    1a edio

    Rio de Janeiro

    IBRI CVM

    2014

    RELAES COM INVESTIDORES

    DA PEQUENA EMPRESA AO MERCADO DE CAPITAIS

  • Convidamos os leitores a entrarem em contato conosco para o envio de sugestes e dvidas sobre este material.

    Coordenao de Educao FinanceiraSuperintendncia de Proteo e Orientao aos InvestidoresComisso de Valores Mobilirios Rua Sete de Setembro 111, 5 andar CEP 20.050-901 Rio de Janeiro/RJ coe@cvm.gov.br www.investidor.gov.br

    1 edioData da ltima atualizao:17/04/2014

    Relaes com investidores: da pequena empresa ao mercado de capitais / Instituto Brasileiro de Relaes com Investidores; Comisso de Valores

    Mobilirios. Rio de Janeiro: IBRI : CVM, 2014.103p. : il.

    ISBN

    1. Mercado de valores mobilirios. 2. Relaes com investidores. I. Instituto Brasileiro de Relaes com Investidores. II. Comisso de Valores Mobilirios.

    CDD 332.6322

  • 2014 - Comisso de Valores Mobilirios

    Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei n 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

    Este livro distribudo nos termos da licena Creative Commons Atribuio - Uso no comercial - Vedada a criao de obras derivadas 3.0 Brasil. Qualquer utilizao no prevista nesta licena deve ter prvia autorizao por escrito da Comisso de Valores Mobilirios.

    Comisso de Valores Mobilirios

    PresidenteLeonardo Porcincula Gomes Pereira

    DiretoresAna Dolores Moura Carneiro de NovaesLuciana Pires Dias Roberto Tadeu Antunes Fernandes

    Superintendente GeralAlexandre Pinheiro dos Santos

    Superintendente de Proteo e Orientao aos InvestidoresJos Alexandre Cavalcanti Vasco

    Coordenador de Educao Financeira Lus Felipe Marques Lobianco

    Equipe TcnicaAnalistas da Coordenao de Educao FinanceiraJlio Csar DahbarMarcelo Gomes Garcia Lopes

  • Colaboradores

    Jennifer AlmeidaLuiz Fernando DistadioLuiz Roberto dos Reis CardosoRodney Vergili

    Diagramao e Capa

    Leticia Brazil

  • Esta obra disponibilizada de acordo com os termos da licena Creative Commons Atribuio - Uso no comercial - Vedada a criao de obras derivadas 3.0 Brasil (by-nc-nd)

    Tem o direito de:

    Compartilhar reproduzir, distribuir e transmitir o trabalho

    De acordo com as seguintes condies:

    Atribuio Tem de fazer a atribuio do trabalho, da maneira estabelecida pelo autor ou licenciante (mas sem sugerir que este o apoia, ou que subscreve o seu uso do trabalho).

    NoComercial No pode usar este trabalho para fins comerciais.

    Trabalhos Derivados Proibidos No pode alterar ou transformar este trabalho, nem criar outros trabalhos baseados nele.

    Esta uma descrio simplificada baseada na licena integral disponvel em:creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/legalcode

  • LIVRO DE DISTRIBUIO GRATUITA. VEDADA A SUA COMERCIALIZAO

    A verso eletrnica deste livro pode ser obtida gratuitamente em: www.investidor.gov.brwww.ibri.gov.br

    Este livro foi elaborado com finalidade educacional. Sua redao procura apresentar de forma didtica os conceitos relacionados aos temas aqui abordados. Os exemplos utilizados e a meno a servios ou produtos financeiros no significam recomendao de qualquer tipo de investimento.

    As normas citadas neste livro esto sujeitas a mudanas. Recomenda-se que o leitor procure sempre as verses mais atualizadas.

    As opinies, conceitos e concluses existentes nesta publicao e de seus colaboradores no refletem, necessariamente, o entendimento da CVM ou do IBRI.

  • Apresentao:

    Nas ltimas duas dcadas, o desenvolvimento do mercado de capitais nacional propor-cionou o desenvolvimento empresarial e estimulou a adoo mais ampla de prticas de sustentabilidade e de governana corporativa, ampliando as possibilidades de captao de recursos por empresas de diferentes portes. Ao mesmo tempo, fruto da estabilidade econmica e de uma srie de avanos institucionais que se traduziram em incentivos ao empreendedorismo, houve um crescimento expressivo no nmero de empreendedores brasileiros.

    Em 2012, de acordo com a pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor Empre-endedorismo no Brasil Relatrio Executivo), 30,2% dos indivduos adultos da popula-o brasileira eram empreendedores iniciais ou estabelecidos, o que significa dizer que 36 milhes de brasileiros com idade de 18 a 64 anos estavam envolvidos na criao ou administrao de algum tipo de negcio. O levantamento tambm indica uma signifi-cativa evoluo do tema, considerando que essa taxa era de 20,9%, em 2002.

    To relevante quanto a taxa de empreendedorismo total a proporo de empreen-dedores por oportunidade (aqueles que optam por iniciar um novo negcio mesmo quando possuem alternativas de emprego e de renda), atualmente de 69,2%, proporo que no incio da pesquisa GEM era da ordem de 42%.

    No entanto, para empreender de forma bem sucedida, no basta ter uma boa ideia e a capacidade de gesto, preciso capital. Os recursos prprios, provenientes da gerao de caixa do negcio ou do investimento dos atuais scios, so fontes importantes, mas tm limitaes e normalmente no so capazes, por si ss, de sustentar o crescimento indefinidamente. Para mudar de patamar, pode ser conveniente ou mesmo necessrio acessar recursos de terceiros.

    nesse momento que o acesso ao mercado de capitais pode se mostrar uma alternativa vantajosa para financiar projetos de crescimento. Em tal contexto, a capacidade de de-senvolver relacionamentos duradouros com investidores, sejam fundos de investimen-to (venture capital ou private equity), sejam titulares de aes ou ttulos de dvida distri-budos publicamente, mostra-se um fator crtico para a concretizao de um plano de expanso, pois acessar recursos de terceiros significa admitir novas partes interessadas no sucesso dos negcios.

  • Quem coloca seu capital em um empreendimento de terceiro quer, em maior ou menor grau, ter alguma voz na definio dos rumos e na tomada de decises. Quer estar bem informado dos riscos emergentes e ter meios de fiscalizar, em maior ou menor grau, os negcios. Assim, o relacionamento com investidores no cuida apenas da abordagem e da atrao desses investidores, mas tambm do desenvolvimento de relaes, aps o aporte, que possibilitem uma convivncia produtiva, alinhada aos objetivos comuns. Essa relao requer transformaes que vo alm das questes estritas do planejamento de fontes de financiamento, exigindo mudanas de ordem cultural.

    Foi pensando no evidente interesse pblico em que pequenas e mdias empresas am-pliem as possibilidades de acesso ao financiamento por meio do mercado de capitais, e no papel estratgico que a atividade de Relaes com Investidores pode desempenhar nesse processo, que a Comisso de Valores Mobilirios (CVM) e o Instituto Brasileiro de Relaes com Investidores (IBRI) conceberam o desenvolvimento deste livro, com o objetivo de introduzir os principais pontos a serem considerados no relacionamento com investidores.

    Por ser um tema vasto e com diversas fontes de informaes tcnicas, imparciais e gra-tuitas, muitas delas citadas ao longo deste trabalho, entendemos que a primeira edio deste livro uma contribuio adicional, que, sem a inteno de substituir as obras mais abrangentes e especializadas, chama a ateno para um tema crtico que nem sem-pre tratado de forma sistemtica e integrada.

    Assim como a CVM e instituies parceiras, integrantes do seu Comit Consultivo de Educao, tm feito em iniciativas similares, como o Livro Mercado de Valores Mobili-rios Brasileiro, pretendemos que esta primeira edio seja uma obra viva, permanen-temente atualizada e aprimorada, com as sugestes e comentrios dos leitores.

    Boa leitura!

    LEONARDO P. GOMES PEREIRAPresidente da Comisso de Valores Mobilirios

    GERALDO SOARESPresidente do Conselho de Administrao do

    Instituto Brasileiro de Relaes com Investidores

  • SUMRIO1 . A ECONOMIA E AS PEQUENAS E MDIAS EMPRESAS 14

    2. OPORTUNIDADES PARA CAPTAO DE RECURSOS 26

    3. DESAFIOS NA COMUNICAO DA EMPRESA 46

    4. COMO AGREGAR VALOR COM AS PRTICAS DE

    RELAES COM INVESTIDORES 68

    IMPORTNCIA DO RI NO RELACIONAMENTO COM OS AGENTES PROVEDORES DE CAPITAL 74

    ANEXO - ESTUDOS DE CASO 86Senior Solution SA 86Helbor SA 94

    LISTA DE BOXES - CAIXAS DE CONTEDO COMPLEMENTAR 99

    LISTA DE FIGURAS 99

    LISTA DE GRFICOS