Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br

  • Published on
    17-Apr-2015

  • View
    103

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Slide 1
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br
  • Slide 2
  • O que uma equipe? - Grupo de pessoas atuando juntas - Qualquer grupo de pessoas que necessitam umas das outras para alcanar resultados Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 3
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Energia das equipes em que seus membros atuam individualmente Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 4
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Energia das equipes em que seus membros atuam na busca de atingir os objetivos comuns Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 5
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br A conversa tem sido considerada como o processo nuclear mudana e base para o processo decisrio e integrao das equipes de trabalho nas organizaes. Souza Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 6
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br O trabalho em equipe requer a prtica do dilogo e da discusso, as duas formas pelas quais as equipes conversam. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 7
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br O dilogo e a discusso so potencialmente complementares, mas a maioria das equipes no conseguem fazer a distino entre os dois e passar conscientemente de um para o outro. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 8
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br No dilogo- ocorre a explanao livre e criativa de questes complexas e delicadas, onde cada um escuta as idias do outro, sem manifestar sua opinio. Na discusso- so apresentadas e defendidas diferentes opinies, buscando-se sempre a melhor idia para apoiar as decises que devem ser tomadas na ocasio. Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 9
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Dilogo - No dilogo, a equipe analisa questes complexas sob diferentes pontos de vista, comunicando suas idias livremente. -O resultado uma anlise livre que traz tona a experincia e o modo de pensar das pessoas, sem precisar se ater a nenhuma opinio individual. -A finalidade do dilogo revelar a incoerncia do nosso pensamento. -O dilogo uma maneira de ajudar as pessoas a enxergarem a natureza representativa e participativa do pensamento e a reconhecerem sua incoerncia. -No dilogo as pessoas comeam a notar a natureza coletiva do raciocnio. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 10
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Assim sendo: O aprendizado coletivo vital para realizar o potencial da inteligncia humana e organizacional. Atravs do dilogo as pessoas podem ajudar umas as outras a perceberem as incoerncia das idias, o que tornar o raciocnio coletivo cada vez mais coerente. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 11
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Discusso - A discusso sugere algo como um jogo de pingue- pongue onde ficamos rebatendo a bola de um lado para o outro. - Neste tipo de jogo o assunto de interesse comum pode ser analisado e dissecado sob diferentes pontos de vista. - Este um fator positivo, mas normalmente o objetivo do jogo vencer, o que significa fazer com que a idia seja aceita pela equipe. - Entretanto, a fixao em vencer no compatvel com a necessidade de se dar prioridade coerncia e verdade. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 12
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Equilbrio entre dilogo e discusso No trabalho e no aprendizado em grupo, a discusso a contrapartida necessria do dilogo: -Numa discusso, diferentes idias so apresentadas e defendidas, o que pode resultar numa boa anlise da situao como um todo. -No dilogo, diferentes idias so apresentadas como um meio para se chegar a uma nova idia. -Na discusso decises so tomadas. No dilogo, questes complexas so analisadas. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 13
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Equilbrio entre dilogo e discusso - Quando um grupo precisa chegar a um acordo e tomar decises, necessrio que haja discusso- idias alternativas so avaliadas e a de maior preferncia selecionada (pode ser uma das alternativas iniciais ou uma nova idia que emergiu da discusso). Quando produtiva, a discusso converge para uma concluso. Por outro lado, o dilogo divergente; ele no busca o acordo, mas um controle maior das questes complexas. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 14
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br - Os integrantes da equipe que tem por hbito o dilogo passam a compreender melhor a singularidade do ponto de vista de cada um. - Eles aprendem a dominar a arte de manter uma posio, ao invs de serem mantidos pelas suas posies. -Quando acham apropriado defender um ponto de vista, fazem-no com maior delicadeza e menos rigor, ou seja, sem colocar o vencer como prioridade. -As tcnicas que permitam o desenvolvimento do dilogo so as mesmas que podem tornar as discusses produtivas em lugar de destrutivas, e so a inquirio e a reflexo vistas em modelos mentais. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 15
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Surgindo a discusso hbil Na busca da construo de um sentido compartilhado dentro das equipes pondera-se: -as pessoas discutem para vencer; -a discusso tradicional perigosamente orientada para a argumentao defensiva; -elas atiram idias umas contra as outras para ver as idias que so mais fortes. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 16
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br um modo triste de conduzir trabalhos em equipe: - prejudica o aprendizado em equipe; - as idias e solues raramente obtm a considerao que merecem; - elas so julgadas em funo de quem as disse. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 17
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br A discusso hbil consiste no continuum entre o dilogo e a discusso crua impregnada de argumentao defensiva Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 18
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Protocolo para discusso hbil: Certifique-se do que voc espera realizar na discusso perguntando a voc mesmo Qual a minha inteno? Estou disposto a ser influenciado? Se no est qual o propsito da conversao? Seja claro quanto ao que voc quer e no iluda os outros quanto s suas intenes. Senge 1- Preste ateno em suas intenes: Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 19
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br 2- Equilibre argumentao com inquirio: - na maioria das equipes, o pndulo entre argumentao defensiva e inquirio tem pendido mais para o lado da argumentao; -algumas equipes se orgulham-se de desafiar umas as outras; -na realidade elas no se desafiam de nenhum modo significativo; -elas simplesmente se defrontam uma tentando superar a outra com trivialidades; -outras equipes orgulham-se do modo construtivo como lidam com a confrontao. Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 20
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br 3- Construa sentido compartilhado: - todas as palavras so smbolos, e como tais, so abstraes; - elas tm sentidos diferentes para pessoas diferentes; - confira o sentido das palavras. Questione, por exemplo: - Voc disse: faa o necessrio, mas o que necessrio? Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 21
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br 4- Use a conscincia da prpria individualidade como recurso: -Pergunte a voc mesmo, nos momentos em que esteja confuso, furioso, frustrado... -O que estou pensando? (pausa) -O que estou sentindo? (pausa) -O que quero neste momento? Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 22
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br 5- Explore os impasses: -pergunte a voc mesmo- em que concordamos, e em que discordamos? -as fontes de discordncia se dividem em quatro categorias: -Fatos- o que aconteceu exatamente? Quais so os dados -Mtodos- como deveramos fazer o que precisamos fazer? -Metas- qual o nosso objetivo? -Valores- por que achamos que isso deve ser feito desse modo em particular? Em que acreditamos? Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 23
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br 5- Explore os impasses: -Trs passos em particular podero ajudar -escute idias como se fosse a primeira vez. Esforce-se para ser aberto a novas idias; -considere o modelo mental de cada pessoa como uma pea de um quebra cabea maior. Olhe a situao do ponto de vista da outra pessoa; -Pergunte a voc mesmo (e a todo mundo mais)- o que precisamos fazer para avanar? Senge Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 24
  • Maria Terezinha Angeloni www.angelggc.hpg.com.br Exerccio de aplicao da teoria a prtica: Qual a importncia da discusso hbil no trabalho em equipe entre o homem de empresa e o homem de informtica? Qual a postura a ser adotada por cada um dos seus integrantes no desenvolvimento de um sistema de informao? Interao entre o homem de empresa e de informtica
  • Slide 25
  • Maria Terezinha Ange