Mestres do coco de roda se reúnem e mostram domínio na ... ?· Reunindo grandes protagonistas do coco…

  • Published on
    25-Nov-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>A Matinada </p><p>Mestres do coco de roda se renem e mostram domnio na arte do improviso </p><p>Reunindo grandes protagonistas do coco de roda de Pernambuco Galo Preto, Z de Tet, </p><p>Bio Caboclo, Ccero Gomes e Adiel Luna a ideia central dA Matinada promover um </p><p>encontro entre os vrios tipos de coco do Estado. O projeto conduz a uma viagem no tempo, </p><p>mostrando a manifestao desde sua forma mais pura e encantadora como cantiga de </p><p>trabalho at como modalidade mais elaborada de rimas e mtricas. </p><p>Apesar de estarem unidos pela paixo o samba, a festa e a arte do improviso , estes </p><p>mestres possuem estilos distintos, tpicos das regies distintas onde cada um brinca: Litorial, </p><p>Zona da Mata, Agreste e Serto. Levando ao palco essa mistura e convidando o pblico a </p><p>fazer uma imerso na geografia do coco, eles trabalham a mazurca (do agreste e serto), o </p><p>trup (do serto e mata), a embolada de pandeiro e de viola, o coco de engenho (mata), o </p><p>coco de sala e o coco de obrigao (agreste, mata e litoral). </p><p>Ora todos juntos, ora em duplas, ora apresentando seus trabalhos individuais, os mestres </p><p>brincam, improvisam e exploram os toques, as pisadas e os versos nas mais diversas </p><p>mtricas e em lindas melodias, cantando e encantando todos os presentes. </p><p>Junto com os mestres, completam a brincadeira Maureliano Ribeiro coquista e arteso de </p><p>instrumentos percussivos de Camaragibe - e Iran Calixto, Pecon Calixto e Damares Calixto - </p><p>importantes figuras do Coco Razes Arcoverde. </p><p>Os Mestres </p><p>Galo Preto. cantador, coquista, repentista, msico, compositor e percussionista. Fluente em </p><p>vrios estilos de coco, o mestre passeia com destreza pela embolada, pelo coco de pisada e </p><p>pelas cantigas de bata de feijo. Nascido em 1935, no municpio de Bom Conselho - hoje </p><p>quilombo de Santa Izabel em Pernambuco, um dos ltimos representantes da tradio do </p><p>coco daquela regio. Na dcada de 70 ganhou grande visibilidade nacional, apresentando-se </p><p>em muitos programas de televiso. Galo Preto fez parceria com grandes nomes da msica </p><p>brasileira, como Jackson do Pandeiro, Cauby Peixoto, Arlindo dos Oito Baixos e Luiz </p><p>Gonzaga. Em 2007 retornou aos palcos, depois de 11 anos afastado, e agora est presente n </p><p>A Matinada. </p><p>Z de Tet. Nasceu no Stio Araras, municpio de Limoeiro, no ano de 1944, e comeou a </p><p>cantar e compor nos anos 70, j adulto. Hoje possui mais de duzentas composies, sendo </p><p>61 delas gravadas. Seu ltimo CD O Rei do Coco foi gravado com apoio do FUNCULTURA. </p><p>Z faz shows em grande parte das cidades pernambucanas e sente-se bastante </p><p>recompensando pela fidelidade de seu pblico, tornando-se bastante conhecido no cenrio </p><p>sem precisar abandonar sua cidade natal. O coco de So Joo o estilo mais explorado no </p><p>trabalho do mestre. </p></li><li><p>Bio Caboclo. Sua vocao para repentista apareceu na infncia, estimulado pelo pai Z </p><p>Caboclo, que o levava nos eventos culturais promovidos em casas de amigos, onde cantava </p><p>folhetos e versos de coco de roda. Aos 18 anos Bio iniciou sua carreira artstica como violeiro, </p><p>herdando do pai o dom e o apelido 'Caboclo'. Logo depois, tambm nesta idade, foi convidado </p><p>a ser mestre de maracatu e a cantar coco no So Joo de Lagoa de Itaenga. Bio Caboclo </p><p>conhecido como uma lenda viva da Cultura de Pernambuco e domina como ningum essas </p><p>trs artes poticas (viola,baque solto e coco de engenho). Nasceu em 1959, natural de Glria </p><p>do Goit/PE. </p><p>Ccero Gomes. Remanescente do Coco de Razes, lder e vocalista do Coco Trup de </p><p>Arcoverde, grupo que mantm junto com seus filhos e sua mulher. Cio, como mais </p><p>conhecido, j se apresentou em diversas cidades do pas e da Europa, divulgando a cultura </p><p>arcoverdense e o coco de trup, de pisada mais forte e acelerada, com influncias da </p><p>musicalidade de tribos xucurus, do xaxado e do samba de roda. O trup msica e dana, </p><p>onde o tamanco de madeira de solado grosso usado pelos coquistas tem importante papel na </p><p>marcao da batida. Nascido em 1955, comeou a cantar aos 5 anos, acompanhado da me. </p><p>Nos anos 60, se dedicou s brincadeiras, cantando msicas tradicionais. Nos anos 70, iniciou </p><p>a carreira profissional no Coco, com o mestre Ivo Lopes. O primeiro grupo a participar se </p><p>chamava "A Caravana". </p><p>Adiel Luna. Nascido em 1984, em Tima, municpio de So Loureno da Mata, coquista, </p><p>violeiro e mestre de baque solto, tendo passado por maracatus como o Piaba de Ouro, o </p><p>Leozinho de Aliana e o Leo do Norte. Adiel tambm cantador e cordelista participou de </p><p>festivais e recitais ao lado de poetas importantes como Chico Pedrosa, Jessier Quirino e </p><p>Sinsio Pereira e tem mais de 50 ttulos de cordis publicados. O documentrio tnico O </p><p>Coco de Improviso e a Poesia Solta no Vento (Natlia Wanderlei, 2011) conta sua relao </p><p>com seus principais mestres dentro do coco. Sua matriz o repente, poesia fundamentada na </p><p>rima, na mtrica e na orao de improviso. De famlia de poetas cantadores, Adiel Luna, se </p><p>apresentou em todas as regies de Pernambuco, em cidades importantes do Brasil e na </p><p>Europa. um destaque da nova gerao de artistas e a figura que, n A Matinada, costura a </p><p>brincadeira dos mestres, j que dialoga com todos os estilos de coco trabalhado por eles. </p><p>O projeto novo, mas j se apresentou em eventos importantes de cultura popular com o </p><p>Festival Lula Calixto, em Arcoverde, o Festival de Inverno de Garanhuns, o Festival </p><p>Pernambuco Nao Cultural da Mata Norte e o Festival de Culturas Tradicionais da Chapada </p><p>dos Veadeiros, em Gois. </p><p>Contato: Alexandra Lima </p><p>(81) 9265.5292 </p><p>alexandracti@gmail.com </p></li></ul>