Monografia - Casa Dona Yay

  • Published on
    07-Dec-2015

  • View
    61

  • Download
    44

DESCRIPTION

Monografia sobre o tombamento e restaura da Casa Dona Yay

Transcript

1 FIAAM FAAM ARQUITETURA E URBANISMO Casa Dona Yay SO PAULO 2015 2 Monografia destinada matria de TEORIA E METODOS DE RESTAURAO DE EDIFICIOS do Centro Universitrio das Faculdades Metropolitanas Unidas So Paulo 2015 3 Para conquistarmos algo na vida no basta ter talento, no basta ter fora, preciso tambm viver um grande amor. - Mozart 4 SUMRIO INTRODUO.........................................................................................................................................05 A Personagem........................................................................................................................................06 2 A Residncia: (Sanatrio Privado)....................................................................................................07 3 Locais de Visitao e Uso Privado....................................................................................................10 5. O Tombamento................................................................................................................................. 11 4. Curiosidades .....................................................................................................................................12 6. Servios de manuteno e conservao geral do imvel de 1998 a 2003........................................ 13 7.Nova Morada do CPC (Centro de Preservao Cultural- Casa de Dona Yay)............................14 8. Bibliografia........................................................................................................................................15 9. Integrantes do Grupo........................................................................................................................16 5 INTRODUO O edifcio conhecido como Casa de Dona Yay constitui um documento material da transformao da cidade de So Paulo em uma metrpole. Considerado um dos ltimos remanescentes do antigo cinturo de chcaras que circundava a regio central da cidade, em seu ncleo original resistem intactas as paredes de uma edificao de tijolos, assinalando a popularizao de uma tcnica construtiva at ento pouco difundida na cidade. Sua aparncia atual resultou de reformas e ampliaes realizadas entre o final do sculo XIX e a metade do XX que reconfiguraram substancialmente a planta da casa, bem como sua ornamentao externa e interna. Lugar de memria da arquitetura e da urbanizao de So Paulo, a Casa de Dona Yay assumiu importncia histrica ainda maior ao ser convertida em local de clausura de sua proprietria mais ilustre. 6 1. A Personagem: Sebastiana de Mello Freire, nasceu em Mogi das Cruzes em 21/01/1887, Filha de Manoel de Almeida Mello Freire (Bacharel em Direito, Deputado e Senador e grande proprietrio de terras) e Josephina Augusta de Almeida Mello. Sua vida marcada por tragdias teve quatro irmos, porm, morreram uma de ttano as 13 anos ao se espetar num espinho de laranjeira, e outra asfixiada no bero com brinquedo aos trs anos, conviveu apenas com Manoel Junior, quatro anos mais velho. rf aos catorze anos de ambos os pais com diferena de dois dias apenas. Foram nomeados tutores Manoel Joaquim de Albuquerque Lins e a madrinha Eliza Grant. Em 1905 o irmo suicida-se em uma viagem de navio para Argentina. Torna-se nica herdeira de uma imensa fortuna. Era uma mulher a frente do seu tempo, discreta, elegante, costumava dirigir, cavalgar, promovia saraus e tinha um estdio fotogrfico, alm de gostar muito de viajar. Muito catlica as missas eram realizadas em sua prpria residncia. No se casou por considerar que seus pretendentes era todos interessados em sua fortuna. Talvez em razo de hbitos ousados para a sociedade da poca, ou em razo de interesses de terceiros ou at mesmo por distrbios mentais teve sua vida transformada inevitavelmente. O real motivo infelizmente nunca saberemos. Chegou a distribuir parte de seus bens como joias e dinheiro aos empregados. Em 1919 se achando perseguida sem se alimentar tenta o suicdio, ano em que interditada. Seu curador Sousa Queiroz decide interna-la em um sanatrio, mas especialistas recomendam um local melhor, ento que levada para o imvel da Rua Major Diogo que acabara de ser reformado para abrig-la. Viver l isolada em dois cmodos por 40 anos at falecer em 1961 por insuficincia cardaca em razo de um cncer, aos 74 anos. Sem filhos ou parentes prximos teve sua herana transferida para o Estado de So Paulo, em 1968 passou para a USP. (Universidade de So Paulo), que se encarrega da restaurao e a transforma em um Centro Cultural. 7 2 A Residncia: (Sanatrio Privado) Localizada a apenas um quilmetro da Praa da S, quando construda estava na rea rural, era considerada casa de campo. Supostamente a data da construo de1870 e seu primeiro proprietrio foi Jos Maria Talon, que construiu um pequeno chal de tijolos com quatro cmodos, em um terreno de 30.000 metros quadrado. Em 1888 o imvel foi vendido para Afonso Roberto Milliet, que o ampliou cercando com um alpendre em trs lados. As paredes externas do chal passaram a internas e o nmero de cmodos subiu para treze e os ambientes receberam as primeiras decoraes paretais. 8 Em 1902 novamente a chcara foi vendida para Joo Guerra um comerciante, nesse momento j estava na mancha urbana, quando novamente passa por ampliaes de alguns anexos. Essa reforma d a fachada caractersticas neoclssicas; e a decorao dos afrescos interiores com pinturas parietais do estilo art nouveau. Alm dessas pinturas art nouveau, paisagens marinhas adornavam as paredes da sala de jantar a fim de sofistic-la. Dona Yay a ltima proprietria da residncia em 1921. As ampliaes e alteraes realizadas por orientao mdica destinavam-se a constituir, adequar e ampliar os espaos de confinamento psiquitrico. Diferente das ocupaes anteriores durante o perodo os empregados moravam dentro da edificao principal. O piso de madeira do salo central foi transformado em seu dormitrio e substitudo por corticite. Os papeis de parede foram removidos e os afrescos recobertos por tinta esmaltada monocromtica de cor clara para facilitar a limpeza e os cantos foram arredondados. As janelas dos cmodos que Yay ocupava s abriam pelo lado de fora. As portas e janelas destes ambientes foram adequadas, de forma a impedir sua abertura pelo lado de dentro. 9 Em seu quarto, havia uma pequena abertura por onde passava sua comida e que foi mantida na restaurao. Ao lado dos aposentos, foi construdo o quarto de banho, revestido de azulejos brancos, piso de cermica, banheira e chuveiro com aquecedor a gs. Para evitar que se machucasse seu banheiro no tinha torneiras, a gua saia diretamente da parede. E nem mesmo no toillete, Dona Yay tinha sua privacidade garantida. Externamente os frontes, pilastras embutidas, compoteiras, colunas de ferro fundido (Europa) sustentavam o alpendre tpicos ornamentos do neoclssico. O porto tambm em ferro leva as iniciais de Joo Guerra. No jardim rvores frutferas e fores, so resqucios da grande chcara de outrora. 10 A ltima reforma foi feita em 1952 com a construo do solrio, para que Dona Yay pudesse ficar ao ar livre de vez em quando. Dos 30.000 m originais o terreno tem cerca de 2600 m. Aps a morte de Yay o imvel e passada a propriedade definitivamente para USP, cogitou-se a possibilidade de transform-la em um museu de memrias do Bixiga. Ficou desocupado por bastante tempo aguando a curiosidade da populao. Hoje o mistrio no mais existe, pois est aberta a visitao depois de restaurada e abriga o Centro de Preservao da USP. 3 Locais de Visitao e Uso Privado 11 4. O Tombamento A casa da Dona Yay foi tombada pelo Condephaat em 1998 e pelo Conpresp em 2002, usando como justificativa para o tombamento um exemplo integro do estilo ecltico muito difundido entre o sculo XIX e incio do sculo XX, decidiu-se pela Universidade Paulista que a casa abrigaria a sede do Centro de Preservao Cultural - CPC, rgo da Pr-reitora de Cultura e Extenso Universitria e que o mesmo assumiria a responsabilidade pelo seu uso e conservao. Em 1991 e 1998 foi dado o incio aos servios de manuteno e conservao geral do imvel, com superviso dos rgos de preservao estatais. A seguir trabalhos realizados, citados conforme o Dossi da A Casa de Dona Yay, realizado pelo Centro de Preservao Cultual da USP-Pg. 5. 1. Recuperao dos pisos danificados de madeira: remoo, retirada e substituio de peas do barroteamento e dos assoalhos de piso 2. Remoo, triagem e restaurao de esquadrias externas, relativos aos fechamentos cronologicamente definidos pelo Canteiro-Escola do CPC, como sendo a casa de Guerra e Milliet, ou seja, a antiga casa de morada; 3. Instalao provisria de luz e gua; 4. Imunizao contra cupim de solo; 5. Proteo fsica dos elementos artsticos e decorativos internos; 6. Servios de conservao das fachadas e limpeza geral do imvel; 7. Reconstruo da cobertura e telhado; 8. Execuo de forros de madeira em diversos cmodos a partir do modelo fornecido pelo CPC; 9. Reviso dos gradis externo. Em 2001 foi dado o incio ao restauro das pinturas murais de dois cmodos da residncia, realizado pelo programa, Identificao, Consolidao e Restaurao de Pinturas Murais o qual foi finalizado em 2003 mesmo ano que se iniciou o restauro das fachadas externas e azulejaria interna, os jardins foram reformados e as redes de infraestrutura implantadas, alm da recuperao das portas e janelas e restaurao dos cmodos destinados ao confinamento da Dona Yay. Todo o processo de restauro inseriu as informaes obtidas das investigaes e reconhecimento das caractersticas construtivas, tcnicas, arquitetnica, e artsticas do imvel. Todos os materiais utilizados no restauro eram adequados as caractersticas do edifcio, para recuperar sua integridade fsica e explicar sua historicidade. 12 Dessa forma os pisos de ladrilhos hidrulicos e azulejos foram recuperados e recomposto nos varandas e partes internas. Nos ambientes que abrigavam Dona Yay o piso de corticite foi recuperado atravs de processo e resinas especiais. Para recuperao dos jardins, foram usados os elementos j existentes, previamente catalogados atravs do levantamento dos jardins botnicos especializados, sendo esses jardins de chcara, ou de pequena vila do incio do sculo XX. Com o objetivo de interferir o mnimo no conjunto da casa, as obras de eltrica, hidrulica, telefonia e rede de informtica foram realizadas utilizando todo conhecimento existente sobre a casa, assim a maior interveno realizada foi a transformao da antiga garagem em banheiros de usos pblicos. 5. Curiosidades No livro "A Casa de Dona Yay" traz a meno de um filho natural do pai de Yay, que certa vez teria visitado a irm pedindo dinheiro para tratar do filho doente. Pela legislao da poca, ele ou seus descendentes no teriam direito herana. Pela lei atual, teriam sim direito. Dona Yay foi detentora, sem dvida, do maior patrimnio imobilirio de Mogi das Cruzes da poca e proprietria de pelo menos 75 imveis na Capital, boa parte situada no supervalorizado tringulo formado pelas praas da S, Repblica e Paissandu, no entanto isso no teria impedido que, um ano aps a morte, restasse a ela apenas uma sepultura annima no Cemitrio da Consolao. 13 6. Servios de manuteno e conservao geral do imvel de 1998 a 2003 14 7.NOVA MORADA DO CPC (Centro de Preservao Cultural- Casa de Dona Yay) Definiu-se um programa de uso e conservao para a casa, que passaria a abrigar a sede do CPC. As atividades a serem desenvolvidas de forma permanente envolveriam cursos, exposies, simpsio aos domingos tem apresentaes artsticas, abertas a populao, oficinas e visitas, fazendo uma integrao com o bairro e a cidade. Criando assim um vnculo com as identidades da casa, tais como: restaurao e preservao, educao ambiental e patrimonial, loucura, regresso, grupos e relaes sociais, entre outros. Simultaneamente, funcionaria como um efetivo elemento de ligao da USP com a cidade atravs da cultura e extenso universitria. Os programas coordenados pelo CPC possibilitam a realizao de estgios supervisionados em identificao, conservao, restaurao e divulgao do patrimnio cultural. Visita ao pblico de segunda sexta-feira, das 9h s 17h. Rua Major Diogo, 353 Bixiga- CEP 01324-001 So Paulo SP Tel: 3106-3562 e-mail cpceduc@usp.br 15 8. Bibliografia: 8.1 - Livros: TIRELLO, Regina A. "Os estudos realizados pela Universidade de So Paulo". In: Uso qualificado da casa de Dona Yay: Manual para apresentao de propostas. So Paulo: CPC-USP, pp. 18-19. Desenhos: Canteiro-Escola de Restaurao de Pinturas Murais/ CPC-USP. COMISSO DE PATRIMNIO CULTURAL DA USP. 1997 Obras escultricas em espaos externos da USP, So Paulo, Edusp. 1999 Bens imveis tombados ou em processo de tombamento da USP, So Paulo, Edusp/Imprensa Oficial. RODRIGUES, M. 1988 A casa de dona Yay, So Paulo, cone Pesquisas de Histria. LOURENO, Maria Ceclia Frana (org). A Casa de Dona Yay. So Paulo, Edusp,1999 8.2 Sites: http://200.144.182.66/memoria/por/local/937-Casa_de_Dona_Yaya http://netleland.net/hsampa/yaya/yaya.html http://www.bixiga.com.br/yaya_folheto.asp http://www.bixiga.com.br/yaya_hist.asp http://cidadepluralcronicas.blogspot.com.br/2010/06/casa-da-dona-yaya-cronicas-da-cidade.html http://www. cpcpublic@usp.br http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2009/05/casa-da-dona-yaya-leva-cultura-ao-centro/ http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012000000200015 http://www.usp.br/cpc/v1/imagem/download_arquivo/dossie.pdf 16 9. Integrantes do Grupo: Elitnia Silva Duarte R.A. 4792553 Michelle Prado R.A. 4794446 Reinaldo Fernando Martins R.A. 4788030 Samanta Alves R.A. 4793559 Simone de Lima Oliveira R.A. 4792522 Stephanie Caroline Sales Silva R.A. 4792540 Tlita Medina R.A. 4972387 Professor: Edgard Tadeu Dias do Couto