NERVOS CRANIANOS E NERVOS CERVICAIS

  • Published on
    08-Jul-2015

  • View
    2.075

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Slide de Fisiologia humana

Transcript

<p>NERVOS CRANIANOS E NERVOS CERVICAISDaniel Alves Pellissaro Daniel Francisco Timb Lima Jssica Vieira Cndido Laura Gonalves dos Reis Loiane Pereira de Sousa Otino de Meneses Bernardes</p> <p>Nervos um conjunto de fibras nervosas unidas por tecido conjuntivo denso, organizadas em feixes, sendo responsveis pela transmisso de impulsos nervosos. Fibras sensoriais levam impulsos das clulas para o sistema nervoso central; e fibras motoras, do sistema nervoso central aos msculos.</p> <p>Nervos CranianosFazem conexo com o encfalo .12 Pares</p> <p>.</p> <p>Numerados em algarismos romanos, de acordo com a sua origem aparente, no sentido rostrocaudal: I Olfatrio II ptico III - culomotor IV - Troclear V Trigmio VI Abducente</p> <p>VII Facial VIII Vestbulo-coclear IX Glossofarngeo X Vago XI Acessrio XII - Hipoglosso</p> <p>Nervos Cranianos A maioria liga-se ao tronco enceflico Nervos olfatrio e pticos ligam-se ao telencfalo e ao diencfalo.</p> <p>Nervos Cranianos1 Classificam-se em : Motores (puros) 2 Sensitivos (puros) Mistos (motores e sensitivos) 1 Movimentam o olho, a lngua e acessoriamente os msculos ltero-posteriores do pescoo. So eles: III - Nervo Oculomotor IV - Nervo Troclear VI - Nervo Abducente XI - Nervo Acessrio XII - Nervo Hipoglosso 2 Referem-se sensibilidade geral (dor, temperatura e tato). So eles: I - Nervo Olfatrio II - Nervo ptico VIII - Nervo Vestibulococlear</p> <p>3</p> <p>3 So em nmero de quatro. So eles: V - Trigmeo VII - Nervo Facial IX - Nervo Glossofarngeo X - Nervo Vago</p> <p>I Nervo OlfatrioNervo sensitivo Transmite impulsos olfatrios.</p> <p>II Nervo pticoTambm sensitivo Suas fibras esto relacionadas aos impulsos visuais. Formam o quiasma ptico</p> <p>III - Nervo culo-MotorNervos do tipo motor Responsveis por informaes relacionadas aos movimentos dos olhos incluindo tambm o ajustamento do foco e de luz.</p> <p>IV - Nervo TroclearOu pattico Constitui um dos trs pares de nervos oculomotores. Responsvel pela inervao de apenas um msculo: o oblquo superior do olho. Junto com os nervos oculomotor e abducente inerva msculos que movimentam o olho.</p> <p>V- Nervo Trigmeo um nervo misto Esto relacionadas aos msculos da mastigao e as do tipo sensitivas Enviam mensagens dos olhos, glndulas lacrimais, plpebras, dentes, gengivas, lbios, palato, pele da face e couro cabeludo.</p> <p>III - Nervo culo-motor + IV - Nervo troclear + VI - Nervo abducente</p> <p>VI - Nervo AbducenteEmerge da base do crebro na juno pontobulbar, segue sobre o assoalho do crnio, atravessa o seio cavernoso e entra na fissura orbital superior para terminar no msculo reto terminal. Inerva msculos que movimenta o olho.</p> <p>VII - Nervo FacialEmerge do tronco enceflico ao nvel do ngulo pontocerebelar, medialmente ao nervo vestibulococlear. Alcana a glndula partida, no interior da qual se divide em ramos, que inervam especialmente os msculos relacionados com a expresso facial.</p> <p>VIII - Nervo Vestbulococlear puramente sensitivo, constitudo por duas pores: a poro coclear, localizada lateralmente ao ncleo sensitivo principal do trigmeo e est relacionada com os fenmenos da audio. E a poro vestibular, que ocupa uma grande rea na superfcie dorsal do tronco do encfalo, e est relacionado com o equilbrio e a posio da cabea.</p> <p>IX - Nervo GlossofarngeoSai do crnio atravs do forame jugular, juntamente com o nervo vago, acessrio e a veia jugular interna, passa ao lado da faringe, onde se divide em seus ramos terminais. Esta relacionado com a sensibilidade gustativa e de vsceras, alm de inervar glndulas, musculatura lisa e esqueltica.</p> <p>X - Nervo VagoO maior nervo craniano, deixa a medula oblonga, sai do crnio atravs do forame jugular e desce dentro da bainha carotdea para entrar no trax. Inerva todas as vsceras torcicas e a maioria das abdominais.</p> <p>XI - Nervo AcessrioO nervo acessrio se origina de neurnios da medula oblonga e medula espinhal cervical. Apresenta uma raiz craniana, a qual une-se ao nervo vago (X craniano) e envia fibras motoras para os msculos da laringe, e uma raiz espinhal, que envia fibras motoras para os msculos trapzio e esternocleidomastideo. Dano este nervo produz perda de fora nos movimentos de rotao da cabea e elevao do ombro.</p> <p>XII - Nervo HipoglossoNervo essencialmente motor. Emerge do sulco lateral anterior do bulbo sob a forma de filamentos radiculares que se unem para formar o tronco do nervo. Este, emerge do crnio pelo canal do hipoglosso, e dirige-se aos msculos intrnsecos e extrnsecos da lngua (est relacionado com a motricidade da mesma). Suas fibras so consideradas eferentes somticas.</p> <p>Nervos CervicaisSo derivados de segmentos da medula entre o nvel do forame magno e da metade da stima vrtebra cervical. So 8 pares divididos em plexos, sendo eles: Plexo Cervical: Nervo Suboccipital, Nervo Occipital Menor, Nervo Frnico e Auricular Magno. Plexo Braquial: Nervo Transverso do Pescoo, Nervo Subclavicular Lateral, Mdio e Posterior.</p> <p>Nervo SuboccipitalO C1 (Nervo Suboccipital) o nico ramo da primeira diviso primria posterior, um nervo motor para os msculos do trgono suboccipital, com algumas poucas fibras sensitivas.</p> <p>Nervo Occipital MenorGeralmente um ramo direto de C2, o mais superior dos nervos cutneos do plexo cervical e corre, com trajeto ascendente, em direo ao processo mastide para distribuir-se pele e couro cabeludo posteriores ao pavilho do ouvido externo. Estabelece comunicaes com os nervos occipital maior (ramo dorsal de C2), acessrio (XI par craniano), auricular posterior (ramo do n. facial) e grande auricular (ramo do plexo cervical).</p> <p>Nervo FrnicoFormado principalmente por fibras de C4, raiz principal, e por fibras de C3 e C5 razes acessrias predominantemente motor. Desce pelo pescoo justaposto face anterior do m. escaleno anterior; dispe-se em seguida entre a artria e a veia subclvia, penetra na cavidade torcica e, aplicado face lateral do pericrdio, atinge o diafragma. Recebe fibras eferentes viscerais psganglionares do gnglio cervical inferior do tronco simptico e d origem ramos colaterais pericrdicos e pleurais. O nervo frnico direito atinge o centro tendneo (centro frnico) do diafragma, ntero-lateralmente ao forame da veia cava; o nervo frnico esquerdo o atinge prximo sua margem ntero-lateral esquerda.</p> <p>Nervo Auricular MagnoNervo Auricular Magno parte dos troncos de C2 e C3 unemse para formar estes dois nervos cutneos. O nervo auricular magno emerge junto borda posterior do m. esternocleidomastideo. Inferiormente ao nervo occipital menor, mas como este, tem trajeto ascendente, quase sempre acompanhado pela veia jugular externa, em direo pele da face, inferior e anteriormente orelha.</p> <p>Nervo Transverso do PescooNervo Transverso do Pescoo Circunda a borda posterior do msculo esternocleidomastideo e se divide em ramos que suprem a maior poro da pele da parte anterior do pescoo. Possui fibras de C2 e C3 e inerva, com seus ramos superiores e inferiores, a pele das regies supra e infrahiidea. Intercomunica-se amplamente com o homnimo do lado oposto</p> <p>Nervos SupraclavicularesParte de C3 une-se uma importante diviso de C4 para formar um tronco comum que logo se divide em nervos supraclaviculares, anterior, mdio e posterior. Estes nervos tem trajeto descendente, cruzam a clavcula, superficialmente, e inervam a pele do ombro at o plano mediano.</p> <p>BibliografiaDi Dio, Liberato J. A.; Tratado de anatomia sistmica aplicada; Volume 2; 2ed; So Paulo: Editora Atheneu, 2002. Dngelo, Jos Geraldo; Anatomia humana bsica; 2ed; So Paulo: Editora Atheneu, 2006. Site:http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=2&amp;materia_id=85 &amp;materiaver=1 Site:http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=1&amp;materia_id=43 4&amp;materiaver=1 Site:http://www.compuland.com.br/anatomia/plexocervical.html Livro: Steve Parker.; O livro do corpo humano; volume nico: Editora ciranda Guyton, A.C.; Hall, J.E. Tratado de Fisiologia Humana Mdica. 7 Ed. Rio de Janeiro David L. Felten Ralph F. Jzefowicz; Atlas de Neurocincia Humana de Netter Porto Alegre: Artmed, 2005</p>