Nietzsche Aula 03 GABARITO

  • Published on
    20-Jul-2015

  • View
    60

  • Download
    2

Embed Size (px)

Transcript

<p>Friedrich Wilhelm Nietzsche1844 1900</p> <p>A necessidade de conservao leva o homem usar o intelecto O homem carrega dentro de si uma fora misteriosa que sempre o impele auto-conservao</p> <p>O homem usa o intelecto como representao</p> <p>O que significa representao?</p> <p> O esprito no tem contato com as coisas de modo direto O esprito refere-se s coisas por meio de ideias e imagens que as representam O termo representao se refere ao processo mental que permite ao homem ter pensamentos sobre objetos fsicos ou eventos</p> <p>Por um misto de necessidade e tdio o homem deseja viver em comunidade, em rebanho. Para viver com os demais o homem precisa de uma espcie de acordo de paz. guerra de todos contra todos O homem um ser egosta e quer evitar a guerra ao entrar em sociedade porque a guerra contrria aos seus interesses de conservao. Esse movimento em direo paz explica por que o homem se interessa pela verdade. (enigmtico impulso verdade)</p> <p> Nietzsche no acredita que a verdade interesse realmente ao homem O homem est interessado nos efeitos benficos da verdade ou naquilo que ela evita</p> <p>verdade,</p> <p>designao uniformemente vlida e obrigatria das coisas</p> <p> A verdade uma noo baseada em certas regularidades que estabelecemos como vlidas. Nietzsche diz no texto que a legislao da linguagem, isto , a forma da comunicao humana se d por meio de regras, cria o contraste entre verdade e mentira.</p> <p> Uma representao falsa quando seu contedo no tem correspondncia na realidade. A diferena entre uma falsidade e uma fico a pretenso de verdade que a falsidade apresenta.</p> <p>papai-noel no falso, uma fico</p> <p> Ensinamos s crianas que feio mentir e que o bonito sempre falar a verdade As crianas logo descobrem que pequenas mentiras geram benefcios</p> <p>Se os adultos so assim, qual o fundamento daqueles termos bonito e feio ligados, respectivamente, verdade e mentira?</p> <p>Esse contraste entre a condio humana e os valores fixos atribudos verdade e falsidade explicado por Nietzsche como derivado da necessidade de evitar a guerra com o semelhante. por ser concebida para tal finalidade que a verdade uma regularidade arbitrria.</p> <p>Da mesma forma que quer evitar a mentira por causa de suas consequncias, e no porque a rejeite em seu ntimo, o homem tambm se interessa pela verdade por causa de suas consequncias. diante do conhecimento puro sem consequncias ele [o homem] indiferente Popular s sei que nada sei Oficial eu, se no sei, no fico pensando que sei</p> <p>Os homens no se interessam pela verdade efetivamente, apenas pelas verdades que trazem consequncias concretas</p> <p>A linguagem retrata de fato a realidade? NOA realidade um mundo parte e a linguagem um sistema de cdigos elaborados para permitir a representao da realidade.</p> <p> O que leva o homem a no ver o aspecto artificial dessa representao, preferindo supor que possui uma verdade, o esquecimento O que o homem possui na prtica so iluses de verdade, quando no o caso de possuir simples tautologias (Tautologia consiste em repetir uma ideia com palavras diferentes).</p> <p>palavra um estmulo nervoso figurado em sonsUma palavra um simples som que nossa memria foi sistematicamente assimilando ao objeto</p> <p>Chladni</p> <p>assim como o som convertido em figura na areia, assim se comporta o enigmtico X da coisa em si, uma vez como estmulo nervoso, em seguida como imagem, enfim como som.</p> <p>As palavras no revelam as coisas. As palavras so palavras e as coisas so coisas, mas (devido crena na linguagem) os homens confundem as palavras com as coisas.</p> <p>CONSCINCIA E LINGUAGEM EM NIETZSCHE: O CONHECIMENTO ENQUANTO UM PROCESSO DEMASIADO HUMANOWilson Antonio Frezzatti Jr (Doutor em Filosofia - USP. Professor da Graduao e PsGraduao em Filosofia)</p> <p>Nietzsche considera a conscincia um rgo de relao com o mundo, pois um meio de comunicabilidade, e, portanto, tem uma origem animal e no transcendente. Tudo que se torna consciente, torna-se comum e, por isso, torna-se raso, ralo, geral, signo e, enfim, marca de rebanho. Dessa forma, todo tornar-se consciente est relacionado a uma grande e radical falsificao, ou seja, superficializao e generalizao.</p> <p>Em consequncia, o mundo de que podemos tomar conscincia apenas um mundo de signos, um mundo generalizado, vulgarizado. A linguagem serve para comunicar as padronizaes e universalizaes simplificadoras da conscincia: da a sua esquematizao e o seu passar por cima das diferenas. O homem, como toda criatura viva, pensa continuamente. Porm, a parte dele que se torna consciente, ou seja, que pode ser posta em palavras mnima. Em outras palavras, podemos comunicar somente uma parte pequena parte do nosso pensamento. Conscincia e linguagem, segundo Nietzsche, so interdependentes e desenvolveram-se juntas. A conscincia, portanto, no um rgo para o conhecimento, para a verdade. E a linguagem, em conseqncia, no tambm um guia para atingirmos a verdade. Imaginamos conhecer com certeza o mundo, mas apenas postulamos verdades que so teis para a manuteno do rebanho humano.</p> <p>O estabelecimento da linguagem promove o estabelecimento do que verdade e, por contraste, do que falso: ao determinar uma designao uniformemente vlida e obrigatria das coisas, a legislao da linguagem d tambm as primeiras leis da verdade. A construo dos ideais, dos conceitos e das palavras generalizadoras faz com que o homem tenha que designar corretamente as coisas e, assim, nasce um sentimento de verdade que apoiado por dogmas metafsicos, tais como A Verdade, O Bem, Deus, etc. A verdade estabelece a moral: os indivduos tm a obrigao de dizer a verdade ou, como Nietzsche revela, de mentir segundo uma conveno slida, mentir em rebanho, em um estilo obrigatrio para todos. A verdade entendida como algo imutvel e constante , para Nietzsche, uma iluso.</p> <p>O homem acredita saber algo das coisas mesmas, mas no possui nada mais do que metforas, que de modo algum captam o fluxo eterno do vir-a-ser. A metafsica no nos d a essncia das coisas, mas um processo demasiado humano: os conceitos fixam e simplificam para permitir a comunicao e o exerccio do clculo e da previso, cujo objetivo conservar e dominar. Portanto, conhecer um processo orgnico para fins de acordo social e de dominao das condies de existncia.</p> <p>1 Doutor em Filosofia - USP. Professor da Graduao e PsGraduao em Filosofia - UNIOESTE. E-mail : wfrezzatti@uol.com.br.</p> <p>1. Segundo Nietzsche a autopreservao uma necessidade natural: a vontade que cada organismo tem de conservar-se em seu ser ou de aumentar o nvel de seus bens. Como o filsofo mostra a conexo entre tal necessidade e o intelecto? A conexo se d pelo fato de o intelecto ser uma arma biolgica do homem para suprir suas necessidades e garantir sua sobrevivncia no ambiente e na prpria sociedade.</p> <p>2. Explique o conceito de representao. As representaes so produtos da atividade mental do homem que simbolizam o mundo e os fenmenos, uma vez que ele no consegue ter acesso direto realidade.</p> <p>3) Com base no conceito de representao, explique a diferena entre fices e falsidades. A diferena entre elas est no fato de que a fico se apresenta como relato fantasioso e a falsidade um discurso que se pretende ser verdadeiro. Ambas so representaes que no possuem uma referncia externa, isto , elas formam discursos, imagens ou signos na conscincia, mas no h nada nelas que possa ser ligado realidade.</p> <p>4) Por que, segundo Nietzsche o homem deseja viver em rebanho? Para evitar o tdio e a solido da existncia. O rebanho a comunidade e o homem se esfora para participar dela porque julga que ali est mais protegido e feliz.</p> <p>5) Por que o homem se esfora para manter o acordo de paz na sociedade? O acordo de paz o esforo para evitar a guerra de todos contra todos. O homem quer evitar essa situao porque sabe que uma hostilidade disseminada gera intranquilidade e mina a chances de obteno de bens. Assim, mesmo que em sua natureza o homem seja egosta, na sociedade ele se submete ao acordo de paz para evitar maiores males.</p> <p>6) Comente sobre a descrio que Nietzsche faz da gnese do conceito de verdade. Segundo Nietzsche, a verdade no brota da essncia dos objetos aos quais ela se refere, mas do acordo e da conveno criados pelos homens. A verdade um recurso lingustico, um conjunto de smbolos e de regras que servem para estabelecer padres de ao e de pensamento.</p> <p>7) Por que Nietzsche diz que o mentiroso faz o no-efetivo parecer efetivo? A mentira se utiliza do mesmo cdigo que se utiliza a verdade, apenas a inverte. O mentiroso quer fazer sua palavra parecer efetiva por meio da afirmao de fatos e propriedades que no so efetivos, quer fazer parecer aquilo que no como se fosse.</p> <p>8) Por que, segundo Nietzsche, os homens no se interessam pela verdade em si? Por que a verdade em si normalmente no traz nenhuma vantagem para os homens. A verdade somente tem interesse na medida em que os homens querem evitar os efeitos do engano e da falsidade. A verdade s interessa ao na medida em que se vislumbra uma consequncia prtica.</p> <p>9. Caracterize o artificialismo da linguagem segundo o texto 05. Nietzsche defende que a linguagem no retrata a realidade, pois um conjunto de smbolos e representaes artificiais. Para que estivesse ao alcance do homem o conhecimento da essncia das coisas seria preciso penetrar no interior dos prprios objetos. Mas como a conscincia conhece por meio de representao e a linguagem arbitrria, o homem se move na vida e no universo como algum que apenas tateia, por fora, os objetos, sem jamais conseguir ver, do ponto de vista de sua conscincia, a essncia deles.</p> <p>Tchau, n!!!</p>