NTC910100-CAIXAS MEDIÇÃO

  • Published on
    27-Jun-2015

  • View
    612

  • Download
    4

Embed Size (px)

Transcript

CCOPEL

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIO E CENTRO DE MEDIO MODULADO (Fabricao em Chapa de Ao Carbono ou Chapa de Alumnio)

NTC 910100

' CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIO Caractersticas bsicas e exigncias mnimas para fabricao 1 . Objetivo Estabelecer os aspectos relativos a caixas metlicas para equipamentos de medio, quanto s condies mnimas para aceitao e as caractersticas construtivas, a serem utilizadas em entradas de servio de unidades consumidoras atendidas na rea de concesso da COPEL. 2 Caractersticas Construtivas 2.1 - Na fabricao das caixas metlicas devero ser empregados materiais e mo-de-obra de primeira qualidade, com as melhores tcnicas disponveis. 2.2 - As caixas podero ser produzidas utilizando-se chapas de ao-carbono ou chapas de alumnio, com a espessura mnima indicada nos respectivos projetos. Caixas produzidas com outros materiais podero ser aceitas desde que a COPEL seja previamente consultada. 2.3 - As caixas devero receber os seguintes tratamentos e acabamentos: a) Caixas fabricadas em chapa de ao-carbono: a.1) Desengraxamento e decapagem ou jato de areia, fosfatizao e uma demo de cromato de zinco com espessura mnima de 25 mcrons. a.2) Pinturas de acabamento interna e externa em tinta sinttica na cor cinza claro com espessura mnima de 50 mcrons. a.3) A critrio da COPEL, podero ser aceitos tratamentos diferentes do especificado. Neste caso, o tratamento proposto dever possuir caractersticas de qualidade igual ou superior ao especificado nesta norma e ser previamente aprovado pela COPEL. b) Caixas fabricadas em chapa de alumnio: Para estas, o fabricante dever especificar o tratamento anticorrosivo empregado, submetido previamente anlise e aprovao da COPEL. 2.4 - Em todas as caixas, no corpo e na tampa, devero ser estampados de forma legvel e indelvel a marca do nome ou logotipo do fabricante e ms e ano de fabricao, em local prprio, conforme indicao nas respectivas NTC. 2.5 - Com exceo das caixas para medio agrupada, as demais caixas padronizadas devero ser construdas seguindo as exigncias mnimas feitas nos itens anteriores, bem como os detalhes construtivos especificados nas respectivas NTC. 3 Aceitao de Caixas Metlicas 3.2 - As irregularidades eventualmente detectadas quanto aos aspectos construtivos ou referentes a fatores de qualidade das caixas aprovadas, devero ser informadas DDI-SED-DNOT 3.3 - As instalaes existentes antes da vigncia desta norma, mesmo para efeito de religao, no ficaro obrigadas a adotar os novos padres, desde que as condies a seguir sejam simultaneamente atendidas: a) Esteja garantida a inviolabilidade das medies. b) Apresentem boas condies tcnicas e de segurana. c) Permaneam inalteradas as caractersticas originais dos dispositivos de proteo (limitao de fornecimento), tais como disjuntores termomagnticos, fusveis, etc. 3.4 - As instalaes existentes antes da vigncia desta norma, que no atenderem s condies do item anterior, devero adotar as caixas padronizadas.

Outubro/2001

SED / DNGO

Reviso: Setembro/2010

Pgina 1

CCOPEL

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIO E CENTRO DE MEDIO MODULADO (Fabricao em Chapa de Ao Carbono ou Chapa de Alumnio)

NTC 910100

CENTRO DE MEDIO MODULADO Instrues para aplicao e instalao 1 Objetivo Orientar sobre as condies gerais para a aplicao e instalao do Centro de Medio Modulado. 2 Composio do CMM O CMM composto basicamente pela utilizao conjunta dos mdulos de medio e de barramento. Excepcionalmente, de acordo com as caractersticas do agrupamento ou com o tipo de aplicao, pode-se utilizar apenas mdulo de medio ou de barramento. As quantidades de mdulos de cada conjunto sero definidas em funo do nmero de unidades consumidoras existente no agrupamento. Os desenhos com os detalhes construtivos dos mdulos so apresentados na NTC 910144. 2.1 - Mdulo para instalao de medidores - NTC 910144 - folha 1/2 Mdulo destinado instalao de at trs medidores e trs disjuntores destinados proteo e medio da energia eltrica fornecida s unidades consumidoras; 2.2 - Mdulo para instalao de barramento - NTC 910144 - folha 2/2 Mdulo destinado instalao do barramento referente s trs fases e o neutro, pertinentes ao fornecimento da energia eltrica ao agrupamento de unidades consumidoras. Conforme a configurao projetada, o disjuntor destinado proteo geral das instalaes poder ser instalado neste mdulo, juntamente com o barramento. Obs.: A NTC 910144 composta de duas pranchas de desenho em formato A1, com os detalhes construtivos do Centro de Medio Modulado. Estes desenhos esto disponveis, em papel, na DDI-SED-DNOT 3 Limites para utilizao do CMM a) Aps o estudo e consequente aplicao dos fatores de demanda sobre as cargas instaladas nas vrias unidades consumidoras do agrupamento, a aplicao do CMM dever obedecer aos seguintes limites: - corrente mxima de circulao no barramento: 400 A - corrente mxima da proteo individual por unidade consumidora: l00 A b) O conjunto composto pela associao de mdulos de medio e de barramento, formando um centro de medio, dever atender s seguintes limitaes: Fases Disjuntor Individual de cada unidade consumidora (A) 50 63 70 50 63 70 50 63 80 (ou 70) 100 Barramento Mdio 18 18 18 18 18 18 18 18 12 12

Monofsico

Bifsico

Trifsico

Curto 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9

Longo 27 24 24 27 24 18 27 24 12 12

4 Caractersticas de Montagem 4.1 Disposio dos Mdulos Na montagem do CMM, o mdulo para barramento dever ser posicionado, preferencialmente, entre os mdulos para medidores, instalados em igual nmero a cada lado. Se o nmero de mdulos para medidores for impar, o maior nmero de mdulos dever ficar do lado direito do mdulo para barramento. Estes so arranjos preferenciais. Outros arranjos podero ser aplicados, se as caractersticas da instalao exigirem. Quando for necessrio instalar o mdulo para barramento na extremidade do conjunto, recomendvel o seu posicionamento na extrema esquerda dos mdulos para medidores. 4.2 Instalao da Proteo geral no Mdulo de Barramento O disjuntor destinado proteo geral do CMM poder ser instalado no mdulo em conjunto com o barramento. Neste caso, em razo da limitao fsica e da dificuldade de instalao e conexo dos condutores, recomendase que a capacidade deste disjuntor seja limitada a 200 A. De acordo com as caractersticas de alimentao do centro de medio, o disjuntor de proteo geral poder ser instalado na parte superior ou inferior do mdulo para barramentoOutubro/2001 SED / DNGO Reviso: Setembro/2010 Pgina 2

CCOPEL

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIO E CENTRO DE MEDIO MODULADO (Fabricao em Chapa de Ao Carbono ou Chapa de Alumnio)

NTC 910100

4.3 Dimensionamento do Barramento Capacidades de corrente e dimenses das barras de cobre de seo retangular do barramento do CMM. Seo Transversal em milmetros 25,4 25,4 30,48 38,1 x x x x 2,38 3,18 4,77 6,35 em polegadas 1 x 3/32 1 x 1/8 1 1/4 x 3/16 1 1/2 x 1/4 Corrente 170 A 250 A 340 A 440 A

4.4 Montagem do Barramento Tipos de barramento: longo, mdio e curto. O tipo do barramento ser escolhido em funo do nmero de medies a serem ligadas ao CMM e da alternativa adotada quanto instalao, ou no, da proteo geral no mdulo junto ao barramento. O barramento ser montado em estruturas e isoladores prprios para este fim. Montagem do barramento: Longo: montado em 4 conjuntos de isoladores (proteo geral instalada em outro local/caixa) Mdio: montado em 3 conjuntos de isoladores (proteo geral pode ser instalada neste mdulo) Curto: montado em 2 conjuntos de isoladores (proteo geral pode ser instalada neste mdulo)

Barramento Curto

Barramento Mdio

Barramento Longo

4.5 Conexes dos condutores ao barramento Quando for utilizado condutor de seo igual a 10 mm, a conexo poder ser efetuada atravs de olhal executado no prprio condutor. Para a conexo de condutores com seo superior a 10 mm, necessria a utilizao de terminal tipo olhal. As conexes devero ser feitas com parafusos, porcas e arruelas de lato ou de ao bicromatizado, cabea sextavada, dimetro 6 mm, comprimento 20 mm.

Outubro/2001

SED / DNGO

Reviso: Setembro/2010

Pgina 3

CCOPEL

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIO E CENTRO DE MEDIO MODULADO (Fabricao em Chapa de Ao Carbono ou Chapa de Alumnio)

NTC 910100

4.6 Alimentao do Mdulo para Barramento 4.6.1 - Com proteo geral. Suporte do disjuntor fixado na parte superior e o barramento mdio ou curto na parte inferior, ou vice-versa. 4.6.2 - Sem proteo geral Retirar o suporte do disjuntor e montar o barramento de acordo com leiaute da instalao. As alteraes de montagens do barramento (curto, mdio ou longo) e do suporte de fixao do disjuntor devero ser possveis, de acordo com as orientaes construtivas da NTC 910144. 5 - Aquisio dos Centros de Medio Modulados Os mdulos para instalao de barramento, para a instalao de medidores e o barramento podero ser adquiridos separadamente, oriundos de fabricantes cadastrados. 6 Dimenses externas dos Mdulos

Outubro/2001

SED / DNGO

Reviso: Setembro/2010

Pgina 4

CCOPEL

CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIO E CENTRO DE MEDIO MODULADO (Fabricao em Chapa de Ao Carbono ou Chapa de Alumnio)

NTC 910100

TABELA 1 GRUPOS DE CAIXAS DESCRIO Caixa para Medidor Monofsico MEDIO M UNIDADE E D I D O R MEDIES AGRUPADAS ISOLADA CONSUMIDORA Caixa para medidor Polifsico (ES at 100 A) Caixa para Medidor Polifsico (ES at 200 A) Caixa para Medio, Proteo e TCs at 600 - 5 A (Caixa H alternativa para TCS at 300 A) Caixa para medio e Proteo at 200 A Caixa para Medidor Polifsico Instalao em Muro Frontal Caixa para Disjuntor e Medidor Polifsico at 200 A Instalao convencional ou muro/parede frontal Caixas geminadas Centro de medio Modulado (mdulo p/ medidores e mdulo para barramento) Caixa para TCs at 300 5A TRANSFORMADOR DE Caixa para TCs at 800 - 5 A (Nota 4) CORRENTE Caixa para TCs at 3000 - 5 A Secc