O Evangelizador 157 - Fevereiro 2012

  • Published on
    26-Mar-2016

  • View
    219

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Transcript

  • e-mails: sbenedito@dj.org.br / pascomsaobenedito@dj.org.br

    Diretor Responsvel: Pe. Marcilio GragefeJornalista Responsvel: Valdir Lbero - MTB 20.420Produo: Pastoral da Comunicao Social Reviso: Dicono Jos Carlos Pascoal - Colaborao: Cidinha Dalla VecchiaBia D. V. Alves / Maria Anglica Gonalves / Claudimara Torres / Evelyn Pacheco e Andr Luis SantosTiragem: 1.500 exemplares / Diagramao e Impresso: Grafsalto.

    O EvangelizadorE X P E D I E N T E D O R G O I N F O R M AT I V O D A PA R Q U I A S O B E N E D I TO

    N 1 5 7D I O C E S E D E J U N D I A S A L T O / S P / F E V E R E I R O2 0 1 2 A N O 1 3

    E d i t o r i a l 2O Evangelizador

    A Quaresma o dade, a atitude mais lgica a

    caminho que nos leva ao da fraternidade e da soli-

    encontro do crucificado dariedade, papel este que a

    ressuscitado, caminho, mu- Pastoral da Sade tem feito

    dana de vida, transformao. muito bem, um trabalho

    A orao o jejum e a esmola solidrio e contnuo de in-

    indicam o processo de abertura meros voluntrios na promoo

    necessria para sermos tocados de aes bsicas de sade, e a

    pela grandeza da vida nova que CF 2012 vem reavivar e

    fortalecer essa pastoral que nasce da cruz e da ressurreio.

    CF 2012 atravs da Ao Evangelizadora A no s

    impulsiona a refletir sobre a possam cada vez mais ir ao

    realidade da Sade no Brasil em encontro dos doentes, atender

    vista de uma vida saudvel, aos anseios do corpo e da alma.

    suscitando a esprito fraterno e A Pastoral da Sade de

    comunitrio das pessoas na nossa Parquia em conjunto

    ateno aos enfermos e com a Critas Interparoquial de

    mobilizar por melhoria no Salto, estar participando das

    sistema pblico de sade, mesas redondas j pro-

    preciso acompanhar as aes gramadas e promovero cursos

    da gesto pblica e exigir a S A B O R N A M E D I DA

    CERTA, voltados para a sade aplicao dos recursos pblicos

    em parceria com o SESI, com transparncia, espe-

    visando orientar e capacitar cialmente na sade. A vida, a

    agentes pastorais, familiares e sade e a doena so rea-

    doentes na alimentao correta lidades profundas, envoltas em

    para Obesos, diabticos, mistrios. Diante delas, as

    Hipertensos e com colesterol cincias no se encontram em

    alterado, bem como diversas condies de oferecer uma

    orientaes para a Sade. A palavra definitiva, mesmo com

    sade um processo Har-todo o aparato tecnolgico hoje

    monioso de bem estar fsico, disponvel, assim as enfer-

    psquico, social e espiritual, midades, o sofrimento e a morte

    portanto a vida saudvel requer apresentamse como rea-

    harmonia entre o corpo e o lidades duras de serem en-

    esprito, nesse sentido entende-frentadas e contrariam os

    se que a sade uma condio anseios de vida e bemestar do

    essencial para o desen-ser humano. A experincia da

    volvimento pessoal e co-doena mostra que somos

    munitrio.frgeis, sabemos que ningum

    Toda pessoa tem direito ao escolhe ficar doente, a doena

    atendimento humanizado e se impe. A doena tambm

    acolhedor real izado por um apelo fraternidade e a

    profissionais qualificados, em igualdade, pois no discrimina

    ambiente limpo, confortvel e ningum.

    acessvel a todos.Diante de tal reali-

    SUA RE E E LIGA COM A C FLD D O P

    REDE fc li CPFL

    www.saltoluz.com.br

    Rua Prudente de Moraes, 750 - SALTONOVO TELEFONE - Fone: 11 4028-9640

    Campanha da Fraternidade 2012

    Claudimara Santa Rosa Torres - Pascom So Benedito

    D cada um conforme o impulso do seu corao,

    sem tristeza nem constrangimento. Deus ama o que d

    com alegria. Poderoso Deus para cumular-vos com

    toda a espcie de benefcios, para que tendo sempre e

    em todas as coisas o necessrio, vos sobre ainda muito

    para toda espcie de boas obras. Como est escrito:

    Espalhou, deu aos pobres, a sua justia subsiste para

    sempre (Sl 111,9). (2 Cor 9, 7-9)

    Faz parte de cada um de ns, mesmo sem querer, buscar

    benefcios ou favores sempre que fazemos caridade ou algo de

    bom. A cultura do dar e receber incutida dentro de cada um

    de ns de maneira tal que, involuntariamente, tendemos a ajudar

    ou oferecer ajuda a quem de alguma maneira possa nos retribuir.

    Damos esperando receber algo em troca. O dar se torna assim,

    um ato mecnico e calculado sado da nossa mente e no do

    nosso corao, como nos ensina o Senhor Jesus.

    Dar com alegria dar sem desprendimento, sem buscar

    algo em troca, com o corao aberto. Por isso quando fazemos a

    experincia de nos tornarmos dizimistas devolvendo a Deus uma

    parte de tudo aquilo que Ele nos d sentimos verdadeiramente

    uma alegria intensa e inexplicvel, vindas da verdadeira Fonte.

    Posso dizer por experincia prpria que o dizimo no faz

    falta nenhuma no oramento domstico. Pelo contrrio. A alegria

    de ajudar, de dividir, faz que o pouco se multiplique e com certeza,

    o Senhor nos cumula de bnos e graas, pois conhece o nosso

    corao. No se trata de uma troca ou busca de benefcio. Trata-

    se de dom de Deus. Dom gratuito derramado do corao

    misericordioso de Deus.

    DZIMO COMO RETRIBUIO

    Antonio Carlos da S. Lorenon - Comunidade So Jos Operrio

    O proco Padre Teresinha, Santo Incio de

    Marclio Gragefe apresentou Loyola, Divino Esprito Santo e

    ao Conse lho da Ao Santana e So Joaquim,

    Evangelizador e s Comu- celebrao com imposio

    nidades a programao da das cinzas as 19h30.

    Quarta-Feira de Cinzas na Nessas celebraes

    Parquia So Benedito. Na haver o lanamento da

    Matriz, haver celebrao com Campanha da Fraternidade

    imposio das cinzas s 16h e de 2012, com o envio das

    19h30. Nas Comunidades equipes dos Grupos de

    So Jos Operrio, Santa Reflexo nas casas.

    Celebraes de Cinzas na Parquia

  • A r t i g o 3O Evangelizador

    CIRURGIES DENTISTAS

    Dra. Susana M. V. S. BarbosaO D O N T O P E D I A T R I A

    R u a I t a p i r , 3 8 3 - C e n t r o - S a l t o - Te l . : ( 1 1 ) 4 0 2 8 - 0 1 0 5

    Dra Carolina Silveira BarbosaC L N I C A G E R A L

    ARTIGO DO MS: EM QUE VOC ACREDITA?

    CULOS - JIAS - RELGIOS

    Rua 9 de Julho, 198 - Centro - CEP 13320-000 - Salto/SPFone: (11) 4029-1046

    Lojas Plaza Shopping (Itu) e Polo Shopping (Indaiatuba)

    O mundo de hoje vive num pluralismo religioso. O Igrejas. As crises esto provocando maior procura pelas coisas mercado das religies muito grande. Contradizendo as de f.previses que apontavam que no novo milnio o atesmo iria Mas as crises so benficas e saudveis, porque nos imperar no mundo dominado cada dia mais pelas tcnicas desinstala e amadurece, porque a na nossa fraqueza que modernas de comunicao, o avano extraordinrio da Deus se manifesta. Isto j experimentou So Paulo, que diz que medicina, o aumento do nvel de escolaridade das pessoas, a quando se fraco que forte, porque deixa de lutar com as rapidez dos meios de transporte, etc. prprias foras e se abandona na providncia de Deus. Mas,

    Embora no censo do ano 2000, 95% dos brasileiros muito importante, que no busquemos nossa f em outros diziam acreditar em Deus, includos a pessoas de todas as lugares, porque a mesma pesquisa mostra que h uma religies, de todas as classes sociais, todos os nveis de estudo, expectativa mgica em relao a Deus, uma religiosidade pag, de trabalhos, de regies do Brasil desde as mais pobres at as de promessas, oferendas, espritos, feitiarias, horscopos, mais abastadas. O que vemos uma demanda na busca de simpatias ou gestos como bater na madeira, etc., e que somente Deus, do sagrado, a religiosidade aflora na vida das pessoas 58,2% dos brasileiros acreditam na vida aps a morte.porque ela precisa explicar, entender os graves problemas de A ns que fomos chamados a ser cristo dentro da ordem social e pessoal que atingem o nosso pas: a falta do Igreja Catlica Apostlica Romana, nosso dever corresponder sentido para a vida, (mata-se por qualquer motivo, deixa-se a esse chamado professando a nossa f com o credo em um matar pelas drogas), a desigualdade social, a corrupo no nico Deus verdadeiro, tambm em seu filho Jesus Cristo que meio poltico, os sinais de pane na natureza e no clima, com a nasceu da Virgem Maria, que morreu na cruz pelos nossos destruio do meio ambiente; a degradao da vida.Tudo isso pecados (embora o mundo diga que no existe pecado), que associado a violncia, a misria, as doenas e ao desemprego, ressuscitou dos mortos e est vivo junto do Pai e que nos aguarda deixam as pessoas em crise e as leva a buscarem socorro, na Vida Eterna.consolo e esperana em qualquer lugar, dentro ou fora da

    Antonia I. A. LeopoldinoComunidade 1 do Caminho Neocatecumenal

    Grande nmero de agentes de pastorais de todas as comunidades participou da reunio de formao e apresentao da Campanha da Fraternidade de 2012, que tem como tema Fraternidade e Sade Pblica, no dia 06 de fevereiro, s 19h30, no Salo Dom Gabriel do Centro Comunitrio So Benedito.

    A acolhida e orao inicial foi feita pelo proco Padre Marclio Gragefe, que demonstrou toda a sua alegria pela grande participao. Cristo no tem comodismo, por isso vocs esto aqui. Cristo tem paz. A sade que precisamos dada pela paz, disse. A apresentao foi feita pelo Padre Edmilson de Abreu Silva, que fez uma introduo do tema e depois apresentou o vdeo institucional da CF 2012. O vdeo composto de cinco partes: Introduo; Histrico da sade no Brasil; SUS (Sistema nico de Sade); Sade e preveno; Igreja e Sade. Destaque-se uma frase da apresentao: O Brasil tem 60 milhes de brasileiros excludos. O desafio trazer de volta esses brasileiros para o Brasil, isto , dando condio sci