O MISTICISMO DE HENRI BERGSON - UFSJ | ?· O misticismo de Henri Bergson - 3 - “Existência e Arte”…

  • Published on
    03-Aug-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • Existncia e Arte - Revista Eletrnica do Grupo PET - Cincias Humanas, Esttica e Artes da Universidade Federal de So Joo Del-Rei - Ano II - Nmero II janeiro a dezembro de 2006

    O MISTICISMO DE HENRI BERGSON

    Marcilene Aparecida Severino Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientador: Prof. Dr. Adelmo Jos da Silva DFIME / UFSJ Co-orientadora: Profa. Dra. Glria Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora do Grupo PET Filosofia)

    Resumo: O presente trabalho tem origem nos resultados parciais da pesquisa intitulada A

    viso bergsoniana acerca do misticismo e visa explicitar o que Brgson chama de misticismo da

    ao, considerado por esse autor o tipo de misticismo completo.

    Palavras-chave: Misticismo, ao, Deus.

    alar de misticismo falar de um fenmeno universal que ultrapassa toda

    forma de religio e que faz uma ligao imediata com Deus. Mas qual o significado desta

    palavra?

    A palavra mstica originada do adjetivo grego mystrion. Mistrio uma palavra que

    abarca vrios significados, mas, no senso comum associada a ocorrncia de vises ou

    audies inexplicveis e tambm compreendida como tudo aquilo que a inteligncia

    humana incapaz de explicar ou compreender. Na Antigidade, a Igreja compreendia a

    palavra mistrio como sinnimo de sacramento, ou seja, termo que se destina ao plano de

    eternidade divina, de salvao dos homens e de libertao das criaturas.

    O filsofo francs Henri Bergson, concebe o misticismo como contraposio ao

    cientificismo, evolucionismo, materialismo e pragmatismo. V na metafsica uma forma que

    leva ao conhecimento interior da realidade, ou seja, do conhecimento do esprito pelo

    esprito. Segundo Bergson, o misticismo se d quando um indivduo rompe com a

    sociedade fechada e se coloca a servio de toda humanidade criando assim a sociedade

    aberta. O primeiro tipo de sociedade consiste numa sociedade regida pela obrigao

    moral. Tal obrigao no tem sua essncia na razo, mas no instinto natural humano para

    viver em sociedade. Essa obrigao oriunda da presso social tem como principal objetivo

    garantir a coeso de um grupo atravs de normas rgidas que levem os indivduos a

    sentirem medo e sarem em busca de proteo e segurana fora de si. Acabam por

    encontrar refgio na religio, sendo a mesma formada nos ditames da sociedade fechada

    e baseada no fetichismo, no medo, na punio e na instabilidade. A este tipo de religio

    d-se o nome de religio esttica.

    F

  • Marcilene Aparecida Severino

    - 2 -

    Existncia e Arte - Revista Eletrnica do Grupo PET - Cincias Humanas, Esttica e Artes da Universidade Federal de So Joo Del-Rei - Ano II - Nmero II janeiro a dezembro de 2006

    Ao segundo tipo de sociedade Bergson denomina sociedade aberta. Trata-se de uma

    sociedade onde alguns indivduos do primeiro tipo de sociedade so tomados por um

    impulso avassalador que os leva a romper com o sistema pr- estabelecido. Consoante

    Bergson, este impulso no propriamente Deus, mas um arrebatamento sbito que

    movimenta tudo para frente. o responsvel pela evoluo do universo e de tudo que o

    compe. Os indivduos tocados pelo impulso vital so os agentes criadores que

    transcendem limites e propiciam o desenvolvimento e progresso humano.

    As aes na sociedade aberta no so pautadas num imperativo categrico de ordem

    racional, pois os indivduos gozam de uma liberdade de escolha. A ao tambm no

    realizada por um ato racional, mas por um estremecimento afetivo da alma chamado de

    emoo criadora. Surge ento a religio desta sociedade, que a religio dinmica

    postulada num amor gape. Amor este transcendente, voltado principalmente para a

    humanidade e tudo que compe o universo. Na verdade, Bergson no considera coerente

    usar o termo religio para designar duas coisas estruturadas to diferentemente que so a

    religio esttica e a religio dinmica. Prefere chamar de misticismo ao segundo tipo de

    manifestao.

    Apesar de no ignorar a existncia de outros misticismos, Bergson se atm a trs tipos

    principais: o misticismo grego, o misticismo oriental e o misticismo cristo. Dentre estes,

    expressa uma admirao especial pelo misticismo cristo. Esta admirao se d pelo fato

    de Bergson considerar os outros misticismos incompletos.

    O misticismo grego aquele que se deteve no xtase. Este estado de contemplao mexe

    com as profundezas da alma e a retira de seu estado de acomodao fazendo-a atingir a

    conscincia. o xtase que faz com que a alma experimente, ou concede ela a iluso

    de experimentar a presena de Deus. Quando o xtase termina, a alma se acha sozinha e

    s vezes desolada. Para que o misticismo grego fosse considerado pleno ele teria que ir

    alm da contemplao, o que no aconteceu porque os gregos permaneceram fiis ao

    intelectualismo.

    O misticismo oriental (antigo) tambm se deu no xtase. Bergson toma como referncia a

    ndia antiga, antes de sofrer influncia da civilizao oriental. O misticismo oriental

    conseguiu ir alm do misticismo grego, mas o impulso ainda foi insuficiente. A caridade

    existiu mas no se deu como a doao necessria. Era recomendada em tons de

    elevao, como um meio de alcanar benefcios divinos. O bramanismo, que

    posteriormente foi substitudo pelo budismo, pregava que a renncia levaria uma

    libertao. Essa renncia consistia em deixar-se absorver no todo como em si mesmo.

  • O misticismo de Henri Bergson

    - 3 -

    Existncia e Arte - Revista Eletrnica do Grupo PET - Cincias Humanas, Esttica e Artes da Universidade Federal de So Joo Del-Rei - Ano II - Nmero II janeiro a dezembro de 2006

    Com a chegada do budismo, a nova doutrina adquiriu mais sabedoria e misticidade. Os

    ensinamentos de Buda levavam ao nirvana, ao nada querer, onde o desejo suprimido

    durante a vida e o carma durante a morte. O budismo um misticismo na medida que sua

    experincia possui semelhana com o xtase, onde a alma se identifica com o impulso

    criador e s teria falhado por desprender-se da vida humana sem alcanar a vida divina.

    No que a caridade tenha faltado no budismo, mas faltou a crena na eficcia da ao

    humana. Porm os misticismos posteriores que surgiram na ndia vieram repletos de uma

    caridade fervorosa, semelhante ao misticismo cristo. Os misticismos que se detm no

    xtase tambm falham pela necessidade de ir ensinar ao mundo que h algo alm do que

    percebido pelos olhos e que s se percebe pela experincia. Mas, os meios que utilizam,

    para convencer aos demais so apenas palavras, portanto, utilizam um mtodo

    insuficiente.

    O misticismo cristo considerado completo porque formado por ao, criao e amor.

    Mas a preferncia de Bergson por este misticismo no se d pelo fato do cristianismo, nem

    porque estes msticos professam uma f crist. Este fato apenas um mero detalhe. O

    motivo de admirao se d porque estes msticos superam suas limitaes humanas e

    possuem uma grande evoluo interior onde suas aes demonstram um

    comprometimento e amor pela humanidade. Bergson cita como exemplo destes msticos

    So Francisco de Assis, So Paulo, Joana Darc e outros. Essas pessoas no pouparam

    esforos para se dedicarem humanidade. Amavam incondicionalmente e tinham total

    confiana na fonte da qual brotava este amor.

    A experincia vivida pelos msticos cristos demonstra no s a probabilidade das

    concepes relativas origem do lan vital, como tambm a afirmao da existncia de

    Deus, que no se pode provar com argumentos lgicos. Os msticos ensinam tambm que

    Deus o amor, e nada impede que os filsofos, cientistas, artistas desenvolvam a idia,

    sugerida por eles, de o mundo ser um aspecto palpvel deste amor.

    No decorrer de nossa pesquisa pudemos perceber a aproximao no que diz respeito a

    preferncia pelo misticismo da ao com um mstico e monge dominicano que era adepto

    da teologia negativa. Seu nome Johanes Eckhart ou mais conhecido mestre Eckhart. No

    entanto, at o presente momento no encontramos nenhuma meno dirigida Eckhart

    feita por Bergson. O prprio Eckhart possui as caractersticas que Bergson considera

    plenas para um mstico. A temtica da mstica eckartiniana a ao, e sua vida foi

    coerente com o que pregava. O perodo que o mestre morou na Alemanha, foi um dos

    perodos mais turbulentos da histria daquele pas. Ocorriam terremotos, peste negra,

    enfim, crises religiosas, polticas e ideolgicas. Porm Eckhart no se abalava, pois sua

  • Marcilene Aparecida Severino

    - 4 -

    Existncia e Arte - Revista Eletrnica do Grupo PET - Cincias Humanas, Esttica e Artes da Universidade Federal de So Joo Del-Rei - Ano II - Nmero II janeiro a dezembro de 2006

    mstica era dinmica e livre para atuar no mundo. O mestre foi um dos primeiros

    difundidores da lngua alem. Alm de seus sermes serem realizados em latim como era

    de costume, tambm eram feitos na lngua alem e direcionados s classes inferiores.

    Exerceu vrios cargos como professor, vigrio, prior e assumiu funes administrativas

    diversas. Sempre viajou por longas distncias e fundou vrios conventos de irmos e

    irms.

    A mstica que foi vivida por Eckhart no era aquela que expressa a experincia de xtase,

    embora concorde que possa ocorrer, mas uma mstica dinmica, cujo objetivo a

    libertao dos oprimidos e o encontro com Deus em todos os momentos e ocasies deste

    mundo. Eckhart acredita que este encontro com Deus se d no somente quando estamos

    voltados para Deus, pois a existe nossa vontade, e para que Deus se faa presente

    devemos estar vazio de nosso querer. O cotidiano o que mais nos coloca prximos de

    Deus, pois enquanto estamos ocupados com nossos afazeres deixamos nossa alma vazia

    e disponvel para que Deus entre. Em um de seus sermes, Eckhart defende sua

    preferncia pela ao contemplao. Este sermo o de nmero 86 e intitulado A

    excelncia de Marta sobre Maria. Foi extrado de uma passagem do evangelho de So

    Lucas, que relata o comportamento de duas irms ao receberem em sua casa a visita de

    Jesus. A passagem a seguinte:

    Estando em viagem, Jesus entrou num povoado, e certa mulher, chamada Marta, recebeu-o em sua casa. Sua irm, Maria, ficou sentada aos ps do senhor, escutando-lhe a palavra. Marta estava ocupada pelo muito servio. Parando, por fim, disse: Senhor, a ti no importa que minha irm me deixe assim sozinha a fazer todo o servio? Diz-lhe, pois, que me ajude. O Senhor, porm, respondeu: Marta, Marta, tu te inquietas e te agitas por muitas coisas; no entanto, pouca coisa necessria, at mesmo uma s. Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que no lhe ser tirada.1

    O que surpreende na interpretao que Eckhart faz deste sermo que ele contraria as

    convencionais pregaes feitas por religiosos que enaltecem a postura contemplativa de

    Maria. O mestre prefere Marta, pois enquanto ela agia, seu subjetivismo era anulado, pelo

    motivo dela no se perguntar pelo por que do fazer, apenas fazia. Assim seu ser estava

    vazio de si e livre para acolher a Deus. A ao do cotidiano pode ser um caminho que nos

    leva mais rapidamente a Deus. Porm, vai depender do tipo de envolvimento que temos

    com as coisas. Estas, no devem estar dentro de ns, mas junto a ns. Nossa ao no

    pode ser orientada por nossos interesses particulares, mas deve ser uma ao livre, de

    total desprendimento e disponibilidade. Na medida em que nos ocupamos com as coisas,

    deixamos nossa alma livre de nossa vontade e neste momento Deus se faz presente.

    1 LC.10,38-40. Bblia de Jerusalm.

  • O misticismo de Henri Bergson

    - 5 -

    Existncia e Arte - Revista Eletrnica do Grupo PET - Cincias Humanas, Esttica e Artes da Universidade Federal de So Joo Del-Rei - Ano II - Nmero II janeiro a dezembro de 2006

    J no caso de Maria, sua ateno estava voltada para Deus e neste caso no se punha

    totalmente disponvel, pois sua vontade de ser preenchida com as palavras de Jesus

    estava presente. Ao sentar-se diante de Jesus, Maria permanecia em um estado

    contemplativo. Sentia sua alma presa ao senhor, um desejo inexplicvel de obter algo sem

    saber o que era e tambm era docemente acalentada pelas palavras de Jesus. Talvez o

    motivo que levou Maria a permanecer ali fosse o doce sentimento que tomava conta de

    seu ser, mais que o aproveitamento espiritual, explica Eckhart.

    O que nos permite aproximar Bergson do mestre que ambos apesar de serem separados

    por mais de seis sculos, possuem a mesma concepo de misticismo. No consideram

    que o mstico verdadeiro seja aquele que encontre a paz e que consegue se unir a Deus

    enquanto o mundo sofre por situaes aniquiladoras, mas sim aquele que enxerga Deus

    em toda parte do mundo e no interior de cada criatura. Vale ressaltar que a postura

    pantesta no cabe para Eckhart. Apenas Bergson pode ser enquadrado no pantesmo. J

    em Eckhart isto no se confirma porque para ele em momento algum Deus deixa de ser

    ele mesmo. Deus se triparte sem perder sua essncia.

    Diante de tudo que foi exposto anteriormente, nos dado colocar a seguinte questo: O

    que Bergson e Eckhart prope com o misticismo da ao?

    Ao voltarmos nosso olhar para a histria dos grandes msticos, veremos que quando um

    indivduo permite ser tocado pelo impulso vital ou aquele que deixa sua alma disponvel

    para Deus, impulsionado a atuar em seu meio e a colaborar para solucionar as crises de

    seu tempo. Chamamos aqui de grandes msticos todos aqueles que contribuem para o

    progresso geral da humanidade e progresso o desenvolvimento do homem em condio

    humana.

    O que seria do mundo sem Jesus Cristo e Madre Teresa de Calcut, por exemplo ?

    Com esta indagao chegamos ao ponto chave do misticismo bergsoniano. A grande

    funo do mstico contagiar ao demais pelo seu agir moral. So eles os exemplos que a

    humanidade necessita para basear suas aes. No se trata de um agir guiado pela razo

    como props Kant, mas um agir guiado pela emoo. Ao propor um modelo de ao

    moral, Bergson se ope totalmente a Kant. De acordo com esse ltimo filsofo, o exemplo

    jamais poder ser o que nos d o conceito de moralidade.

    O pior que se pode fazer moralidade querer deduzi- la de certos exemplos. Porque qualquer exemplo que se me apresente dela tem que ser, por sua vez, previamente julgado, segundo princpios da moralidade para saber se digno de

  • Marcilene Aparecida Severino

    - 6 -

    Existncia e Arte - Revista Eletrnica do Grupo PET - Cincias Humanas, Esttica e Artes da Universidade Federal de So Joo Del-Rei - Ano II - Nmero II janeiro a dezembro de 2006

    servir de exemplo originrio, isto , de modelo, e o exemplo no pode, de maneira alguma, ser o que nos proporcione o conceito da moralidade.2

    Mas para Bergson, o agir moral dos grandes msticos pode e deve servir de exemplo. Os

    msticos possuem uma emoo criadora e por isso so geradores de novas idias,

    aceitam novos desafios e nos chamam a ateno pela dedicao e amor causa por eles

    defendida. Eles no ordenam, apenas convidam. Este convite se d de forma a chamar

    nossa ateno por nosso estado de comodismo e descomprometimento perante as

    desmazelas do mundo. Mas este convite no se d de forma uniforme. Todos os seres

    humanos podem ser impulsionados a ser exemplos porque todos ns possumos essa

    emoo criadora. Porm somente em alguns que ela se manifesta plenamente.

    Os msticos so semeadores de utopia, to necessria aos seres que no so feitos

    somente de razo. O misticismo preferido por Bergson uma utopia necessria. um

    misticismo que tem como funo contagiar a humanidade por seu dinamismo e exemplo e

    que leve o homem a se reconhecer como um ser de constante transformao. O exemplo

    de vida tica do mstico da ao, mostra que possvel construir um mundo onde todos os

    homens se reconheam como seres chamados vida e responsveis por seus sucessos e

    fracassos. Faz com que o homem se veja como um ser gerador da histria e que est

    inserido num mundo inacabado e de variadas possibilidades. Assim, a utopia proposta

    pelo misticismo de Bergson permite ao homem sonhar com um mundo onde a dignidade

    humana seja respeitada, mas para que esse sonho seja concretizado necessrio que

    cada um cumpra seu dever no s de cidado, mas de ser humano.

    Referncias Bibliogrficas BERGSON, Henri. As duas fontes da moral e da religio. Traduo por Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 1978. ECKHART, Mestre. O Livro da divina consolao e outros textos seletos. 2 edio. Vozes. Petrpolis, 1991. JOLY, douard Le. Madre Teresa de Calcut. Traduo por Elzon Lenardon 2 edio. Difel Rio de Janeiro, 1980. KANT, Emmanuel. Fundamentos da metafsica dos costumes. Traduo por Lourival de Queiroz Henkel) Rio de Janeiro: Brasil Editora. 1967. RIBEIRO. Glria Maria Ferreira. O jogo do tempo: fundamento e liberdade no pensamento de Martin Heidegger. Tese de doutorado em filosofia. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999. SILVA, Adelmo Jos. A relao entre a moral e o misticismo em Henri Bergson. Tese de doutorado em Filosofia. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho, 2001.

    2 KANT. 1967, p.62