Palestras diárias - DDS

  • Published on
    30-Dec-2015

  • View
    19

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

NDICE

DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANA E MEIO AMBIENTE.

DIARIO DE PALESTRAS DE 5 MINUTOS SOBRE

SAUDE, SEGURANA, QUALIDADE E

MEIO AMBIENTEINDCE

PALESTRA 01 - POEIRA

PALESTRA 02 - CULOS DE SEGURANA

PALESTRA 03 - MINI PERNEIRA

PALESTRA 04 - AR COMPRIMIDO

PALESTRA 05 - PROTEO RESPIRATRIA

PALESTRA 06 - CONDIES PERIGOSAS MAARICOS

PALESTRA 07 - EFEITOS DO RUDO NO SISTEMA AUDITIVO

PALESTRA 08 - O CONTROLE DO RUDO.

PALESTRA 09 - A ILUMINAO NO MEIO AMBIENTE.

PALESTRA 10 - AERODISPERSIDES NO MEIO AMBIENTE PALESTRA 11 - LEVANTAMENTO DE PESO E TRANS. DE OBJETOS MANUALMENTE

PALESTRA 12 - CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL - TQC

PALESTRA 13 - VAPORES EM TOXICOLOGIA

PALESTRA 14 - LEVANTAMENTO DE PESO E TRANS. DE OBJETOS MANUALMENTE

PALESTRA 15 - TRANSPORTE E ELEVAO DE CARGAS

PALESTRA 16 - MANUSEIO/TRANSPORTE/ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUMICOS

PALESTRA 17 - VAPORES - AGENTE QUMICO

PALESTRA 18 - GASES EM TOXICOLOGIA

PALESTRA 19 - ATIVIDADE FSICA

PALESTRA 20 POEIRA - HIGIENE INDUSTRIAL

PALESTRA 21 - RUDO

PALESTRA 22 - LEGISLAO AMBIENTAL

PALESTRA 23 - UNIDADES DE CONSERVAO

PALESTRA 24 - RECICLAGEM DE RESDUOS

PALESTRA 25 - RESDUOS INDUSTRIAIS

PALESTRA 26 - PRODUTOS E CLIENTES

PALESTRA 27 - PRODUTIVIDADE E SOBREVIVNCIA

PALESTRA 28 - SEGURANA NO LAR

PALESTRA 29 - DIAS DE DESCANSO

PALESTRA 30 - PRESENTES DE NATAL

PALESTRA 31 - PRESENTES DE NATAL

PALESTRA 32 - CUIDADOS COM A PELE

PALESTRA 33 - LIMPEZA DAS MOS

PALESTRA 34 - A SADE

PALESTRA 35 - COLUNA VERTEBRAL

PALESTRA 36 - PROTEO DOS PULMES

PALESTRA 37 - HOJE NO O MESMO QUE ONTEM

PALESTRA 38 - TODOS DEVEMOS PREOCUPAR-NOS PELA PREV. DE ACIDENTES

PALESTRA 39 - OS INCIDENTES SO ADVERTNCIA

PALESTRA 40 - NINGUM DESEJA CULPAR NINGUM

PALESTRA 41 - OFICINA LIMPA UMA OFICINA SEGURA

PALESTRA 42 - ARRUMAO, LIMPEZA E ORDENAO SO BONS HABITOS.

PALESTRA 43 - FIQUE ATENTO A VIDRO QUEBRADO

PALESTRA 44 - PREPARAO DE REAS SEGURAS

PALESTRA 45 - ESTEJA ALERTA AOS RISCOS COM BATERIAS

PALESTRA 46 - LUBRIFICAO E REPAROS

PALESTRA 47 - ACIDENTES PODEM ACONTECER EM QUALQUER LUGAR

PALESTRA 48 - IGNIO ESPONTNEA

PALESTRA 49 - RECIPIENTE: LQUIDOS INFLAMVEIS

PALESTRA 50 - SOLVENTES INFLAMVEIS COMO MANUSEAR

PALESTRA 51 - COMO PODEMOS PREVENIR INCNDIO

PALESTRA 52 - PROCEDIMENTOS CORRETOS PARA REABASTECIMENTO

PALESTRA 53 - DEZ MANEIRAS PARA CONVIVER COM GASOLINA

PALESTRA 54 - LIMPEZA DE TAMBORES

PALESTRA 55 - POEIRA EXPLOSIVA

PALESTRA 56 - RECIPIENTES DE SEGURANA

PALESTRA 57 - FUJA DE INCNDIOS... ONDE QUER QUE VOC ESTEJA

PALESTRA 58 - E A RESPEITO DE PEQUENOS FERIMENTOS?

PALESTRA 59 - PRIMEIROS SOCORROS PARA OS OLHOS

PALESTRA 60 - ESTEJA PREPARADO PARA SALVAR UMA VIDA COM PRIMEIROS SOCORROS EM CASOS DE ESTADO DE CHOQUE

PALESTRA 61 - EXPOSIO A SUBSTNCIAS POTENCIALMENTE PREJUDICIAIS SADE OU PERIGOSAS

PALESTRA 62 - AREJE OS GASES DE EXAUSTO

PALESTRA 63 - SOLVENTES COMUNS

PALESTRA 64 - CIDOS

PALESTRA 65 - ATERRAMENTOS POR PRECAUO

PALESTRA 66 - CABOS DE EXTENSO

PALESTRA 67 - CHOQUE ELTRICO

PALESTRA 68 - EQUIPAMENTOS DE PROTEO

PALESTRA 69 - PROTEO DAS MOS

PALESTRA 70 - PROTEO PARA OS OLHOS

PALESTRA 71 - COMPETIO PARA CABEAS DURAS

PALESTRA 72 - O VALOR DO CAPACETE DE SEGURANA J FOI APROVADO

PALESTRA 73 - LESES NAS COSTAS

PALESTRA 74 - MANUSEIE CARGAS COM SEGURANA

PALESTRA 75 - CARRINHOS DE MO

PALESTRA 76 - EMPILHADEIRAS - AS MULAS DE CARGA DO TRABALHO

PALESTRA 77 - IAMENTO MECNICO E OUTROS EQUIPAMENTOS MOTORIZADOS

PALESTRA 78 - DICAS DE SEGURANA PARA OPERAO COM GUINDASTE MVEL

PALESTRA 79 - SEGURANA COM CABOS DE AO

PALESTRA 80 - PRTICAS DE SEGURANA NA UTILIZAO DE ESCADAS

PALESTRA 81 - PENSE EM SEGURANA QUANDO USAR ANDAIMES

PALESTRA 82 - SEGURANA COM MQUINAS OPERATRIZES EM OFICINAS

PALESTRA 83 - O ESMERIL

PALESTRA 84 - SEGURANA COM PRENSA/FURADEIRA PARA METAL

PALESTRA 85 - DICAS SOBRE FERRAMENTAS

PALESTRA 86 - CHAVES DE FENDA - FERRAMENTA MAIS SUJEITA A ABUSOS

PALESTRA 87 - USE OS MARTELOS COM SEGURANA

PALESTRA 88 - PREVENO DE ACIDENTES COM CHAVES DE BOCA

PALESTRA 89 - PORQUE INSPECIONAR FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS?

PALESTRA 90 - REGRAS DE SEGURANA PARA FERRAMENTAS ELTRICAS

PALESTRA 91 - SEGURANA COM FACAS

PALESTRA 92 - FURADEIRAS ELTRICAS PORTTEIS

PALESTRA 93 - SEGURANA COM GS COMPRIMIDO

PALESTRA 94 - O OXIGNIO

PALESTRA 95 - O ACETILENO

PALESTRA 96 - SOLVENTES ORGNICOS

PALESTRA 97 - O RUDO! VAMOS NOS PROTEGER

PALESTRA 98 - A INFLUNCIA DO CALOR NO TRABALHO

PALESTRA 99 - REAES EMOCIONAIS AO ACIDENTE DO TRABALHO.

PALESTRA 100 - CRIANAS NO TRNSITO

PALESTRA 101 - L.E.R. Leses por Esforos Repetitivos.

PALESTRA 102 - CONSCINCIA DE SEGURANA

PALESTRA 103 - POR QUE AS PESSOAS NO USAM CINTO DE SEGURANA?

PALESTRA 104 - CRISTO MUTILADO

PALESTRA 105 - CREDO DA SEGURANA

PALESTRA 106 - DICAS DE SEGURANA PARA DIRIGIR EM DIAS CHUVOSOS.

PALESTRA 107 - OS DEVERES DO MOTORISTA

PALESTRA 108 - A CURIOSIDADE EXCESSIVA.

PALESTRA 109 - TRNSITO: UM DESAFIO NO DIA A DIA.

PALESTRA 110 - O PAPEL INTIMIDATIVO DA LEI.

PALESTRA 111 - A RESPONSABILIDADE DE CADA UM NA PREVENO DE ACIDENTES.

PALESTRA 112 - FRIAS.

PALESTRA 113 - NO DEIXE QUE O ACIDENTE.ESTRAGUE SUA FESTA.

PALESTRA 114 - COMO AGIR NUM NEVOEIRO?

PALESTRA 115 - MANEIRA CORRETA DE TRABALHAR SENTADO.

PALESTRA 116 - COMO DIRIGIR UM CARRO USANDO O FREIO CORRETAMENTE.

PALESTRA 117 - POSTURA CORPORAL.

PALESTRA 118 - POSTURA COMPORTAMENTAL FATOR BSICO NA SEGURANA INDUSTRIAL

PALESTRA 119 - COMO DIRIGIR BICICLETAS.

PALESTRA 120 - RESPEITO SINALIZAO.

PALESTRA 121 - QUANTO CUSTA UM ACIDENTE?

PALESTRA 122 - INCIDENTES, QUASE-ACIDENTES, SUSTO.

PALESTRA 123 - LEI NR. 01 - MOTORISTA PRUDENTE.

PALESTRA 124 - UM AMIGO QUE NO QUERO PERDER.

PALESTRA 125 - A ATITUDE E O AJUSTAMENTO NO POSTO DE TRABALHO.

PALESTRA 126 - CORRIDA MATINAL.

PALESTRA 127 - MEDIDAS PREVENTIVAS CONTRA INCNDIO FLORESTAL.

PALESTRA 128 - ECOLOGIA DO TRABALHO.

PALESTRA 129 - MENOR NO VOLANTE!

PALESTRA 130 - PROTEGENDO AS MOS.

PALESTRA 131 - A LEGISLAO BRASILEIRA E OS EPI`s.

PALESTRA 132 - TRABALHADORES MAIS SEGUROS.

PALESTRA 133 - TEMPO DE 5S.

PALESTRA 134 - PADRES MNIMOS DE SEGURANA.

Apresentao

Durante algum tempo procuramos coletar nas diversas publicaes existentes - revista proteo, revista da CIPA, Fundacentro e outras - artigos relacionados com Segurana / Medicina do Trabalho, como forma de agrupar temas com informaes objetivas , sucintas que pudessem gerar este manual para os Gerentes.

Observamos tambm que um programa de 5 minutos de conversao poder ser incrementado, a partir dessa coletnea, em que os Gerentes possam discorrer, repassando aos seus subordinados de maneira a difundir, antes do incio da jornada de trabalho, a prtica prevencionista de forma clara e simples. Os efeitos advindos dessa prtica, certamente sero imensurveis.

Os assuntos so infindveis. Aqueles aqui apresentados representam grande parte de nosso processo produtivo, com que achamos importantes. Porm, outros podero ser desenvolvidos de modo a atender todas as questes que envolvem o dia-a-dia dos empregados.

O principal objetivo conversar, integrar e deixar transparente a relao, trabalho/segurana, em que todos tero acesso s informaes e o reconhecimento dos riscos inerente s suas atividades.

A presena de um profissional de Segurana/Medicina do Trabalho em condies solicitadas,poder enriquecer e dirimir as dvidas suscitadas no transcorrer dos trabalhos, o que para tanto estaro disponveis.

Segurana do Trabalho

O que ?

um programa destinado a criar, desenvolver e manter atitudes prevencionistas na Empresa, atravs da conscientizao de todos os empregados.

Onde?

Tem como foco principal realizao de conversaes de segurana nas reas operacionais e administrativas, possibilitando melhor integrao e o estabelecimento de um canal de comunicao gil, transparente e sincero entre gerentes e subordinados.

Quando?

Diariamente, antes do incio da jornada de trabalho, com durao de 5 minutos com leitura de temas aqui apresentados ou outros relativos a Segurana e Medicina do Trabalho.

Quem?

A responsabilidade na execuo das conversaes o Gerente imediato do empregado que ser responsvel em emitir no final de cada ms o formulrio devidamente preenchido para a Secretaria do Departamento - RH.

Como?

Em reunies com o grupo de trabalho, escolhendo um dos temas e fazendo a leitura em alta voz, procurando ser objetivo na explanao.

PALESTRA 01 - POEIRA

O p constitudo por partculas geradas mecanicamente, resultantes de operaes tais como: manuseio de minrios, limpeza, abrasiva, corte e polimento de peas.

A maior porcentagem de partculas arrastadas pelo ar, forma de p, tem menos de 1 mcron (mcron - milsima parte do milmetro). Devemos ter presentes que as partculas de tamanho inferior a 5 microns, so as que oferecem maior risco, por constiturem a chamada frao respirvel, as de maior tamanho sedimentam e no so comumente inaladas.

O p inorgnico de maior importncia do ponto de vista da sade ocupacional a slica livre cristalizada, que achada em grandes quantidades na crosta terrestre formando parte de rochas, minrios, areias, etc..

Um ambiente de trabalho poeirento pode produzir uma situao de risco aos trabalhadores expostos e, considerando os efeitos da poeira sobre o organismo humano a medicina e segurana do trabalho recomenda a eliminao deste risco atuando em trs pontos:

1 - Sobre o foco de gerao: com o objetivo de impedir sua formao, com emprego de mtodos midos, enclausuramento do processo, ventilao local exaustora e manuteno. (ex. despoeiramento da sinterizao).

2 - Sobre o meio pelo qual se difunde: para impedir que se estenda e atinja nveis perigosos no ambiente de trabalho, limpeza, ventilao geral exaustora ou diluidora, aumento de distncia entre o foco e receptor. (ex. vedao do prdio de britagem e peneiramento de coque).

3 - Sobre o receptor: protegendo o trabalhador para que a poeira no se penetre em seu organismo e, orientando-os sobre os cuidados necessrios nestas reas, treinamento e educao, limitao do tempo de exposio, equipamento de proteo individual, exames mdicos pr-funcional e peridicos. (ex. uso adequado do respirador para ps e nvoas que deve ser usado como complementao de medidas de controle ao nvel de pessoal).

PALESTRA 02 - CULOS DE SEGURANA

A proteo dos olhos um dos pontos importantes na preveno de acidentes e a finalidades dos culos de segurana proteg-los contra partculas slidas projetadas e / ou em suspenso.

Os culos de segurana so constitudos de armao em acetato de celulose cor preta, com protetores laterais em tela de ao inoxidvel, haste de acetato, lentes incolores de cristal de vidro tico corrigido e endurecido, resistentes e altos impactos.

O nome oficial do equipamento culos de segurana, haste convencional ou meia haste com elstico, e fornecido nos aros 46, 48, 50 mm.

As peas de reposio deste EPI so : haste, proteo lateral, lentes. As unidades de trabalho atravs de suas ferramentarias, esto recebendo treinamento e ferramentas para ajustes e reparos nos culos.

Para ser aprovado em nossa empresa, os culos de segurana deve ser confeccionado segundo as normas da ABNT e possuir o C A (certificado de aprovao).

Praticamente em toda rea da usina, existe uma grande variedade de riscos que podem ter como conseqncia a leso nos olhos. por isto, que os culos de segurana considerado EPI bsico, ou seja, indicado e de uso obrigatrio para todo empregado ou pessoa que trabalhe ou transite na rea da usina.

Recomendaes sobre o uso e conservao:

O culo deve ajustar-se perfeitamente ao rosto, sem deixar aberturas;

A haste ou elstico deve manter os culos firmes no rosto, porm sem incomodar ou machucar;

Use-se constantemente durante todo o tempo que permanecer no trabalho para o qual for designado;

Ao colocar ou retirar no segure os culos apenas por uma haste, mas pelas duas ao mesmo tempo;

Limpe as lentes somente com tecido ou papel limpo e macio;

No deixe que as lentes tenham contato com qualquer superfcie, coloque os culos com as lentes sempre para cima;

No o guarde ou carregue-o nos bolsos traseiros das calas;

No o transporte junto de ferramentas;

No o abandone junto a fontes de calor;

No deixe em local onde possa receber respingos de leo, graxa, cidos, corrosivos, solventes ou qualquer substncia que possa danific-lo;

No use os culos com defeitos (falta de proteo lateral, elstico ou haste danificada ou lentes riscadas);

Em locais sujeitos a embaamento das lentes, use o lquido anti-embaante.

PALESTRA 03 - MINI PERNEIRA

As mini perneiras tem por finalidades proteger a parte inferior da perna, o tornozelo, e o dorso do p contra riscos de acidentes de origem mecnica ou trmica.

Riscos de origem mecnica: batida contra, golpes por objetos em movimento, golpes por objetos cortantes, queda decorrente de entrelaamento.

Riscos de origem trmica: exposio a temperaturas extremas, projees de partculas incandescentes, respingos de metais em fuso.

A indicao da mini perneira feita por cargo / posto e encontra-se no manual de equipamento de proteo individual de cada unidade de trabalho, porm necessrio que todos tenham informaes adicionais das suas caractersticas tcnicas e de alguns cuidados na utilizao e conservao.

So utilizados dois tipos de mini perneiras, uma confeccionada em lona pesada e a outra em raspa de couro curtido ao cromo.

Exceto pelo material com que so confeccionadas, as mini perneiras tem as seguintes caractersticas comuns:

ajustagem feita por fechos tipo velcro com quatro partes para melhor fixao;

passante de vaqueta com ajustagem feita em uma das extremidades com fecho tipo velcro, par manter a mini perneira na altura adequada da perna;

costuras com linha de algodo reforada;

desenho anatmico.

A indicao da mini perneira de lona ou raspa feita em funo do grau dos riscos existentes nos locais de trabalho:

A mini perneira de lona indicada para riscos de baixo grau, tais como: batidas leves contra peas e objetos no perfurantes; contactos com arestas; superfcies speras ou abravisas; exposio ou contacto com projeo de respingos / partculas de metais a temperaturas baixas e mdias.

Mini perneira de raspa tem sua indicao para riscos mais severos tais como: impactos provocados por objetos cortantes ou perfurantes; contato com peas, superfcies e / ou materiais abrasivos; exposio ou contato com projees de partculas / respingos incandescentes; calor irradiante.

Recomendaes sobre o uso e conservao

Mantenha a mini perneira bem ajustada na perna, atravs dos fechos tipo velcro.

Evite umidade, se molhada, secar sombra;

No altere a mini perneira cortando o passante;

No use mini perneira rasgad...