PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM ?· Perdas Perdas Aparentes Perdas Físicas Ganhos Aumento…

  • Published on
    08-Feb-2019

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

1

PLANO DIRETOR PARA COMBATE S PERDAS EM

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PBLICO DE GUA

O ndice de perdas um dos principais indicadores daeficincia da operao dos sistemas de abastecimento de gua.

A reduo das perdas de gua dever ocorrer em todas asetapas do processo de seu fornecimento.

A PERDA DE GUA NO ABASTECIMENTO PBLICO

2

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE GUA

PERDAS FSICAS : Quando o volume de guadisponibilizado no sistemas de distribuio pelas operadoras no utilizado pelos clientes, sendo desperdiado antes de chegar asunidades de consumo.

PERDAS APARENTES: Quando o volume utilizado no devidamente computado nas unidades de consumo, sendo cobradode forma inadequada.

PERDAS DE GUA

3

Parte do Sistema Origem MagnitudeCaptao - Limpeza do poo de suco

- Limpeza da caixa de areiaVarivel, funo do estado das

instalaes e da eficincia operacional

Aduo de gua Bruta

- Vazamentos nas tubulaes Varivel, funo do estado das tubulaes

Tratamento - Vazamentos na estrutura- Lavagem dos Filtros

- Descarte de lodo

Significativa, funo do estado das instalaes e da eficincia operacional

Reservao - Vazamentos na estrutura- Extravasamentos

- Limpeza

Varivel, funo do estado das instalaes e da eficincia operacional

Aduo de gua Tratada

- Vazamentos nas tubulaes- Limpeza do poo de suco

- Descargas

Varivel, funo do estado das instalaes e da eficincia operacional

Distribuio - Vazamento na rede- Vazamentos em ramais

- Descargas

Significativa, funo do estado das tubulaes e principalmente das presses

PRINCIPAIS CAUSAS DE PERDAS FSICAS

- Variao de presso / altas presses;- Condies fsicas da infraestrutura (tipo de material, idade, etc.);- Condies de trfego e tipo de pavimento sobre a rede;- Recalques do subsolo;- Quantidade dos servios (mo-de-obra e material empregado),

tanto na implantao da rede quanto na execuo de reparos;- Agilidade na execuo dos reparos;- Condies de gerenciamento (telemetria, mtodo de coleta e

armazenamento de dados).

PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM AS PERDAS FSICAS

4

Origem Magnitude

- Ligaes Clandestinas / regulares

- Ligaes no hidrometradas- Hidrmetros parados

- Hidrmetros que submedem- Ligaes inativas reabertas

- Erros de leitura- Nmero de economias errado

Podem significar dependendo de : procedimentos cadastrais e

de faturamento, manuteno preventiva, adequao de

hidrmetro e monitoramento do sistema

PRINCIPAIS CAUSAS DE PERDAS APARENTES

O PADRO INTERNACIONAL

Dados do IBNET (Internacional BenchamarkingNetwork for Water and Sanitation Utilities)

Pases Desenvolvidos ndice de Perdas = 35%Pases em Desenvolvimento ndice de Perdas = 40 50%

5

As perdas de gua so muito elevadas no Brasil e tm se mantido nveis prximos a 40% nos ltimos doze anos, ainda que seja possvel notar uma leve tendncia de queda nos ltimos anos.

PERDAS DE GUA NO BRASIL

45,6 45,6 44,4 43,5 41,6 42,6 38,8 38,8

0102030405060708090

100

2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011

Perdas Perdas Aparentes Perdas Fsicas

Ganhos Aumento da receita Reduo de custosPostergao de investimentos

Tipos de benefcios Aumento do consumo mdio faturado

Menores custos com produtos qumicos.Diminuio da produo de gua com o atendimento

do mesmo nmero de pessoasAtendimento de maior nmero de pessoas com a

mesma quantidade produzida

Aes envolvidas - Troca de hidrmetros e medidores

- Medio Efetiva de todas as economias;

- Melhora no Cadastro

Melhora do controle da presso na rede;Melhora no controle e deteco de vazamentos;

Melhoria e troca de tubulaes, ligaes, vlvulas;Qualificao da mo-de-obra e melhorias dos

materiais

BENEFCIOS DA REDUO DAS PERDAS

6

NDICE DE PERDAS DE GUA

NDICE DE PERDAS DISTRIBUIDAS (IPD)

IPD = VD VUVD

VD = volume disponibilizadoVU = volume utilizado

NDICE DE PERDAS FATURADAS (IPF)

IPF = VD VFVD

VD = volume disponibilizadoVF = volume faturado

- Conscientizar a diretoria e tcnicos da importncia do combate sperdas;

- Identificar e conhecer as perdas fsicas totais dentro da regioestudada;

- Adequar e melhorar o desempenho das unidade operacionaisenvolvidas;

- Monitorar e operar adequadamente as redes de distribuiosetorizadas;

- Controlar e acompanhar os ndices de perdas fsicas totais dosistema;

- Quantificar os benefcios obtidos com os trabalhos realizados.

ESCOPO GERAL DO TRABALHO

7

ESTRUTURA DO PLANO DIRETOR DE COMBATE S PERDAS

I. ELABORAO E/OU ATUALIZAO DO CADASTRO

- Informaes da rede dedistribuio de gua;

- Planta em escala 1.3.000;- Arruamento e curvas de

nvel;- Descrio da rede : material,

peas e dimetro;- Todas as unidades

operacionais comoCaptaes, ETA, Poos eReservatrios.

8

II. DETERMINAO DE PARMETROSDE VAZO E PRESSO

- Esquema Hidrulico paradefinio dos locais depitometria;

- Instalao de EP (EstaoPitomtrica) com mquinaMiller;

- Medio atravs do TuboPitot inserido em uma tubulao e conectado a um equipamento que contm um sensor de diferencial de presso.

- Coleta dos dados fsicos das unidades operacionais;- Anlise da situao atual;- Diagnstico da situao operacional do sistema e

recomendaes para adequaes e melhorias.

III. DIAGNSTICOEESTUDOS

9

IV. SETORIZAO DA REDE DEDISTRIBUIO

- Delimitao dos setores com suas respectivas zonas de presso nas redes de distribuio;

- De acordo com a NBR 12.218/94;

Presso Mx. Esttica = 50mcaPresso Min. Dinmica = 10mca

SETORIZAO

10

V. IMPLANTAO OU MELHORIA DA MACROMEDIO

- Especificaes tcnicas do macromedidor de vazo e nvel, e peas;

- Desenho do detalhe e caixa de alvenaria para proteo;

- Oramentos.

Medidor EletromagnticoFaixa de velocidades = de 0,3 a 10,0 m/s

Medidor UltrassnicoFaixa de velocidades = de 0,1 a 6,0 m/s

Medidor WoltmannFaixa de vazes = 0,3 a 15 m/h

= 0,5 a 40 m/h = 0,6 a 60 m/h

= 1,6 a 150 m/h = 7,5 a 250 m/h

= 10,0 a 400 m/h

Macromedidor Eletromagntico

CarretelInsero acima de DN 100mm

11

Medidor Ultrassnico

Medidor Ultrassnico Carretel (DN mximo 200mm)

12

Medidor Woltmann

Macromedidores de Nvel para Reservatrios

UltrassnicoTransmissor Hidrosttico Transdutor de

Presso

13

VI. GERENCIAMENTO DE PRESSES

- Estudo das presses nosistema com monitoramentoem pontos estratgicos por 7dias consecutivos;

- Definir pontos para instalaode VRPs;

GRFICO MODELO DE PRESSO DA VARIAO DE 7 DIAS

Data 21/09/12 a 28/09/12 Ponto 01 Endereo: Local a ser monitorado

14

VII. PROGRAMAO DOS SERVIOSDE PESQUISA DE VAZAMENTO

- Especificao dosequipamentos necessriospara deteco devazamentos no visveis;

- Indicao da programao dos servios.

EQUIPAMENTOS PARA PESQUISA DE VAZAMENTOS NO VISVEIS

Haste de Escuta

Geofone Eletrnico Geofone Manual

Correlacionador de Rudos

15

EXEMPLOS DE PESQUISA DE VAZAMENTOS - DEMARCAO

EXEMPLOSDEPESQUISADEVAZAMENTOS REPARO

16

VIII. INDICADORES DE PERDAS

- ndices de Perdas Setoriais;- ndice de Perda Global;

- Indicadores de Desempenho;- Procedimentos para gerenciamento das perdas fsicas.

- Diagnstico dos Hidrmetros instalados;- Anomalias encontradas : Hidrmetros mal

dimensionado, quebrado, parados, embaado,fraudado e possveis ligaes clandestinas;

- Levantamento dos hidrmetros com mais de 05anos.

IX. PARQUE DOS HIDRMETROS(MICROMEDIO)

17

HIDRMETRO

HIDRMETRO

18

TIPOS DE ANOMALIAS

Mal Dimensionado

Embaado

TIPOS DE ANOMALIAS

Sem lacre e visor quebradoTotalmente quebrado e sem lacre

19

TIPOS DE ANOMALIAS

Arame no hidrmetroLigao direta

DISPOSITIVOS PARA PROTEO

20

X. DIAGNSTICOS DAS TUBULAES

- Dados de vazamentos nos ltimos 6 meses, commapeamento no cadastro;

- Anlise das ocorrncias, considerando o tipo dematerial, idade, tipo de vazamento (rede ou ramal) epresses;

- Levantamento das redes a serem substitudas.

TUBULAO COM INCRUSTRAO

21

XI. PERDAS FINANCEIRAS EINVESTIMENTOS NECESSRIOS

- Histrico e evoluo dos principais elementos: tipos de consumidores, valores cobrados, etc;

- Cadastro de usurios, tipos: residenciais, comerciais, industriais, pblicos e no medidos;

- Estrutura tarifria;- Sistema de faturamento;- Levantamento dos grandes consumidores; - Atendimento ao consumidor;- Metas a serem atingidas; e- Investimentos necessrios.

XII. ANLISE DAS ALTERNATIVAS ERETORNO DOS INVESTIMENTOS

- Atendimento a meta de 25% de Perdas Totais;- Atendimento a meta de 10% de Perdas Fsicas;- Atendimento a meta de 15% de Perdas Financeiras;- Atualizao em 100% dos macros e micromedidores;- Automao em 100% do sistema;- Controle de presso em 100% da rede;- Previso / necessidade de troca de redes e adutoras;- Cadastro tcnico real;- Rede de distribuio 100% setorizada;- Construo de novos reservatrios.

22

BENEFCIOS DO PLANO

- Reduo dos Impactos Ambientais dos empreendimentos deampliao de captao e tratamento de gua;

- Preservao dos recursos hdricos atravs da reduo de perdasfsicas de gua e uso mais racional com reduo dedesperdcios de gua com a melhoria da micromedio ereduo de fraudes;

- Economia de energia eltrica;- Economia de produtos qumicos.

OBRIGADO!

engenharia@rhs-controls.com.br

Recommended

View more >