PROJETO FEIRA DE CIÊNCIAS: INTERAÇÃO ... FEIRA DE CIÊNCIAS: INTERAÇÃO, UNIVERSIDADE, ESCOLA E…

  • Published on
    09-Nov-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>PROJETO FEIRA DE CINCIAS: INTERAO, UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE-RELATO DE UMA EXPERINCIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO, </p><p>RIO GRANDE DO SUL, BRASIL</p><p>MORAES, Sylvana Carpes1; QUEDI, Rejane Padilha2, SANTOS 3Gisele de Souza dos, </p><p>SCHFER Deise Nara4</p><p>Resumo</p><p>O projeto da Universidade de Passo Fundo (UPF) tem por objetivo promover a </p><p>inovao cientfico-tecnolgica subsidiando os professores de ensino fundamental, mdio e </p><p>tcnico, por meio do desenvolvimento de atividades multidisciplinares que incentivam a </p><p>experimentao e a reflexo e justifica-se pelo fato de o ensino de cincias nos ltimos </p><p>tempos ter sofrido uma restrio qualitativa importante. Por outro lado, as Feiras de Cincias </p><p>realizadas na UPF a partir de 1969 mostraram-se extremamente produtivas em relao ao </p><p>desenvolvimento e propagao de uma mentalidade investigativa junto ao ensino </p><p>fundamental, mdio e tcnico. Assim, o projeto prev um contato direto com as escolas, o </p><p>desenvolvimento de oficinas e de palestras de cunho formativo para os professores, a busca </p><p>de parcerias para o fomento dessas atividades, a criao de bancos de dados de cunho </p><p>didtico-pedaggicos, o estreitamento dos laos com a comunidade por meio da divulgao </p><p>constante das aes desenvolvidas e a abertura de espaos para a participao de </p><p>inventores independentes. Para possibilitar maior qualificao na proposio e elaborao </p><p>dos projetos de pesquisa a partir da classificao, props-se, para 2013, a efetivao das </p><p>aes dos Clubes de Cincias, como projeto piloto. Este trabalho culmina na Feira de </p><p>Cincias e Mostra de Inovao Tecnolgica que ocorre anualmente nas dependncias da </p><p>UPF, em que os projetos desenvolvidos, enviados sob forma de vdeo, so apresentados </p><p>comunidade nas diferentes redes sociais. A avaliao ocorre em dois momentos: a) </p><p>1 Professora Mestra em Educao pela Universidade de Passo Fundo2 Professora Especialista em Educao Matemtica pela Universidade de Passo Fundo3 Acadmica do curso de Cincias Biolgicas, bolsista de extenso Paidex4 Acadmica do curso de Cincias Biolgicas, bolsista de extenso Paidex</p></li><li><p>avaliao dos vdeos e projetos, b) avaliao presencial dos trabalhos classificados. O </p><p>evento de premiao aos projetos classificados ocorre no formato presencial. </p><p>Palavras-chave: Educao. Pesquisa. Inovao. Cincia</p><p>Abstract: The project of the University of Passo Fundo (UPF) aims to promote scientific and technological innovation subsidizing teachers of primary, secondary and technical education, through the development of multidisciplinary activities that encourage experimentation and reflection, and is justified by the fact that the science teaching in recent times has undergone an important qualitative restriction. On the other hand, the Science Fairs held at UPF since 1969 proved to be extremely productive in relation to the development and spread of an investigative mindset regarding primary, secondary and technical education. Thus, the project provides direct contact with schools, the development of workshops and lectures for teacher training seeking partnerships for the promotion of these activities, the creation of databases of didactic nature and closer ties with the community through the dissemination of the actions taken and the constant opening of spaces for the participation of independent inventors. To enable greater quality in the proposing and drafting of research projects, it is proposed for 2013 to implement actions of Science Clubs, as a pilot project. This work culminates in the Science Fair and Technological Innovation Show held annually in the facilities of UPF, in which the projects developed, sent in the form of video, are presented to the community in different social networks. The evaluation occurs in two stages: a) evaluation of videos and projects, b) evaluation of the selected projects on site. The award ceremony takes place during the event.</p><p>Key Words: Education. Search. Innovation. Science</p><p>Introduo</p><p>O texto ora apresentado pretende socializar a iniciativa de um grupo de professores </p><p>da Universidade de Passo Fundo em resgatar a realizao de feiras de cincias nas escolas </p><p>da regio de abrangncia da Instituio. Assim, a pretenso foi de ampliar as possibilidades </p><p>de elaborao e desenvolvimento de projetos de pesquisa junto s escolas, em razo da </p><p>necessidade de construir novos conhecimentos, de forma inter e multidisciplinar, contribuindo </p><p>com a formao de sujeitos comprometidos com a transformao social. A Universidade, </p><p>assim, cumpre com o seu papel de estreitar os laos e articular o conhecimento construdo </p><p>nos espaos de docncia e pesquisa com a escola e com a comunidade. Dentre os objetivos </p><p>principais, destacamos: promover a inovao cientfico-tecnolgica, instigando a reflexo e o </p><p>pensamento cientfico por meio de projetos de pesquisa multidisciplinares; despertar </p><p>vocaes e revelar capacidades, criatividade e habilidades cientficas; promover o </p><p>aprendizado por meio da experincia como forma de estimular o interesse pela busca de </p><p>conhecimento e minimizar a evaso escolar; incentivar a atitude e a educao cientficas </p><p>baseadas no pensar, julgar e agir cientificamente; assessorar professores na elaborao de </p><p>projetos de pesquisa; criar um espao para a socializao das atividades de pesquisa </p><p>escolares; oportunizar a vivncia de situaes de investigao cientfica, de socializao e </p><p>2</p></li><li><p>de intercmbio de experincias; atrair inventores independentes, oportunizando um espao </p><p>para a socializao de seus trabalhos; orientar e estimular os participantes a efetivarem o </p><p>registro de seus inventos; fortalecer o vnculo entre a UPF e a comunidade local e regional; e </p><p>efetivar a implementao dos Clubes de Cincias na(s) escola(s) selecionada(s).</p><p>Como primeira etapa para concretizao do planejamento e posteriormente da </p><p>execuo das aes, foi realizado um diagnstico junto s escolas no qual ficou constatado </p><p>o fato de que o currculo de cincias praticamente no mudou nos ltimos anos, enquanto a </p><p>sociedade contempornea, para a qual este conhecimento dirigido, e as demandas dos </p><p>alunos mudaram. Esse desencontro requer adotar no apenas novos mtodos, mas </p><p>sobretudo novas metas; uma nova cultura educacional, que proponha a construo do </p><p>conhecimento, pois este enfoque mais adequado do que os formatos tradicionais de como </p><p>o conhecimento cientfico elaborado e distribudo na nova sociedade da informao e do </p><p>conhecimento, no limiar do sculo XXI. Portanto, a cincia deve ser ensinada como um </p><p>saber histrico e provisrio, tentando fazer com que os alunos participem, de algum modo, </p><p>do processo de elaborao do conhecimento cientfico, com suas dvidas e incertezas, e </p><p>isso tambm requer deles uma forma de abordar o aprendizado como um processo </p><p>construtivo, de busca de significados e de interpretao, em vez de reduzir a aprendizagem </p><p>a um processo repetitivo ou de reproduo de conhecimentos prontos para serem </p><p>consumidos (Pozo, 2009).</p><p>Outro aspecto constatado a partir do instrumento diagnstico com os professores foi </p><p>a falta de curiosidade, interesse e motivao dos alunos para estudar e investigar. Sabe-se </p><p>que sem motivao no h aprendizagem significativa; necessrio mobilizar-se para o </p><p>aprendizado. A motivao dever ter um carter intrnseco e partir dos interesses e das </p><p>preferncias dos alunos para gerar novos conhecimentos capazes de promover </p><p>transformaes no cotidiano, estabelecendo conexes com o mundo. Relevante tambm a </p><p>questo colocada por pesquisadores como Nardi, Bastos et al (2004) de haver uma </p><p>necessidade de se pensar em um pluralismo de alternativas para o ensino e aprendizagem </p><p>de Cincias, a saber: reconhecer a existncia de concepes espontneas (conhecimentos </p><p>prvios); entender que o processo de aprendizagem de contedos cientficos requer </p><p>construo e reconstruo de conhecimentos; aproximar a aprendizagem de Cincias das </p><p>caractersticas do fazer cientfico; propor a aprendizagem a partir de situaes-problema; </p><p>reconhecer o carter social da construo do conhecimento cientfico; entender o pluralismo </p><p>que envolve o processo ensino e aprendizagem em Cincias. Isto posto, h necessidade de </p><p>um processo permanente de formao continuada de professores de forma a possibilitar o </p><p>entendimento da complexidade do processo de ensino e do uso de estratgias </p><p>diversificadas, especialmente as que priorizem a investigao cientfica, maximizando a </p><p>aprendizagem dos alunos.</p><p>3</p></li><li><p>Portanto, considerando a permanente transformao social, educacional e </p><p>tecnolgica presente no cotidiano, deve-se buscar uma escola orientada a oportunizar aos </p><p>discentes tornarem-se agentes dessa transformao e no meros expectadores. Segundo </p><p>FREIRE (1977, p.47),</p><p> preciso que a educao esteja no seu contedo, nos seus </p><p>programas e nos seus mtodos adaptadas ao fim que se persegue. </p><p>Permitir ao homem chegar a ser sujeito, construir-se como pessoa, </p><p>transformar o mundo, entabular com os outros homens relaes de </p><p>reciprocidade, fazer a cultura e a histria. [...] O homem no pode </p><p>participar ativamente na histria, na sociedade, na transformao da </p><p>realidade, se no for ajudado a tomar conscincia da realidade e da </p><p>sua prpria capacidade para a transformar. [...] importa preparar o </p><p>homem para uma autntica educao: uma educao que liberte, </p><p>no que adapte, domestique e subjugue. Isto obriga a uma viso total </p><p>e de fundo dos sistemas tradicionais da educao, os programas e </p><p>os seus mtodos.</p><p>Segundo MORAES (1991), a formao inicial dos professores, nos cursos de </p><p>graduao, apenas uma etapa do processo de tornar-se um bom professor e acredita-se </p><p>que a formao continuada deva ocorrer durante toda a vida, podendo ser favorecida de </p><p>diversas maneiras, como a participao em cursos de formao em servio. Nestes so </p><p>discutidos, alm de aspectos tericos, questes metodolgicas, como a abordagem de </p><p>contedos (que envolve o discurso do professor), a avaliao do rendimento escolar dos </p><p>alunos, bem como seu relacionamento com os professores, a formao de conceitos, dentre </p><p>outras.</p><p>Assim, com o desenvolvimento do projeto, pretende-se estreitar os laos com os </p><p>professores da rede privada e pblica do ensino fundamental, mdio e tcnico, oferecendo </p><p>apoio terico-metodolgico de forma a subsidiar o processo de investigao e a organizao </p><p>de projetos de pesquisa, uma vez que, pelo acompanhamento sistemtico em todas as </p><p>edies da feira, constata-se que h dificuldade na formulao de projetos, especialmente </p><p>na delimitao da problemtica. </p><p>Dentro desta perspectiva de formao continuada, j em 1969, a UPF uniu-se ao </p><p>Centro de Cincia do Estado do Rio Grande do Sul (CECIRS), que iniciava um processo de </p><p>regionalizao das feiras de cincias no estado, realizando sua 1a Feira de Cincias. </p><p>Retomando o processo, em 2004, a UPF e a Empresa Pioneer Sementes Ltda. promoveram </p><p>4</p></li><li><p>uma ao de resgate das Feiras de Cincias. A 2 Feira de Cincias UPF 2004 resgate </p><p>35 anos 1969 foi uma ao de revitalizao do evento cientfico, que, a partir de ento, se </p><p>tornou ininterrupto, divulgando e premiando o esforo de alunos e professores de escolas da </p><p>regio que investem em atividades relacionadas investigao cientfica. Para cada edio, </p><p>o tema para a elaborao dos projetos foi associado ao publicado em edital correspondente, </p><p>seguindo sempre a indicao da ONU para cada ano. A Feira abrange todas as reas do </p><p>conhecimento e conta com a participao de trabalhos produzidos por alunos do ensino </p><p>fundamental, mdio e tcnico. Assim, em 2005 aconteceu a 3 Feira de Cincias, com o </p><p>tema "Cincia e Qualidade de Vida". Em 2006, alm da premiao das escolas e dos alunos </p><p>classificados nos primeiros trs lugares, o professor orientador tambm passou a receber </p><p>uma premiao. Os alunos do ensino fundamental que participaram da 4 Feira de Cincias, </p><p>cujo tema era "Cincia, tica e desenvolvimento sustentvel", receberam prmio na sua </p><p>categoria. "Heliofsica: energia, biodiversidade e produtividade", foi o tema articulador da 5 </p><p>Feira de Cincias, que aconteceu em 2007. Na ocasio, abriu-se a oportunidade de </p><p>participao dos inventores independentes da regio com a finalidade de mostrar seus </p><p>trabalhos, passando o evento a denominar-se 5 Feira de Cincias e 1 Mostra de Inovao </p><p>Tecnolgica. O tema anualmente proposto orienta a escolha das problemticas dos </p><p>projetos da Feira de Cincias. A 6 Feira de Cincias e 2 Mostra de Inovao Tecnolgica </p><p>ocorreu em 2008, com o tema "Entender e pensar a sustentabilidade do planeta". Houve </p><p>alterao regimental prevendo ampliao da premiao, estabelecendo que os trs </p><p>primeiros classificados na categoria Jovem Tcnico Pesquisador seriam premiados. Com o </p><p>tema "Cincia e cultura", aconteceu a 7 Feira de Cincias e 3 Mostra de Inovao </p><p>Tecnolgica, no ano de 2009. Seguindo, em 2010, os projetos apresentados pelas escolas </p><p>na 8 Feira de Cincias e 4 Mostra de Inovao Tecnolgica orientaram-se na temtica </p><p>"Cincias e Tecnologias Sociais". Para edio de 2011 da 9 Feira de Cincias e a 5 </p><p>Mostra de Inovao Tecnolgica o tema foi "Cincia e Educao: conhecimento, </p><p>modernidade e tica para o desenvolvimento sustentvel". No evento de premiao </p><p>aconteceu a divulgao do tema proposto para a 10 Feira de Cincias e a 6 Mostra de </p><p>Inovao Tecnolgica: Energia Sustentvel: garantindo a qualidade de vida.</p><p>Como decorrncia do processo avaliativo, props-se transformar o formato do </p><p>projeto, adequando-o realidade vivida pelo pblico-alvo, jovens da gerao y, no contexto </p><p>atual. Assim, a proposta centra-se na alterao da forma de apresentao dos projetos, </p><p>exposio presencial, para o formato online, atravs da produo de vdeos. A avaliao </p><p>ocorre em dois momentos: a) avaliao dos vdeos e projetos, b) avaliao presencial dos </p><p>trabalhos classificados. Desta forma, pela experincia proporcionada pelo projeto de </p><p>extenso 10 Feira de Cincias e 6 Mostra de Inovao Tecnolgica: interao </p><p>universidade, escola e comunidade e pelas perspectivas que so feitas hoje em vista do </p><p>5</p></li><li><p>futuro, esse evento revela-se extremamente importante para a melhoria dos ensinos, </p><p>fundamental, mdio e tcnico, bem como para o estmulo ao desenvolvimento da </p><p>capacidade de investigao dos estudantes. Em 2013, manteve-se o mesmo formato com o </p><p>tema gua: responsabilidades, preocupaes e perspectivas.</p><p>A proposta para 2014 com o tema, Contribuies para a melhoria da qualidade de </p><p>vida na agricultura familiar, motivar um nmero maior de escolas para que se envolvam </p><p>no projeto da Feira de Cincias e da Mostra de Inovao Tecnolgica, buscando concretizar </p><p>uma prtica investigativa mais efetiva junto aos alunos das diferentes redes de ensino. Tal </p><p>envolvimento resultar em uma demanda de discentes melhor preparados e vocacionados </p><p>para as diferentes cincias (reas do conhecimento). O evento pretende, ainda, buscar junto </p><p>aos diversos segmentos sociais talentos e sujeitos com esprito i...</p></li></ul>

Recommended

View more >