PROJETO IDENTIDADE: UM DILOGO DA PRTICA ? O Referencial Curricular Nacional para Educao Infantil

  • Published on
    28-Jul-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • PROJETO IDENTIDADE: UM DILOGO DA PRTICA PEDAGGICA DA

    EDUCAO FSICA NA EDUCAO INFANTIL

    Dandara Queiroga de Oliveira Sousa

    Ana Luiza Silva Costa

    Gleidson Patrick Melo de Paula

    Maria Aparecida Dias

    Universidade Federal do Rio Grande do Norte / Natal /RN

    RESUMO

    O Referencial Curricular Nacional para a Educao Infantil (RCNEI) a base para prtica pedaggica infantil e traz em seu terceiro volume, a importncia de se desenvolver o movimento (embora no especifique a necessidade do professor de educao fsica) com as crianas e ainda quais contedos e objetivos devem ser atendidos nesse trabalho orientado. Na educao infantil importante oportunizar criana experincias motoras diversas e esta uma das funes primordiais do profissional em educao fsica. Baseados na concepo de ensino da psicomotricidade, aplicadas para a Educao Fsica, foram planejadas trs aulas que estimulavam principalmente os seguintes aspectos psicomotores: esquema corporal, imagem corporal, tnus, motricidade global, motricidade fina e ritmo. Com o intuito de observar se a prtica corporal bem orientada produziria diferenas na percepo da auto-imagem pelas crianas planejamos e aplicamos o que intitulamos de Projeto Identidade, com crianas de 3 e 4 anos, que consistia trs aulas sistematizadas, cujo contedo era conscincia corporal. A primeira aula foi utilizada a estratgia metodolgica de atividades de imitao, na segunda aula utilizou-se a dana e na terceira a contao de histrias. As aulas foram aplicadas numa creche municipal que no conta com professores de educao fsica no horrio de aulas e nem com prticas corporais orientadas. Nesta faixa etria a criana j capaz de se reconhecer (esquema corporal) e se representar (imagem corporal) no mundo que a rodeia. Avaliamos a percepo da imagem corporal das crianas atravs da avaliao grafomotora atravs de desenhos que representassem seus prprios corpos (no primeiro e ltimo contato). O desenho da criana ser a representao do seu esquema corporal atravs da imagem corporal impressa no papel. Percebemos diferenas significativas nas representaes grficas. Avaliamos o aumento de detalhes corporais (partes do corpo) no desenho da auto-imagem das crianas e baseado nestes desenhos que inferimos que: tanto as intervenes foram satisfatrias, pois mais da metade das crianas tiveram aumentos significativos de detalhes em suas representaes, o que demonstra a eficincia do planejamento orientado e sistematizado; quanto que o esquema corporal das crianas se delineou de maneira mais clara. O que indica maior conhecimento sobre o prprio corpo e como ele se organiza, ficando evidente na imagem corporal.

    Palavras-chave: Educao Fsica, Psicomotricidade.

    INTRODUO

  • O Referencial Curricular Nacional para Educao Infantil (RCNEI) traz

    recomendaes a serem seguidas a nvel nacional para educao infantil. Em seu

    terceiro volume o RCNEI aborda a temtica movimento. No significa dizer que o

    RCNEI (BRASIL, 1998) prev a prtica de educao fsica, por tratar da temtica

    movimento, mas expressa a necessidade de movimento das crianas, relata os

    objetivos e contedos a serem trabalhados com a criana pequena.

    Nesse sentido, o questionamento de nosso Projeto foi verificar se a educao

    fsica escolar pode fazer um trabalho diferenciado com crianas pequenas.

    Estimulando um trabalho de conscincia corporal, baseados na concepo de

    ensino da psicomotricidade, as crianas so oportunizadas das mais variadas

    formas afim de estimular seu desenvolvimento pleno.

    OBJETIVO

    O Projeto Identidade surgiu de um trabalho de campo solicitado pela

    ministrante do componente curricular Educao fsica na educao infantil.

    Elaboramos cuidadosamente o que intitulamos de Projeto Identidade. Trata-se uma

    srie de trs aulas sistematizadas de acordo com a complexidade do trabalho

    solicitado aos pequenos. O contedo das aulas foi o conhecimento sobre o corpo.

    Observamos que a falta de uma prtica motriz bem orientada, assim como a

    experimentao diversificada de atividades motoras pode prejudicar ou adiar o

    desenvolvimento infantil.

    Nosso objetivo era confirmar se aulas pautadas no movimento, de educao

    fsica, sistematizadas e com diversas vivncias, podem auxiliar as crianas na

    ampliao de sua percepo corporal, da imagem de seu prprio corpo.

    METODOLOGIA

    Realizamos nossas trs intervenes no Centro Municipal de Educao

    Infantil (CMEI) Maria Abigail Barros de Azevedo, (Natal/ RN). O Projeto Identidade

    foi realizado nos meses de novembro e dezembro de 2011.

    A Turma Atendida era composta por crianas com 3 ou 4 anos de idade,

    todos do nvel II da educao infantil, que passam horrio integral no CMEI. Em

    cada aula tivemos uma mdia de 18 crianas participando. E para fins avaliativos,

    foram consideradas 12 crianas.

  • Escolhemos para cada aula um tema diferente e uma estratgia metodolgica

    diferentes. As atividades propostas enfatizavam o uso de diversas partes do corpo,

    o intuito no ensinar-lhes o corpo fragmentado, mas estimular a observao

    especfica de determinada parte do corpo. As atividades realizadas foram

    precedidas de rodas de conversas explicando as atividades que faramos e

    sucedidas de rodas finais.

    Escolhemos comear na aula 1 por atividades de imitao. Realizamos

    atividades com espelho. E ento vale destacar nossa concordncia com Le Boulch

    (1982), quando afirma que:

    Progressivamente, a criana poder comparar seu corpo

    cinestsico com as reaes posturais e gestuais que ela v no

    espelho e que ainda lhe so estranhas. [...] a criana chegar a

    convico de que o corpo que ela sente o mesmo daquele

    que ela observa no espelho.

    Nesse sentido, avaliamos como adequada a estratgia metodolgica adotada

    visto que boa parte da turma que participou das trs aulas tinha 3 anos de idade.

    Na atividade onde um deveria imitar o outro, tivemos um pouco de dificuldade,

    principalmente quanto lateralidade. Como cita Le Boulch (1982), isso no , na

    realidade, nada mais que a traduo de carncias educativas que descuidam o

    trabalho psicomotor.

    As prticas corporais do primeiro tema: Espelho, espelho meu esto

    organizadas em atividades de imitao.

    Em seu terceiro volume, o (RCNEI) traz em suas orientaes didticas s

    crianas de 0 a 3 anos uma recomendao que seguimos fielmente em nosso

    projeto:

    As mmicas faciais e gestos possuem um papel importante na

    expresso de sentimentos e em sua comunicao [...] Brincar

    de fazer caretas ou de imitar bichos propicia a descoberta das

    possibilidades expressivas de si prprio e dos outros (RCNEI,

    1998).

    J no segundo tema de aula (aula 2): Eu me remexo muito, planejamos

    atividades que envolvessem ritmo determinado. Na dana das bexigas,

    especificamente, sentimos que as crianas tiveram dificuldade em manipular a bola

    de acordo com o que solicitamos.

  • O RCNEI (BRASIL, 1998) recomenda que ao trabalhar o movimento com a

    criana pequena, dois contedos sejam contemplados: expressividade e equilbrio/

    coordenao. Nas atividades do segundo tema, optamos por realizar atividades que

    contemplassem a expressividade, utilizando como estratgia metodolgica a dana.

    A dana uma das manifestaes da cultura corporal dos diferentes grupos sociais

    que est intimamente associada ao desenvolvimento das capacidades expressivas

    das crianas (BRASIL, 1998).

    Para o ltimo tema: Em busca do nosso corpo, utilizamos a contao de

    histrias em busca do tesouro como estratgia metodolgica. A atividade tinha um

    quebra-cabea como material e as peas do quebra-cabea eram desenhos das

    partes do corpo. Distribumos suas peas. Criamos uma histria, na qual as crianas

    iam tentando adivinhar qual parte do corpo (pea do quebra-cabea) deveriam

    achar. Conforme encontravam as peas, as crianas deveriam mover a parte do seu

    prprio corpo referente pea achada. O tesouro na nossa atividade (o corpinho

    completo), s era descoberto depois que as crianas encontrassem e montassem

    todas as peas do quebra-cabea. Depois de recolhidas as peas foram montadas

    em sala e as crianas batizaram o corpinho de primo Jlio.

    DISCUSSO

    Aplicamos o Projeto Identidade em trs intervenes/aulas (no perodo de 24

    de novembro de 2011 at 02 de dezembro de 2011). Para avaliar a eficincia de

    nosso planejamento e se a sistematizao havia atingido nosso propsito, aplicamos

    um teste grafomotor, no qual as crianas deveriam desenhar elas mesmas. Para

    nosso propsito, o desenho da auto-imagem foi suficiente, enquanto mtodo

    avaliativo, para perceber as alteraes na percepo corporal das crianas com elas

    mesmas, atravs de acrscimos de detalhes corporais em seus desenhos.

    Algumas representaes grficas demonstram maior entendimento do prprio

    corpo, outras no apresentaram diferenas to significativas e uma das crianas

    tivemos dificuldade em avaliar. Tivemos os seguintes resultados:

    PARTICIPANTES

    Meninas (7)

    Meninos (5)

    REPRESENTAES GRFICAS

    Acrscimos significativos (8)

    Pequenos acrscimos (3)

    Dificuldade de avaliar (1)

  • Segue abaixo os desenhos de antes e depois de nossas intervenes:

    - Acrscimo significativo de detalhes corporais:

    Criana 1: Criana 2:

    Criana 3: Criana 4:

    Criana 5: Criana 6:

    Criana 7: Criana 8:

    - Pequenos acrscimos de detalhes corporais:

    Criana 9: Criana 10:

  • Criana 11: - Dificuldade de avaliao: Criana 12:

    Nossa interveno (de 3 dias no consecutivos) foi curtssima e que ainda

    assim tivemos uma excelente resposta das crianas no que diz respeito a sua auto-

    percepo, conhecimento de seu prprio corpo, com atividades que propunham a

    auto-observao e portanto fazia com que as crianas refletissem sobre suas

    possibilidades.

    Comparando os desenhos elaborados antes e aps as intervenes

    planejadas, inferimos que, com o acompanhamento especializado e planejamento

    adequado, as crianas podem se desenvolver de forma mais completa e

    significativa, como prope o prprio RCNEI (BRASIL, 1998).

    Propomos uma maior ateno com as atividades realizadas com as crianas,

    no intuito de explorar cada vez mais suas possibilidades motrizes e alm disso, um

    reflexo sobre a importncia do professor de educao fsica no desenvolvimento

    dos pequenos aprendentes de nossa cidade.

    CONCLUSES

    Escolhemos como mtodo avaliativo a representao grafomotora da auto-

    imagem, que foi aplicada antes e aps todas as intervenes. Foram validados os

    desenhos (representao grafomototra) das crianas que participaram das trs

    intervenes previstas pelo Projeto Identidade.

  • H vrios protocolos avaliativos de inteligncia ou desenvolvimento

    emocional, validados cientificamente desde os anos 20, que usam o desenho como

    metodologia avaliativa.

    H uma tradio que cresceu na dcada de 20 [...] essa

    tradio se concentra naquilo que os desenhos possam revelar

    sobre as capacidades ou estado mental de uma criana como

    indivduo. (Cox, 2000)

    Sobre o processo de aquisio do grafismo, Le Boulch (1982) afirma que:

    A partir dos primeiros traados espontneos, a criana vai criar

    seus prprios modelos (depois dos dois anos); neste estgio

    que a atividade cinestsica e o tono vo ser controlados pela

    viso, constituindo uma atividade vsuo-motora.

    Desta forma o desenho livre colaborou para o processo de aquisio de

    firmeza e coordenao no ato de desenhar, colaborando para melhores

    representaes grficas da auto-imagem posteriormente, visto que grande parte das

    crianas, tiveram significativas mudanas nos detalhes da imagem corporal

    representadas no desenho final.

    REFERENCIAS BIBLIOGRFICAS

    BRASIL. Ministrio da Educao e do Desporto. Secretaria de Educao

    Fundamental. Referencial curricular nacional para a educao infantil /Ministrio

    da Educao e do Desporto, Secretaria de Educao/Fundamental. Braslia:

    MEC/SEF, 1998. 3v.: il.

    COX, Maurren. Desenho da criana / Maurren Cox; traduo Evandro Ferreira.- 2

    Ed. So Paulo: Martins Fontes, 2000.

    LE BOULCH, Jean. O desenvolvimento psicomotor: do nascimento aos 6 anos.

    Traduo Ana Guardiola Brizolara. Porto Alegre, Artes Mdicas, 1982.

Recommended

View more >