Relatório de adensamento

  • Published on
    24-Jun-2015

  • View
    1.396

  • Download
    8

Embed Size (px)

Transcript

<p>Ensaio de Compresso Oedomtrica Ensaio de Cisalhamento Direto Ensaio de Cisalhamento Triaxial</p> <p>NOME:1</p> <p>INDICESENSAIO DE COMPRESSO OEDOMTRICA 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. OBJETIVO FUNDAMENTAOES TERICAS DESCRIO DO PROCEDIMENTO.........................................................................03 ESQUEMA DO ENSAIO.............................................................................................04 RESULTADO OBTIDO...............................................................................................06 ANALISES DOS RESULTADOS................................................................................09 CONSIDERAES FINAIS........................................................................................10</p> <p>ENSAIO DE CISALHAMENTO DIRETO 8. OBJETIVO 9. FUNDAMENTAOES TERICAS 10. DESCRIO DO PROCEDIMENTO.........................................................................11 11. ESQUEMA DO ENSAIO.............................................................................................12 12. RESULTADO OBTIDO...............................................................................................14 13. ANALISES DOS RESULTADOS................................................................................14</p> <p>ENSAIO DE CISALHAMENTO TRIAXIAL 14. OBJETIVO 15. DESCRIO DO PROCEDIMENTO.........................................................................15 16. ESQUEMA DO ENSAIO.............................................................................................16 17. RESULTADO OBTIDO...............................................................................................17 18. ANALISES DOS RESULTADOS................................................................................17</p> <p>2</p> <p>1.</p> <p>OBJETIVO: O ensaio tem por objetivo determinar as propriedades de adensamento do solo, medindo-se as deformaes do material quando submetido a um carregamento e a velocidade com que ocorre a deformao. Pode se tambm determinar a expanso do Solo pelo alvio de cargas, a influncia da inundao em termos de colapso ou expanso e a variao do coeficiente de permeabilidade em funo dos carregamentos aplicados.</p> <p>2.</p> <p>FUNDAMENTAO TERICA: Com a amostra de solo foi realizado o ensaio de adensamento unidimensional de acordo com o mtodo NBR 12007 MB3336 data : 12/1990.</p> <p>3.</p> <p>DESCRIO DO PROCEDIMENTO: Equipamentos utilizados: Anel de Lato para extrao da amostra; Pedra porosa Filtro Cabeote Defletmetro Faquinha, esptula e pano mido para extrao da amostra Procedimento: Nesse ensaio, um corpo de prova do solo comprimido dentro de um anel rgido, o qual no permite deformaes laterais da amostra.</p> <p>O corpo de prova extrado de uma amostra recolhida em campo protegida por parafina para manter a umidade natural do solo. O corpo de prova extrado em um anel de lato, talhado cuidadosamente para no deform-lo. A amostra coberta com pano mido at que seja parafinado o local de onde foi extrado o corpo de prova. Alm do anel, no qual o corpo de prova inserido, tm-se duas pedras porosas que permitem a drenagem, uma base e um cabeote rgido atravs do qual as cargas so transmitidas ao corpo de prova. Um defletmetro possibilita a medida de variao de altura da amostra.3</p> <p>O anel que recebe o corpo de prova tem dimetro cerca de trs vezes a altura, com o objetivo de reduzir o efeito do atrito lateral. Os anis correntemente empregados tm dimetros que variam de 5 a 12 cm. Os anis mostrado na figura colocado em uma prensa de carregamento que permite a aplicao de cargas conhecidas, verticalmente, no centro do cabeote.</p> <p>O carregamento do corpo de prova conduzido em etapas, sendo que o cada novo incremento de carga aplicado dobra-se a carga atuante anteriormente. Uma seqncia bastante comum de carregamento a seguinte: 10 20 40 80 160 320 640 1280 2560 kPa. A seguir feito o descarregamento do corpo de prova, tambm em etapas. Cada nvel de carregamento aplicado em geral durante 24 horas, sendo que durante esse perodo de tempo fazem-se leituras da variao de altura do corpo de prova em tempos pr-estabelecidos (em geral, a 7.5s, 15s, 30s, 1min, 2min, 4min, 8min, 15min, 30min, 1h, 2h, 4h, 8h, e 24h). Estas leituras iro servir para analisar a evoluo dos recalques com o tempo. 4. ESQUEMA DO ENSAIO: - Saturao da amostra - Aplicao do carregamento - Leituras, geralmente efetuadas em uma progresso geomtrica do tempo (15s, 30s, 1min, 2min, 4min, 8min, ... 24hs), dos deslocamentos verticais do topo da amostra atravs de um extensmetro. - Plotar grficos com as leituras efetuadas da variao da altura ou recalque versus tenses aplicadas - A partir da interpretao dos grficos, decidir se um novo carregamento deve ser aplicado. Repetem-se os processos anteriores. - ltima fase: descarregamento da amostra. Seqncias usuais de cargas (em kgf/cm2) : 0,20; 0,40; 0,80; 1,60; 3,20; 6,40; 12,80; 25,60 (em kPa) : 3, 6, 12, 25, 50, 100, 200, 400, 800, 1600 Obs: em geral so aplicados de 8 a 10 carregamentos podendo chegar a 2 semanas de ensaio obs.: 1 kN = 0,1 t 1 t/m2 = 10 kPa 1 kgf = 9,81 N 1 kgf/cm2 = 10 t/m24</p> <p>1 kgf/cm2 = 100 kPa</p> <p>5</p> <p>5.</p> <p>RESULTADOS OBTIDOS: Os resultados encontram-se a seguir:</p> <p>6</p> <p>7</p> <p>8</p> <p>9</p> <p>6.</p> <p>ANLISE DOS RESULTADOS:</p> <p>ndice de vazios Inicial do corpo de prova</p> <p>Grau de saturao Inicial</p> <p>Clculo dos Recalques</p> <p>H1 = Ho (1+e1) e H2 = Ho (1+e2) O recalque a diferena entre H1 e H2: = (e1-e2) x H1/(1+e1)</p> <p>OBS: Segue anexo o calculo efetuada a mo.</p> <p>10</p> <p>7.</p> <p>CONSIDERAES FINAIS: ______________________________________________________________________________________</p> <p>______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________</p> <p>11</p> <p>ENSAIO CISALHAMENTO DIRETO8.OBJETIVO: O principal objetivo dos ensaios de cisalhamento direto determinar as propriedades do solo (coeso e ngulo de atrito). Este ensaio consiste em determinar qual a tenso de cisalhamento capaz de provocar a ruptura de uma amostra de solo para uma dada tenso normal.</p> <p>9.</p> <p>FUNDAMENTAO TERICA: O ensaio de cisalhamento direto o mais antigo procedimento para a determinao da resistncia ao cisalhamento e se baseia diretamente no critrio de Mohr-Coulomb.</p> <p>10. DESCRIO DO PROCEDIMENTO: Equipamentos utilizados: Caixa de ensaio de cisalhamento direto Base com cavidade Pedra porosa Faca para o corpo de prova no escorregar Carimbo Anel para extrao da amostra Cabeote Procedimento: Uma amostra de solo talhada (Figura A) e colocada parcialmente em uma caixa de ensaio de cisalhamento ficando com a metade superior dentro do anel (Figura A), a parte inferior fixa e a parte superior move-se na horizontal. So colocadas pedras porosas nas extremidades com intuito de drenar a amostra. Inicialmente, aplicada uma fora vertical N, depois se aplica uma fora tangencial T no anel que contm a parte superior de amostra de solo, provocando o deslocamento e mede-se a fora suportada pelo solo.</p> <p>12</p> <p>11. ESQUEMA DO ENSAIO:</p> <p>(A)</p> <p>13</p> <p>(B)</p> <p>(C) Equipamento</p> <p>14</p> <p>(D) CP Durante o ensaio</p> <p>12. RESULTADOS OBTIDOS:Devido ao ensaio ter dado errado, no possvel apresentar resultado. 13. ANLISE DOS RESULTADOS: Devido ao ensaio ter dado errado, no possvel apresentar anlise de resultado.</p> <p>15</p> <p>ENSAIO DE CILHAMENTO TRIAXIAL14. OBJETIVO:O principal objetivo dos ensaios de compresso triaxial a determinao das propriedades geomecnicas do solo: mdulos de deformabilidade, parmetros da poropresso e parmetros de resistncia ao cisalhamento. 15. DESCRIO DO PROCEDIMENTO: Equipamentos utilizados:Cmara de Ensaio Dinammetro Base retangular e mini-torno para modelao do corpo de prova gua leo de mamona Membrana plstica</p> <p>16</p> <p>Procedimento: O corpo de prova colocado na base da cmara de confinamento, com uma pedra porosa na sua base e outra no seu topo, logo aps h a colocao de uma membrana impermevel envolvendo a amostra que presa por anis de borracha, o corpo de prova conectado no topo e na base para permitir a drenagem e depois s buretas. Ento feita a fixao da cmara de material resistente e transparente. Esta cmara cheia com gua cuja funo aplicar a tenso confinante (3) atravs de um dispositivo que medir o valor da presso neutra. Durante o ensaio so aplicados carregamentos, medindo-se em intervalos de tempo, o acrscimo de tenso axial que est atuando e a deformao vertical do corpo de prova.</p> <p>16. ESQUEMA DO ENSAIO:(A) (B)</p> <p>(C)</p> <p>(D)17</p> <p>(E)</p> <p>(F)</p> <p>(G) Figuras A-H: Etapa da montagem do ensaio triaxial.</p> <p>(H)</p> <p>17. RESULTADOS OBTIDOS:Devido ao ensaio ter dado errado, no possvel apresentar resultado. 18. ANLISE DOS RESULTADOS: Devido ao ensaio ter dado errado, no possvel apresentar anlise de resultado.</p> <p>18</p>