Revista Condor - 27ª Edição

  • Published on
    07-Jul-2015

  • View
    235

  • Download
    0

Transcript

CLNICA DE

CITOLOGIA

LABORATRIO TAFURIAN AT CA GI OM IA PATOL

LT

Edio 2009 - Ano VI - N. 27

LIES PARA O BEM VIVER. Pgina 9

REVISTA

DOR

condor| Janeiro e Fevereiro de 2009

ndiceUM CLNICO PARA A DOR O tempora! O mores!............................................3 PARA REFLETIR No perdendo o valor...............................................3 SADE & ESTTICA Analogias em medicina............................................ 4 AGENDA Acontece na Medicina..............................................4 CINCIA & PESQUISA Insuficincia Renal Crnica...................................... 5 EM TEMPO Doenas Genticas...................................................5 ENTREVISTA Uma senhora doutora.........................................6 e 7 ATUALIDADE Medicina suplementar: desafios e tendncias.........8 MENSAGEM REVISTA CONDOR Vida moderna......................................................8 e 9 PSICOLOGIA (CAPA) A arte de viver bem..................................................9 ARTIGO Esperana: atitude essencial vida e morte....... 10

DOR

LABORATRIO TAFURIA A NA IC TO MIA PATOLG

LT

ANO VI - N. 27 - JANEIRO E FEVEREIRO - 2009

DIRETOR-PRESIDENTE Geraldo Eugnio Richard Carvalhaes Presidente da Clnica de Dor APOIO Celso Pedro Tafuri Diretor do Laboratrio Tafuri JORNALISTA RESPONSVEL Mrian Pinheiro - Registro Mt 05818 jp - MG PROJETO GRFICO / ARTE E DESIGN Marlon Ribeiro - (31) 9206-2057 DEPARTAMENTO COMERCIAL Fabiana - (31) 3337-3516 DIVULGAO E PUBLICIDADE Michelle Costa - (31) 8806-3077 IMPRESSO MJR Editora Grfica TIRAGEM 10.000 exemplares

REVISTA

CLNICA DE

CITOLOGIA

condor

EXPEDIENTE

no novo, vida nova; diz o ditado popular. Porm, ns, dr. Tafuri e eu, gostaramos de, neste ano pelo menos, continuarmos com a roupagem com a qual revestimos os dois ltimos nmeros de nossa revista. Do formato de um simples jornal, migramos para a apresentao da Revista Condor, com um layout novo e, pelos comentrios, de excelente aceitao. Comeamos o ano, como todos, na esperana de melhores dias, menos crises de capitais, hombridade, poltica, etc.. Ano novo, novas idias. Assim ser, espero, o ano de 2009. Na esperana de que a poltica dos Estados Unidos possa apaziguar o mundo e, apesar do otimismo de nosso presidente, tambm a ns. Como sempre, temos os artigos interessantes, como o artigo do dr. Evaldo Assumpo, que nos leva a refletir sobre um tema excitante: o viver eternamente ou o morrer com dignidade, a dra. Carolina prope uma reflexo sobre o viver feliz, parece-me, complementando a filosofia proposta pelo dr. Evaldo, e o dr. Jos de Souza Andrade, que nos mostra uma curiosidade mdica, enriquecendo nossa cultura. Eu procuro mostrar uma face interessante da medicina e um novo porvir, com o eletromagnetismo voltando a ser moda na teraputica. Dr. Tafuri, exemplo de patologista, por sua vez, esclarece-nos sobre uma doena silenciosa e grave: a insuficincia renal crnica. J nossa entrevistada, dra. Norma Morais Salvador Silva, uma pessoa que faz acontecer, por isso merece o destaque desta edio. Espero que seu exemplo sirva de estmulo para todas nossas colegas nefitas. Profissional competente, me exemplar, companheira incondicional, mulher de sucesso, uma verdadeira mdica na acepo da palavra. O dr. Petrnio Boechat alertou-me uma vez: Carvalhaes, o pouco que tenho devo a medicina. s vezes, me pergunto, o que tenho dado medicina?. Sua inquietao me tocou muito e sempre me faz questionar sobre o que tenho dado para a medicina? E voc, colega, o que tem feito para melhorar sua profisso? Ajude-nos a divulgar trabalhos, mostre o que tem feito de bom para a sociedade e, para dignificar a arte mdica, venha fazer parte deste ideal, estando conosco durante o ano de 2009. Assim,nas graas de Deus, espero. Um Feliz Ano Novo, cheio de realizaes e sucessos teraputicos, que o que todos desejamos. Abraos!

A

Editorial

Geraldo Eugnio Richard CarvalhaesMdico / Presidente da Clnica de Dor

As matrias e fotografias desta revista no podem ser republicadas por outros veculos de comunicao sem prvia anuncia da sua Editoria. Clnica de Dor Laboratrio Tafuri

Veja a Revista Condor tambm na internet. Acesse nosso site:

www.revistacondor.com.br

foto: divulgao - internet

Um clnico para a dor

paraNO PERDENDO O

VALOR

| Extrado do livro As Parbolas na Empresa, de Alexandre Rangel - Editora Leitura, Out/2006. |

O TEMPORA!| GERALDO EUGNIO RICHARD CARVALHAES || Mdico e Diretor da Clnica de Dor |

O

t e m p o r a ! O m o r e s ! , expresso latina que significa os tempos, os modos. A medicina parece tambm ter seus modismos. Quando criana, lembro-me que, j sonhando em ser mdico, observava uma peculiariedade da poca: o foco dentrio. Todas as pessoas acima de quarenta anos tinha seus dentes extrados, mesmo porque a odontologia era precria na preveno das cries e invariavelmente a sade bucal deixava muito a desejar, levando a infeces crnicas periodontais, responsveis por uma srie de patologias, principalmente cardacas. Todos os idosos da poca necessitavam de prteses dentrias, como as famigeradas dentaduras, pontes ou Rotes. Com o avano tecnolgico, temos hoje os implantes dentrios. Um pouco mais tarde, notei que a ateno mdica passou a ser as amigdalectomias e adenoidectomias. Em nome do famigerado foco infeccioso, se extraiam as amgdalas e adenides de quase todas as crianas. Logo aps, veio a era da apendicectomia. Uma dor abdominal, at que se provasse o contrrio, era devida a uma apendicite. Mesmo se abrssemos o abdmen e nada encontrssemos, se retirava o apndice, por preveno, pois, em um

futuro, poderia a criana desenvolver apendicite. Mais tarde, deu-se incio a era da reduo da mama. As mulheres sonhavam com um peito pequeno, duro e ereto. A seguir, a era da lipoaspirao. At hoje, qual a mulher que no sonha com uma lipoescultura? Por ironia, em seguida veio a era das prteses mamrias, de bumbum...Agora, no mais a reduo da mama e sim aumento de seu volume o desejo cobiado. Em minha rea de atuao, estou iniciando com uma nova tecnologia: a estimulao magntica transcraniana, que tem sido de grande utilidade em diversas patologias. Porm, medida que utilizamos essa tcnica, descobrimos vrias outras indicaes para o procedimento. A ltima notcia vem da Inglaterra, onde um paciente aps sofrer um acidente de carro ficou por um ano em estado vegetativo (coma), sem sinais de recuperao. Os mdicos resolveram, em nome da plasticidade neuronal, usar a estimulao magntica em seu crebro. Para espanto geral, o paciente recobrou do coma, voltando a falar, enxergar e a se comunicar. Mais um modismo? Uma nova era na medicina? Uma revoluo tecnolgica? Para mim, s o tempo dir. O tempora! O mores!

Um famoso palestrante comeou um seminrio segurando uma nota de 20 dlares. Numa sala com 200 pessoas, ele perguntou: - Quem quer esta nota de 20 dlares? Mos comearam a se erguer. Ele disse: - Eu darei esta nota a um de vocs, mas, primeiro, deixem-me fazer isto! Ento, ele amassou a nota e perguntou, outra vez: - Quem ainda quer esta nota? As mos continuaram erguidas. - Bom - ele disse -, e se eu fizer isto? E deixou a nota cair no cho e comeou a pis-la e a esfreg-la. Em seguida, pegou a nota, agora imunda e amassada, e perguntou: - E agora? Quem ainda quer esta nota? Todas as mos permaneceram erguidas. - Meus amigos, vocs todos devem aprender esta lio: no importa o que eu faa com o dinheiro, vocs ainda iro querer esta cdula, porque ela no perde o valor; ela ainda valer 20 dlares. Essa situao tambm se d conosco. Muitas vezes, em nossa vida, somos amassados, pisoteados e ficamos sujos, por decises que tomamos ou pelas circunstncias que vm em nossos caminhos, e, assim, ficamos nos sentindo desvalorizados, sem importncia. Creiam, porm, no importa o que aconteceu ou o que acontecer - jamais perderemos o nosso valor perante o universo. Quer estejamos sujos, quer estejamos limpos, quer amassados ou inteiros, nada disso altera a importncia que temos - a nossa valia. O preo de nossa vida no pelo que fazemos ou sabemos, mas pelo que somos!

REVISTA CONDOR

|3

Sade & Esttica

CABELO ESCOVINHA OU LA DUNGAm 1925, Cooley e Lee descreveram uma forma de anemia grave associada a esplenomegalia e anormalidades sseas, denominada por eles de talassemia (gr. talassos, mar), porque seus pacientes eram de origem mediterrnea. (Cooley TB, Lee P: A series of cases of splenomegaly in children with anemia and peculiar bone changes. Trans Am Pediatr Soc 37:29, 1925). Sabese hoje que a talassemia um grupo heterogneo de distrbios genticos que levam reduo da sntese das globinas alfa e beta da HbA. Ocorre eritropoese ineficaz, hemlise e graus variveis de anemia. As alteraes patolgicas e radiogrficas da beta-talassemia (major) so, em grande parte, devidas hiperplasia e expanso da medula hematopotica, que provoca eroses sseas e induz neoformao de tecido sseo. A radiografia do crnio, principalmente no plano lateral, mostra estriaes radiais densas sobre a calota craniana, que se estendem alm da tbua externa. Estas

ANALOGIAS EM MEDICINA:

| JOS DE SOUZA ANDRADE FILHO || Patologista, Professor de Patologia da Universidade de Cincias Mdicas de Minas Gerais |

E

radiaes representam trabculas sseas neoformadas, dispostas em ngulo reto e perpendiculares ao crnio, comparado ao aspecto de cabelo cortado escovinha (ingl. crew-hair) ou de "cabelo eriado ou em p" (ingl. hair-on-end appearance). A p ro ve i ta n d o o m o m e n to esportivo nacional, inevitvel a comparao deste aspecto radiolgico com a cabeleira do Sr. Dunga, tcnico atual da seleo brasileira de futebol (Fr. cheveux la Dunga; Ingl. Dungas hair appearance). O quadro radiolgico de cabelo escovinha explicado pelas observaes que indicam que o efeito da presso dentro do espao medular depende da forma do

osso. De acordo com leis fsicas, a fora exercida por uma substncia semi-lquida (medula ssea) contida entre dois ossos curvos paralelos (como no crnio) diretamente perpendicular superfcie envolvente. Assim a tbua externa submetida a uma fora divergente para fora, resultando em trabculas radialmente orientadas, adelgaamento sseo e perfurao. Por outro lado, a tbua interna submetida a uma fora convergente ou compactante e no se torna adelgaada. Uma vez perfurada a tbua externa, a medula hematopotica prolifera no espao subperistico, estimulando a neoformao ssea na superfcie craniana. O osso neoformado estar submetido s mesmas foras que aquelas atuantes no espao medular, foras estas direcionadas em ngulos retos sobre a superfcie ssea, resultando no arranjo perpendicular das espculas sseas. Aspecto similar visto na anemia falciforme ou drepanocitose.

CONT C E E A NA MEDICINAjaneiro e fevereiro / 20091 JORNADA DE ANATOMIA Data: 19 30 de janeiro de 2009 Local: Cidade Universitria - So Paulo Informaes e inscries: www.icb.usp.br 1 CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE PSICOLOGIA DA SADE Data: 05 07 de fevereiro de 2009 Local: Faro - Portugal Informaes e Inscries: www.eventos.ualg.pt/CIPS

Agenda

27 CONGRESSO INTERNACIONAL DE ODONTOLOGIA - SP Data: 24 28 de janeiro de 2009 Local: So Paulo - SP Informaes: www.ciosp.com.br 1 SIMPSIO INTERNACIONAL EM PLACEBO Data: 12 14 de fevereiro de 2009 Local: So Paulo - SP Informaes: www.institutoscala.com.br/placebo

4 | REVISTA CONDOR

Cincia & Pesquisa

INSUFICINCIA RENAL CRNICA| CELSO PEDRO TAFURI || Patologista, Diretor do Laboratrio Tafuri |

A A-

doena renal crnica caracterizada pela perda progressiva e irreversvel dos rins, responsveis por tantas funes indispensveis a nossa vida. Basicamente controla o balano de sdio, a eliminao de toxinas do sangue, regulam a presso sangunea e controla atravs da filtrao todo balano qumico e de lquidos do nosso organismo. As causas so as mais variadas possveis. Entretanto, em nosso meio o diabetes e a hipertenso arterial so causas dominantes. Outras causas devem ser citadas como obesidade, alteraes do colesterol e triglicrides, o sedentarismo associado ao tabaco e doenas crnicas como hepatite C, AIDS, tuberculose etc. Sendo os rins responsveis pelo controle de nossa presso, quaisquer causas que comprometam sua funo, agrava mais ainda o desequilbrio dessa presso fechando portanto o ciclo. Os pacientes diabticos so na verdade os maiores portadores de risco dessa doena, calculando-se entre 10 e 15 anos o tempo para se formar um quadro de insuficincia renal crnica, na maioria das vezes progressiva sem resposta clnica ao tratamento As manifestaes clnicas destes pacientes so: perda de protena na urina (proteinura), aparecimento da presso alta e o aumento da uria e da creatinina no sangue. Outras causas importantes so as glomelonefrites crnicas, rins policsticos e pielonefrites, (geralmente conseqente da calculose renal, infeces urinarias crni-

cas, obstrues renais ou das vias urinarias). A sintomatologia varia de acordo com a fase da doena. No inicio totalmente assintomtica. Aps a perda aproximada de 50% da funo renal, os sintomas so caractersticos: anemia crnica, presso alta, edema dos membros inferiores e dos olhos, urina escura e espumosa, mudana de hbi-

co, mas progressivamente vai necessitar de hemodilise e at transplante renal. Como o tratamento de alto custo, incompatvel com a situao atual da sade brasileira, existem servios j com cadastro destes pacientes para entrarem na fila do tratamento da hemodilise. Por isso, a Sociedade Brasileira de Nefrologia preocupada com esta situao iniciou uma campanha nacional

tos de urina (levantar a noite) e perda de sangue pela urina, fraqueza, nuseas e vmitos. Antes mesmo do incio desses sintomas os pacientes de risco como hipertenso e diabticos devem obrigatoriamente procurar seu mdico clnico de confiana. A perda da funo renal lenta, mas progressiva e irreversvel, variando de 30 a 100% dos casos. O tratamento inicialmente clni-

de preveno e diagnostico da doena nas fases iniciais, ainda compatvel com o tratamento clinico. A alimentao deve ser rica em fibras e pobre em protenas animais e em sal de cozinha (no mximo 5g/dia) - e ingesto de basicamente lquidos. A doena grave o prognostico pior ainda. Por isto a preveno necessria e obrigatria. Procure ainda hoje seu clinico de confiana ou seu nefrologista.

TEMPO

M

DOENAS GENTICAS Pesquisadores chineses, de Hong-Kong, acabam de publicar na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences trabalhos originais. Eles desenvolveram uma nova tcnica que permite detectar doenas genticas em fetos a partir de amostras de sangue das mes grvidas. Um novo exame analisa o DNA fetal no sangue da me comparando-o com o prprio sangue da mulher. Os cientistas afirmaram que o mtodo pode identificar doenas graves como fibrose cstica, talassemia beta e anemia falciforme, responsveis por um alto nmero de abortos. Muitos casais desejosos de ter um filho, nem sempre esto cientes da importncia no estudo gentico durante a gravidez, para evitar abortos inevitveis. Mais uma vitria da medicina prevista.REVISTA CONDOR

|5

Entrevista

UMA SENHORA DOUTORAaria Norma Morais Silva ou simplesmente Dra. Norma, como h 51 anos vem sendo chamada por seus pacientes. Mdica, ginecologista e obstetra, ela o perfil desta edio que inaugura um novo ano para todos ns. Norma est comemorando mais de cinco dcadas de exerccio profissional, boa parte deles atuando no conceituado hospital Mater Dei. Tempo de muito aprendizado e grandes conquistas, talvez, a principal delas, ser me e av de 10 netos. E orgulhosa da famlia, do trabalho e do casamento que mantm h iguais 51 anos, que ela expe suas opinies Revista Condor, entre elas, sobre o que pensa do feminismo, maternidade, religio, os avanos da medicina e as injustias sociais que assolam o mundo. Os temas abordados nesta entrevista trazem a viso singular de uma mulher preocupada com o mundo e suas transformaes, uma profissional sensvel e apaixonada pela vida.

| MRIAN PINHEIRO |

M

Origens Sou baiana, de Feira de Santana. Vim pra BH pra fazer vestibular. Aqui formei, casei e tive meus filhos. Meu marido (o mdico Jos Salvador Silva), o conheci na Faculdade, na UFMG. Trabalhamos juntos em vrios hospitais da cidade, at ele fundar o Mater Dei, em 1980. Somos casados h 51 anos.

tornando-as construtoras de sua prpria histria, no tem e no poder ter qualquer carter de competio com os homens. A prpria evoluo da sociedade demonstra a necessidade imperiosa de homens e mulheres, respeitosamente, construrem juntos o patrimnio social a ser legado a seus filhos e a geraes futuras, conscientes de que a jia mais rara desse patrimnio o saber. Sou a favor fotos: divulgao do feminismo na medida em que ele leva a mulher para o mercado de trabalho, para postos de comando, para a luta do dia-a-dia. Homem e mulher se completam em todos os sentidos. Parceria que importante.

Maternidade e profisso Maternidade no exclui profisso. claro que a jornada maior, mas o prazer tambm grande. Na minha poca, era difcil encontrar uma mulher exercendo a medicina. Sinto-me um pouco desbravadora. Sempre conciliei muito bem a minha profisso com o ser me. Tive filho logo que casei, foi um por ano, at completar os quatro. Isso facilitou demais, eles foram para a escola na mesma poca, funcionava bem a rotina. Naquela poca, era mais fcil arrumar bons auxiliares para ajudar a gente em casa. No como hoje. Minha me tambm era muito solcita, quando dava luz, ela logo vinha me ajudar. Passava uns trs meses na minha casa.

Maria Norma Morais Silva ou simplesmente Dra. Norma

Todo ser humano deve ter um pouquinho de vaidade. Ela que garante um bom equilbrio entre a mente e o corpo.Feminismo crescente a participao da mulher, em todos os nveis da sociedade. As nossas faculdades esto formando, ano aps ano, um nmero sempre crescente de mulheres. A luta das mulheres para se realizarem e se desenvolverem intelectualmente,

Desafios da medicina Hoje a medicina est completamente diferente da poca em que me formei. Cada dia que passa percebo que a tecnologia est substituindo a clnica. Os avanos so fantsticos , mas no podem substituir o mdico. Precisamos socializar a medicina, levar sade a todos, sem distino. O que temos de mais importante na vida, nossa sade. Quando o conhecimento poderia e deveria estar ao alcance de todos, milhes de seres humanos dele esto sendo afastados. A fome, a misria, as doenas endmicas consomem vidas preciosas, numa contradio inaceitvel com os nveis de produo de alimentos e servios ofertados. Uma violncia assustadora vem inibindo o prazer e a alegria de viver.

Tempo bom So vrias momentos. Fui privilegiada. Pude ter muitos momentos bons. J criei meus filhos, agora estou curtindo os netos e continuo trabalhando. Quer coisa melhor? O trabalho me impulsiona, me alimenta. Aprendo todo dia com meus colegas,

6 | REVISTA CONDOR

Dra. Norma no deixa de ressaltar que, dentre suas grandes conquistas, a principal delas ser me e tambm av.

minhas clientes. uma troca diria muito interessante. Enquanto eu estiver com a cabea boa, este ser o meu tempo, o meu tempo bom.

cultura. Se estamos bem fisicamente e temos cultura, somos belos. assim que vejo a beleza.

Lembranas Tenho muitas boas lembranas, como a das vezes em que estive grvida e pude curtir meus filhos ainda pequenos, como era bom...Viagens...Netos, tanta coisa!

Tecnologia Quando penso no avano dos estudos sobre as clulas-tronco, no posso deixar de aplaudir a cincia e a tecnologia. Os aparelhos ultramodernos deram um salto evolutivo na medicina, hoje podemos diagnosticar doenas que antes eram desconhecidas. Cada dia evolumos mais. Isso muito bom. Renovam nossas esperanas que, num futuro breve, muitas doenas hoje sem cura, podero ser tratadas. . Mas a tecnologia s vlida se respeita o ser humano. Seu uso deve ser responsvel e, sobretudo, tico.

Exemplos de mulher Comeo pela minha me, ela era uma mulher muito ntegra. Depois, so muitas: milhas filhas (Maria Norma e Mrcia), H i l l a r y C l i n t o n , D i l m a Ro u s s e f f, Condoleezza Rice, Margareth Thatcher, Indira Gandhi . So muitas as mulheres que admiro. Cada qual sua maneira, so dignas de admirao.

investigao da morte e do morrer, descrevendo os vrios estgios da dor que acompanha esse processo e afirmando com esperana: a morte no existe. Em suas comoventes memrias, ela relata sua luta e suas descobertas, ensinando-nos a viver com alegria e compaixo.

Religio Sou catlica. Mas acredito que todas as religies levam a Deus e so boas. Quem generoso e caridoso tem religio. Amar ao prximo como a ti mesmo o maior de todos os mandamentos. O mais importante da vida o amor. Saber amar uma beno. Saber doar-se amar.

A luta das mulheres para se realizarem e se desenvolverem intelectualmente, tornando-as construtoras de sua prpria histria, no tem e no poder ter qualquer carter de competio com os homens.

Beleza Ajuda. Mas a beleza principal que a vem de dentro. Todo ser humano deve ter um pouquinho de vaidade, ela que garante um bom equilbrio entre a mente e o corpo. A beleza quase sinnimo de sade e

Livro de cabeceira So muitos os livros que marcaram minha vida. No momento, estou lendo a Roda da Vida , de Elisabeth Kbler-Ross. um autobiografia. Ela uma mulher extraordinria que, como mdica, foi pioneira na

Casamento solidariedade. No fcil. So duas pessoas diferentes, convivendo diariamente ,que se unem para formar uma nova famlia. um exerccio de compreenso mtuo. Mas com respeito, tudo possvel.

Justia A gerao de nossos filhos foi forjada para enfrentar dificuldades e asperezas, criando corajosamente a base e os fundamentos da sociedade das geraes futuras, mais justa, mais humana, mais solidria, que ser, pelo menos, uma sociedade de fato e de direito.REVISTA CONDOR

|7

Atualidade

MEDICINA SUPLEMENTAR:DESAFIOS E TENDNCIASos ltimos meses, o mundo se voltou para a desestabilizao da economia americana que, como num efeito cascata, rapidamente gerou a queda da liquidez na economia mundial. Este fenmeno, cujas conseqncias so incomensurveis, contribuiu para a reduo da capacidade dos setores produtivos, com um aumento significativo das taxas de desemprego A falta de oportunidades de trabalho gera a perda do poder aquisitivo, fortemente impulsionada pela incapacidade de consumo. Este atual cenrio, despertado na maior potncia econmica mundial - os Estados Unidos, se revela extremamente nefasto para as outras economias que se veem mergulhadas em ndices de reduo de crescimento. Estes nmeros revelam uma assustadora crise econmica global. A crise tem criado um quadro negativo em mbito global. Com expectativa de recesso nos Estados Unidos e Europa, a grande tendncia de que influencie na poltica de exportao do Brasil, pela retrao do mercado externo. Diante da evidente desacelerao da economia internacional, o aumento da| FERNANDO ROSSI || Mdico, Presidente da Associao Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge-MG) |

N

cotao do dlar encarece os importados e, consequentemente, pressiona a inflao. Neste cenrio, esto ameaados os atuais custos mdicos hospitalares, que possivelmente sofrero variao. No que se refere poltica administrativa das operadoras, os custos do novo rol da ANS podero sofrer ajustes este ano. Outra ameaa advm da portabilidade que, se concretizada, tende a reduzir a populao de usurios e tambm os preos praticados atualmente. Essa transferncia de associados pode gerar, ainda, uma queda generalizada de faturamento. Divulgada em novembro, a consulta pblica n. 30, prev eliminar os contratos por adeso. Trata-se de outro fator complicador que tambm poder prejudicar as operadoras que comercializam este tipo de produto. A atividade das operadoras de sade se tornou substitutiva das aes governamentais. Impingidas politicamente pelo Ministrio da Sade, as empresas se vem obrigadas a cumprir, de forma incontestvel, as normas advindas dos rgos reguladores. Assim sendo, atualmente tm sido regulamentadas por

tcnicos sanitaristas do Ministrio da Sade, com decises poltico-filosficas de carter populista e em desajuste com as regras bsicas necessrias para manter a lucratividade de qualquer operadora. Outro fator desestimulador refere-se ao aumento nas exigncias das coberturas regulamentares. E, neste mercado, j consolidado a partir de uma concorrncia canibalstica, sobrevivem aquelas operadoras que adotam uma poltica de preos baixos e, consequentemente, baixa lucratividade. Como se no bastasse, o fenmeno do envelhecimento populacional uma constatao iminente. Nos prximos anos, o risco do negcio tende a aumentar em funo da alta sinistralidade que elevar ainda mais os custos hoje registrados nas empresas. Mas, como toda crise gera novas oportunidades... o momento de rever as condies de remunerao entre hospitais, mdicos, laboratrios e empresas do segmento, para que haja uma poltica de negociao justa, clara e de interesses mtuos, sem prejuzo unilateral.

mensagem

Extrado do site http://textos_legais.sites.uol.com.br/textos_reflexao.htm

VIDA MODERNA

Um homem de negcios americano, no ancoradouro de uma aldeia da costa mexicana, observava um pequeno barco de pesca que atracava nesse momento trazendo um nico pescador. No barco vrios grandes atuns. O americano deu parabns ao pescador pela qualidade dos peixes e perguntou-lhe quanto tempo levara para pesc-los.

- Pouco tempo - respondeu o mexicano. Em seguida, o americano perguntou por que ele no permanecia no mar mais tempo, o que lhe teria permitido uma pesca mais abundante. O mexicano respondeu que tinha o bastante para atender as necessidades imediatas de sua famlia. O americano voltou carga: - Mas o que que voc faz com o resto de

seu tempo? O mexicano respondeu: - Durmo at tarde, pesco um pouco, brinco com meus filhos, tiro a siesta com minha mulher, Maria, vou todas as noites aldeia, bebo um pouco de vinho, toco violo com meus amigos. Levo uma vida cheia e ocupada, seor. O americano assumiu um ar de pouco caso e disse:

8 | REVISTA CONDOR

| CAROLINA FRANA RICHARD CARVALHAES || Psicloga |

A ARTE DE VIVER BEMfoto: divulgao - internet

stamos sempre buscando uma maneira de vivermos plenamente, de sermos felizes... E essa busca parece no ter fim... Isso porque muitos de ns buscamos a felicidade em coisas exteriores. Contudo, a felicidade est em nosso interior. Epteto, grande filsofo do estoicismo, nos deixou algumas dicas de como viver uma vida plena e feliz. Para ele, felicidade e realizao pessoal so conseqncias naturais de atitudes corretas. E essa felicidade vem por meio de uma serenidade interior e, conseqentemente, de uma liberdade pessoal duradoura. Mas como conseguir isso? Aqui vo alguns de seus ensinamentos: ? Saiba distinguir entre o que voc pode controlar e o que no pode. Sob nosso controle esto as nossas opinies, desejos, aspiraes... essas reas so da nossa conta porque esto sujeitas nossa influncia direta. Agora, coisas como o tipo de corpo que temos e a maneira como somos vistos pelos outros so coisas que no dependem de ns. Tentar controlar ou mudar o que no podemos s resulta em aflio e angstia; ? Ocupe-se apenas do que voc

E

pode controlar. Mantenha sua ateno no que de fato lhe compete e tenha em mente que aquilo que pertence aos outros (inclusive opinies deles sobre voc) problema deles e no seu; ?acontecimentos que No so os nos ferem, mas a viso que temos deles. Quando algo acontece, a nica coisa que est em nosso poder nossa atitude em relao ao fato. Suas alternativas so a aceitao ou o ressentimento. As coisas em si no nos ferem ou nos criam obstculos, so nossas atitudes e reaes que nos criam problemas; ? Se, na verdade, so os nossos sentimentos sobre as coisas o que de fato nos atormenta e no as coisas em si, logo, culpar os outros ou a si mesmo tolice! Quando no h vergonha, no h culpa. Tenha em mente que todos erramos e no sinta vergonha dos seus erros; ? Crie o seu prprio mrito, nunca dependa da admirao dos outros. D o melhor de si, seja o melhor que voc puder,

sem se importar com o que os outros pensam sobre isto...Sejamos felizes! ? est sempre sob o Sua vontade seu poder. Nada pode faz-lo parar a no ser que voc permita... ? Utilize as dificuldades da vida para voltar para dentro de si mesmo. As provaes que suportamos podem e devem nos revelar quais so as nossas forcas. Quando houver um incidente, no reaja impensadamente: volte-se para seu ntimo e pergunte a si mesmo de que recursos dispe para lidar com o que aconteceu... ? que tudo tem dois Lembre-se lados. Todos os acontecimentos tm algo vantajoso para voc, se voc quiser procurar... ? felicidade s pode Saiba que a ser encontrada dentro de ns. Conquistamos a liberdade e a felicidade quando deixamos de lado as coisas que esto fora do nosso controle. Sua felicidade depende de trs coisas que esto todas sob seu poder: sua vontade, suas idias a respeito do est acontecendo ou aconteceu e o uso que voc faz das suas idias... ? de si e seja sempre D o melhor bom... claro que no mudamos de uma hora para outra. Mas toda mudana deve ser acompanhada de hbito. No adie sua felicidade para amanh... Pratique os princpios, reflita sobre sua vida e seja feliz!

Psicologia (Capa)

mensagem

- Eu sou formado em administrao em Harvard e poderia ajud-lo. Voc deveria passar mais tempo pescando e, com o lucro, comprar um barco maior. Com a renda produzida pelo novo barco, poderia comprar vrios outros. No fim, teria uma frota de barcos pesqueiros. Em vez de vender pescado a um intermedirio, venderia imediatamente a uma indstria processadora e, no fim, poderia ter sua prpria indstria. Poderia controlar o produto, o processamento e a distribuio.

Precisaria deixar esta pequena aldeia costeira de pescadores e mudar-se para a Cidade do Mxico, em seguida para Los Angeles e, finalmente, para Nova York, de onde dirigiria sua empresa em expanso. - Mas, seor, quanto tempo isso levaria? pergunto o pescador. - Quinze ou vinte anos - respondeu o americano. - E depois, seor? O americano riu e disse que essa seria a melhor parte:

- Quando chegar a ocasio certa, voc poder abrir o capital de sua empresa ao pblico e ficar muito rico. Ganharia milhes. - Milhes, seor? E depois? - Depois - explicou o americano - voc se aposentaria. Mudava para uma pequena aldeia costeira, onde dormiria at tarde, pescaria um pouco, brincaria com os netos, tiraria a siesta com a esposa, iria aldeia todas as noites, onde poderia beber vinho e tocar violo com amigos...REVISTA CONDOR

|9

Artigo

ESPERANA: ATITUDE ESSENCIAL VIDA E MORTE| EVALDO A. DASSUMPO || Tanatlogo e Biotanatlogo / Presidente da Academia Mineira de Medicina |

o final do ano passado, o Papa B e nto X V I e nv i o u a to d a humanidade a Carta Encclica SPE SALVI (A esperana na salvao). Independentemente da crena ou nocrena de cada um, da simpatia que se tem ou no pelo Cardeal Ratzinger, este texto merece ser lido por todos, com a mente aberta e sem preconceitos que nada acrescentam. Vrios pontos desta carta merecem cuidadosa reflexo, especialmente nestes tempos em que o atesmo militante abandona as sombras para se proclamar a salvao da humanidade. Especialmente quando o vertiginoso desenvolvimento tecnolgico acena para os incautos com uma nova religio a ser seguida, tendo a lgica e a razo como seus dogmas, o computador como o seu altar e a cincia como a deusa a ser cegamente cultuada. Quando, como disse Francis Bacon, a esperana toma nova forma e passa a se chamar f no progresso, e as novas descobertas geram um mundo novo, o reino do homem. Contudo, vamos nos ater a um ponto que diz respeito ao nosso trabalho: o medo e a rejeio morte. Diz a carta em seu artigo 10: Aqui surge a pergunta: queremos ns, realmente, viver eternamente? Hoje, muitas pessoas rejeitam a f, talvez simplesmente porque a vida eterna no lhes parece uma coisa desejvel. No querem de modo algum a vida eterna, mas a presente. E mais frente: Continuar a viver eternamente sem fim parece mais uma condenao do que um dom. ... viver sempre, sem um termo, acabaria por ser fastidioso e, em ltima anlise, insuportvel. E repete Ambrsio, Padre da Igreja: Deus no instituiu a morte ao princpio, mas deu-a como remdio. No devemos chorar a morte, que a causa da salvao universal.

N

Obviamente que nela no feito, nem fazemos ns, uma apologia ao abandono da vida e muito menos sua desvalorizao. A vida um dom precioso que precisamos cultivar, com o mesmo carinho e persistncia com que cultivamos a delicada flor que queremos ter demoradamente conosco. O indesejvel o apego desmensurado vida, como se permanecer na limitada condio de espao e tempo fosse a plena realizao do ser humano. O nocivo o apego s pessoas, aos bens materiais, aos prazeres sensuais, aos ttulos e cargos que nos escravizam e nos levam a consumir nossa auto-estima, gerando um povo infeliz, sempre em busca do mais ter, na iluso de que isso ir lhe proporcionar o prolongamento da vida e de seus gozos. Nociva se torna a cincia, que tanto pode fazer pela qualidade de vida das pessoas, quando trabalha muito mais para aumentar a quantidade de vida, ainda que cheia de dores e sofrimentos. Exemplo disso a obstinao teraputica nas UTIs, amparada por sofisticada tecnologia, ela prolonga a morte e no a vida. Outros exemplos so as sonhadas clonagens humanas e as fantasiosas Sociedades Crinicas, que congelam cadveres numa expectativa de reanimao futura, para quando surgirem novas formas teraputicas para doenas hoje incurveis. Tudo em alucinada busca de uma imortalidade que mata a esperana - ao querer perpetuar a vida onde tudo impermanente. Por isso, afirma a Carta Encclica: A cincia pode contribuir muito para a humanizao do mundo e dos povos. Mas pode tambm destruir o homem e o mundo, se no for orientada por foras que se encontram fora dela. E ainda: Visto que o homem permanece sempre livre e dado que a sua liberdade tambm sempre frgil, no existir jamais neste mundo o reino do bem definitivamente consolida-

do A esperana , portanto, essencial vida, como diz na carta: importante saber: eu posso sempre continuar a esperar, ainda que, pela minha vida ou pelo momento histrico que estou a viver, aparentemente no tenha mais qualquer motivo para esperar. Mas tambm para a morte a esperana essencial. Esperana de que ela no represente o melanclico final sartriano, e sim a certeza de uma passagem, uma transformao que transcende toda explicao humana, estando bem dentro da afirmao de Cristo em seu ltimo dia: No temais! e Tende confiana! Eu venci o mundo! (Jo 16,33). Em nosso trabalho de Terapia de Suporte ao Enlutado, ao Enfermo grave e a seus familiares, um dos pontos essenciais exatamente a esperana. No uma fantasia de que tudo est maravilhoso, que tudo vai passar, que tudo vai dar certo, como um milagre caindo do cu. Mas que nada nesta existncia permanente, nem sequer a dor e o sofrimento. Portanto, se soubermos trabalhar adequadamente estas situaes de perda: perda da sade, perda de uma pessoa querida, proximidade da perda da prpria vida, com certeza teremos uma superao mais rpida desses sofrimentos e conseqentemente uma melhor qualidade de vida. A Tanatologia e a Biotanatologia so cincias relativamente novas e muito pouco conhecidas da maioria das pessoas. Por isso importante saber de sua finalidade e do seu alcance para melhor usufruir de seus benefcios. Em nosso site mais informaes podero ser encontradas (www.nucleofenix.com). Bem, dentro do pensamento da Carta Encclica SPE SALVI, ambas so um sopro de esperana para nossos tempos, to vazios dela!

10 | REVISTA CONDOR

LIVROS, REVISTAS, JORNAIS, POLICROMIAS E IMPRESSOS EM GERALManipulao de todos medicamentos de uso oral Protetores Solares Fotoestveis Shakes e Sopas Dietticas Cosmticos inteligentes

Seja

cliente

(31) Rua Dr. Carlos Pinheiro Chagas, 138 B. Balnerio da Ressaca - Contagem - MG mjr@mjreditora.com.br

3357.5777

Sem carncia Plano familiar com o menor preo do mercado Sem alterao de valor por idade Pagamento anual, sem mensalidades Prestadores de sade de qualidade Diversos planos

PRONTO MEDA oportunidade de voc e sua famlia participarem de um moderno sistema de sade.Todas as especialidades mdicas Exames Procedimentos cirrgicos Tratamento odontlogico

CONSULTE-NOS!

Av. Afonso Pena, 3924 - Mangabeiras (31) Av. Contorno, 6429 - Savassi www.debonne.com.br Entregas em domiclio farmacia@debonne.com.br

2555-4001

RELEVOFOTOLITO

(31) 3226-9098 e 3226-9137prontomed@prontomed.com.br Rua Tupis, 457 - Sl. 201 - Centro www.prontomedbh.com.br

3412-3400

Sonhe com o mundo. A gente leva voc.

SHOPPING LUXEMBURGO

3342 2278Av. Guaicui, 333 - Loja 04 - Luxemburgo

CIRRGICA

REALA

PAPELARIA

Produtos Mdico-Hospitalares e Fisioterapicos Artigos para Gestantes e Bebs

Av. Alameda da Serra, 400 - 6 Pistas (em frente ao BIOCOR)

Tel: (31) 3264-9613 - (31) 3264-9158

Rua So Paulo, 925 Lojas 11 / 12 - Centro Ao lado do Shopping Cidade

Material de Escritrio Informtica Escolar

3274-6262 ' (31)papelariadac@papelariadac.com.br

3222-7967

CIRRGICAI N C O B E L

Tudo para o conforto do paciente Cadeiras de rodas - Meia para varizes

31 3212-3711 / 9118-8969cirurgicaj.a@bol.com.br / cirurgicaincobel@bol.com.br Pa. Hugo Werneck, 537 - Loja 03 - Santa Efignia

O O O O O

AJUDANDO A TE AJUDAR

Clnico de Dor Anestesiologista Cirurgia Plstica Psicologia Oftalmologia

Tradio, Responsabilidade e Respeito. 50 anos promovendo sua sade

Rua Bernardo Guimares, 2746 Santo Agostinho Fone: (31) 3337-3516 Fax: (31) 3275-1749 www.clinicadedor.com

O MELHOR PLANO DE SADE PARA A SUA EMPRESA (31) 3076-9050 www.sampminas.com.br