Revista night e cia edio 314

  • Published on
    08-Mar-2016

  • View
    267

  • Download
    46

DESCRIPTION

Pela porta da frente, Fbio Porchat entra na revista Night e Cia. Confira o bate papo sobre cinema e humor.

Transcript

  • SAVE the datesparty

  • instaecia

    @upsizeagency

    # nightecia @portalnightecia

    @siindysartor @saulo_lopes

    @ooocarlos @obrunotx @leotmotta

    @nenamafra @audionav @fcogabisampaiofans

    @evlynmaysa @mtlamim @ anandaferreira

    12

  • 13

    .com.br

    TOP 20Geralmente esto por aqui as mulheres e

    suas belezas. O visitante pode votar e eleger quem ser a nmero 1. claro que a posio

    do ranking varia, pois cada dia um voto.

    SITE EST DE CARA NOVAMais leve, mais visual, mais interessante. O site Night e Cia passou por

    pequenas transformaes para torn-lo mais prtico.

    blogGente! O blog est demais! Visitem todos os dias. Atualizado com dicas de msica, seriados, shows. o nosso movimento cultural, cheio de agradinhos especiais.

    AGENDAPrograme-se atravs da nossa agenda.

    Alm das datas e atraes, neste espao h informaes super bacanas como

    preos, horrios e ingressos.

    .com.brAfinal, uma noite no pode

    ser como qualquer outra.

  • por Josie Mendes

    EDITORIAL

    14

    EDITORIAL

    Luciana Siebert reaparece por aqui com a ilustrao para o amigo Curioso Mundo de Chris

    PG 37

    RS COLUNISTAS SE TORNARAM ENTREVISTADOS.

    CHRISTOPHER STONER ME ENCHE DE ORGULHO. CHRIS ESCREVE

    PARA A REVISTA E APARECE NESTA EDIO COM O SCIO JEFFERSON

    MATIAS PARA APRESENTAR OS TRS PROJETOS DA DUPLA: A MARCA

    SANTACOSTA, A FESTA COSMOPOLITA E O BAZAR DA BRAVA.

    E AS COLUNISTAS CARLA COSTA E DANI REBELO COMANDAM O BLOG

    REUSE IDEIAS QUE GANHOU NOVO VISUAL. ENTREVISTEI OS MEUS

    AMIGOS. ISSO FOI TO PLENO E SUAVE.

    O GAROTO DA CAPA VOC J CONHECE. EM FEVEREIRO, O

    COMEDIANTE FBIO PORCHAT ESTEVE POR AQUI NUMA DESPEDIDA

    DE SOLTEIRO NO WOODS. E FUI L BATER UM PAPO COM ELE. SUPER

    SIMPTICO, DE SORRISO FCIL. NO TNHAMOS MUITO TEMPO, MAS

    FOI O SUFICIENTE PARA GARANTIR UM BOM CONTEDO.

    E O NOSSO ESQUENTA PARA O SHOW DA CANTORA ANA CAROLINA

    QUE GENTILMENTE CEDEU UMA ENTREVISTA POR EMAIL. FALAMOS

    DO NOVO DISCO, DA TURN, DE CHICO E DA PRECIOSA BETHNIA.

    FELIZ MAIO!

    O NOVO LUXO. OLHE A SEU REDOR, LEITOR. VEJA

    COMO OS HBITOS MUDAM. OS NOVOS COSTUMES EXIGEM

    QUE SEJAMOS CAUTELOSOS COM A VIDA. AS VONTADES

    RESSURGIRAM SOFISTICADAS E DELICADAS.

    QUANDO COMECEI A ELABORAR A EDIO DE MAIO, HAVIAM

    MUITAS PAUTAS FEITAS POR IMPORTANTES DATAS CLICHS.

    MAS O MELHOR NESTE MOMENTO - AO MENOS PARA MIM -

    ERA MUDAR O ROTEIRO. ME INSPIREI EM OUTRAS DUAS DATAS.

    8 DE MAIO DIA DO ARTISTA PLSTICO, QUE INSPIROU A ESCREVER

    A MATRIA ARTE. APRESENTO ALGUNS TALENTOS DAQUI,

    QUE SE MOVIMENTAM EM PROL DA ARTE, DA VIDA. ALIS, NOS

    LTIMOS MESES VISITEI GALERIAS, EXPOSIES, BAZAR. ALIMENTEI

    A MINHA ALMA COM BOAS COMPANHIAS. SIMPLES ASSIM.

    O PRXIMO TEMA UM POUCO CHATO. NO SENDO FALSO

    MORALISTA, AFINAL SEMPRE DOU AS MINHAS PITADINHAS.

    NESTE MS O DIA MUNDIAL SEM TABACO. ME APEGUEI A DATA

    PARA A TERCEIRA TENTATIVA DE LARGAR O CIGARRO. ESCREVI

    UM TEXTO QUE ESPERO TRS REAES:

    ALERTAR, CUIDAR E TENTAR. VAMOS VER NO QUE D.

    T

  • PG 24

    15

    maio 2014

    exPedienTe

    CAPAIlustrao e Arte

    Carolina Marques - Agncia Tatticas

    Direo e IdeiaDaniel Viecili - Agncia Tatticas

    Foto: Thiago Machado

    EditoraJosie Mendes

    josiemendes@gmail.com

    DiretorCarlos Bittencourt

    COLABORADORESAndr Cordeiro, Andr Giga, Carla Costa,

    Christofer Stoner, Dani Rebelo, J Mansardo, Paulo Andr e Sheila Rosa.

    FOTGRAFOS - EQUIPE NIGHT E CIAFelipe Dantas, Guma Miranda,

    Luiz Henrique Tozetto, Ricardo Graveto, Rodrigo Alves, Tony Goulart, Thiago Machado.

    DEPTO COMERCIAL ADRIANO SOUZA . 47 8819 9597

    adriano@nightecia.com.br

    SNIA ANVERSA . 47 8405 9681

    nightecia@terra.com.br

    GIOVANI PRATEAT . 47 9702 3507

    giovani@nightecia.com.br

    JUNIOR ZAGUINI . 47 8415 7782

    juniorzaguini@hotmail.com

    TIRAGEM8.000 exemplares

    DISTRIBUIOBalnerio Cambori, Blumenau, Brusque,

    Gaspar, Indaial, Ilhota, Itaja, Itapema, Meia Praia, Navegantes e Porto Belo.

    Site: nightecia.com.brRepresentante: Wagner Bittencourt

    Rua Jorge Mattos, n 15 - CentroItaja - 47 3344 8600

    Esta revista no se responsabiliza pelas opinies emitidas em artigos assinados.

    PG 42

    PG 38

    maio 2014

    exPedienTe

    CAPAIlustrao e Arte

    Carolina Marques - Agncia Tatticas

    Direo e IdeiaDaniel Viecili - Agncia Tatticas

    Foto: Thiago Machado

    EditoraJosie Mendes

    josiemendes@gmail.com

    DiretorCarlos Bittencourt

    COLABORADORESAndr Cordeiro, Andr Giga, Carla Costa,

    Christofer Stoner, Dani Rebelo, J Mansardo, Paulo Andr e Sheila Rosa.

    FOTGRAFOS - EQUIPE NIGHT E CIAFelipe Dantas, Guma Miranda,

    Luiz Henrique Tozetto, Ricardo Graveto, Rodrigo Alves, Tony Goulart, Thiago Machado.

    DEPTO COMERCIAL ADRIANO SOUZA . 47 8819 9597

    adriano@nightecia.com.br

    SNIA ANVERSA . 47 8405 9681

    nightecia@terra.com.br

    GIOVANI PRATEAT . 47 9702 3507

    giovani@nightecia.com.br

    JUNIOR ZAGUINI . 47 8415 7782

    juniorzaguini@hotmail.com

    TIRAGEM8.000 exemplares

    DISTRIBUIOBalnerio Cambori, Blumenau, Brusque,

    Gaspar, Indaial, Ilhota, Itaja, Itapema, Meia Praia, Navegantes e Porto Belo.

    Site: nightecia.com.brRepresentante: Wagner Bittencourt

    Rua Jorge Mattos, n 15 - CentroItaja - 47 3344 8600

    Esta revista no se responsabiliza pelas opinies emitidas em artigos assinados.

    PG 18

    PG 48

    PG 46

  • ARTEEm homenagem ao Dia do Artista Plstico, comemorado em 8 de maio, nas pginas a seguir voc entrar numa dimenso que traz entrevistas, galerias, exposies. Tudo acontecendo entre Balnerio Cambori e Itaja.por Josie Mendes 3Galeria foi criada online, mas com a ideia de conquistar um espao fsico. E em abril aconteceu a primeira exposio, contou com 12 doze expositores, sendo sete artistas pela 3Galeria e mais cinco que foram convidados por meio da parceria com o coletivo de arte Vitamina Coletiva.Baza

    r Itineran

    te aparece

    por

    aqui em s

    ua 5edi

    o. Mesmo

    com

    preos su

    per acess

    veis, inc

    rvel com

    o

    o pblico

    que freq

    uenta o e

    vento tem

    conscinc

    ia de adq

    uirir o qu

    e

    realmente

    precisa. O

    u algo par

    a

    presente

    ar. Eu fiz is

    so. Uma p

    ea para

    mim, out

    ra para m

    inha ami

    ga.

    Algumas

    vezes so

    aqueles

    achados

    ,

    que no

    podemos

    deixar pas

    sar.

    Mas tu

    do feito se

    m exageir

    os.

    Isso que

    importa.

    18

    Itaja, ina

    ugurou em

    abril um

    espao de

    dicado a

    exposie

    s, a Galeri

    a Tatticas

    . Com a ide

    ia de envo

    lver

    a arte com

    o fonte de

    inspira

    o dentro d

    o prprio

    ambiente

    de trabal

    ho, agnc

    ia a pion

    eira do es

    tado a cri

    ar um espa

    o

    aberto pa

    ra visitas

    do pblic

    o dentro d

    a sua sede

    . O artista

    Retta Rett

    amozo fo

    i convidad

    o para par

    ticipar da

    estreia d

    a

    Galeria. P

    ublicitrio

    durante 4

    0 anos, su

    rpreendeu

    a todos

    com a tc

    nica que

    desenvol

    veu para p

    roduzir te

    las em 3D

    .

    Apenas co

    m pincel,

    tons que

    ntes e fri

    os, e a sua

    criativida

    de

    que est

    embutida

    em cada p

    ea.

    Um am

    biente qu

    e tem por

    carter s

    er uma

    empresa,

    e por nat

    ureza ser

    movido a

    arte. Foca

    da

    em public

    idade e p

    ropagand

    a, a agnc

    ia Tattica

    s,

  • E

  • 20

    Entre as o

    bras do a

    rtista, exis

    tem algu

    mas que

    esto na e

    xposio

    e ganham

    nova vida

    com cul

    os

    3D. Retta

    desenvol

    veu uma h

    abilidade

    para pro-

    duzir est

    a tcnica,

    que lhe p

    ermite cr

    iar obras

    com

    caracters

    ticas nic

    as e incr

    veis. Deu

    seus prim

    eiros

    passos na

    arte aos

    cinco ano

    s, na barb

    earia do s

    eu

    pai. Os clie

    ntes eram

    indagado

    s se queria

    m um

    retrato da

    quele mo

    mento. A

    maioria

    dizia sim

    e o

    artista de

    senhava c

    om canet

    a ou lpi

    s. E foi as

    sim

    que come

    ou a vive

    r de arte.

    NC: Voc f

    oi publicit

    rio dura

    nte 40 an

    os. Quand

    o

    resolveu d

    eixar a ca

    rreira de la

    do?

    RR: Em 20

    04 fiz um

    mural no

    Colgio M

    edianeira

    ,

    em Curiti

    ba com o

    planeta T

    erra, com

    o se estiv

    esse

    olhando

    de cima. C

    omecei p

    elo fundo

    da tela, e

    u

    queria alg

    o que rem

    etesse rea

    lmente t

    erra. Foi

    quando p

    eguei bar

    ro e utiliz

    ei como t

    inta. Assi

    m

    comeou e

    ste difere

    nte proces

    so, de tra

    balhar

    caminhan

    do por ci

    ma da obr

    a. E assim

    a minha

    vida

    na arte fo

    i comean

    do a ser r

    econhecid

    a, a cada t

    ela

    produzid

    a.

    NC: Alm d

    a terra, o

    que mais u

    tiliza?

    RR: Terra

    misturad

    a a tintas

    , leo de c

    ravo, mas

    sa

    plstica, b

    icarbonat

    o de sdio

    , barro, pre

    fas e outr

    as

    substnc

    ias.

    NC: A Gale

    ria Tattica

    s pione

    ira e voc

    tem a ho

    nra

    de particip

    ar deste m

    omento.

    Como foi

    o contato

    ?

    RR: Esse a

    mbiente

    feito de a

    rtistas par

    a artistas

    .

    Um lugar

    que ren

    e criativid

    ade, profi

    ssionalism

    o, e

    agora con

    ta um espa

    o incrve

    l para ins

    pirar que

    m

    est aqui

    todos os d

    ias e tam

    bm que

    m visita.

    A

    ideia ino

    vadora.

    E voc, tem

    alguma g

    aleria?

    RR: Tenho

    uma loja

    de artes e

    m Curitib

    a, onde te

    mos

    diversas e

    xposies

    . o luga

    r em que

    , ao lado d

    e

    outros ar

    tistas, so

    desenvol

    vidas as m

    inhas tela

    s.

    Sempre e

    m parceri

    a, pois ac

    redito qu

    e todos po

    dem

    acrescent

    ar.

    Sobre a a

    rte

    Terra mist

    urada a t

    intas, leo

    de

    cravo, mas

    sa plstic

    a, bicarbo

    nato

    de sdio, b

    arro, pref

    as e outr

    as

    substnc

    ias. A Soci

    edade dos

    Pintores d

    o ngulo

    Inslito, d

    a

    qual faz p

    arte Retta

    Rettamo

    zo,

    mescla to

    dos esses

    elemento

    s

    e forma o

    bras sobr

    e os cen

    rios

    menos pr

    ovveis. T

    ambm f

    azem

    parte do p

    rojeto Da

    niela Albu

    -

    querque,

    Patrick Al

    buquerqu

    e,

    Rafaelo d

    e Ges, O

    dcio Adri

    ano e

    Carla Rett

    amozzo. A

    travs de

    tons

    de um m

    arrom que

    emerge d

    o

    solo para

    ocupar no

    vos terren

    os,

    as obras p

    odem ser c

    onsidera-

    das verda

    deira mat

    ria-prim

    a

    sob os ps

    de seus o

    bservado

    res.

    Os quadr

    os do proj

    eto j for

    am

    expostos

    em muitas

    das gran

    des

    cidades br

    asileiras,

    como So

    Paulo e C

    uritiba, e

    agora est

    aro

    disposi

    o de que

    m visitar

    a

    galeria da

    Tatticas.

    Retta Rett

    amozo

    Outra Dim

    enso

    Entre as o

    bras do a

    rtista,

    existem a

    lgumas qu

    e esto n

    a

    exposio

    que prec

    isam ser

    vistas com

    culos 3D

    .

    Rettamoz

    o desenvo

    lveu uma

    habilidad

    e para pro

    duzir

    esta tcn

    ica onde

    utiliza um

    procedim

    ento que

    lhe permi

    te

    criar obra

    s com cara

    cterstica

    s

    nicas e

    incrveis.

    NC: Como

    faz para a

    tela se to

    rnar 3D?

    RR: A tcn

    ica princi

    pal com

    as cores. E

    para ser v

    ista precis

    a de culo

    s especiai

    s,

    utilizados

    bastante

    em propa

    ganda. S

    o

    alguns pr

    ocedimen

    tos utiliza

    dos at ch

    egar

    ao resulta

    do final. M

    as o que

    realmente

    torna a t

    ela em 3D

    o fato d

    as cores f

    rias

    estarem s

    obrepost

    as s core

    s quentes

    .

    Retta Rett

    amozo

    e De

    nise Rom

    an

    FOTOS GU

    MA MIRAN

    DA

    Visite a e

    xposio!

  • o consu

    mismo des

    enfreado.

    Sim, foi a

    busca de

    um ideal

    onde o at

    o de adqu

    irir um ob

    jeto - rou

    pas,

    acessrio

    s, etc - es

    tivessem

    ligados ao

    sentimen

    to

    de reutiliz

    ar. A parc

    eria entre

    Marthina

    Hanema

    nn e

    Naira De

    marchi su

    rgiu em m

    eados de

    2012 e j

    esto

    na 5edi

    o do even

    to, que des

    ta vez foi

    no restau

    -

    rante Baja

    Californi

    a, em Baln

    erio Cam

    bori, um

    lugar que

    incentiva

    a arte. A

    unio ent

    re gastron

    o-

    mia, pint

    ura, ms

    ica e mod

    a ficou inc

    rvel. Ns

    abri-

    mos as po

    rtas para

    todas as b

    oas ideia

    s, declara

    m

    as scias

    do local C

    orine Albe

    rti e Elisa

    Nascime

    nto.

    NC: H qu

    anto tem

    po produz

    em o Baza

    r?

    Marthina

    e Naira:

    O Bazar It

    inerante t

    eve incio

    no ano d

    e 2012, o p

    rimeiro e

    ncontro a

    conteceu

    no

    jardim da

    casa, com

    as amiga

    s fazendo

    a troca de

    peas e a

    rtigos usa

    dos. A pa

    rtir desse

    encontro,

    os

    convites c

    omearam

    a aconte

    cer para p

    ercorrer-

    mos pelo

    s bares e

    pubs de Ja

    ragu do

    Sul. Foi um

    sucesso!

    Atravs de

    artistas, d

    esigners e

    amigos,

    o

    evento fo

    i tomando

    forma e p

    roporo

    maior do

    que acred

    itvamos.

    O format

    o Itinera

    nte, com i

    sso,

    buscamo

    s realizar

    sempre e

    m lugare

    s e cidade

    s

    diferente

    s.

    NC: Como

    surgiu a

    ideia?

    M&N: Ns

    sempre t

    rabalham

    os no segm

    ento de

    vendas e

    moda. Alg

    uma cois

    a nos inc

    omodava

    . O

    consumo

    acelerad

    o, a oferta

    e produ

    o em mas

    sa.

    Discutam

    os juntas

    alternat

    ivas, pois

    tnhamos

    como exem

    plo ns m

    esmas, do

    consumo

    descar-

    tvel. E m

    uitas pess

    oas ao no

    sso redor

    , com a m

    esma

    percep

    o. O vestid

    o usado u

    ma nica

    vez, os sap

    a-

    tos comp

    rados que

    apertam

    os ps. Os

    livros lido

    s,

    os discos

    jogados,

    os acess

    rios que n

    o encant

    am

    mais. Ape

    gos sem f

    im s coi

    sas. Stop a

    nd start! I

    den-

    tificamos

    a necessid

    ade e opo

    rtunidad

    e de reun

    ir

    tudo em u

    m s luga

    r e dar vi

    da novam

    ente. E to

    da

    essa ideia

    conectad

    a a parcei

    ros que ac

    reditam n

    a

    arte de se

    r e de faz

    er diferen

    te. Todos r

    eunidos p

    ara

    somar e p

    otencializ

    ar as cren

    as do con

    sumo con

    -

    sciente. D

    esapegue

    -se de alg

    umas coi

    sas, apegu

    e-se

    por outras

    .

    Bazar Itin

    erante

    Sobre o B

    azar

    O olhar do

    Bazar Itin

    erante

    voltado

    para artis

    tas e de-

    signers da

    regio. C

    om isso,

    seleciona

    m produt

    os exclu-

    sivos, trab

    alhos ma

    nuais e

    produe

    s diferenc

    iadas.

    Vale todo

    o tipo de

    criao e

    arte. O ob

    jetivo u

    nir essa

    diversidad

    e, conect

    ando

    criador e

    consumid

    or. Nesta

    5 edio

    foram 27 e

    xposi-

    tores com

    stands ex

    clu-

    sivos e ma

    is: stands

    com

    participa

    es de pr

    ojetos

    beneficen

    tes, expos

    ies de

    artes visu

    ais (fotog

    rafia e

    ilustrae

    s), atrae

    s

    musicais

    e espet

    culos de

    teatro lam

    be-lambe

    . Alm

    do Palco D

    esemboca

    , palco

    aberto pa

    ra o pbl

    ico.

    NC: Como

    foi a prim

    eira

    edio rea

    lizada no

    Baja?

    M&N: O B

    aja um

    lugar

    muito esp

    ecial. As a

    migas

    Elisa e Co

    rine nos r

    ece-

    beram de

    braos ab

    ertos,

    acreditand

    o na prop

    osta

    e objetivo

    do event

    o. O

    restauran

    te est be

    m

    localizado

    e propor

    ciona

    ao fluxo

    de pessoa

    s da rua

    e praia a c

    onhecer c

    oisas

    diferente

    s e exclus

    ivas.

    A sinergia

    incrvel

    e a

    animao

    de ns qu

    atro,

    juntas, s

    comeou.

    Naira De

    marchi

    e M

    arthina

    Haneman

    n

    Balduino M

    eneghelli (

    Badabaue)

    e

    Danubia

    Janer (Cli

    che Home)^

    ^

  • 22

    O trao da artista plstica Fabiana Langaro Loos a

    sua principal caracterstica. Na exposio De flor

    em flor feita especialmente para o espao cultural

    do Balnerio Cambori Shopping, entre os dias 13 e

    26 de maio, est em evidncia o abstracionismo. A

    exposio conta com 12 obras inditas, em tamanho

    diversos, porm, todas de pequenas dimenses, em

    acrlica sobre tela, mista sobre tela e acrlica sobre

    eucatex.NC: Como foi escolhido o tema?

    Fabiana L. Loos: Em maio comemorado o ms das

    noivas e o dia das mes, alm de se aproximar do

    dia dos namorados. Aproveitei para lembrar , atravs

    do universo das flores, de assuntos como amor, mo-

    mentos especiais, famlia, paixes, dor, amizade, en-

    contros e desencontros, viagens, enfim, de inmeros

    sentimentos que podem ser exteriorizados atravs

    das flores, seja no ato de presentear com uma flor,

    de observar um jardim, ou ento, de sentir o cheiro

    de um buqu de rosas.NC: A sua inspirao foram as flores?

    FL: Nem sempre o ttulo da obra recebe o nome de

    uma flor, mas toda a inspirao para a criao da

    obra vem de uma pesquisa nas flores, nas suas cores,

    nas suas formas, na sua simbologia.

    NC: Conta um pouco sobre o ttulo.

    FL: O ttulo da exposio De flor em flor tambm

    no se refere unicamente a flor como um objeto,

    mas faz um paralelo comparativo, de experincias

    em experincias, de vivncias em vivncias, de

    amores em amores, todos ns vamos tentando nos

    transformar em seres humanos melhores e abertos

    a tudo que a vida pode nos proporcionar.

    Fabiana Langaro Loos

    A artista plstica Fabiana Langaro Loos

  • 23

    3Galeria

    Eliza Dor com Andr Moraes e

    a banda Nebula Dogs

    Colagens de Vanessa Bornemann,

    a arte de Nicole Wafer e tela de Hyndira

    A leitura do nome a mesma da escrita: trs galeria.

    Hyndira Borba - a idealizadora - diz que escolheu o

    nmero por ser aqueles da sorte. Criado para ser um

    ponto de apoio para os artistas divulgarem as suas

    obras, o espao virtual tambm conta com vendas. A

    atitude deu to certo no final de abril, dia 27, aconte-

    ceu a primeira exposio num local fixo. Contou com

    a presena de apreciadores de msica, gastronomia,

    fotografia e claro de arte.NC: Como surgiu a ideia de abrir este espao virtual?

    Hyndira Borba: A ideia ser mais um ponto de apoio

    para artistas que procuram vender seu trabalho.

    Escolhi o espao virtual por ser mais acessvel e tam-

    bm por no me limitar fisicamente, posso vender

    para quem daqui da regio e para quem est mais

    longe. NC: E como foi expandir para uma estrutura fsica?

    HB: Ainda no tenho estrutura fsica prpria da

    galeria, por enquanto s online mesmo. Mas

    necessrio expor fora do ambiente online, ento

    procuro realizar esses eventos sempre que possvel

    para mostrar o acervo da galeria e ter um contato

    maior com o pblico. Em parceria com a artista

    Vanessa Bornemann realizamos o evento no Hostel

    Oceanic, em Balnerio Cambori, que cedeu espao

    e tambm foi muito bem recebido. Ficamos felizes

    com o resultado.NC: Como comeou a sua histria com a arte?

    HB: Sempre gostei muito de desenhar, desde criana

    essa era uma das minhas atividades preferidas. Aos

    16 anos eu engravidei e a maternidade, como j se

    sabe, exige sacrifcios. Um dos que eu fiz foi parar de

    desenhar, mas nem percebia isso na poca. Um dia

    estava inspirada para desenhar e pensei em otimizar

    o meu tempo. Papel, lpis e desenhei. Ficou horrvel.

    Comecei a produzir com mais frequncia e hoje

    estou feliz com o resultado.NC: Como foi o resultado da 1 exposio?

    HB: Foi muito positivo! Recebemos algumas propos-

    tas e vrios incentivos. Cresceu ainda mais a vontade

    de continuar com esse trabalho. As obras do acervo

    da galeria continuam no site www.3galeria.com.br

    para quem quiser conferir. E acredito que logo volta-

    mos com outras exposies pela regio.

    Hyndira Borba (3Galeria)

    e Vanessa Bornemann

  • mbos so inquietos, dedicados, cheios de ideias, e comple-tamente diferentes. Para que voc entenda ao que me re-firo, leia a entrevista feita numa preciosa tarde de outono na Praia Brava, no QG Santacosta, onde falamos de Santa-costa, Cosmopolita, Bazar da Brava e otras cositas ms.

    2 RAPA

    ZES, 3 P

    ROJET

    OS

    A

    NC: Como est sendo o momento para a Santacosta?

    Christopher: Agora em abril, completa-mos um ano da primeira camiseta vendida. As peas

    ganharam espao na vida de todos que apreciam o trabalho pensado e produzido regionalmente. Estampas em letras gar-rafais que valorizam as nossas praias e nossos cantinhos, como Amores, Brava, Guarda, Morcego, Rosa se tornaram pea chave no guarda roupa. Mesmo sendo masculina, conquistou tam-bm o pblico feminino. E se encaixam tanto para ir praia, quanto para uma festa.

    Jefferson: Nossa empresa um exrcito de duas pessoas que contam com uma legio de amigos e profissionais compe-tentes que abraaram a ideia desde o comeo. D orgulho ver cones como o cantor Armandinho e o modelo Marlon Teixeira vestindo a camiseta por se identificarem com a Santacosta. So-mos gratos por profissionais como Pricles Werner da agncia PPBO, assim como o videomaker Agustn Mica e os fotgrafos Osvaldo POK Junior e Guilherme Stadzisz somando ao time.

    NC: O frio est chegando e queremos renovar a coleo. O que vem por a?Christopher: O Brasil um pas tropical. E subtropical tam-bm. Com o nome de Subtropicalismo, a terceira coleo da Santacosta retrata esse nosso canto do pas onde tem neve e tem surfe. Temtica de tainhas, pinhos, praias. Na vizinhana, voc j encontra a nova coleo na Yoo (Balnerio), Vive La Vie (Itaja), Bugiganga Chic (Itapema) e tambm no e-commerce www.santacosta.com.br.

    Jefferson: Continuamos sendo uma marca de camisetas, com algumas boas surpresas ao longo do caminho. Inclusive acabamos de lanar para as mulheres uma linha de joias de prata sterling 925 em parceria com a premiada designer catarinsense Camila Schmitt, vencedora do Anglogold Ashanti AuDITIONS, que o maior concurso de joias em todo o pas.

    POR JOSIE

    MENDES

  • 25

    O que o Bazar da Brava, que anda to falado aqui na regio?

    Christopher: O Bazar da Brava um mercado de novi-dades regionais na moda, msica e arte. De verdade, um programa diferente no fim de semana. Lugar frequen-tado durante o dia por famlias, artistas, blogueiras, bote-queiros, fashionistas, atletas, enfim, de todas as tribos e at quem dispensa rtulos.

    Jefferson: Uma ambio pessoal nossa valorizar o talen-to e a produo regional e nacional. Nesse primeiro ano de vendas da Santacosta, esbarramos com muita gente literalmente pintando e bordando por a. Deu vontade de reunir todos em um s lugar, pois sabamos que um somatrio de foras poderia resultar num evento real-mente novo. Alm de boas vendas no dia, temos orgulho em dizer que do bazar j saram novas parcerias entre expositores, matrias na televiso e at editoriais nas grandes revistas de So Paulo.

    NC: Como a vibe do Cosmo-polita, festa que estourou durante o

    vero e que continua agora no inverno?

    Christopher: O Cosmopolita chama ateno por reunir em uma variedade de atraes, desde os paulistas do Elephant Club aos talentosos Head-cutters de Itaja. Vale comentar tambm algumas vindas anuais de paulistanos como DJ Cia e Edi Rock, envolvidos com os Racionais MCs.

    Jefferson: Litoral combina com hip-hop e parece que na Brava as coisas se tornam mais leves. Os estilos mais ousados. Salto alto e rasteirinha se encontram. Moada do surf e do cabelo quei-mado do sol. Lugar onde o pessoal baixa a guarda pra se divertir. A entram os detalhes. O Cosmo-polita escolhe lugares seletos pra fazer a festa. O At Home, alm de casa noturna, literalmente o lar do amigo e surfista profissional James Santos. A variedade do som vai do Tim Maia no vinil ao Tupac no digital, na mesma noite.

  • 26

    LEITURACinema Seriado Msica Exposio

    Cem anos de

    Um dia sem sorrir um dia desperdiado.Charlie Chaplin

    Foi em 1914, mais precisamente em fevereiro que o pblico as-sistiu o primeiro fi lme de Charlie Chaplin. Interpreta um jor-nalista traioeiro, bem vestido e com um bigode maior do que

    depois utilizaria com Charlot., Making a Living, da produtora Keystone, foi o incio de uma carreira que transformaria Chaplin

    numa das maiores referncias do cinema.Numa entrevista, o ator admitiu: Vim para este negcio pelo dinheiro e a arte apareceu depois. Se as pessoas esto desiludi-

    das com isso, no posso fazer nada. a verdade. A sua infncia foi difcil, com os pais separados quando tinha 12 anos. O pai era

    alcolico e a me acabou por ser internada num manicmio.Chaplin estreou-se nos palcos aos cinco anos e quando acabou

    por ir para Los Angeles para tentar ter uma carreira como ator, aca-bou por marcar uma era no cinema com fi lmes como A Quimera

    do Ouro, em 1925, e O Grande Ditador, em 1940, para referir apenas dois. Chaplin nasceu em Londres no ano de 1889 e iniciou sua carreira

    como mmico, fazendo excurses para apresentar sua arte. Em 1913, durante uma de suas viagens pelo mundo, este grande ator conhe-

    ceu o cineasta Mack Sennett, em Nova York (Estados Unidos), que o contratou para estrelar seus fi lmes. Em 1977, o mundo perdeu um dos

    grandes representantes da histria do cinema.

    LEITURALEITURAUm dia sem sorrir um dia desperdiado.

    Charlie Chaplin

    Foi em 1914, mais precisamente em fevereiro que o pblico as-sistiu o primeiro fi lme de Charlie Chaplin. Interpreta um jor-nalista traioeiro, bem vestido e com um bigode maior do que

    depois utilizaria com Charlot., Making a Living, da produtora Feliz Aniversrio

    CARLITOS

    Preocupada com a humanidade, Mafalda nasceu em 1964 aos 6 anos. Ela se comporta como uma tpica menina na sua idade, mas gosta de The Beatles, assiste Pica-pau e odeia sopa uma viso aguda da vida questionando o mundo sua volta, principalmente o contexto dos anos 60 em que se encontra. Tem uma viso mais aguada do mundo em comparao com os outros personagem.E neste ano celebra 50 anos sem perder a rele-vncia. O autor Quino havia esboado a per-sonagem um ano antes, em uma tira de publi-cidade de uma marca de eletrodomsticos que no prosperou. Adaptei a tira. Como no tinha que elogiar as virtudes de nenhum aspirador, a fi z reclamar, carrancuda, conta. Seu nome ver-dadeiro Joaqun Salvador Lavado e encerrou as aventuras da personagem em 1973.

    MAFALDA

    Esp

    ao

    da

    Mochila Crnica

    embarca para mais

    uma aventura

    Aos 27 anos, Marcos Marcellus Holtz deixou de lado a profi sso de reda-tor publicitrio para embarcar sozinho na trip. O que o motiva a realizar a viagem o esprito aventureiro. J viajou toda Amrica do Sul. Sem roteiro, mas com a coragem para encontrar as surpresas da vida. O desconhecido, respirar um lugar novo, conhecer quem jamais conheceria, fazer o errado dar certo e conquistar os melhores amigos por um dia, relata o mochileiro. O destino ser 13 pases entre o Sudeste Asitico e a sia Meridional. Em maio embarcar sozinho rumo ndia, onde dar incio sua jornada frente a expedio Mochila Crnica. Como em suas veias corre sangue de jornalista, toda a aventura ser documentada atravs de crnicas literrias, fotografi a e vdeos. Acompanhe atravs do site: www.mochilacronica.com e pelas redes sociais: facebook e instagram. Por enquanto a expedio independente, re-alizada apenas com recursos prprios, mas Marcos tem espao e propostas para eventuais patrocnios, o contato mochilacronica@gmail.com, ou pelo telefone (47) 9670.4488.

  • 27

    OsGemosPor J Mansardo

  • 28

    aulistanos e irmos gmeos idnticos, Gustavo e Otvio Pandolfo nasceram em 1974, tem formao em desenho de comunicao, e hoje so conhecidos mundialmente pelo nome de OS GMEOS. Essa duplaP

    de grafiteiros que comeou a pintar em 1987 no bairro Cambuci, se tornou uma das maiores influencias da cena Paulistana, criando assim um estilo totalmente brasileiro de fazer grafite. Influenciados pelo hip hop, movimento que guiou suas obras por um bom tempo, seus temas vo de retratos de famlia crtica social e poltica, colorindo grandes painis pela cidade, como muros, prdios e at mesmo trens e carros, desen-volvendo um estilo extremamente singular e reconhecvel, venerado pelos amantes do grafite. Uma caracterstica inconfundvel das obras criadas pelos irmos so seus perso-nagens, quase sempre de pele amarela e cobertos de adornos e acessrio, tornando-se assim muito fcil de reconhecer quando se est diante de um trabalho dOS GMEOS.

    O trabalho dos irmos j ultrapassou as barreiras do grafite nas ruas e chegou a museus do mundo inteiro. Suas obras j percorreram Estados Unidos, Inglaterra, Chile, Espanha, Por-tugal, Londres, Alemanha, Grcia, Cuba, entre outros pases. Nas exposies, alm dos painis, encontram-se esculturas gigantescas, carros e instrumentos musicais customizados. Na maioria das obras, sempre possvel uma interao: pode-se tocar, manusear e, nas peas maiores, como barcos, caixas e tneis, a entrada permitida.

    A primeira exposio da carreira da dupla foi conjunta, como experimento, sobre arte de rua no MIS Museu da Ima-gem e do Som de So Paulo, em 1995. Um ano depois ocor-reu uma pequena mostra de algumas peas e instalaes em uma casa na Vila Madalena. No ano de 2003 realizaram a primeira exposio solo na galeria Luggage Store, em So Francisco. Mas foi em 2005 o grande pice da carreira dos artistas, quando os mesmos entraram para a galeria Deitch Projects de Nova York, onde suas obras tomaram forma den-tro do mercado de arte contempornea. Nessa fase a dupla pode trazer suas criaes para um mundo muito alm das ruas. Apenas depois de um ano, j com um nome forte no ex-terior, Os Gmeos fizeram sua primeira exposio no Brasil, na Galeria Fortes Vilaa, em So Paulo.

    Em 2007, Os Gmeos foram convidados a pintar o castelo histrico de Kelburn, em Ayrshire, um dos mais importantes da Esccia. Com a restaurao completa do castelo, que inclu-

    iu a remoo da argamassa na parte externa, surgiu a oportunidade para que se usasse essa superfcie como uma grande tela temporria. Para pint-la foram convidados os grafiteiros paulistanos Os Gmeos, juntamente com os artistas Nina e Nunca. Outra obra que impres-sionou pessoas de todo mundo, no ano de 2008, foi a famosa fachada do prdio da Tate Modern de Londres, templo da arte contem-pornea internacional, para a exposio Street Art, juntamente com o grafiteiro brasileiro Nunca, o grupo Faile, de Nova York; JR, de Paris;

    Blu, da Itlia; e Sixeart, de Barcelona. Essa interveno mostrou claramente a consolidao da Street Art como forte expresso artstica atual, junta-mente com o reconhecimento do graffiti brasileiro como um dos melhores do mundo. Em seguida, no ano de 2009, eles coloriram em Nova York, o grande muro pintado por Keith Haring em 1982, que imortalizou o cruza-mento da Bowery com a Houston. O trabalho, uma homenagem ao 50 an-iversrio do artista, rendeu dupla excelente crtica de Roberta Smith no NY Times: Um mural fantstico e pico; um sonho de felicidade traado melancolia. Realismo mgico. Infelizmente este maravilhoso mural foi removido em 2010 para dar lugar a outra criao. O Crono Festival de Lis-boa, tambm contou com o talento dos irmos em 2010, com a interveno conjunta com os artistas Blu (Itlia) e Sam3 (Espanha) em dois prdios da Avenida Fontes Pereira de Melo. Obra incrvel em Portugal!

    No ano passado, em territrio americano, a dupla gerou polmica en-volvendo seu trabalho. Os Gmeos foram responsveis pelo grafite de um painel em frente a principal estao ferroviria de Boston, intitulado The Giant Of Boston, que mostra um garoto simples, descalo, com uma cami-sa envolta da cabea, deixando apenas os olhos de fora. Alguns cidados do municpio consideraram que a figura pudesse estar associada com um terrorista e, por isso, queriam a retirada da obra do local. A diretora do museu, Jill Medvedow, minimizou a controvrsia com as seguintes pa-lavras: Esta obra de arte um alegre acrscimo ao horizonte de Boston. Com tremenda maestria de escala, habilidade na pintura e padronizao vibrante, os Gmeos trazem energia urbana e uma rica tradio de criativi-dade brasileira para a Praa Dewey, em Boston. Boa arte faz o povo falar, disse ela.

  • 29

    mLangeAzadangeAzadangeAzadange

    J MansardoProfisso: Arquiteta e Urbanista Tempo de Night e Cia: 1 ano

    www.azad.com.br

    Outra grande parceria que surgiu nos EUA foi com o aclamado artista de rua britnico Banksy. Essa juno dos dois melhores ar-tistas de rua de todo o mundo, acabou resultando em dois quadros inspirados no movimento Occupy. Em um dos quadros, um grupo de policiais em torno de um ativista solitrio com traos caractersti-cos dos personagens de Os Gmeos, e outro quadro o inverso, onde um policial com os traos do Banksy aparece sozinho em volta dos supostos ativistas. Estas obras fi zeram parte do projeto Better Out than In, e foram expostas por Banksy embaixo de uma ponte, na West 24th Street, em Nova York. Esta colaborao entre Banksy e Os Gmeos, foram publicadas para a capa do jornal The Village Voice em primeira mo, juntamente com uma entrevista exclusiva com Banksy, realizada por e-mail.

    Os Gmeos Otvio e Gustavo Pandolfo se tornaram os artistas plsticos mais badalados do momento. Com um estilo prprio e ob-ras espalhadas pelo mundo todo, a carreira destes paulistas tende a continuar caminhando a passos de gigantes, levando o nome do Brasil aos quatro cantos do mundo. Sorte nossa!

    Para os fs do trabalho desses dois gnios do Grafi te, vale lembrar que Os Gmeos esto com exposio marcada para prximo ms de junho no Brasil. A expo vai acontecer entre os dias 29 de junho at 16 de agosto, no Galpo/Fortes Vilaa, um espao incrvel no centro de So Paulo. Com certeza ser uma grande experincia vivenciar o mundo dOS GMEOS de pertinho!

    Para mais informaes acesse os sites: www.fortesvilaca.com.br/exposicoes/futurashttp://www.osgemeos.com.br/

    OsMurais

  • ntes mesmo de inventar a escrita, o homem j havia aprendido a transfor-mar uvas nessa verdadeira bebida dos deuses. Seis mil anos antes de Cristo as videiras comearam a ser cultivadas e, desde ento, o vinho tornou-se a companhia ideal para se brindar vida em todas as ocasies. Falando em brinde, que tal experimentar hoje um dos vinhos premiados da Vincola Peric, de Santa Catarina? Delicie-se com esse raro sabor das terras altas da neve catarinense. Escolha um espumante branco ou Ros Cave Peric ou o delicioso Peric Taipa Ros, cuja safra 2009 foi escolhida o melhor vinho ros do Brasil pela Associao Brasileira de Enologia.

    Voc sabia que a origem do vinho mais antiga que a prpria histria?

    A

    bonvivant

    Andr

    Husch

    er

    Profiss

    o: Jo

    rnalist

    a

    Tempo

    de Ni

    ght e

    Cia: 1

    ano

    gigajo

    rnalist

    a@gm

    ail.co

    m

    VINHOCuriosidades do

    Logo ali

    GLASTONBURY

    ara quem estiver aproveitando o vero na Europa, a dica de evento imperdvel o Glastonbury Festival ou simples-mente Glasto que acontece nos dias 27, 28 e 29 de junho que acontece na cidade de Pilton, na Inglaterra. Considerado o maior festival de msica a cu aberto do mundo, neste ano a produo do evento caprichou, como sempre, no nvel de ar-tistas escalados: London Grammar, Arcade Fire, James Blake, Lily Allen, Lana Del Rey, Skrillex, Disclosure, Massive Attack, Richie Hawtin, Metronomy and many more! Fique ligado no site ofi cial do festival e tora para que a produo do evento coloque mais ingressos venda, pois todos j foram vendi-dos: www.glastonburyfestivals.co.uk

    P nspirado no primeiro livro da escritora Thalita Rebouas e dirigido por Pedro Vasconcelos, o musical Tudo Por Um Pop Star conta com um catari-nense como protagonista. Christian Villegas, natural de Balnerio Cambori um dos integrantes da boyband Slavabody Disco Disco Boys grupo que o foco principal da pea musical que conta a histria das amigas Gabi, Ritinha e Manu que se aventuram em uma viagem ao Rio de Janeiro para ver de perto o show de seus dolos.

    Ator, cantor, modelo e DJ, Christian Villegas comeou sua carreira em 1999, quando fez um curso de teatro de comdia em ingls. De l para c atuou em campanhas como modelo e cantor, mas a maioria dos seus trabalhos foi como ator, onde participou da novela Insensato Corao, fi cou entre os 12 fi nalistas dentre 15 mil do concurso Talentos Malhao 2012 do Caldeiro do Huck e atualmente participou do fi lme O Concurso ao lado de Fbio Porchat. Quem sabe este musical no pinta por aqui, no mesmo?

    ICatarinense protagonista em musical

  • 31

  • 32

    COM AZEITE DE TRUFASRISOTO DE COGUMELOS

    hegou o Outono e, com ele, os dias se tornam amenos e noite d aquele friozinho. E para acompanhar o frio que comea a chegar, aparecem ingredientes mais en-corpados. Com a mudana da estao, entra uma nova safra de verduras, legumes e frutas. So vrios os pra-tos caractersticos dessa poca do ano. uma estao propcia para quem gosta de comer bem e tomar um bom vinho.

    C

  • Paulo AndrProfisso: Chef

    Tempo de Night e Cia: 2 ano

    paulo.pa@msn.com

    Hoje o segredo de um bom risoto est no caldo. Os caldos so essenciais na culinria, pois agregam sabor. Hoje em dia todo mundo usa caldos industrializados para dar sabor a comida.Eu particularmente no gosto de caldos industrializados. Mascara o sabor real da comida e nivela todos os alimentos a um mesmo padro de sabor. Mas hoje vou ensinar um bem simples e muito til para vocs!

    gastronomia +arte

    PARA 6 PESSOAS

    1 carcaa de peito de frango1 cebola cortada ao meio1 cabea de alho inteira cortado ao meio1 cenoura cortada em cubos grandes1 folha de salso1 bouquet garni (raminhos de tomilho, Talos de salsa, 1 folha de louro, salso, slvia e alecrim. Amarre todos os ingredien-tes com um barbante culinrio. 1/2 colher de caf de sal1 litro de gua

    INGREDIENTES

    Coloque tudo em uma panela, encha de gua, coloque os in-gredientes e deixe ferver e reduzir por cerca de 30 min. Coe e guarde na geladeira ou no freezer. Coloco o que tenho com a carcaa e deixo fervendo.

    Obs: Iniciar o caldo com a gua em temperatura ambiente pois ir absorver melhor os sabores dos ingredientes. Quan-to mais ferver, mais concentrado fi car o caldo.

    Modo de Preparo

    200g de shitake (cortado em Juliene)200g de shimeji (cortados em juliene)200g de cogumelo de Paris (cortados em 4)3 xcaras (ch) de arroz para risoto 9 xcaras (ch) de caldo de frango1 cebola grande40 gr de palmito pupunha40 ml de creme de leite30 gr de manteiga80 gr de parmeso em cubos2 colheres (sopa) de azeite1 e xcara (ch) de vinho brancotalos de tomilho 1 dente de alhoSal (a gosto)Pimenta-do-reino (a gosto)

    RISOTO

    Com um fi o de azeite puxar o cogumelo de paris, o shitake e shimeji, acrescentar o alho e puxar at fi car caramelizado e seco. Temperar e reservar. Modo de preparo do Risoto:Refogar a cebola no azeite e deixar suar, colocar o arroz e re-fogar por 5 min, deglacear com vinho branco e reduzir. Acres-centar 4 conchas de caldo de frango e reduzir at secar sem parar de mexer. Continuar a mesma operao com o caldo de frango colocando de 2 conchas por 2 conchas at chegar a 14 conchas no total. Quando estiver al dente acrescentar o parmeso em cubos, palmito em cubos refogar mais 2 min e acrescentar os cogumelos(refogados), depois colocar creme de leite fi nalizando com manteiga.

    Modo de Preparo

    Finalizao

    ingredientes para o

    Colocar em um prato fundo o risoto, colocar brotos de tomil-ho e algumas gotinhas de azeite de trufas. Obs: Azeite de tru-fas d um sabor especial ao risoto e opcional.

  • 34

    Andr CordeiroProfisso: Personal Tra

    iner

    Tempo de Night e Cia: 3 ano

    andre@studiofisic.com.br

    Sade +corpoalma

    Tempo de Night e Cia:andre@studiofisic.com

    .br

    POSTURA

    coluna vertebral tambm parte primordial e essencial da postura porque ir determinar sob diversas infl uncias a direo dos membros superiores e inferiores. A postura bpede do homem extremamente efi -caz e constitui o mecanismo antigravitacional mais econmico porque gasto pouca energia para nos mantermos em p, usando um pouco de cada msculo e criando nossa prpria postura.

    Em um indivduo, ocorrem informaes entre o sistema nervoso e o crebro, provenientes de trs fontes para o equilbrio do corpo no espao a sua volta, seja em p, sentado ou em movimento. Informaes providas dos olhos, ouvidos, msculos, articulaes, ligamentos e tendes. Nesses quatro ltimos citados, existem proprioceptores que informam uma es-trutura chamada cerebelo, para depois ento, informar o crebro o grau de tenso a que cada um est sendo submetido e depois retransmitem essa informao de volta para os mesmos msculos, articulaes, liga-mentos e tendes, fazendo com que nos equilibramos conscientemente ou inconscientemente. Graas a esses receptores, se fecharmos nossos

    olhos ou tampssemos nossos ouvidos e realizssemos um movimento, percebera-mos perfeitamente a nossa posio no es-pao em que nos localizamos.

    Resumo: Ao treinar tenha a certeza de que est realizando alinhamento articular em seus exerccios. Por exemplo: alinhar tornozelo, joelho, quadril e ombros sobre a mesma linha ao realizar um agacha-mento. O ser humano luta para vencer a gravidade fi car em p efi cientemente, sendo assim hoje se fala muito na maior nmero possvel de exerccios em p para justamente melhorar nossa efi cincia nesse aspecto.

    Postura o conjunto em posio das articulaes de um corpo em um determinado momento atuando para fornecer o equilbrio no espao.

    A

  • alimente-sebem

    SUBSTITUA SEUS DESEJOS

    uanto mais carnes, frutas e verduras voc consumir, mais carnes, frutas e ver-duras voc vai desejar. Juro!!!! Agora, se voc comer bolo e pizza, seu desejo ser de bolo e pizza, da pior maneira possvel. Consumimos aquilo que pensamos. E o que pensamos pode nos consumir se no formos cuidadosos.

    Fazemos votos para melhorar, para comer de modo mais saudvel e para fazer as melhores escolhas, e quando chegamos cozinha, desfazemos nossa deciso com a cobertura de brigadeiro que escorre em cima daquele bolo de chocolate que sua me acabou de fazer. Ah!! Quem se importa com a balana, quando esse bolo destila tanto amor e sabor? Depois de duas fatias de bolo, decidimos que amanh ser um dia muito melhor para cumprir sua promessa de comear a comer coisas mais saudveis. E j que esse o seu ltimo dia de comer, aproveita-

    Sheila Rosa

    Profisso: Nu

    tricionista

    Tempo de Nig

    ht e Cia: 6 an

    o

    sheila_rosa_@

    hotmail.com

    Desejamos aquilo que comemos. Se voc fi zer escolhas saudveis durante um perodo de tempo, isso reprogramar seu paladar.

    mos da melhor maneira possvel. Outra fatia, por favor. Quando eu comecei, sabia que seria difcil, mais do que eu podia imaginar. Eu queria muito comer um pozinho nesta manh, mas troquei por ovos mexidos com pimenta cayenna. E dessa maneira eu fui levando.

    No prometo a voc que ser fcil. No prometo que a balana em um passe de mgica diminuir seu peso como voc realmente deseja. Provavelmente no. Mas ser um comeo. Na verdade um excelente comeo.

    Q

  • 36

  • Chrisdemundocuriosocurioso

    Christopher Stoner

    Profisso: Scio da marca Santacosta

    Tempo de Night e Cia: 1 ano

    O nome do nosso estado tem verses. Por exemplo, uma atribui ao explorador Sebastio Caboto em tributo sua esposa, Catari-na Medrano. Outra tem origem catlica, do nome Santa Catarina de Alexandria.

    CATARINAS?QUAL DAS

    A ilha j teve vrios nomes ao longo dos anos. Meiembipe, Jurer Mirim, Baa dos Perdidos, Porto dos Patos, Ilha de Santa Catarina, Nossa Senhora do Des-terro, Desterro. O pessoal no gostava muito desse ltimo nome pela conota-o da palavra desterrado. Na busca por um novo nome cogitaram Ondina, deusa dos mares. Mas, por fi m, em 1894 foi feito uma homenagem ao ento presidente Floriano Peixoto e fi cou o nome Florianpolis.

    FLORIANPOLIS QUASE FOI ONDINA

    O escritor Antoine de Saint-Exupry era tambm piloto do correio areo francs. Naquela poca os avies que cobriam a rota entre Europa e Argentina faziam uma parada nas dunas e gramados do Campeche para reabastecimento e descanso. Saint-Exupry passava dias na ilha e fez amizade com moradores, que o trata-vam de Z Perri. Dizem at que a Lagoa do Peri no sul da ilha e homenagem ao autor e aviador.

    O PEQUENO PRNCIPE

    Sabia que o primeiro ncleo colonial francs no Brasil foi aqui? Uns 150 atrs tentaram criar uma daqueles colnias de socialismo utpico aqui em Santa Catarina. Chamado de Falanstrio do Sa, foi uma comunidade experimental s margens da Baa de Babitonga. No durou muito por conta de dissidncias. Quando voc estiver no norte do estado, ali pelas bandas da Vila da Glria, repare que os sobrenomes franceses permanecem at hoje.

    UTOPIA FRANCESAPeabirus foram trilhas usadas pelos indgenas sul-americanos muito antes do descobrimento pelos europeus, ligando os Andes ao Oceano Atlntico. Garuva, no norte do estado, parte de uma rota milenar de 3.000 km que liga a Amrica do Sul de leste a oeste passando por Brasil, Paraguai, Bolvia e Peru. Trechos ainda existem aqui no estado, quem bem aventurado pode encarar quase 9,5 km de trilha at 980 metros de altura no estonteante Monte Crista, logo afora de Joinville.

    CAMINHOS INCAS

    ARTE

    LUCIAN

    A SIEB

    ERT

    ALGUNS MUNICIPIOS INTERESSANTES

    Ermo, Maravilha, Ouro, Paraso, Princ-

    esa, Rio das Antas, Saudades, Sombrio.

  • 38

    ENTREVISTA

    tivo de compilar informaes interessantes. Defendendo a ideia de produzir contedo autoral e desprentecioso, as publicitrias Carla Costa e Dani Rebelo criaram o Reuse Ideias. O nome j diz sobre os temas do blog. De forma sutil e agradvel escrevem textos com dicas para reusar, criar e inspirar. Acreditam que o futuro agora e que o hoje j foi o amanh. Quando entendemos que temos apenas o agora para fazer e acontecer impossvel ficar na inrcia. No d para esperar, tudo acontece agora. O blog teve aquele perodo incubao at que foi ao ar em meados de dois mil e treze. E est dando certo. Logo foram convidadas para participar da Revista Night e Cia, com um espao mensal onde escrevem temas inditos. E h um ms estreiaram o novo layout. Digo que est num formato mais leve, de fcil navegao. E digo ainda mais, eu internauta, eu leitora assdua, adorei.O blog uma sementinha regada dia aps dia. O objeti-vos das duas inquietas crescer neste meio e aliment-lo como um portal de informaes. Isso tem a ver com a maneira que se conheceram. Sabe quando o universo conspira a favor? Foi bem assim. A amizade nasceu na casa do David, hoje marido da Carla - unio que gerou o Tho - e na poca amigo em comum das duas. E nesta longa data se encontraram diversas vezes.

    LONGE DA BANALIZAO DOS BLOGS, DUAS PUBLICITRIAS COMANDAM O WWW.REUSE IDEIAS.COM E O TORNARAM UM PORTAL DE INFORMAES.

    No final da dcada de 90, os blogs se tornaram uma ferramenta de comunicao, com o obje-

    ENTREVISTA JOSIE MENDES ILUSTRAES CAROLINA MARQUESENTREVISTADAS CARLA COSTA E DANI REBELO FOTO LUCIANA SIEBERT (LOTE 84)

    Dani Rebelo e Carla Costa: Up, Up and Away!

  • 39

    NC: Como foi o primeiro passo?RI: A gente sempre fi cava nessa de no querer expor nossa imagem e super felizes de ver as pessoas curtindo o que estva-mos escrevendo. As pessoas ao nosso redor foram sempre grandes incentivadoras, acompanhando e nos impulsionando.O formato blog foi o que pareceu mais razovel. Uma forma de comear investindo apenas a prpria dedicao. Os blogs sempre tiveram essa cara pra ns: algo mais autoral e despretensioso. Se as pessoas tomam gosto, a sim pode acabar vi-rando algo maior. A essncia comeou assim: com a vontade de se expressar e algo importante sendo dito.

    O Reuse Ideias surgiu para mudar o mundo?O Reuse tem o objetivo de compartilhar as boas ideias que vemos por a. Mais do que mudar o mundo, o que queremos mostrar que existem essas pessoas que fazem acontecer, que so os agentes da transformao. Queremos que o Reuse Ideias seja reconhecido como uma mdia propagadora de informaes positivas. Vemos tantos assuntos ruins tendo ampla divulgao nos noticirios e pensamos ainda mais em valorizar o que feito de bom. Por que no enaltecer os assuntos que realmente merecem ser discutidos e fazer com que mais e mais pessoas que vibram na mesma linha de pensamento possam se encontrar, se identifi car com uma histria ou um projeto e assim se inspirar?

    NC: Vocs so super inspiradas. Tem alguma referncia?RI: Estamos conectadas ao que est acontecendo e tambm temos forte conexo ao caminho que trilhamos pra chegar at aqui. Cada uma traz a sua histria: o que viu, o que v, o que pensa e o que gostaria de repensar. E depois que a gente des-pertou esse olhar, o Universo inteiro conspirou por toda parte enxergamos contedo pro Reuse.

    NC: Vivemos numa fase em que existem as blogueiras de moda e vocs duas tem um per l completamente diferente. Ufa! Como fugir da banalizao da informao?RI: Nosso foco o contedo do Reuse e no nossa imagem pessoal. Voc sabe o sufoco que passamos ao participar da sesso de fotos para a coluna da revista e bem assim. Queremos que as pessoas nos conheam atravs de nossas ideias e no de nosso guarda-roupa. Afi nal, no h Prada, Valentino, Dolce&Gabbana que sustente um papo vazio, no mesmo?

    NC: O blog mudou recentemente de layout. Qual foi o objetivo desta mudana? RI: Temos muito contedo, postamos religiosamente todos os dias de semana, ento o formato antigo no permitia que essas notcias tivessem grande visibilidade. Agora, quem entra no Reuse Ideias pode facilmente ver as informaes que queremos compartilhar.

    NC: Contou com alguma parceria?RI: Quem materializou essa transformao foi o Felipe Castro, nosso amigo de longa data e um criativo de mo cheia. Sem a dedicao, o trabalho e claro a pacincia do Felipe no teramos chegado num resultado to bacana. No falsa modstia que estamos muito in love com o site novo mesmo.

    NC: Vocs planejam ter espao publicitrio no blog?RI: Sim, a ideia que marcas que possuem em seu DNA as mesmas preocupaes que ns possam falar diretamente com nossa audincia altamente segmentada.

    NC: A identidade visual de vocs foi criada pelo artista e publicitrio Stanislaw Tchaick. Como foi este contato?RI: O Tchaick um amigo de anos e anos. Ele nos conhece e melhor que isso, ele conhece nossa essncia. Nossa identidade um trabalho artstico, feito a mo,por algum muito talentoso e que temos um enorme carinho. um prazer e por que no uma honra, contar com amigos to talentosos e que vestem nossa camisa, porque a tudo fi ca assim com essa carinha especial.

    NC: A identidade visual de vocs foi criada pelo artista e publicitrio Stanislaw Tchaick. Como foi este contato?RI: O Tchaick um amigo de anos e anos. Ele nos conhece e melhor que isso, ele conhece nossa essncia. Nossa identidade um trabalho artstico, feito a mo,por algum muito talentoso e que temos um enorme carinho. um prazer e por que no uma honra, contar com amigos to talentosos e que vestem nossa camisa, porque a tudo fi ca assim com essa

    39

  • 40

    NC: A Dani j morou em NY. Como foi esta experincia?Dani: Abri mo de muitas coisas pra ir pra l. Desde as frias que havia passado em NYC em 2009,eu sentia essa urgncia de voltar. Sabia que um dia iria morar l e no deu outra. Em 2011 me joguei pra l e chegando no JFK vi uma frase de boas-vindas que me tocou muito e enquanto estava l cada vez fazia mais sentido: You came here to become (algo como voc veio aqui para se tornar) e foi bem isso. Um encontro comigo mesma e depois disso no tinha mais escolha a no ser amar cada vez mais ser eu mesma.

    NC: Costumava ir aos brechs?Dani: Nossa, completamente! Sempre curti garimpar em brechs e NYC o paraso para qualquer pechincheira que se preze! A cada dia uma nova descoberta, uma pea interessante a preo de banana. Eu fui pra NYC estudar e me abrir pra diversas vertentes de novos conhecimentos, e o mundo dos brechs fez parte tambm dessa incurso acadmica em NYC. Muitas das informaes processadas podem ser vistas hoje no nosso Guia de Brechs, tiramos muitas dicas dessas aulas.

    NC: E a Carla, o que conta pra gente do que j viveu? Carla: Bom, eu sou paulista de nascimento e catarinense de corao. Impossvel no trazer a selva de pedras junto comigo por onde eu passo, meu gosto pelo grafi ti e as artes de rua, minhas preferncias musicais. Ter crescido l de alguma forma me fez forte pra muitas coisas e ainda bem que mantenho um corao mole pra tantas outras. Eu ainda no me descobri totalmente, e acho que nunca chegarei a esse ponto. Sinto e vivo coisas que as palavras no conseguem expressar, gestos no conseguem traduzir. A cada erro, que no foram poucos, um aprendizado. A cada acerto, uma experincia; tentando seguir sempre por aquilo que julgo certo.

    NC: Vocs so publicitrias, como foi a trajetria pro ssional?RI: O cotidiano do publicitrio nunca chato e nem montono. Isso tem tudo a ver com quem a gente . J trabalhamos em empresas voltadas para produo, veculos e, claro, em agncias. Trabalhamos juntas inclusive por alguns anos na Bangal. Depois disso, cada uma seguiu um caminho, porm com a amizade em via paralela. Hoje as duas trabalham em departa-mentos de Marketing de empresas da regio. Adoramos o que fazemos, trabalhar com comunicao faz parte do nosso DNA.

    NC: H um ano vocs foram convidadas para escrever mensalmente para a revista Night e Cia. E o resultado para ns est sendo incrvel. Como est sendo esta colaborao?RI: Ns adoramos! O processo criativo sobre o que vamos escrever muito bacana por isso, procuramos sempre produzir contedo especfi co para a revista. Temos um carinho enorme pela publicao que foi onde comeamos nosso namoro com o contedo mais editorial. Temos aprendido um monte e queremos continuar nos edifi cando com esse projeto. Trabalhar com voc, Josie, puxa-saquismos parte, uma delcia. Adoramos nossa troca de ideias e a forma com que construmos a coluna. Voc nos inspira!

    NC: Blogueiras, publicitrias, apaixonadas. Vocs vivem intensamente e isso to bonito. Como conseguem conciliar tempo com a vida pro ssional e pessoal?RI: Pode colocar mais coisas nessa equao, tem o Reuse, tem a famlia, tem nossos amores, o Theo, os amigos, nosso trabalho e por a vai. Tem vezes que parece que no vamos dar conta, muita vida pra pouco tempo. A gente surta. Vimos esses dias essa frase e fez muito sentido: a gente pira de vez em quando, pra no pirar de vez. bem assim. E o mais doido que adoramos essa loucura toda, essa movimentao. Gostamos tanto de tantas coisas que atramos pra nossas vidas esse cotidiano maluco.

    NC: Pra encerrar, qual o futuro do Reuse Ideias?RI: Temos uma viso muito clara de onde queremos e vamos chegar. Cada vez fi ca mais iluminado em nossos coraes onde vai dar tudo isso. Por ora, o foco o agora. Comeamos nosso dia com a pergunta: bom, amiga, sobre o que vamos falar hoje? isso que nos motiva, esse coolhunting, essa profuso de ideias e de projetos. Atraamos o que transmitimos. Acreditamos muito nisso. Estamos plantando, semeando, cultivando nossas ideias, nossas parcerias. O nosso futuro o que estamos con-struindo agora e dando uma olhada onde j estivemos e onde estamos, d pra ter uma vaga ideia do que ainda vai nos acon-tecer. Ou no. Uma boa dose de surpresa tambm faz parte de toda histria que valhe a pena ser contada.

    40

    Dani: Abri mo de muitas coisas pra ir pra l. Desde as frias que havia passado em NYC em 2009,eu sentia essa urgncia de voltar. Sabia que um dia iria morar l e no deu outra. Em 2011 me joguei pra l e chegando no JFK vi uma frase de boas-vindas que me tocou muito e enquanto estava l cada vez fazia mais sentido: You came here to become (algo como voc veio aqui

  • 42

    La irge a!#i#iiri#iria#aiai#iai !#!NC: Como foi o processo de desenvolvimento dos clipes? Cada msica ganha uma imagem diferente?Ana Carolina: Eu j estava fazendo vdeos para algumas das canes do #AC. Fiz sem pensar no show exatamente. Assim criei, produzi e editei clipes para canes como Sueno Bajo el gua, Combustvel, Lbido, Leveza de Valsa. Quando chegou a hora de montarmos o show a Monique Gardenberg trouxe novas ideias para ilustrar outras canes e o resultado uma mistura de vdeos meus, dela e outros que foram feitos apenas para o espe-tculo.NC: As imagens rodam atrs de voc, mas d para sentir a diferena na reao do pblico?#AC: Sempre tenho vdeos em momentos dos meus shows, mas esse diferente. A maioria deles foram criados por mim e isso deixa tudo mais personalizado, o pblico tem uma leitura ainda mais particular, visual e sonora.NC: Eu li que msica Mais Forte conta com as imagens da renomada dupla argentina de danarinos de tango Ollantay Rojas e Lisandro Eberto. Como surgiu a ideia?#AC: Foi uma ideia da Monique que j conhecia o trabalho deles e tinha vontade de traz-los ao Brasil para registr-los em vdeo. O fato de serem dois homens danando tango em um lindo nmero de dana passional e belo deixo tudo ainda mais forte. NC: Mesmo focada no #AC, a turn traz alguns dos antigos sucessos dos 15 anos de carreira?#AC: Sim! Vrios! uma mistura de novas canes do #AC, e sucessos que o pblico elegeu atravs das redes sociais e coisas que nunca havia feito antes como Fire do Bruce Springsteen. Corao Selvagem do Belchior e, claro, Eu sei que vou te amar que no poderia fi car de fora.Alegria, alegria! Assim a cantora Ana Carolina encerrou a nossa entrevista, ao se expressar sobre a expectativa do show no Marias, que ser no dia 17 de maio, em Cambori. Ns aproveitamos para entrevist-la por e-mail e preparar o aquecimento junto com vocs. O papo no poderia ser outro: o novo lbum. O show conta com inseres de vdeo que foram especialmente produzidos para espetculo. um show bastante visual. Ano passado se apresentou em oito cidades nos Estados Unidos. Com a nova turn, pretende voltar a Amrica do Norte e Europa. Recm voltou de Portugal e quer circular no Brasil, a lugares que j foi e a lugares que nunca visitou.ENTREVISTA

    ENTREVISTA JOSIE MENDES ILUSTRAES CAROLINA MARQUES

    FOTO DIVULGAO

  • #NC: E esta umas das novidades, o cover da msica Fire. Quais outros msicos in-

    ternacionais voc costuma ouvir e que de alguma maneira te inspiraram neste novo lbum?

    #AC: Ouo de tudo sempre, mas no sei se h uma relao entre o que eu escuto com o que produzo. As coisas no funcionam dessa forma. Esse ltimo trabalho

    eu fi z aos poucos, umas cinquenta canes em quatro anos e depois fui escolhen-do. Nesse tempo ouvi muita coisa e a inspirao vem de toda parte, alm claro

    dos parceiros com os quais costumo compor.

    NC: O lbum traz novas sonoridades: beats, samplers, scratchs e outros. uma nova fase da cantora?

    #AC: Todo trabalho novo caracteriza uma fase diferente. No acho que um novo trabalho defi na uma nova sonoridade, me permito a experimentar sempre e a graa

    de lidar com msica poder se inventar a cada nova cano. Mantenho o exerccio da evoluo criativa em dia.

    NC: Por que o nome #AC?#AC: Queria algo universal que todos entendessem, o uso do # tambm ajudou a

    fazer o nome do trabalho correr pelas redes sociais, so as minha iniciais, mas na lin-guagem musical tambm poderia ser lido como tom mais forte.

    NC: Este seu sexto lbum de inditas. Quanto tempo levou para ser produzido?#AC: Passei quatro anos compondo msicas soltas sem o compromisso de virar um

    lbum, foi sendo feito aos poucos e depois que entramos em estdio foram uns trs meses at a concluso.

    NC: H alguma referncia ou inspirao?#AC: Todas e nenhuma exatamente. curioso como entre a cria-

    o e a concluso de um novo trabalho no se sabe onde o tra-balho vai chegar mesmo que voc tenha certezas no inicio do

    processo. O produto fi nal meio que se impe ao fi nal do processo.

    NC: Alguma histria que marcou este perodo... conta pra gente.#AC: Sem dvida o momento mais marcante desse trabalho foi receber o Chico Buarque

    para gravar Resposta da Rita no estdio l de casa. Lembrei do tempo em que tirava suas msicas ao violo ainda na adolescncia, impossvel no me emocionar.

    NC: Isto deve ter sido mesmo encantador. Fez toda diferena ter o vocal, o jeito dele na msica. Como foi este contato? Por que escolheu o Chico?

    #AC: A Bethnia deu a ideia e me pediu para escrever uma resposta da msica A Rita, do Chico. Fiz com o Edu Krieger, mostrei a ela, mas no pude gravar naquele perodo por conta

    do falecimento da Dona Can (ilustre cidad de Santo Amaro da Purifi cao, me de Beth-nia). Ela sugeriu o Chico, ele gostou da ideia e nos deu a honra de cantar comigo.

    NC: Como de ne esta fase, com novo lbum e turn pelo pas?#AC: Sinto que seja um momento de celebrar 15 anos de trabalho ao lado dos fs, uma espcie

    de prova de concluso de curso, pelo menos de uma etapa muito importante da minha vida e carreira. uma turn de celebrao.

    NC: Gosta de tocar aqui em Santa Catarina?#AC: J fui vrias vezes a Santa Catarina estive me Floripa h pouco tempo. Adoro o pessoal,

    gente linda, educada e sincera.

    NC: Quais expectativas que pblico pode ter do show do dia 17 de maio?#AC: Alegria, Alegria !

  • SAVE the dates

    Celebre o Warung Day FestivalO cenrio mudou, mas a essncia continua a mesma. O Warung Day Festival acon-tece no dia 17 de maio, na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba. O local escolhido foi um dos mais tradicionais espaos do Brasil, que se notabilizou pelos memorveis shows e pelas pedras remanescentes da histria do local compem um mosaico im-pactante ao lado da vegetao nativa repleta de araucrias e um lago artificial. A lista de atraes ultrapassa mais de 30 artistas, sendo que vrios assumiro as pick ups em B2B. O festival dever ser dividido em trs espaos. Vale adiantar alguns nomes que estaro no Warung Day Festival: Dubfire, Hot Since 82, Amine Edge & Dance, Ten Walls (live), Paul Ritch (live), Sharam Jey, Renato Ratier, Fab vs. Aninha, Leozinho vs. Leo Janeiro, Ale Reis vs. Davis, Albuquerque vs. Boghosian, Conti vs. Mandi, Dashdot, Flow & Zeo, Renee Mussi, Gromma, Dudu Pretrelli vs. Gui Thom, Ilan, Pako, Haustuff, Dake, Klayton Keppe vs. Biel, Ale Dantas e Alter Disco.

    Weekend Wars Sessions II UK x USA festa Weekend Wars j est dentro do calendrio de todos os roqueiros. E a prxima est com data marcada, ser no sbado, 24 de maio, s 23 horas, no At Home, na Praia Brava. O tema Reino Unido x Estados Unidos e a ideia colocar os DJs para con-frontar sons americanos e britnicos, na mesma pista, numa verdadeira guerra de sotaques, um embate de tendncias que ir marcar a viagem histrica por essa charmosa rivalidade.

    A mais recente edio do Bazar da Brava foi um sucesso em Blumenau. Realizado no comeo de abril, o evento contou com quase 50 expositores alm de um impressionante line-up musical de artistas da cidade e mais de 1.000 visitantes ao longo do dia. Marque na agenda, sbado dia 7 de junho, o encontro volta ao litoral e vai acontecer em Balnerio Cambori no Das Antiga Bar das dez horas da manha at oito da noite. Ocasio perfeita para apaixonados e apaixonadas encontrarem um presente original de Dia dos Namora-dos. Sero mais de 30 expositores de vrias partes do estado como Blumenau, Balnerio, Cricima, Florianpolis, Itaja, Rodeio. Voc pode acompanhar todos os preparativos na Fan Page www.facebook.com/santacosta.

    A exposio apresenta cerca de 150 obras do artista, entre pinturas, gra-vuras, documentos, fotografias e ilus-traes. A mostra abrange as diversas fases criativas do pintor, com nfase no perodo surrealista, que o consagrou e no qual refletiu seu imaginrio singu-lar. Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro. Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h s 21h. Mais infor-maes: c cbbrio@bb.com.br.

    Salvador Dali e do Rio

    Casa Cor, afinal todos ns temos um lado decorador

    Gosta de decorao? Ento, no perca mais um minuto para se surpreender com os projetos apresentados nos 45 ambientes da mostra, repletos de luxo, ousadia e muito bom gosto. Alm do tema principal, proposto pela organizao da Casa Cor San-ta Catarina, a mostra contar mais uma vez com ambientes de tema livre. A iniciativa, que teve incio em 2013, visa privile-giar os profissionais parceiros do evento que participaram das ltimas edies. A exposio estar at o dia 15 de junho, no Condomnio Riviera Business - Mall Rodovia Osvaldo Reis, 3.281, Itaja. Horrio: tera a quinta-feira e domingo das 15h s 21h30 - sexta-feira, sbado e feriado das 15h s 22h30. Ingressos: inteira - R$ 28 - meia - R$ 14 - passaporte - R$ 56.

    Bazar da Brava ser no Das Antigas Bar

    45

  • 42

    CAPA

    ENTREVISTA JOSIE MENDES

    ILUSTRAES CAROLINA MARQUES

    FOTO THIAGO MACHADO

  • NC: Quais foram os filmes mais recentes que assistiu?

    Fbio Porchat: No cinema assisti 12 anos de escravido.

    Esperava mais do filme, mas gostei. Um filme que gostei

    muito mesmo foi Nebraska, deslumbrante.

    NC: E qual filme te fez chorar?

    FP: Fui ao cinema com a minha sobrinha assistir Winter,

    o Golfinho. Eu fiquei pssimo! Ela feliz e eu falando: ele

    vai morrer!

    NC: Qual te fez desligar a TV?

    FP: Desligar? Federal. Um filme brasileiro que achei ps-

    simo.

    NC: Ator e atriz favoritos:

    FP: Eu gosto muito do Steve Carell, Meryl Streep pra mim

    hoje uma das melhores atrizes. Andra Beltro, Pedro

    Cardoso, Regina Cas. Tem muitos que eu admiro.

    NC: Um filme que marcou a sua infncia:

    FP: Os Goonies

    NC: J correu por causa de alguma piada?

    FP: (risos) Ainda no, as minhas piadas tem funcionado.

    No Porta dos Fundos o pessoal que corre da gente.

    NC: Quem ri por ltimo ri melhor ou porque lento?

    FP: Provavelmente porque mais devagar (rs)

    NC: A nova gerao de humor trouxe mais ousadia e

    criatividade?

    FP: A nova gerao de humor trouxe mais propriedade

    no humor. mais autoral, fala o quer, do jeito que quer.

    Posta na internet, no precisa tanto da televiso. A fer-

    ramenta outra.

    NC: A vida uma comdia?

    FP: Sim, porque melhor rir do que chorar.

    Ns tentamos conversar sobre msica. Mas no deu.

    Inocncia da minha parte e um tanto chata quando pensei

    na possibilidade de Fbio Porchat gostar de rock. Alou! Ele

    estava curtindo sertanejo, em Balnerio Cambori leia-

    se no Woods. Se John Lennon passar na minha frente, eu

    no sei quem , diz ele. Ouk, fica tranquilo que isso no

    vai acontecer. Carioca criado em So Paulo, nasceu no dia

    1 de julho e mistura os dois sotaques. Formado em Artes

    Cnicas na Casa de Arte das Laranjeiras (CAL), ator, redator

    e roteirista. L trs, em 2006, Fbio entrou para o grupo de

    comdia stand up, Comdia em P, juntamente com Cludio

    Torres Gonzaga, Fernando Caruso, Lo Lins e Paulo Carvalho,

    um dos principais espetculos de stand up comedy no Brasil,

    se apresentando tambm em outros shows e festivais, como

    o Risorama, no Festival de Teatro de Curitiba e o Comdia Ao

    Vivo, em So Paulo. um dos criadores e roteiristas do Porta

    do Fundos, canal de humor do Youtube, um dos mais visto

    no mundo. Junto a cinco scios, no esperava tanto sucesso.

    O Porta dos Fundos tem um pblico de 20 a 50 anos que

    estava carente de um contedo de humor na internet, conta.

    Mesmo recebendo diversas propostas com o plano de migrar

    para a TV, diz que no h plano de adaptar o mesmo formato.

    Mas que toparia produzir uma dramaturgia. A carreira de

    Fbio Porchat decolou aps uma apario no programa do J

    Soares na Globo em 2002 e pouco mais de dez anos depois, o

    humorista j acumula no teatro duas peas em cartaz h oito

    anos seguidos. O humorista dublou Frozen - Uma Aventura

    Congelante, animao dos estdios Disney lanada este ano

    no Brasil. A voz representou o personagem Olaf, um boneco

    de neve atrapalhado e ingnuo, o que faz render histrias en-

    graadas. A prxima tarefa de Porchat na TV ser o programa

    Tudo pela Audincia, que far em parceria com Tat Wer-

    neck no canal fechado Multishow. A atrao ter auditrio e

    vai satirizar quadros da televiso que fazem qualquer coisa

    pela audincia. O humorista esteve por aqui em meados de

    fevereiro numa despedida de solteiro de um amigo. Con-

    versamos sobre cinema e humor. Msica tambm era pauta,

    mas admitiu no saber quem David Bowie. Deixei pra l e

    segui em frente com o que ele realmente gosta de falar. Alis,

    esta uma forte caracterstica dele.

    Fala muito, tanto com a boca, quanto com as mos.

    47

  • 48

    ESPECIAL

  • 49

    Uma questo de bom senso

    O bom senso associado a sabedoria e a razoabilidade. o ato que uma pessoa possui ou que deveria possuir de adequar regras e costumes a determinadas realidades. Para Aristteles o bom senso elemento central da conduta tica uma capacidade virtuosa de achar o meio termo e distinguir a ao correta, o que em termos mais simples, nada mais que bom senso. Confundido com senso comum, o bom senso muitas vezes o oposto, sendo ligado ideia de sensatez uma capacidade intuitiva de distinguir a melhor conduta em situaes especficas.

    Um novo comportamento surgiu aps a lei antifumo. No dia 29 de setembro de 2009 entrou em vigor em Santa Catarina, impedindo o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou outro produto fumgero, derivado ou no do tabaco, em recinto coletivo fechado, pblico ou privado. A palavra cigarro deriva do francs cigarette. O primeiro registro conhecido na forma pictrica (quando uma imagem produzida por ordenao de pigmentos sobre algum suporte) num vaso Maia do sculo X. Dois sculos depois este hbito encontra-se espalhado por todo planeta.

    Movimenta uma das indstrias mais ricas e poderosas de toda a histria humana. At a dcada de 70, o cigarro era visto como um acessrio elegante, mas entrou no sculo XXI como o vilo de milhes de pessoas. O cigarro industrializado se disseminou feito praga pela Europa e pelas Amricas, especialmente a partir da Primeira Guerra Mundial. A publicidade associava-o a um hbito elegante e sofisticado de viver e, dependendo do contexto, a uma forma de insero social. O tempo passa, o tempo muda. Hoje no h mais status no cigarro. o inverso disso. O charme est na atitude de no precisar da fumaa para ambientalizar.

    Por Josie M

    endes, 30

    anos. Fum

    ante desde

    os 21.

    Na terceira

    tentativa d

    e parar com

    o cigarro.

    Ilustraes

    Carolina M

    arques

  • O Poderoso Trio

    Alcatro, nicotina e tabaco O tabaco possui mais de sete mil substncias txicas diferentes. A nicotina a droga que leva dependncia (se no fosse ela, ningum fumava). Tem a peculiaridade de no ser comprada pura como a cocana e a herona. Ningum compra um grama de nicotina no bar. Compra um mao de cigarros, que carregam consigo sete mil substncias txicas, 4.720 das quais classifi ca-das nas catorze famlias qumicas, alerta Rosemberg. O alcatro est relacionado a todo cncer causado pelo fumo, como na boca, laringe ou estmago.

    No custa tentar

    Restrio de propaganda de cigarro levou 33% dos brasileiros a deixarem de fumar, diz pesquisa da Organizao Pan-Amer-icana da Sade (Opas), feita entre 1989 e 2012, divulgada em 2013. Um em cada trs brasileiros deixou de fumar depois que medidas que restringiram a propaganda de cigarros na TV e em veculos de comunicao de massa entraram em vigor. Baseada num levantamento com 1,8 mil pessoas em Porto Alegre, no Rio de Janeiro e em So Paulo. A pesquisa mostrou que a maioria da populao a favor de medidas ainda mais rigorosas contra o fumo.

    Um levantamento americano que analisou as consequncias das leis anti-fumo em diversos pases concluiu que essas medi-das tm, sim, um impacto direto e rpido sobre a sade da popu-lao. Segundo a pesquisa, feita pela Universidade da Califrnia com o Instituto Nacional de Sade (NHI, sigla em ingls) dos Estados Unidos, a aplicao desse tipo de legislao, como por exemplo, a proibio do fumo em restaurantes e bares, capaz de reduzir rapidamente o nmero de internaes decorrentes de doenas como as cardiovasculares ou as respiratrias. Essa diminuio ocorre, segundo os pesquisadores, tanto entre os fu-mantes quanto entre pessoas expostas ao fumo passivo.

    50

    ESPECIAL

    O Poderoso Trio

    Alcatro, nicotina e tabaco O tabaco possui mais de sete mil substncias txicas diferentes. A nicotina a droga que leva dependncia (se no fosse ela, ningum fumava). Tem a peculiaridade de no ser comprada pura como a cocana e a herona. Ningum compra um grama de nicotina no bar. Compra um mao de cigarros, que carregam consigo sete mil substncias txicas, 4.720 das quais classifi ca-das nas catorze famlias qumicas, alerta Rosemberg. O alcatro est relacionado a todo cncer causado pelo fumo, como na boca, laringe ou estmago.

    No custa tentar

    Restrio de propaganda de cigarro levou 33% dos brasileiros a deixarem de fumar, diz pesquisa da Organizao Pan-Amer-icana da Sade (Opas), feita entre 1989 e 2012, divulgada em 2013. Um em cada trs brasileiros deixou de fumar depois que medidas que restringiram a propaganda de cigarros na TV e em veculos de comunicao de massa entraram em vigor. Baseada num levantamento com 1,8 mil pessoas em Porto Alegre, no Rio de Janeiro e em So Paulo. A pesquisa mostrou que a maioria da populao a favor de medidas ainda mais rigorosas contra o fumo.

    Um levantamento americano que analisou as consequncias das leis anti-fumo em diversos pases concluiu que essas medi-das tm, sim, um impacto direto e rpido sobre a sade da popu-lao. Segundo a pesquisa, feita pela Universidade da Califrnia com o Instituto Nacional de Sade (NHI, sigla em ingls) dos Estados Unidos, a aplicao desse tipo de legislao, como por exemplo, a proibio do fumo em restaurantes e bares, capaz de reduzir rapidamente o nmero de internaes decorrentes de doenas como as cardiovasculares ou as respiratrias. Essa diminuio ocorre, segundo os pesquisadores, tanto entre os fu-mantes quanto entre pessoas expostas ao fumo passivo.

    ESPECIAL

    Fumar faz mal, todos sabem disso

    Dados da Organizao Mundial da Sade (OMS) de maio do ano passado indicam que o tabaco responsvel por 5,6 milhes de mortes todos os anos, o que signifi ca que a substncia mata cer-ca de 10 pessoas por minuto. Nem mesmo aqueles que no so adeptos do cigarro esto livres dos seus malefcios. Mais de 10% dos bitos so de no-fumantes, que morrem por respirar fuma-a de segunda mo. O tabaco a principal causa de morte evi-tvel no mundo. Para combater a questo, a ONU decretou o dia 31 de maio como o Dia Mundial Sem Tabaco e avisa: se os pases no arregaarem as mangas para tratar o problema, em 2030 sero 8 milhes morrendo por culpa das tragadas sobretudo em pases de baixa e mdia renda.

    O tabagismo e seus malefcios sade foram objetos de estudo de Jos Rosemberg (in memoriam) professor de Pneumologia e um dos fundadores da Faculdade de Medicina da PUC (SP). Em seu livro Nicotina Droga Universal mostra a epidemia do tabaco como problema mundial. Pode-se dizer que a epidemia moderna do tabaco pior do que qualquer outra. De acordo com Rosem-berg, nos ltimos 30 anos, o HIV matou, em mdia, vinte milhes de pessoas no mundo e o bacilo da tuberculose, 60 milhes. En-quanto o tabaco matou 150 milhes. O mais triste que 80% da mortalidade ocorre no mundo pobre.

    Entre as principais doenas causadas pelo tabaco esto as doen-as cardiorrespiratrias. Se, no geral, 33% dos infartos fulmi-nantes so provocados pelo tabaco, nos indivduos entre 45 e 55 anos, esse nmero sobe para 50%. A partir dos 50 anos de idade, 25% dos derrames cerebrais tm como causa o tabaco e no h quem no saiba que o derrame cerebral pode levar morte ou paralisia. Alm disso, 85% dos casos de bronquite crnica, en-fi sema, uma enfermidade que destri o pulmo e no tem cura, se devem ao hbito de fumar. E no s: essas doenas deixam o pulmo mais vulnervel s infeces virticas e bacterianas, como gripe, AIDS, tuberculose, etc, explica Rosemberg.Dados do Instituto Nacional do Cncer (Inca) mostram que cerca de 90% dos casos de cncer de pulmo, o mais comum de todos os tumores malignos, esto relacionados ao tabagismo. A insti-tuio estima que em 2012 foram diagnosticados mais de 27 mil novos casos da doena, considerada altamente letal.

  • Teste seu nvel de dependncia do cigarro

    1. Quanto tempo depois de levantar voc fuma o primeiro cigarro?a) Nos primeiros 5 minutosb) De 6 a 30 minutosc) De 31 a 60 minutosd) Mais de 60 minutos

    2. Voc acha difcil evitar fumar onde proibido?a) Simb) No

    3. De qual cigarro voc mais detestaria ter que desistir?a) O primeiro da manhb) Todos os outros

    4. Quantos cigarros voc fuma por dia?a) 10 ou menosb) 11 a 20c) 21 a 30d) 31 ou mais

    5. Voc fuma mais durante as primeiras horas depois de acordar do que durante o resto do dia?a) Simb) No

    6. Voc fuma mesmo quando est doente?a) Simb) No

    Pergunta 1:a) 3 pontos; b) 2 pontos; c) 1 ponto; d) 0 pontoPerguntas 2, 3, 5 e 6:a) 1 ponto; b) 0 ponto.Pergunta 4:a) 0 ponto; b) 1 ponto; c) 3 pontos; d) 4 pontosResultado:At 4 pontos:Voc no dependente4 a 7 pontos:Sua dependncia moderadaMais de 7 pontos:Voc dependente grave

    51

    Teste seu nvel de dependncia do cigarro

    1. Quanto tempo depois de levantar voc fuma o primeiro cigarro?a) Nos primeiros 5 minutosb) De 6 a 30 minutosc) De 31 a 60 minutosd) Mais de 60 minutos

    2. Voc acha difcil evitar fumar onde proibido?a) Simb) No

    3. De qual cigarro voc mais detestaria ter que desistir?a) O primeiro da manhb) Todos os outros

    4. Quantos cigarros voc fuma por dia?a) 10 ou menosb) 11 a 20c) 21 a 30d) 31 ou mais

    5. Voc fuma mais durante as primeiras horas depois de acordar do que durante o resto do dia?a) Simb) No

    6. Voc fuma mesmo quando est doente?a) Simb) No

    Pergunta 1:a) 3 pontos; b) 2 pontos; c) 1 ponto; d) 0 pontoPerguntas 2, 3, 5 e 6:a) 1 ponto; b) 0 ponto.Pergunta 4:a) 0 ponto; b) 1 ponto; c) 3 pontos; d) 4 pontosResultado:At 4 pontos:Voc no dependente4 a 7 pontos:Sua dependncia moderadaMais de 7 pontos:Voc dependente grave

    Seis milhes de mortes

    Relatrio da OMS divulgado em 2013 mostra que, embora me-didas antitabagistas atinjam cada vez mais pessoas, o fumo ainda a principal causa de mortes evitveis no mundo. No documento, a OMS alerta que, se essa tendncia se mantiver, o nmero de mortes ligadas ao fumo deve aumentar para oito milhes ao ano em 2030. No Brasil, cerca de 130 mil pessoas morrem todos os anos vtimas de doenas relacionadas ao fumo, o que representa 13% do total de bitos do pas.

    Jovens Vulnerveis

    Pelo fato da adolescncia ser a fase das curiosidades, o mo-mento em que as pessoas esto mais vulnerveis ao vcio. Comeam entre os 10, 12 e os 18 anos quando os centros nervosos ainda no esto totalmente desenvolvidos. Excepcionalmente, um indivduo comea a fumar aos 20, 25 anos. A nicotina chega ao crebro de 7 a 12 segundos depois da tragada. L existem vrios centros nervosos que a reconhecem e promovem uma chuva de hormnios psicoativos que levam dependncia. O principal deles a dopamina. Como no adolescente esses cen-tros ainda no esto maduros, a defesa muito menor e ele se torna dependente mais depressa. Aos 19 anos, 99% dos fuman-tes so escravos do tabaco at a morte.

    A Esperana

    Todo fumante sofre com o fi m do vcio. Os relatos de quem viveu esta experincia so de momentos de tenso. Mas uma coisa certa: melhor parar antes que o cigarro acabe com a vida. fcil de encontrar os mtodos com dicas para controlar o corpo e a mente. Mas isso no signifi ca que a tarefa ser fcil. De acordo com o Instituto Nacional de Cncer (Inca), o mais im-portante escolher uma data para ser o seu primeiro dia sem cigarro. Esse dia no precisa ser um dia de sofrimento. Faa dele uma ocasio especial e procure programar algo que goste de fazer para se distrair e relaxar.

  • 52

    Fumei tabaco durante 14 anos, e neste ano vo fazer 13 anos do momento em que fumar tornou-se um hbito desagradvel e sem sentido, porm deixei de fumar. Lembro que o processo foi bem rpido, a cada vez que acendia um cigarro fi cava enjoado e pensava: pra que estou fazendo isto? qual o benefcio? Tentei lembrar porque tinha comeado a fumar na adolescncia, e foi justamente por no pensar, por fazer o que os outros faziam, por querer demonstrar algo que evidentemente j no me interessava. Foi ento quando par disso tudo, estava comeando a ir na academia, e fazer natao, e tomei conta que era jovem demais para estar to fora de estado fsico, e imediatamente o suspeito de culpa foi o cigarro. Ao sair da academia, acendi um cigarro, traguei, soltei a fumaa e me despedi para sempre. Nunca mais fumei um cigarro. Anos depois minha me morreu de cncer de pulmo, coisa que fi rmou ainda mais minha posio ao respeito do tabaco. Depois de ter deixado o vcio, comecei a perceber sabores, aromas, e obviamente a cada semana tinha mais capacidade nos pulmes para fazer exerccios e me cansava menos. Aos que desejam deixar o cigarro, eu digo que uma deciso mental, e aconselho trocar vcio por exerccios fsicos. Mudar as suas vidas positivamente e se sentiro felizes de terem se liberado de um vcio to maligno como efmero.Valrio Videla

    Fumava desde dos 16 anos. Bastante, diariamente. J tinha feito al-gumas tentativas frustadas para parar mas no tive sucesso. At que com 30 anos, resolvi mudar. Mudei minha cabea, o pensamento, sa-bia exatamente que no queria mais aquele gosto, cheiro e todos os malefcios que vm embutidos numa tragada. Para mim o segredo est em substituir no por comida, mas sim por esporte. J gostava de correr, entrei no yoga e meses depois engravidei.A fi cou mais fcil. Em junho deste ano faz 3 anos, s vezes ainda me d uma vontade, confesso, principalmente quando rola uma cervejinha, afi nal nin-gum fuma porque no gosta, eu tambm gostava. Mas digo que at a ressaca sem cigarro ouro! E a que entra a sua escolha, seu poder de deciso. Trabalho minha mente para ser mais forte que isso, eu determino o que quero fazer, e no o cigarro determina se devo fumar! Minha sade agradece!

    Maila Ztola (Empresria / Troop Estdio de Comunicao)

    Comecei a fumar muito cedo, quando ainda era adolescente. O cigarro era meu apoio e motivo de interao. Anos mais tarde surgiu a preocupao com a pele, pois sempre reparava nos fumantes de longa data, com a pele sem vio e muito enrugada. No queria isso para mim. A gota dgua foi quando me dei conta que estava fumando h mais de uma dcada e eu estava apenas comeando a vida adulta! Esse fato me deixou to assustada que nem precisei do auxlio de especialistas, adesivos e chicletes. Ainda fi quei um ano no proces-so de parar mas deu certo. Lembro bem quando meu olfato comeou a voltar. Hoje no gosto do cheiro de cigarro e posso senti-lo a quilmetros de distncia. Meu maior prazer voltar para casa sem cheiro na roupa.

    Helena Odebrecht Kuckuck (Publicitria)

    A vontade de parar de fumar surgiu quando o cheiro de cigarro que fi -cava nas mos, cabelos e roupas comeou a me incomodar. Ento, houve um feriado de pscoa que fi z uma viagem entre amigos e decidi no levar cigarro. Dali em diante no coloquei mais cigarro na boca! Foi uma luta grande entre o desejo e a necessidade. Durante um perodo tive que me afastar um pouco dos amigos, pois a maioria deles so fumantes. Precisei evitar encontros que tinham bebidas alcolicas. Mas hoje, depois de 3 anos sem fumar, notvel a melhora da pele, rinite alrgica e problemas respi-ratrios sumiram! Sem contar que largar o vcio do cigarro fez com que au-mentasse a busca pela qualidade de vida e a consequncia disso foi perda de peso. Para os que esto na luta, posso dizer com toda certeza: melhor que acender um cigarro a sensao de estar livre desse mal.

    Clarissa Ristow

    Comecei a fumar de bobeira aos 18 anos, primeiro era s na balada, depois era um cigarrinho entre uma aula e outra no corredor facul-dade e assim se passaram 10 anos. Eu queria parar de fumar, porm apenas o fato de eu ter bronquite asmtica no era sufi ciente para eu deixar o pigarrinho . Foi ento que comecei a namorar um no-fumante-totalmente-contra que reclamava cada vez que eu acendia um cigarro. Como eu morava em Curitiba e ele em Balnerio Cam-bori, nos vamos apenas nos fi nais de semana. Comecei a deixar de fumar s quando estava com ele e aos poucos fui percebendo que conseguia fi car mais tempo sem fumar. Hoje, faz mais de 2 anos que parei de fumar. No digo que nunca mais senti vontade, mas aprendi a me controlar. Perder o hbito de fumar o mais difcil no comeo. Estou morando na China, um pas onde permitido fumar em qualquer lugar e, na boa, sair fedendo cigarro dos lugares (bares, restaurantes...) nojento.

    Fernanda Rissi

    Parei de fumar de uma forma incomum: do nada, sem demonizar o cigarro e sem qualquer tipo de neuras ou co-branas mais agressivas. Eu j andava me incomodando com o cheiro que fi cava na roupa/cabelo/mos/boca, e foi numa noite sem cigarros, horas antes de viajar com o meu pai (18 anos sem fumar) que eu decidi no fumar na estrada. Chegando no destino, decidi no fumar durante o resto do dia, que virou um fi nal de semana, depois o ms, e est pra completar o primeiro ano. Pra no ser mentiro-so, acendi dois cigarros nesse meio tempo, e no me deu vontade de voltar. Mas como eu disse antes, no descarto voltar a fumar um dia ou outro, gosto do cigarro, apenas acho que no tem a ver com o meu estilo de vida agora. E tenho certeza que essa postura mais tranquila comigo mesmo ajudou muito a me fazer ver que eu no tenho um problema com o fumo.Kenzo Miura

    ESPECIAL LiberdadeDepoimentos de ex-fumantes

    52

    Fumei tabaco durante 14 anos, e neste ano vo fazer 13 anos do momento em que fumar tornou-se um hbito desagradvel e sem sentido, porm deixei de fumar. Lembro que o processo foi bem rpido, a cada vez que acendia um cigarro fi cava enjoado e pensava: pra que estou fazendo isto? qual o benefcio? Tentei lembrar porque tinha comeado a fumar na adolescncia, e foi justamente por no pensar, por fazer o que os outros faziam, por querer demonstrar algo que evidentemente j no me interessava. Foi ento quando par disso tudo, estava comeando a ir na academia, e fazer natao, e tomei conta que era jovem demais para estar to fora de estado fsico, e imediatamente o suspeito de culpa foi o cigarro. Ao sair da academia, acendi um cigarro, traguei, soltei a fumaa e me despedi para sempre. Nunca mais fumei um cigarro. Anos depois minha me morreu de cncer de pulmo, coisa que fi rmou ainda mais minha posio ao respeito do tabaco. Depois de ter deixado o vcio, comecei a perceber sabores, aromas, e obviamente a cada semana tinha mais capacidade nos pulmes para fazer exerccios e me cansava menos. Aos que desejam deixar o cigarro, eu digo que uma deciso mental, e aconselho trocar vcio por exerccios fsicos. Mudar as suas vidas positivamente e se sentiro felizes de terem se liberado de um vcio to maligno como efmero.Valrio Videla

    Fumava desde dos 16 anos. Bastante, diariamente. J tinha feito al-gumas tentativas frustadas para parar mas no tive sucesso. At que com 30 anos, resolvi mudar. Mudei minha cabea, o pensamento, sa-bia exatamente que no queria mais aquele gosto, cheiro e todos os malefcios que vm embutidos numa tragada. Para mim o segredo est em substituir no por comida, mas sim por esporte. J gostava de correr, entrei no yoga e meses depois engravidei.A fi cou mais fcil. Em junho deste ano faz 3 anos, s vezes ainda me d uma vontade, confesso, principalmente quando rola uma cervejinha, afi nal nin-gum fuma porque no gosta, eu tambm gostava. Mas digo que at a ressaca sem cigarro ouro! E a que entra a sua escolha, seu poder de deciso. Trabalho minha mente para ser mais forte que isso, eu determino o que quero fazer, e no o cigarro determina se devo fumar! Minha sade agradece!

    Maila Ztola (Empresria / Troop Estdio de Comunicao)

    Comecei a fumar muito cedo, quando ainda era adolescente. O cigarro era meu apoio e motivo de interao. Anos mais tarde surgiu a preocupao com a pele, pois sempre reparava nos fumantes de longa data, com a pele sem vio e muito enrugada. No queria isso para mim. A gota dgua foi quando me dei conta que estava fumando h mais de uma dcada e eu estava apenas comeando a vida adulta! Esse fato me deixou to assustada que nem precisei do auxlio de especialistas, adesivos e chicletes. Ainda fi quei um ano no proces-so de parar mas deu certo. Lembro bem quando meu olfato comeou a voltar. Hoje no gosto do cheiro de cigarro e posso senti-lo a quilmetros de distncia. Meu maior prazer voltar para casa sem cheiro na roupa.

    Helena Odebrecht Kuckuck (Publicitria)

    A vontade de parar de fumar surgiu quando o cheiro de cigarro que fi -cava nas mos, cabelos e roupas comeou a me incomodar. Ento, houve um feriado de pscoa que fi z uma viagem entre amigos e decidi no levar cigarro. Dali em diante no coloquei mais cigarro na boca! Foi uma luta grande entre o desejo e a necessidade. Durante um perodo tive que me afastar um pouco dos amigos, pois a maioria deles so fumantes. Precisei evitar encontros que tinham bebidas alcolicas. Mas hoje, depois de 3 anos sem fumar, notvel a melhora da pele, rinite alrgica e problemas respi-ratrios sumiram! Sem contar que largar o vcio do cigarro fez com que au-mentasse a busca pela qualidade de vida e a consequncia disso foi perda de peso. Para os que esto na luta, posso dizer com toda certeza: melhor que acender um cigarro a sensao de estar livre desse mal.

    Clarissa Ristow

    Comecei a fumar de bobeira aos 18 anos, primeiro era s na balada, depois era um cigarrinho entre uma aula e outra no corredor facul-dade e assim se passaram 10 anos. Eu queria parar de fumar, porm apenas o fato de eu ter bronquite asmtica no era sufi ciente para eu deixar o pigarrinho . Foi ento que comecei a namorar um no-fumante-totalmente-contra que reclamava cada vez que eu acendia um cigarro. Como eu morava em Curitiba e ele em Balnerio Cam-bori, nos vamos apenas nos fi nais de semana. Comecei a deixar de fumar s quando estava com ele e aos poucos fui percebendo que conseguia fi car mais tempo sem fumar. Hoje, faz mais de 2 anos que parei de fumar. No digo que nunca mais senti vontade, mas aprendi a me controlar. Perder o hbito de fumar o mais difcil no comeo. Estou morando na China, um pas onde permitido fumar em qualquer lugar e, na boa, sair fedendo cigarro dos lugares (bares, restaurantes...) nojento.

    Fernanda Rissi

    Parei de fumar de uma forma incomum: do nada, sem demonizar o cigarro e sem qualquer tipo de neuras ou co-branas mais agressivas. Eu j andava me incomodando com o cheiro que fi cava na roupa/cabelo/mos/boca, e foi numa noite sem cigarros, horas antes de viajar com o meu pai (18 anos sem fumar) que eu decidi no fumar na estrada. Chegando no destino, decidi no fumar durante o resto do dia, que virou um fi nal de semana, depois o ms, e est pra completar o primeiro ano. Pra no ser mentiro-so, acendi dois cigarros nesse meio tempo, e no me deu vontade de voltar. Mas como eu disse antes, no descarto voltar a fumar um dia ou outro, gosto do cigarro, apenas acho que no tem a ver com o meu estilo de vida agora. E tenho certeza que essa postura mais tranquila comigo mesmo ajudou muito a me fazer ver que eu no tenho um problema com o fumo.Kenzo Miura

    ESPECIAL LiberdadeDepoimentos de ex-fumantes

  • 54

    C&A JORGE BISCHOFF COR DE ROSA

    RECCO MARISA FORUM

    SCHUTZ BOBSTORE ALEATORY

    GANG M.OFFICER COL BLANC

    NIGHTFASHION

  • O Sempre Lifestyle um evento que rene moda, cultura, tendncias e comportamento. A edio de 2014, foi nos dias 1 e 2 de abril, com a apresentao da jornalista Tata Fromholz e convidados: Dr. Dieta, Eduardo Baruch, Ricardo Flores, Bruna Radtke, Nathlia S, Tacca Neto, Alex Ferrer e Flvia Bucker.

    55

  • NIGHTFASHION

    Desfile de lanamento da c

    oleo Fitness Mardu.

    O evento aconteceu na noit

    e de quinta, 3 de

    abril e contou com a presen

    a de Letcia Weiss,

    bailarina do Fausto. Gosto

    u? Ento v at a

    loja em Ilhota, na Rua Pedr

    o Castellain, 226.

    47 . 3343-1885

    56

  • NIGHTCLUB

    58

  • As duas festas do feriado de Pscoa do Green

    Valley apresentaram grandes nomes da

    msica eletrnica nacional e internacional.

    Dia 19 a atrao principal foi o duo W&W,

    indito no club, alm do projeto Digitaria, e

    de FTAMPA. No dia 20, domingo, a decorao

    circense especial na festa assinada pela Carpe

    Vita impressionou apresentando malabares,

    acrobatas e bailarinos ao som de Tocadisco,

    Keemo, Mik Silva e o projeto A Liga.

  • 60

    NIGHTPARTY

  • A Shed para um pblico que tem em si: alegria, sofisticao, prazer em estar em um ambiente requintado com quali-dade de relacionamento e servios premium. A casa nasceu para atender aos clientes com um nvel de exigncia muito alto e que sabem o que querem.

    61

  • 62

    Ms inteiro em festa. Aqui

    o

    sertanejo acontece de verd

    ade, pois

    so as duplas mais consagr

    adas

    que esto na casa mais bad

    alada

    da nossa regio. Na pgina

    ao lado,

    o Woods preparou a festa t

    emtica

    Welcome on Night in Las Ve

    gas.

    NIGHTPARTY

  • ESTRELAS

    63

  • CANTAR

    64

    NIGHTPARTY

    O friozinho chegando e o TAJ j preparou uma programao super especial para esquentar as noites de inverno. A badalada Fei-joada do TAJ j est programada para o dia 7 de junho. Em julho a vez de comemorar o aniversrio do TAJ no dia 27. Para os amantes dos anos 80, no dia 22 de agosto, noite de Flash Back com o convi-dado especial KID VINIL.

    O friozinho chegando e o TAJ

  • 66

    NIGHTCLUBHAPPYDAY

    Sim, ns ficamos muito feliz

    es com a sua

    presena na festa de comem

    orao dos

    16 anos do Night e Cia. Em p

    arceria com o

    Woods trouxemos o cantor

    Lucas Lucco que

    foi a grande atrao da noi

    te. Obrigado por

    voc estar conosco mais um

    ano!

  • 70

  • FOTO

    S EM

    ERSO

    N TO

    UCHE

    Feriado de Pscoa no Warung contou com Hernam Cattaneo, Solomun e outras atraes.Por aqui, um pouco do dia 18, sexta.

    71

  • 72

    NIGHTPARTY

    O Didge Steakhouse traz o

    melhor do autntico pub

    australiano. Alm da incrv

    el

    gastronomia, tem tambm

    msica ao vivo.

    Confira a agenda no site

    nightecia.com.br.

  • 74

    Aqui sempre vero. sempre calor. O Sky Beach est acontecendo a todo tempo. E est uma delcia!

    NIGHTPARTY

  • 76

    A casa que traz as atraes mais quentes! A WS Brazil gosta de animao e por isso que tem como principal objetivo animar os nossos fins de semana.

  • Na sexta, 11 de abril aconteceu no no Marias Pub a VI Tourada da MED, realizada pelos acadmicos de Medicina, da Univali.

    NIGHTPARTY

    MariasPub. .

    MariasPub. .

    78

  • NIGHTROCK

    Sempre com as melhores bandas de rock, o Greenwich Pub ainda um lugar que oferece deliciosa gastronomia.

    80

  • NIGHTPARTY

    Com atraes ao vivo, o Bowl Club se consagra como melhor lugar para jogar boliche e aproveitar uma deliciosa noite de msica. Por aqui, quem fez a diverso foi o stand up comedy com As Aventuras de Darci.

    82

  • 84

    Com estrutura perfeita para eventos, como este casamento que aconteceu no ms de abril e ilustra a pgina junto com outras festas. O Cabral da Ilha conta com 180 lugares na parte interna e na parte externa proporciona aos clientes um ambiente agradvel, com quiosques e atendimento na praia.

  • NIGHTDINING

    O Japa Temakeria traz o melhor da culinria japonesa e ainda abre espao para DJs locais mostrarem seus trabalhos.

    86

  • 88

    A culinria japonesa nos reserva surpresas fantsticas de sabores, cores e aromas tudo elaborado verdadeiramente como arte sobre pratos. Experimente algumas maravilhas da comida japonesa no Sushi Ya!

    NIGHTDINING

  • 90

    NIGHTDINING

    O Brava Sushi est expandindo. Logo ter um novo espao em Blumenau e ns estamos super na expectativa!

  • NIGHTDINING

    A culinria japonesa tornou-se paixo nacional. Procurada por muitos que seguem uma dieta com menor teor de gordura, alguns alimentos so benficos. Conhea os sabores do Kawaii.

    92

  • 94

    FOTO

    S FAB

    IO LA

    NCIN

    E

    NIGHTDINING

    Os fortes sabores das comidas tpicas do Mxico esto aqui no Guacamole. E ainda traz toda cor, toda alegria, todo agito da tradio mexicana.

  • 98

    Na Casa Revol todos os sabores da cultura con-tempornea so bem-vindos. Voc tambm. Aqui, no existem paredes para as experin-cias. Todos os espaos foram projetados para voc explorar o sabor, no sentido mais amplo da sensao. O elegante e o underground se encontram. O clssico e o hype se misturam. Deve ser por isso que a Casa vive cheia de gente interessante. Boa msica, temperos sur-preendentes, cores e formas deliciosas. Entre e deguste sua maneira.