Revista O Comércio - Edição Pôster

  • Published on
    22-Mar-2016

  • View
    220

  • Download
    6

DESCRIPTION

Edio Pster do Palmeiras Campeo da Copa do Brasil de 2012

Transcript

  • A Servio da Comunidade.

    REV

    ISTA

    Lenis Paulista 14 de Julho de 2012 Edio Pster Ano 2 Edio N 32

    A torcida na Capa

    As lenoenses Isabela Caroline Pereira e Jssica Quadrado expressaram a paixo de torcer pelo alviverde. Isabela tem 13 anos e estudante. Para ela, o Palmeiras traduz garra. Jssica tem 21 anos e es-tudante de Fisioterapia. Ela diz que torcer pelo Verdo um sentimento inexplicvel que garante a unio de toda sua famlia. O ensaio foi realizado nos estdios Cntia Fotografias e a Sport Shoes cedeu as ca-misas que as garotas vestiram com o or-gulho de torcer pelo time brasileiro com mais ttulos nacionais. Avante, Palestra!

    O alviverde imponente Nossa festa

    Pster

    Grtis

    Pgina inte

    rna

    S. E. PALMEIRASCampeo da Copa do Brasil 2012

    A espera durou 12 anos. Tempo que o torcedor pal-meirense ficou na fila para comemorar mais um ttu-lo nacional. H quem di-ga que o nmero 11 vai se tornar o nmero de sor-te dos palmeirenses, pois no dia 11 de Julho aps 11 partidas, o clube levantou a taa do 11 ttulo nacio-nal da sua histria.

    Com a conquista, o Pal-meiras ampliou a vanta-gem sobre o Santos, sendo o time com maior nme-ro de ttulos nacionais; so eles: oito Brasileiros (60, 67, 67, 69, 72/73 e 93/94), duas Copas do Brasil (98 e 2012) e uma Copa dos Campees (2000). O alvi-verde est frente dos ri-vais de todo pas.

    O ttulo invicto da Co-pa Kia do Brasil 2012 foi celebrado com emoo e festa. O elenco foi recep-cionado pelos torcedores no aeroporto de Congo-nhas e seguiu em um trio eltrico desfilando pelas ruas de So Paulo. A co-memorao encerrou na Academia de Futebol, on-de um a um dos jogado-

    res foram homenageados. O ex-goleiro Marcos,

    dolo do time, tambm es-teve presente na festa. Pe-la primeira vez, desde que pendurou as luvas, come-morou um ttulo alviverde como torcedor.

    Com a conquista, o Pa-lestra Itlia garantiu uma vaga na Taa Libertadores da Amrica de 2013.

    A imensa nao pales-trina de Lenis Paulista est em clima de festa. No dia da conquista do ttulo, os palmeirenses saram s ruas e comemoraram ma-drugada adentro. Mas a festa no acabou.

    De acordo com Marcos Rogrio e Evandro Barbosa, o Paulista, uma grande co-memorao alviverde est

    sendo preparada. Ser um jantar com grandes surpre-sas. Vamos nos reuniar pa-ra celebrar a existncia do maior campeo nacional, comenta o torcedor. A co-memorao ser no prxi-mo ms, ainda sem data de-finida. Os interessados de-vem reservar seus convites pelos telefones 8137-7022 ou 9171-1330.

  • Copa do Brasil 20122 Lenis Paulista 14 de Julho de 2012 Lenis Paulista 14 de Julho de 2012 3Copa do Brasil 2012

    EDITORA RESPONSVEL: Gazeta Paulista Empreendimentos Editoriais Ltda. | CNPJ: 01.782.039/0001-70. COMERCIALIZAO E PRODUO: Bistr Servios de Publicidade Ltda. - ME. Rua 13 de Maio, N 1.347, Centro, Lenis Paulista, CEP: 18683-370, CNPJ: 10.744.028/0001-97. TIRAGEM: 5.000 exemplares. CIRCULAO: Agudos, Borebi, Lenis Paulista e Macatuba.DIRETORES: Anderson Prado de Lima e Breno Medola. JORNALISTA RESPONSVEL: Mait Amaral de Almeida Arantes (MTB 67.411/SP). REVISTA O COMRCIO: (14) 3264-8187 e 3263-6886 | ocomercio@revistaocomercio.com.br | www.revistaocomercio.com.br. Artigos assinados so de responsabilidade de seus autores, portanto, podem corresponder ou no opinio desta revista.

    Foto

    : Dan

    ilo Ve

    rpa/

    Folh

    apre

    ss

    Z Lencie PedroVerdo Forever

    To eCris

    Sandro GaravelliNB Consultoria Financeira

    DorivalJnior Formigo

    Carlos MorelliNatlia e Isadora

  • Copa do Brasil 20122 Lenis Paulista 14 de Julho de 2012 Lenis Paulista 14 de Julho de 2012 3Copa do Brasil 2012

    EDITORA RESPONSVEL: Gazeta Paulista Empreendimentos Editoriais Ltda. | CNPJ: 01.782.039/0001-70. COMERCIALIZAO E PRODUO: Bistr Servios de Publicidade Ltda. - ME. Rua 13 de Maio, N 1.347, Centro, Lenis Paulista, CEP: 18683-370, CNPJ: 10.744.028/0001-97. TIRAGEM: 5.000 exemplares. CIRCULAO: Agudos, Borebi, Lenis Paulista e Macatuba.DIRETORES: Anderson Prado de Lima e Breno Medola. JORNALISTA RESPONSVEL: Mait Amaral de Almeida Arantes (MTB 67.411/SP). REVISTA O COMRCIO: (14) 3264-8187 e 3263-6886 | ocomercio@revistaocomercio.com.br | www.revistaocomercio.com.br. Artigos assinados so de responsabilidade de seus autores, portanto, podem corresponder ou no opinio desta revista.

    Foto

    : Dan

    ilo Ve

    rpa/

    Folh

    apre

    ss

    Z Lencie PedroVerdo Forever

    To eCris

    Sandro GaravelliNB Consultoria Financeira

    DorivalJnior Formigo

    Carlos MorelliNatlia e Isadora

  • Valdivia Meia19 de Outubro de 1983 29 anos

    Mazinho Meia16 de Outubro de 1987 24 anos

    Barcos Atacante11 de Abril de 1984 28 anos

    Thiago Heleno Zagueiro17 de Agosto de 1988 23 anos

    Marcos Assuno Volante25 de Julho de 1976 36 anos

    Luan Atacante21 de Setembro de 1988 23 anos

    Maikon Leite Atacante3 de Agosto de 1988 23 anos

    Copa do Brasil 20124 Lenis Paulista 14 de Julho de 2012

    O caminho para a glria

    A FamliaScolariFelipo Tcnico9 de Novembro de 1948 63 anos

    Pela segunda vez comanda o Palestra Itlia. In-cendiou o grupo e blindou o departamento de fu-tebol com pessoas de confiana. Mesmo com um time cheio de limitaes, armou uma defesa con-sistente e centralizou o que pde.

    Bruno Goleiro27 de Junho de 1984 28 anos

    Revelado nas categorias de base do prprio Pal-meiras, foi um dos principais responsveis pela campanha arrasadora nos mata-matas. Aps o jo-go final, ajoelhou em campo e chorou. Emocio-nado disse que o ttulo tambm era de Marcos.

    Juninho Lateral11 de Janeiro de 1990 22 anos

    O ala chama ateno pelas arrancadas e assistn-cias certeiras. Na Copa do Brasil fez a torcida es-quecer a dor de cabea com outros atletas que passaram por essa posio. Finalmente, um la-teral-esquerdo conseguiu se firmar como titular.

    Henrique Zagueiro14 de Outubro de 1986 25 anos

    chamado de xerifo alviverde. Quando retornou ao Palestra Itlia no ano passado, chegou desacre-ditado (passou pelo clube em 2008, mas mostrou pouco futebol). Foi o brao de confiana de Felipo atuando como primeiro homem de meio-campo.

    O chileno anotou o gol de empate contra o Gr-mio. E, no primeiro jogo decisivo balanou as re-des novamente. Dedicou a conquista famlia, amigos, jogadores e milhes de palmeirenses pe-la fora nos ltimos acontecimentos.

    O talism do tcnico Felipo, atacante e veloz . Chegou ao Palmeiras no comeo de maio com o apelido de Messi Black. Mostrou seu carto de visita nas oitavas de final com dois gols e uma assistncia na goleada por 4 a 0 sobre o Paran.

    O Pirata marcou 14 gols em 30 jogos com a ca-misa alviverde; quatro foram na Copa do Brasil. Anotou um contra o Grmio, nos acrscimos, na importante vitria no Olmpico. Ficou fora da grande final, pois sofreu uma crise de apendicite.

    Saiu desacreditado do Corinthians e Cruzeiro. Passou por cirurgias nos dois ps em 2011, vol-tando a jogar este ano. Marcou o gol na primeira partida da final, coroando seu retorno e empur-rando o Palmeiras to cobiada taa nacional.

    Capito, cobrador de faltas e escanteios; o por-to seguro para Scolari. Quando o time viveu mo-mentos difceis em 2010 e 2011 foi um dos poucos poupados pelas crticas da torcida.Levantou a ta-a e finalizou: misso dada misso cumprida.

    Seja na marcao incansvel ou no faro de gol, o canhoto virou um dos preferidos da torcida. Em 2011 operou a perna e vem se recuperando de uma sries de leses. No ltimo jogo da final en-trou no 2 tempo para celebrar o ano do retorno.

    O atacante pode ser considerado importante pea na conquista do ttulo. Diante do Atltico-PR, no jogo de ida, marcou o gol de empate em Curitiba; e na volta, deu assistncia para o gol de Henrique na classificao aps vitria por 2 a 0.

    Joo Vitor VolanteTitular na fase final da Copa do Brasil se redimiu com aqueles que um dia quase o fizeram deixar o Palmeiras.

    Betinho AtacanteSubstitui Barcos nos dois jogos a final. Logo aps o gol dos rivais na volta, desviou cobrana de falta de Marcos Assuno e garantiu o ttulo alviverde.

    Para a equipe coman-dada por Luiz Felipe Sco-lari, a trajetria do ttulo invicto da Copa do Bra-sil foi cercada de incer-tezas, emoes e proble-mas (leses, suspenses e imprevistos extra-cam-po). Foram 11 partidas com momentos que para sempre ficaro registra-dos na memria do tor-cedor palmeirense.

    Quando o Verdo, pelas oitavas de final, foi a Curi-tiba enfrentar o Paran, o elenco estava desacredita-do. Trs dias antes, tinha sido eliminado pelo Gua-rani nas quartas de final do Campeonato Paulista; mostrando um time cheio

    de deficincias. Torcedores protestaram, pediram a sa-da do Felipo e xingaram a maioria dos jogadores.

    Em um jogo tenso fo-ra de casa, contra o Para-n, o alviverde garantiu a vitria. E no jogo de volta, anotou um 4 a 0, selando assim a classificao para as quartas, onde enfrentou o Atltico-PR . Mesmo de-sacreditado, o Palmeiras estava na semifinal.

    Treze de junho; Rio Grande do Sul, Porto Ale-gre, Estdio Olmpico. O primeiro jogo da semifi-nal foi a prova de fogo da Famlia Scolari. Ao mes-mo tempo que o alviverde sofria a presso da equipe

    e da torcida gacha, vivia o drama do sequestro-re-lmpago sofrido por Valdi-via. Os companheiros pro-meteram jogar por ele; e cumpriram. Barcos e Ma-zinho formaram o placar de 2 a 0 calando mais de 20 mil gremistas. No jogo de volta, por ironia, o au-tor do gol da classificao foi Valdivia. A prxima e ltima batalha seria con-tra o Coritiba, o mesmo ti-me que eliminou por 6 a 0 o Verdo da Copa do Bra-sil no ano passado. Mui-tos jogadores e torcedores ainda estavam engasgados com aquela derrota.

    Primeira partida da fi-nal e outro drama: o arti-

    lheiro Barcos tem uma cri-se de apendicite e desfal-ca o elenco. Mais uma vez o grupo se une e promete uma vitria para o compa-nheiro. O resultado foi 2 a 0 na Arena Barueri com a comemorao do El Ma-go homenageando O Pi-rata. S faltava um jogo.

    Dia 11 de julho, Couto Pereira, Curitiba. Palmei-ras sofreu presso e tomou o primeiro gol. Mas, com um desvio de cabea de Be-tinho na cobrana de falta de Marcos Assuno, o Al-viverde empatou. Segundo tempo, 49 minutos, o rbi-tro apita o final da partida. Pronto, o campeo do s-culo est de volta ao topo.

    Palmeiras x Coruripe-AL Palmeiras x Horizonte-CE

    Primeira Fase segunda Fase

    Palmeiras x Grmio Palmeiras x Coritiba

    FinalsemiFinal

    Palmeiras x Paran Clube Palmeiras x Atltico Paranaense

    Quartas de FinalOitavas de Final

    Gilson LazariLucas e Larissa

    Vicente Bento de OliveiraAdvogado

    WilsonPacheco

    CristianoMedolaBreno, Carla e Lo